Arquivo da categoria: sociedade

Runaway train

First of all, this is not a composition about this 1992 Soul Asylum’s song, we past the middle of the first decade of XXI century and USA is far from settle the bullying problems, especially after voting for Trump, a compulsory bully.

I rather use something that I like: anime. Then, second, I will take the anime “Youjo Senki” as a reference, please, serve yourself.

Quoting Wikipedia: “In Tokyo in 2013, a poor performing salaryman is fired, and later, pushes the heartless supervisor who fired him in front of a train. As the supervisor falls, time stands still and he hears the words of God coming from the people at the station”.

So here I am, at subway station, watching my watch [no pun intended], worrying about lack of time, worrying about my appointment when, suddenly, I feel my body floating after a hard push in my back. Fear and horror are stamped in many faces, only one is smiling, in victory and the voice of this man sounds like thin can, talking something about punishing the sinners and infidels.

Please, take note, reader, even you think is irrelevant: the man can be anyone who confesses a monotheistic religion, Abrahamic religions, with that sadistic, jealous and bloody bastard God. So, judge, here is my complain: I was pushed to face Death because some moron think I am a sinner [there is no such thing] and an infidel, even me being a good modern pagan and very devoted to my Lord and Lady. I haven’t chance to defend myself. I rest the case.

Fear not, reader, because I haven’t. In this seconds that last a day, I was wondering if this is just a way to meet Tanya again. Well, she was there, shouting to me something like: “don’t disappoint me, master Weinberg”. And then all gone, after some pain and the feeling of being dismembered.

Fade in, fade out, black in, black out. I can’t count how many times this skill is used in movies. This is something unbelievers don’t understand. As the music “Snakedriver” from JAMC says: “If I wake up dead I’ll wake up just like any other day”. I just wake up and open my eyes as if it was another day. I feel funny and I don’t recognize my surroundings.

Let me describe how I see my actual environment. Green lines everywhere, some making what seems a path, others making what seems a box. Very much like a computer default location. Then, from the very borders of this, crossing a white wall [light?] appears a lad, with hooded jacket, jeans trousers, t-shirt and snickers.

[Jake]- Folks? Reunion! We got new place to run!

Slowly, other persons starting to show up, crossing through the white wall, from the “floor” or just appearing in middle of the “air”. I think I recognize them and I hope the reader too, but I will decline: they are characters of well know game called “Subway Surfers”.

[Tricky]- What will be our place to run, Jake?

[Jake]- Since we are at the World Cup, we will run in Moscow, Russia.

[Tricky]- That’s great! Hey, Alex, we will run in Moscow!

[Alex]- Velikolepnyy!

[Tricky]- What did she said?

[Jake]- That will be awesome!

[Lucy]- Hello. You must be the new character unlocked.

[Me]- I think so. What this is all about?

[Lucy, laughing]- Come with me, rookie. Jake will explain it all.

[Jake]- Hello, newcomer! What is your name?

[Me]- Do I have to choose a name?

[Lucy]- Of course! Otherwise, how we can call you?

[Me]- Then I choose Ubiratan.

[Tricky]- How exquisite!

[Jake]- Very peculiar.

[Lucy]- Very sexy…

[Jake]- Well, Ubi, all you have to do is to run as soon as the race starts.

[Me]- Run? To where? For what?

[Tricky, laughing]- Just run forward. Run away from the subway inspector.

[Lucky]- Speaking about the Devil, here he comes!

[Inspector]- I will get you, brat!

[Jake]- Run, folks! Don’t forget to jump, roll and dodge from the obstacles!

A man, big, fat and dumb, get closer and closer. Jake, Tricky and Lucy were far ahead, running. I stand still, regardless, facing him with a blank expression. When he get really close and spread his arms, I just use one of the hapkido techniques that I know. He screams in pain, starts to cry like a baby, while I hold his wrist in one hand and his face in the ground.

[Jake]- What are you doing, newcomer?

[Me]- I am giving him something to think about before hunting us.

[Jake]- This is not what we do. We run. Let’s try again, ok?

Tricky helps the inspector to stand up and she looks worry about him.

[Tricky]- He is part of the crew. Don’t do that again.

[Lucy]- That was impressive, though. You must meet my brother, Spike.

[Tricky]- Don’t support him, Lucy. We are not a fighting game.

[Lucy, rolling eyes]- Ay, ay, captain!

[Jake]- Ok, let’s start!

They start to run ahead, jumping, rolling and dashing. I follow behind, being avoided by the inspector. Suddenly, I see a barrier in my way. It comes to my head the simplest way to get over it, getting through it. I just break the barrier in two.

[Jake]- What are you doing, newcomer? You have to jump, roll or dodge it!

[Me]- Well, I break it. It seems easier that way.

[Tricky]- Don’t do this. We will have to pay for it. Barriers are property of our company.

[Lucy]- I wonder want more the newcomer knows to do.

[Jake]- Focus, folks! We are about fulfilling a mission!

[Me]- What was that?

[Tricky, rolling eyes]- We have missions to fulfill. Each time we realize that, we get prizes, like coins, head starts, score points multipliers and so on.

[Me]- I guess this is the payment we get.

[Lucy]- Right! You can also unlock another suit or board.

[Me]- This running never ends?

[Jake]- You are out of run if the inspector gets you. Like Tricky right now.

[Me]- Even he gets all of us. The run will start again and again. Do we have a spare time? To rest, to eat, to do something else?

[Jake, thinking]- I never think about that. We are out of game when inspector gets us. Then I think we have a spare time.

[Lucy, rolling eyes]- Don’t mind of Jake. He is the veteran, but he is not the most brilliant of us. Out of game we have a place to stay. We even have a city where we live. We call it Kiloocity.

Eventually the inspector gets us all. The game closed and we went to other dimension. A big dimension, where you can see a lot of cities that the characters have already runned. In the center of it, lies the Kiloocity, where the characters can eat, rest and do something else.

[Lucy]- Here it is, Ubi. Come with me! Let’s meet the other crew. Come with me and I will introduce you to my brother.

There are something in her eyes that makes me suspect about her intentions. But I was tired, thirsty and hunger.

[Lucy]- Hey, Spike, come to see the newcomer!

[Spike]- Newcomer? I will punch his face.

[Lucy]- I dare you.

[Spike]- What was that? Are you daring me? What is he? Your boyfriend?

[Lucy, drooling]- Maybe…

[Spike]- Oh, fuck. Good. Now I have a very good reason to kick your ass.

Spike gets out of their home and went straight to me, with his punk attitude. He looks very menacing in game, but looking at him now, he looks shorter than me. He throw his best punch at me [not even he hit would hurt me], but he ends in the floor, unconsciousness.

[Lucy]- Wonderful. Spike needed that. Come on. Let’s have lunch time in my home.

I walked inside the house, with walls surrounded with punk bands posters everywhere.

[Lucy]- We have pasta and pizza. I think that we have beer, too.

In a matter of minutes, she get back to the main hall, with two dishes, covered with pasta and pizza, holding two beers in teeth.

[Lucy]- Here is for you. This one is for me. Cheers.

The pasta and the pizza have an amazing taste. I drink four bottles of beer, nothing that I couldn’t take, but Lucy was already drunk.

[Lucy]- Hey, Ubi… you are from Brazil, aren’t you?

[Me]- Yes, I am. Why?

[Lucy]- Well… everyone knows about the Latino reputation. I want to check this out. Before the others girls have it.

Lucy jumps from the couch, get down in her knees in the floor and before my very own eyes, she unzipped my pants and take out my Little Friend.

[Lucy]- Mother of Gods! Look at it! It is not possible!

[Me]- Lucy, you are sure about this?

[Lucy]- Yes, my dear. I want it. I need it.

Needless to say that she play a lot with it, with her hands, lips, tongue and mouth. When she takes out her dress and panties, she was already wet.

[Lucy]- Ohboyohboyohboy… I never feel something like this. This thing will tear me apart, but I don’t care.

She come over me and start to ride me, making that love noises we know very well. I think she come trice before I blow away, inside her, my creamy load. She collapsed, passed away and lied in the floor, with a large smile in her face, with some of that white hot goose sprouting from her insides.

I have to find a way out of here. I know where it lends. Soon or later, the other girls will want to have the same. I don’t need more bad reputation.

Anúncios

Dois mil anos de trevas

Das catacumbas aos palácios.

Ficção com base em fatos históricos.

Ultimo Ato.

Respeitável público, sejam bem vindos ao ato final. Eu devo admitir que eu acabei adormecendo sobre os papéis desse roteiro, borrado com a tinta que eu derramei. Esta foi uma longa saga, descrever em poucos capítulos mais de trezentos anos de história. Todo escriba passa por esta fase. Toda estória começa e termina. Mas eu não sabia como arrematar esta encenação sem deixar a impressão que é algo que terminou. Nisso a Literatura e a História contrastam, pois o processo histórico contém diversos atores e ações que convergem para aquele momentum onde se convenciona o início de outra era.

Então não existem “culpados”, “inocentes” ou “vítimas”. Cada pessoa participou, consciente ou não, do processo histórico que culminou com a consagração do Cristianismo como a única religião oficial permitida no Mundo Conhecido. Nós podemos falar de dois agentes históricos que deram contribuição significativa: Flavio Valério Constantino [Imperador Constantino] e Flavio Teodósio Augusto [Imperador Romano]. Mas mesmo isso teria sido insuficiente, depois da Queda do Império Romano, mas essa é outra [hi/e]stória.

Eu despertei com estranha sensação nas minhas partes pudentas e despertei vendo uma garota, de longos cabelos cacheados loiros, olhos com heterocromia e pele curtida de sol, se refestelando com meu pobre companheiro. O rosto dela estava avermelhado, denunciando que ela estava excitada e gostando de me sugar, até que seus olhos arregalaram e suas bochechas incharam. Gotas de material líquido, gelatinoso, esbranquiçado, espirraram pelos vãos da boca e nariz. Aquilo ainda jorrou mais três vezes por cima de seu rosto, ombros e colo, enquanto ela tentava recuperar o fôlego, tossindo e cuspindo.

[engasgo, tosse]- Agh! Quer me matar, escriba?

– Ketar! O que você faz aqui?

– Eu pensei em reclamar da forma como você me aposentou e apagou a estória em que eu sou a atriz principal.

– Eu não apaguei. Meu livro “Hieródulo” ainda pode ser achado e lido na Bookess.

– Foi o que Alexis disse. Mas mesmo assim eu vim te ver, porque surgiram boatos que você está tendo dificuldades com seu… companheiro. Eu não te permito isso, escriba. Seu companheiro não é somente um belo espécime fornecedor de prazer, mas é também sua ponte, seu medianeiro, entre o Mundo dos Homens e a Quinta Dimensão. Eu fico aliviada que ele continua firme e forte.

– Ketar, eu não posso mentir [???], eu estou para completar 53 anos e a minha expectativa é de ficar no Mundo dos Homens no máximo por mais 35 anos. Eu estou ficando a cada dia mais cansado, mais dolorido, mais desanimado, mais fraco. Meu companheiro não é diferente, ele eventualmente vai “morrer”. Eu terei que me ocupar com outra coisa que não escrever.

– Isso é o que você diz, mas seu amigo diz outra coisa. Impressionante! Duro como rocha e grosso como tronco, mesmo depois de esvair tanta essência.

– Por favor, Ketar, eu tenho que encerrar essa apresentação e o público está começando a olhar atravessado para nossa encenação!

– Quer terminar o teatro, termine. O público não verá coisa alguma que não tenha visto antes nesse palco. Eu que não vou desperdiçar a chance de me divertir com o seu… talento.

Sem cerimônia, sem vergonha, sem prurido, Ketar pula do chão para meu colo e começa a me cavalgar. Gritos, correria. Eu estou imobilizado, eu não posso fazer coisa alguma, senão deixar que Ketar sacie sua fome. Eu, coitadinho, pobrezinho, faço minha ultima cena desmaiando depois de verter o que sobrou do “creme de Santo Irineu” dentro dela.

*****************************************************************************

Constantino era um governante de grande importância histórica e sempre foi uma figura controversa. As flutuações na reputação de Constantino refletem a natureza das fontes antigas de seu reinado. Estas são abundantes e detalhadas, mas foram fortemente influenciadas pela propaganda oficial do período, e são muitas vezes unilaterais. Não há histórias de sobreviventes ou biografias que lidaram com a vida de Constantino e do Estado.

Nascido em Naísso, na Mésia Superior, filho de Constâncio Cloro e da filha de um casal de donos de uma albergaria na Bitínia, Helena de Constantinopla, Constantino teve uma boa educação — especialmente por ser filho de uma mulher de língua grega e haver vivido no Oriente grego, o que facilitou-lhe o acesso à cultura bilíngue própria da elite romana — e serviu no tribunal de Diocleciano depois do seu pai ter sido nomeado um dos dois césares, na altura um imperador júnior, na Tetrarquia em 293. Embora a sua condição junto de Diocleciano fosse em parte a de um refém, Constantino serviu nas campanhas do césar Galério e de Diocleciano contra os sassânidas e os sármatas. Quando da abdicação conjunta de Diocleciano e Maximiano em 305, Constâncio seria proclamado augusto, mas Constantino seria descartado como césar em proveito de Valério Severo (também conhecido modernamente como Severo II, título que jamais usou, para não ser confundido com o grande imperador do século anterior, Septímio Severo).

Pouco antes da morte do seu pai, em 25 de julho de 306, Constantino conseguiu a permissão de Galério para se reunir a ele no Ocidente, chegando a fazer uma campanha juntamente com Constâncio Cloro contra os pictos, estando junto do leito de morte do seu pai em Eburaco (atual Iorque) na Britânia, o que lhe permitiu impor o princípio da hereditariedade em seu proveito, proclamando-se “césar” e sendo reconhecido como tal por Galério, então feito “augusto” do Oriente. Desde o início de seu reinado, assim, Constantino tinha o controle da Britânia, Gália, Germânia e Hispânia, com sua capital em Augusta dos Tréveros, cidade que fez embelezar e fortificar.

Nos dezoito anos seguintes, combateu uma série de batalhas e guerras que o fizeram o governador supremo do Império Romano. Como Maximiano desejava retomar a sua posição de augusto, da qual se havia afastado a contragosto juntamente com Diocleciano, Constantino recebeu-o na sua corte e aliou-se a ele por um casamento em 307 com a filha de sete anos de Maximiano, Fausta, o que lhe permitiu ser reconhecido tacitamente como Augusto em 308 por Galério numa conferência tetrárquica em Carnunto (atual Petronell-Carnuntum na Áustria). Em 309, no entanto, Constantino enfrentaria o seu sogro, que tentava recuperar abertamente o poder, capturando-o em Marselha e mandando assassiná-lo. Em 310, Constantino seria formalmente reconhecido como Augusto por Galério. Severo havendo sido entrementes eliminado, em 307, por Magêncio, filho de Maximiano que se havia proclamado imperador em Roma, Constantino deveria acabar por enfrentar o seu cunhado para conseguir o domínio completo do Ocidente romano. Após uma série de mediações fracassadas e lutas confusas, Constantino, após apoiar o usurpador africano Lúcio Domício Alexandre, cortando o fornecimento de trigo de Roma, de 308 a 309, desceu em 312 até Itália para eliminar Magêncio.

Essas guerras civis constantes e prolongadas fizeram de Constantino, antes de mais nada, um reformador militar, que, para aumentar o número de tropas à sua disposição imediata, constituiu o cortejo militar do imperador (comitatus) num corpo de tropas de elite autossuficiente – um verdadeiro exército de campanha — principalmente pelo recrutamento de grande número de germanos que se apresentavam ao exército romano nos termos de diversos tratados de paz, a começar pelo rei alamano Croco II, que teve um papel decisivo na aclamação de Constantino como Augusto.

O facto de Constantino ser um imperador de legitimidade duvidosa foi algo que sempre influiu nas suas preocupações religiosas e ideológicas: enquanto esteve diretamente ligado a Maximiano, ele apresentou-se como o protegido de Hércules, deus que havia sido apresentado como padroeiro de Maximiano na primeira tetrarquia. Ao romper com o seu sogro e após o ter eliminado, Constantino passou a colocar-se sob a proteção da divindade padroeira dos imperadores-soldados do século anterior, Deus Sol Invicto, ao mesmo tempo que fez circular uma ficção genealógica (um panegírico da época. Para disfarçar a óbvia invenção, dizia, dirigindo-se retoricamente ao próprio Constantino, que se tratava dum facto “ignorado pela multidão, mas perfeitamente conhecido pelos que te amam”) pela qual ele seria o descendente do imperador Cláudio II — ou Cláudio Gótico — conhecido pelas suas grandes vitórias militares, por haver restabelecido a disciplina no exército romano, e por ter estimulado o culto ao Sol.

Constantino acabou, no entanto, por entrar na História como primeiro imperador romano a professar o cristianismo, na sequência da sua vitória sobre Magêncio na Batalha da Ponte Mílvia, em 28 de outubro de 312, perto de Roma, que ele mais tarde atribuiu ao Deus cristão. Segundo a tradição, na noite anterior à batalha sonhou com uma cruz, e nela estava escrito em latim: “In hoc signo vinces”.

De manhã, um pouco antes da batalha, mandou que pintassem uma cruz nos escudos dos soldados e conseguiu uma vitória esmagadora sobre o inimigo. Esta narrativa tradicional não é hoje considerada um facto histórico, tratando-se antes da fusão de duas narrativas de factos diversos encontrados na biografia de Constantino pelo bispo Eusébio de Cesareia.

No entanto, é certo que Constantino era atraído, enquanto homem de Estado, pela religiosidade e pelas práticas piedosas — ainda que se tratasse da piedade ritual do paganismo: o senado, ao erguer em honra a Constantino o seu arco do triunfo, o Arco de Constantino, fez inscrever sobre este que sua vitória se devia à “inspiração da divindade”(instinctu divinitatis mentis), o que certamente ia ao encontro das ideias do próprio imperador. Até um período muito tardio do seu reinado, no entanto, Constantino não abandonou claramente a sua adoração com relação ao deus imperial Sol, que manteve como símbolo principal nas suas moedas até 315.

Só após 317 é que ele passou a adotar clara e principalmente lemas e símbolos cristãos, como o “chi-ró”, emblema que combinava as duas primeiras letras gregas do nome de Cristo (“X” e “P” sobrepostos). No entanto, já quando da sua entrada solene em Roma em 312, Constantino se recusou a subir ao Capitólio para oferecer culto a Júpiter, atitude que repetiria nas suas duas outras visitas solenes à antiga capital para a comemoração dos jubileus do seu reinado, em 315 e 326.

A sua adoção do cristianismo pode também ser resultado de influência familiar. Helena, com grande probabilidade, havia nascido cristã e demonstrou grande piedade no fim da sua vida, quando realizou uma peregrinação à Terra Santa, localizou em Jerusalém uma cruz que foi tida como a Vera Cruz e ordenou a construção da Igreja do Santo Sepulcro, substituindo o templo a Afrodite que havia sido instalado no local — tido como o do sepultamento de Cristo — pelo imperador Adriano.

Mas apesar do seu batismo, há dúvidas se realmente ele se tornou cristão. A Enciclopédia Católica afirma: “Constantino favoreceu de modo igual ambas as religiões. Como sumo pontífice ele velou pela adoração pagã e protegeu seus direitos.” E a Enciclopédia Hídria observa: “Constantino nunca se tornou cristão”. No dia anterior ao da sua morte, Constantino fizera um sacrifício a Zeus, e até o último dia usou o título pagão de pontífice máximo (pontifex maximus). E, de facto, Constantino, até ao dia da sua morte, não havendo sido batizado, não participou de qualquer ato litúrgico, como a missa ou a eucaristia. No entanto, era uma prática comum na época retardar o batismo, que era suposto oferecer a absolvição a todos os pecados anteriores — e Constantino, por força do seu ofício de imperador, pode ter percebido que as suas oportunidades de pecar eram grandes e não desejou “desperdiçar” a eficácia absolutória do batismo antes de haver chegado ao fim da vida.

Qualquer que tenha sido a fé individual de Constantino, o facto é que ele educou os seus filhos no cristianismo, associou a sua dinastia a esta religião, e deu-lhe uma presença institucional no Estado romano (a partir de Constantino, o tribunal do bispo local, a episcopalis audientia, podia ser escolhida pelas partes de um processo como tribunal arbitral em lugar do tribunal da cidade. E quanto às suas profissões de fé pública, num édito do início de seu reinado, em que garantia liberdade religiosa, ele tratava os pagãos com desdém, declarando que lhes era concedido celebrar “os ritos de uma velha superstição”.

Esta clara associação da casa imperial ao cristianismo criou uma situação equívoca, já que o cristianismo se tornou a religião “pessoal” dos imperadores, que, no entanto, ainda deveriam regular o exercício do paganismo — o que, para um cristão, significava transigir com a idolatria. O paganismo retinha ainda grande força política — especialmente entre as elites educadas do Ocidente do império — situação que só seria resolvida por um imperador posterior, Graciano, que renunciaria ao cargo de pontífice máximo em 379 — sendo assassinado quatro anos depois por um usurpador, Magno Máximo. Somente após a eliminação de Máximo e de outro usurpador pagão, Flávio Eugénio, por Teodósio I é que o cristianismo tornar-se-ia a única religião legal (395).

O imperador romano Constantino influenciou em grande parte na inclusão na igreja cristã de dogmas baseados em tradições. Uma das mais conhecidas foi o Édito de Constantino, promulgado em 321, que determinou oficialmente o domingo como dia de repouso, com exceção dos lavradores — medida tomada por Constantino utilizando-se da sua prerrogativa de, como Pontífice máximo, de fixar o calendário das festas religiosas, dos dias fastos e nefastos (o trabalho sendo proibido durante estes últimos). Note-se que o domingo foi escolhido como dia de repouso, em função da tradição sabática judaico-cristã, o nome original em latim Dominicus, significa “dia do Senhor”.

Constantino legalizou e apoiou fortemente a cristandade por volta do tempo em que se tornou imperador, com o Édito de Milão, mas também não tornou o paganismo ilegal ou fez do cristianismo a religião estatal única. Na sua posição de pontífice máximo — cargo tradicionalmente ocupado por todos os imperadores romanos, e que tinha a ver com a regulação de toda e qualquer prática religiosa no império — estabeleceu as condições do seu exercício público e interferiu na organização da hierarquia quando convocado, seguindo uma prática, no que diz respeito aos cristãos, que já havia sido inaugurada por um imperador pagão, Aureliano, que fora chamado a arbitrar uma querela entre o bispado de Antioquia e o bispado de Roma, que excomungara Paulo de Samósata, bispo de Antioquia, por heresia. O imperador reafirmara o que já era do direito circunscricional da Igreja Romana — ou seja, que as igrejas cristãs locais, no que diz respeito a sua organização administrativa — inclusive quanto a eleição dos bispos — deveriam reportar-se à igreja de Roma, a capital.

A sua vitória em 312 sobre Magêncio resultou na ascensão ao título de augusto ocidental, ou soberano da totalidade da metade ocidental do império, reconhecida pelo pagão Licínio, único augusto do Oriente após a eliminação de Maximino Daia. A vitória de Constantino teve uma consequência militar imediata: Constantino aboliu definitivamente a guarda pretoriana, que havia sustentado Magêncio e, com ela, os interesses políticos da aristocracia italiana, substituindo-a por um corpo de tropas de elite ligadas à pessoa do imperador, as escolas palatinas, que, a partir daí, seriam o núcleo do sistema militar romano, enquanto os velhos corpos de tropa territoriais eram negligenciados. As escolas eram principalmente regimentos de cavalaria, que serviam como uma força-tarefa ligada à pessoa do imperador, e seu principal objetivo era garantir uma capacidade de ação imediata em caso de guerra civil ou externa; quanto às forças de defesa territorial, os limítanes, estas acabaram por se reduzir a uma mera força policial de fronteira, entrando em declínio imediato na sua capacidade combativa. O objetivo destas reformas militares era principalmente político, colocando a quase totalidade das forças militares móveis à disposição imediata do imperador — com a exceção de certas unidades territoriais que eram equiparadas às forças móveis e chamadas pseudocomitatenses — concentradas em áreas urbanas onde pudessem ser mantidas abastecidas pelos fornecimentos que eram agora a maior parte do soldo militar (os pagamentos em dinheiro, tornando-se recompensas esporádicas pagas aquando da ascensão ou dos jubileus de ascensão do imperador ao trono).

Quando Licínio expulsou os funcionários cristãos da sua corte, Constantino encontrou um pretexto para enfrentar o seu colega e, tendo negada permissão para entrar no Império do Oriente durante uma campanha contra os sármatas, fez disto a razão para derrotar e eliminar Licínio em 324, tornando-se imperador único.

Apesar da Igreja ter prosperado sob o auspício de Constantino, ela própria caiu no primeiro de muitos cismas públicos. Constantino, após ter unificado o mundo romano, convocou o Primeiro Concílio de Niceia, um grande centro urbano da parte oriental do império, em 325, um ano depois da queda de Licínio, a fim de unificar a Igreja cristã, pois com as divergências desta, o seu trono poderia estar ameaçado pela falta de unidade espiritual entre os romanos. Duas questões principais foram discutidas em Niceia (atual İznik): a questão da Heresia Ariana que dizia que Cristo não era divino, mas o mais perfeito das criaturas, e também a data da Páscoa, pois até então não havia um consenso sobre isto.

Constantino só foi batizado e cristianizado no final da vida. Ironicamente, Constantino poderá ter favorecido o lado perdedor da questão ariana, uma vez que ele foi batizado por um bispo ariano, Eusébio de Nicomédia (que não deve ser confundido com o biógrafo do imperador, Eusébio de Cesareia). A inclinação que Constantino e seu filho e sucessor na condição de augusto único, Constâncio II, demonstraram pelo arianismo, é bastante explicável, na medida em que ambos tentaram apresentar a figura do imperador como um análogo do Cristo ariano: uma emanação divina, reflexo terreno do Verbo. A tempestuosa relação de Constantino com a Igreja da época dá conta dos limites da sua atuação no estabelecimento da Ortodoxia: pouco antes de sua morte, em 335, ele mandou exilar, na capital imperial de Augusta dos Tréveros (Tréveris, o patriarca de Alexandria Atanásio, campeão da ortodoxia, por suas violentas atitudes antiarianas, e apesar do facto de que Atanásio continuou a ser perseguido pelos sucessores de Constantino, o abertamente ariano Constâncio II e o pagão Juliano, o Apóstata, foi a sua visão teológica que acabou por prevalecer.

Ao mesmo tempo em que velava pela unidade religiosa do império, Constantino quis resolver o problema da divisão da elite dirigente numa aristocracia senatorial com acesso exclusivo às “dignidades” (as velhas magistraturas republicanas, sem poderes ou responsabilidades, e transformadas numa mera hierarquia de status) e numa hierarquia burocrática de funcionários imperiais com funções administrativas efetivas e pertencentes à ordem equestre: após 326, os altos funcionários passam à pertencer à ordem senatorial (os clarissimi) e o número de senadores passa de 600 a 2.000, com os requisitos de entrada elevados (em Roma, os ex-questores deixam de ser senadores, e a entrada no senado passa a depender da pretura; na nova capital de Constantinopla, o acesso ao senado seria garantido aos ex-titulares do posto de tribuno da plebe, velha magistratura ressuscitada). Com a entrada do alto pessoal administrativo na ordem senatorial, quaisquer pretensões de independência política da velha aristocracia ficaram eliminadas; a escolha de todos os imperadores subsequentes seria feita exclusivamente na família do imperador ou através do exército. Em contrapartida, no entanto, Constantino parece haver cedido aos senadores no final do seu reinado o direito de elegerem, eles mesmos, questores e pretores e assim determinarem que pessoas queriam fazer ingressar na sua ordem, abandonando a prática da nomeação imperial de novos senadores, a adlectio. O senado, assim, se continuou sem o poder de fazer uma política própria, passou a ter o poder de estabelecer um “cadastro de reserva” da administração imperial. Por outro lado, paralelamente à carreira senatorial “padrão”, a qual se chegava pela eleição às magistraturas, forma-se uma carreira alternativa, pela qual indivíduos não oriundos da aristocracia tradicional se tornam automaticamente senadores ao serem nomeados pelo imperador para cargos de hierarquia senatorial. Por outras palavras: o título de senador passou a significar uma posição na hierarquia administrativa, e não uma função pública (excetuando-se, aí, o governo local de Roma). O que aconteceu com os senadores romanos foi apenas o exemplo mais notável do que aconteceu em todo o império com sua cristianização: as identidades culturais e políticas locais deixaram de contar diante da hierarquia burocrática central. [Wikipédia]

*****************************************************************************

Teodósio I, dito o Grande (nascido Flávio Teodósio, desde 19 de Janeiro de 379, em latim Dominus Noster Flavius Theodosius Augustus; à sua morte, Divus Theodosius (Coca, Hispânia, 11 de janeiro de 347 – Milão, 17 de janeiro de 395), foi um imperador romano desde 379 até à sua morte. Promovido à dignidade imperial após o Desastre de Adrianopolis, primeiro compartilhou o poder com Graciano e Valentiniano II. Em 392, Teodósio reuniu as porções oriental e ocidental do império, sendo o último imperador a governar todo o mundo romano. Após a sua morte, as duas partes do Império Romano cindiram-se, definitivamente, em Império Romano do Oriente e Império Romano do Ocidente.

No que diz respeito à política religiosa, tomou a transcendental decisão de fazer do cristianismo niceno ou catolicismo a religião oficial do Império mediante o Édito de Tessalónica de 380.

Teodósio promoveu o trinitarismo niceno dentro do cristianismo e o cristianismo dentro do Império Romano. A 27 de fevereiro de 380, declarou o cristianismo na sua versão ortodoxa a única religião imperial legitima, acabando com o apoio do Estado à religião romana tradicional e proibindo a ” adoração pública” dos antigos deuses.

No século IV, a igreja cristã estava dividida pela controvérsia sobre a divindade de Jesus Cristo, a sua relação com Deus Pai e a natureza da Trindade. Em 325, Constantino convocou o Primeiro Concílio de Niceia, que afirmou que Jesus, o Filho, era igual ao Pai, uno com o Pai, e da mesma matéria (homoousios em grego). O concílio condenou os ensinamentos do teólogo Ário: que o Filho foi criado inferior a Deus Pai, e que o Pai e o Filho eram de uma matéria similar, contudo não idêntica. Apesar da decisão do concílio, continuou a controvérsia. Na altura da ascensão de Teodósio, havia ainda algumas facções eclesiásticas que promoviam uma cristologia alternativa.

Embora nenhum dos principais clérigos do império tenham aderido explicitamente a Ário ou aos seus ensinamentos, ainda havia alguns que usavam a formula homoiousios, e outros que tentavam iludir o debate dizendo simplesmente que Jesus era como Deus Pai, sem falar de matéria. Todos estes não nicenos frequentemente eram denominados arianos pelos seus opositores, ainda que eles mesmos não se tenham identificado como tal.

O imperador Valente havia favorecido o grupo que usava a fórmula homoios; tratava-se da teologia predominante em grande parte do Oriente e, sob os filhos de Constantino, o Grande, introduziu-se no Ocidente. Teodósio, pela sua parte, seguia de perto o credo niceno que era a interpretação dominante no Ocidente e sustentada pela importante igreja de Alexandria.

A 26 de novembro de 380, dois dias após ter chegado a Constantinopla, Teodósio expulsou o bispo não niceno, Demófilo de Constantinopla, e nomeou a Melécio paratiarca de Antioquia, e Gregório Nacianceno, um dos padres capadócios de Antioquía, patriarca de Constantinopla.

Teodósio foi educado numa família cristã. Ele foi batizado em 380, durante uma doença severa, como era comum nos tempos dos primeiros cristãos. Em fevereiro desse mesmo ano, ele, Graciano e Valentiniano II fizeram publicar um édito deliberando que todos os seus súditos deveriam seguir a fé dos bispos de Roma e do patriarca de Alexandria (Código de Teodósio, XVI,I,2). A lei reconhecia quer a primazia daquelas duas instâncias quer a problemática teológica de muitos dos patriarcas de Constantinopla, que porque estavam sob a observação dos imperadores eram por vezes depostos e substituídos por sucessores teologicamente mais maleáveis. Em 380, o patriarca de Constantinopla era um ariano.

Historicamente, durante o período de Teodósio alguns eventos humilhantes evidenciaram a ascensão cada vez maior da Igreja Católica. Após vencer a guerra contra Máximo e ordenar o Massacre de Tessalônica, Teodósio pretendia, como era costume se sentar ao presbítero da igreja de Milão, mas foi proibido pelo bispo Ambrósio de entrar sem que antes fizesse uma confissão pública.

Ambrósio excluiu o imperador da comunhão e durante oito meses a tensão se manteve, até que Teodósio, durante o Natal, vestido com um saco de penitência, foi perdoado. Teodósio afirmaria mais tarde: “sem dúvida, Ambrósio me fez compreender pela primeira vez o que deve ser um bispo”. Desde então o poder eclesiástico de julgar os poderes públicos, não só em questões dogmáticas, mas também por seus erros públicos, prevaleceu até a Idade Moderna.

Em 388, a população cristã incendiou a sinagoga de Calínico, pequena cidade na Mesopotâmia. As autoridades civis informaram Teodósio, que instruiu o bispo a reconstruir a sinagoga com os próprios recursos e a punir os incendiários. Ambrósio, bispo de Milão, ouvindo disso, fez representação a Teodósio ao longo das linhas de que queimar sinagogas era agradar a Deus, e de que o príncipe cristão não teria direito de intervir. A história é complexa e, para abreviar, basta dizer que Teodósio estava sendo forçado a submeter-se a Ambrósio e revogar as suas instruções para a restituição da sinagoga.

Esse episódio é significante, porque exemplifica a mudança do império pluralista para o Estado cristão. Teodósio começou a sua resposta à queima da sinagoga em Calínico se comportando como um imperador pagão o teria feito, ansioso de manter lei e ordem, respeitando os direitos aceitos dos judeus. Ambrósio desafiou o auto-entendimento da sua qualidade de imperador, encarregando-o a comportar-se como imperador cristão, que não deveria mostrar boa vontade aos judeus, ou até equidade simples. Isso era, segundo Ambrósio, inconsistente com a Cristandade. O dever do imperador cristão, segundo Ambrósio, era garantir o triunfo da verdade (na sua visão, o cristianismo) sobre o erro (na sua visão, o judaísmo). Teodósio capitulou, e a Igreja tinha a última palavra. A separação entre o cristianismo e o judaísmo, efetivada teologicamente em 325 no Primeiro Concílio de Niceia, era agora lei sob os imperadores romanos, que tomaram os seus conselhos da Igreja. O incidente de Calínico é o símbolo da conquista do antissemitismo eclesial. A Igreja podia agora manejar, e manejou, para influenciar a legislação imperial num modo danoso para os judeus.

Mas foi justamente em virtude do crescimento do poder do catolicismo que ocorreu a sobrevida ao Império Romano do Oriente, já que o do Ocidente passaria a ser dirigido a partir do ano de 476 por povos então chamados de bárbaros.

Durante a primeira parte de seu governo, Teodósio parece ter esquecido o prestigio semi-oficial dos bispos cristãos; de facto, havia verbalizado o seu apoio à conservação de templos e estátuas pagãs como edifícios púbicos úteis. No princípio de seu reinado, Teodósio era bastante tolerante com os pagãos, pois necessitava do apoio da influente classe dirigente pagã. No entanto, com o tempo, erradicaria os últimos vestígios do paganismo com grande severidade. A sua primeira tentativa de dificultar o paganismo foi em 381 quando reiterou a proibição de Constantino do sacrifício.

Em 388 enviou um prefeito à Síria, Egipto, e Ásia Menor com o propósito de dissolver associações pagãs e destruir os seus templos. O Serapeu de Alexandria foi destruído nesta campanha. Numa série de decretos chamados os «decretos teodosianos» progressivamente declarou que aquelas festas pagãs que não se haviam convertido em festas cristãs seriam então días de trabalho (em 389).

Em 391, reiterou a proibição de sacrifícios de sangue e decretou, segundo Router, 1997, que «ninguém irá aos santuários, passeará pelos templos, ou elevará seus olhos a estátuas criadas por obra do homem». Os templos que assim fecharam foram declarados «abandonados», e o bispo Teófilo de Alexandria imediatamente destacou um pedido de licença para demolir um lugar e cobrir-lo com uma igreja cristã, um acto que deve ter recebido aprovação geral, como o mitraísmo formando criptas de igrejas, e templos formando os alicerces de igrejas do século V aparecem por todo o Império Romano.

Teodósio participou em ações dos cristãos contra os principais lugares pagãos: a destruição do gigantesco Serapeu de Alexandria por soldados e cidadãos cristãos locais em 392, de acordo com as fontes cristãs autorizadas por Teodósio (extirpium malum),para ser vista em contraste com um complicado fundo de violência menos espectacular na cidade: Eusébio menciona lutas de rua em Alexandria entre cristãos e não cristãos já no ano de 249, e os não cristãos haviam participado nas lutas a favor e contra de Atanásio em 341 e 356. «Em 363 matarão o bispo Jorge por actos repetidos de manifesto escândalo, insulto e pilhagem dos tesouros mais sagrados da cidade». Que a destruição do Serapeu significara a destruição ou saque da biblioteca, que a biblioteca houvera deixado de existir antes, ou que os fundos foram conservados noutro lugar, é um assunto que ainda não está claro.

Por decreto de 391, Teodósio acabou também com os subsídios que ainda escorriam em alguns restos de paganismo civil greco-romano. O fogo eterno do Templo de Vesta, no Forum Romano, foi extinguido e as virgens vestais foral dissolvidas. As pessoas que celebravam algum auspicio e/ou praticavam os rituais pagão seriam castigados. Membros pagãos do senado em Roma apelaram a Teodósio para restaurar o Altar da Vitória na sede do senado, mas este negou-se. Depois dos últimos Jogos Olímpicos de 393, Teodósio cancelou os jogos, rotulando-os de pagãos. Acabou-se assim com o cálculo das datas pelas Olimpíadas. Agora Teodósio representa-se a si mesmo nas moedas segurando o lábaro.

A aparente mudança de política que se observa nos «decretos teodosianos» tem sido atribuída frequentemente à crescente influência de Ambrósio, bispo de Milão. Merece a pena destacar que em 390, Ambrósio havia excomungado Teodósio, que recentemente havia ordenado o massacre de 7 000 habitantes de Salonica, em resposta ao assassinato do seu governador militar estabelecido na cidade, e que Teodósio levou a cabo vários meses de penitência pública. A excomunhão foi temporária e Ambrósio não o readmitiu até que Teodósio mostrasse público arrependimento, demonstrando assim a sua autoridade frente ao imperador. [Wikipédia]

*****************************************************************************

– Parece que chegou a nossa vez, Apolônio.

– O escriba é cruel ao nos largar na mão a incumbência de arrematar essa farsa.

– Distinto e respeitável público, nós somos meros coaduvantes, sombras, de pessoas possivelmente existentes, bispos da Igreja de Cristo, Patriarcas, que por capricho da Fortuna ou deliberação do Destino, fomos chamados para Niceia pelo Imperador Constantino.

– Isso não me consola diante do fato que, dos 1500 bispos, nossos irmãos, que foram convocados, somente 250 estiveram presentes. Os mais espertos ou cautelosos se recusaram a comparecer. Os mais ingênuos, metade sequer chegou na cidade [morream ou foram mortos] e a outra metade nunca retornou [morreram ou foram mortos]. Nós estamos caminhando para a nossa morte.

– Isso foi engraçado de sua parte dizer, Apolônio, visto que nós deixamos o Mundo dos Homens e estes corpos são meras sombras, mas sim, nós encontraremos o fim de nossas existências, circunstância que todo moral está sujeito.

– Não que isso me incomode ou me preocupe, afinal, nós não temos um corpo físico, salvo o dos atores de quem emprestamos as figuras. O que me amofina é que nós seremos mortos, assassinados, por gente que se diz nosso irmão.

– Lastimável, Apolônio e não faltará vigaristas, farsantes, falsários e estelionatários travestidos de padres e pastores a ludibriar o público lembrando da Lenda de Caim e Abel. O fato é que por muitos séculos o Mundo Humano conhecerá mais mortes, guerras, ódio e violência por conta da Doutrina da Igreja do que em toda a Antiguidade.

– Isso é o que mais me decepciona e me deprime. O que Cristo diria? Quanto tempo durará essa provação? Nós nunca poderemos descansar em paz?

– Não fique assim, Apolônio. Nós fizemos o nosso melhor, com as melhores intenções. No tempo em que esse público vive, informações e recursos não faltam para que cada qual se liberte dessa tirania. Nós podemos passar pelo Ultimo Portal e entrar na Terra dos Ancestrais. Nossos sucessores, nossos descendentes, terão até o fim desse Aeon [cerca de 21 séculos] para o inevitável início do Aeon de Aquário.

– Hei, meninos, acabaram? Cristo os aguarda para celebrarmos o Antigo e a Deusa.

Porfírio e Apolônio sorriem e acenam. Da fresta da cortina, Sulamita os chama com um aceno sugestivo com o dedo. Seguranças do teatro passam por dificuldades para segurar o público, homens e mulheres querem entrar na festa. Mas essa passagem só é acessível a quem merece. Quando procurados, ninguém mais é achado no tablado.

Os apuros de Domitila

Das catacumbas aos palácios.

Ficção baseada em fatos reais.

Incluindo piedosas fraudes.

Milagres de Santo Nereu e Santo Aquileu.

Leôntio, Hipácio e Teódulo estavam cobertos de poeira. Chegavam em Antioquia depois de terem despachado mais suspeitos judaizantes, cidadãos romanos, para serem julgados em Roma. Os que não fossem romanos, mas que pertencesse a alguma província romana, eram degradados para sua terra natal, onde seriam julgados conforme a justiça [capricho] do governador. Os que sobravam, eram separados em dois grupos: Hebreus e Nazarenos. Os menos afortunados eram acrescentados aos crucificados. Essa era a ordem geral dos quarteis e postos de patrulha romanos em todo o Império Romano depois do fim da Revolta Judaica.

Nereu e Aquileu faziam piadas e troçavam de seus colegas, enquanto comiam e bebiam, devidamente banhados e descansados da missão em Laodiceia, fazendo o mesmo.

– Mas quê! Soem o alarme! Nós estamos sendo invadidos por seres de lama!

– Pois eu diria que são homens-damascos!

– Não façam piadas! A cada dia está ficando mais difícil encontrar e prender revoltosos judaizantes. Em Sidon e Tiro têm surgido relatórios sobre os Crestanos ou Cristãos. Eles não se encaixam nas ordens que recebemos e nossos comandantes ficam incertos do que fazer com eles.

– Qual a dificuldade? Ou são Hebreus ou são Gentios.

– Vocês são recrutas? As coisas não são simples assim. Não te ensinaram que são quatro regiões? Não te ensinaram que tem helenizados e romanos? Esses Crestanos são de origens diversas, são pessoas simples, servos, escravos, homens livres, servidores públicos, ricos comerciantes. Eu não duvido nada que tenham alguns deles entre nós. Imagine o furdunço se tratarmos mal um Crestano que tenha ligações ou parentesco com aristocratas romanos?

– Eh? Essa gente não estava restrita em regiões periféricas da Judeia?

– Por César, não. Espalharam-se mais rápido e por mais cidades do que os Hebreus e Nazarenos. São piores do que praga.

– Nós não podemos solicitar a ajuda de algum especialista?

– O comandante pensou nisso e voltou mais confuso do que foi. Nem os pensadores helênicos conseguem decifrar esse enigma.

Nereu e Aquileu cessaram a conversa, ficaram sisudos e continuaram a comer e beber. Legionários são homens de ação, não de raciocínio. Mas ficaram curiosos, queriam ver um desses Crestanos de perto.

Aparte e alheio a isso tudo, o senador e general Quinto Petílio Cerial Césio Rufo estava com sua esposa Flavia Domitila Menor [assim chamada por ser filha de Flávia Domitila Maior, esposa do Imperador Tito Flávio Vespasiano] e sua filha chamada de [Flávia] Domitila. Ele resolveu tirar alguns dias de férias com a família em Antioquia e não podia deixar de dar uma passada para visitar seu companheiro de armas, Lúcio Septímio Severo, outrora cônsul, general, agora governador da província da Síria, com quem divide lembranças de batalhas na Judeia e na Britânia.

– Ave, Severo!

– Por Jove! Césio, que alegria vê-lo aqui!

– Alegria maior é a minha ao revê-lo, bom e antigo amigo. Perdoe esse humilde legionário por não avisa-lo com antecedência.

– Nem precisava, bom general, sua reputação o antecede. Mas entre, mea domus sua est. Vejo que está muito bem acompanhado. A vida foi boa para ti, bom amigo.

– Ah, me lisongeias com mentiras, bom amigo. Nós dois sabemos bem por onde tivemos que passar para chegar onde estamos e, pelo que eu vejo, Fortuna também lhe sorriu. Ah, que educação a minha! Estas são meus dois amores: minha amada esposa, Flávia Domitila e nossa filha, [Flávia] Domitila [Neptem].

– Enorme satisfação em ver tais formosas damas romanas. Como devem ter observado, nós vivemos em meio aos bárbaros. Aqui torcem o nariz quando damos as costas. Nós somos o Novo Mundo e aqui é o Velho Mundo. Aqui velhas e novas superstições surgem a cada esquina. Mas não lighuem para as reclamações desse velho legionário. Copeiro! Cozinheiro! Tragam o nosso melhor!

Leôntio, Hipácio e Teódulo voltavam do lavatório comunitário, em direção ao refeitório, quando viram os servos carregando as baixelas com comida e odres com bebida em direção à tenda do comandante. Encontraram com Nereu e Aquileu, igualmente com água na boca.

– Ao vencedor, os louros. A nós, as batatas.

– Cala-te, Aquileu. Nós podemos parar na solitária por isso.

– Pois eu acho injusto.

– Pois nós ouvimos dos Crestanos que Crestos veio para corrigir essa injustiça.

– Que novidade interessante e perigosa é essa? Vocês sabem ou conhecem mais desses Crestanos do que querem exibir. Vamos, não vão guardar o que sabem por mágoa, vão?

Fácil demais. Leôntio, Hipácio e Teódulo iriam levar Nereu e Aquileu ao Crestano que eles tinham trazido daquele deserto infernal, escapado e escondido, dentro de uma ordem de abadessas.

A cem passos dali, Severo e Césio soltam a língua, relaxada com beberagens locais, falando de batalhas e soltando inúmeros impropérios e piadas de duplo sentido. Flávia Domitila ri e acha graça, mas a “pequena” Domitila não, essas coisas não são apropriadas para serem ditas em encontros formais. Alegando estar quente e abafado, ela pede escusa, ela precisa sair desse calabouço de imoralidade. Não há muito para se ver em um quartel romano e uma donzela passeando no meio de tantos homens não é algo recomendável, mas curiosamente Domitila perambulava por entre as tendas, praticamente invisível. Ou melhor, quase invisível, os legionários abaixavam a cabeça e a voz, possivelmente por respeito a ela. Por forças desconhecidas e invisíveis [anjo? demônio?] ela acaba achando a prisão e algo parece estar acontecendo ali e parece ser divertido, pelas risadas que ressoam de dentro.

– Hahaha! Eu digo a vocês, Leôntio, Hipácio e Teódulo, o que trouxeram convosco é um bom e belo loroteiro, satírico!

– Hehehe! Eu estou chorando de rir. Conte novamente, Crestano, como Crestos veio a mundo, nascendo de uma virgem que concebeu sem contato carnal!

– Pois esta é a Verdade. Tal como os Profetas de Deus prometeram, Cristo nasceu como um de nós para nos redimir.

[risos abafados]- Ah! Mas então isso é sério! [risos abafados] Vocês ouviram? Os Profetas de Deus assim prometeram. [risos abafados]

[risos abafados]- Nós vemos diariamente áugures, videntes e adivinhos, das mais diversas origens, mas nós nunca ouvimos falar dos Profetas de Deus.

[risos abafados]- Eu ouço as damas de Vênus ao menos uma vez por semana e nada ouço sobre redenção, só gemidos.

– Ah sim, em Roma se fala das Sibilinas, mas o que convém é saber de qual Deus estes Profetas são porta-vozes.

– Deus. O Único. O Verdadeiro. Deus que não é feito pela mão dos homens.

[risos abafados] – Ah! Claro! Devia ter sido mais preciso. Os Profetas falam de César. Afinal, todos sabem que César é divino.

– E mesmo assim, César presta homenagem aos Deuses de Roma.

– Evidente [eco], César presta homenagens aos seus iguais, tal como nós damos presentes. [sons de aprovação]

– Eu falo do Deus Supremo, que está acima de todos os Deuses.

– Então diga, espertinho, porque Deus, sendo Supremo, precisaria enviar Cristo para nos redimir? Quem acredita nisso?

– Eu acredito!

Os legionários na penumbra da prisão veem a figura de Domitila que, por sua túnica de tecido fino, cabelos caprichosamente trançados e assessórios, parecia com uma manifestação divina, pela forma como o sol refletia sua beleza para dentro das sombras.

– Domina [palavra formal para se dirigir a mulheres importantes], não é bom que tu estejas nesse antro feito apenas para bandidos.

– Legionários, façam o que é certo e justo! Libertem esse pobre homem que nada fez de errado! Ele, em verdade, veio nos trazer a Boa Nova!

– Domina, tu sabes algo sobre esse tal de Crestos?

– Eu pouco sei, meus irmãos em Cristo, então deixemos que o Apóstolo de Cristo nos instrua sobre o Caminho.

Vinte minutos depois e todos os cinco mais a dama romana são convertidos e recebem o batismo, alguns dizem que por São Pedro, outros dizem que por Santo Irineu. Não obstante, Domitila é chamada pelos pais ao mesmo tempo em que o suspeito de sedição, revolta e traição contra Roma é trazido para o pátio e decapitado.

– Domitila, minha filha, nós temos boas notícias para você. Nós, com a ajuda de Severo, encontramos um bom dote para você casar-se. Conforme o costume romano, você será esposa de nosso parente, nosso sobrinho, Titus Flavius Clemente.

– Eu não posso aceitar, meus queridos pais, pois eu acabo de confessar Cristo como meu redentor, o que faz de mim noiva e esposa de Cristo.

– O que significa isso, Severo? Que tipo de quartel está governando que veio a perder minha filha, sua sobrinha, da religião de nosso povo, de nossos antepassados e ancestrais?

– Minha querida Domitila, minha sobrinha, eu te conheci hoje, não me faça prendê-la por ser judaizante, por revolta, sedição e traição contra Roma! Diga-me quem cometeu crime tão nefasto contra uma criança!

– Teus legionários o decapitaram, mesmo sendo inocente.

– Pois então abjura agora mesmo dessa farsa! Como pode crer em um homem que morreu e nada fez para suprimir seu representante da morte certa?

– Meu tio, meus pais queridos, nós que aceitamos e fomos batizados em nome de Cristo não tememos morrer, pois assim Cristo deu exemplo, sujeitando-se ao arbítrio dos homens, porque morre o corpo, mas não o espírito. O Mundo do Homem está repleto de violência e morte, mas Cristo veio para nos dar a paz e a vida.

-Basta! Césio, a despeito de nosso tempo, de nossa fraternitas e de nossos laços familiares, eu tenho que dar o exemplo. Legionários, prendam [Flávia] Domitila [Neptem]!

Dez legionários cercaram a pobre Domitila, mas Leôntio, Hipácio e Teódulo se interpuseram.

– Rápido, Domina! Fuja!

Domitila chorou muito, mas foi arrastada para fora do cerco, para fora do quartel, levada por meio de força, por Nereu e Anquileu. Ela tentou resistir e protestar, mas resignou ao ver seus três pobres defensores serem decapitados enquanto ela saía em disparada através do portão, dentro de uma biga, conduzida por Nereu e Anquileu.

– Cristo os abençoe e os receba no Paraíso, meus irmãos! Meus tutores, poderiam dizer os nomes desses mártires?

– Leôntio, Hipácio e Teódulo. Eu sou Nereu e este é Aquileu. Nós te levaremos para Tarso, na província da Cilícia. De lá, tu poderás ir a Chipre, Creta, Pergamo ou Éfeso.

– Eu irei orar até o fim dos meus dias em intenção aos seus nomes.

– Nossa vida foi vivida pela espada, matar ou morrer nos é natural, Domina, mas se o nosso sacrifício puder preservar sua preciosa vida, nós a damos para que você faça uso.

– Suas vidas são tão importantes quanto a minha! Nós todos somos iguais e somos irmãos em Cristo. Eu peço a Deus e a Cristo que permaneçam como meus servos e que nos coloquemos ao serviço da Igreja de Cristo, para ensinar a Palavra.

– Domina, sua compaixão e misericórdia santificam sua pessoa, mas nós carregamos muitos crimes. Nós só sabemos tirar vidas, não em dá-las.

– Pois eu vos digo, por Cristo, vós estais perdoados, assim que confessaram cristo como vosso redentor e receberam o batismo. Aquilo que vocês fizeram e viveram está perdoado e esquecido. Vós sois novas criaturas, renascidas pelo batismo de Cristo. Assim, agora que nós somos todos irmãos em Cristo, nós podemos realizar o ágape.

– Domina, nós não somos ensinados. O que é o ágape?

– Eu vos peço, meus irmãos, deixai de lado a formalidade, não me trateis como Domina, mas simplesmente Domitila, irmã vossa. Meus queridos, eu aprendi pouco, mas ágape é o amor perfeito, a união perfeita, feita em Cristo. Eu vos peço, antes que a morte nos colha, que nos unamos no ágape ao menos uma vez.

O trio remove as roupas e consumam aquilo que os Gentios chamam de Hiero Gamos. Ali em Tarso, Nereu e Anquileu providenciaram, a custo de suas cabeças, que Domitila seguisse viagem. Misturada entre servos e escravos, Domitila costeou a região da Ásia, passando por Anemurium, Side, Patara, Knidos, Mileto, Éfeso, Esmirna, Pergamo, Antigoneia, Parium até chegar em Nicomedia.

Ali ela encontrou Clemente, alguns dizem que era o cônsul romano a quem ela estava prometida, outros dizem que era Santo Clemente. O primeiro viria a ser Imperador Romano, o segundo viria a ser o primeiro Papa. Incerto são os relatos que Domitila teve dez filhos, mantendo a graça de permanecer virgem.

Divina confusão

Das catacumbas aos palácios.

Ficção com base em fatos históricos.

No primeiro século da Era Comum, existiam inúmeras seitas e heresias cristãs, que oscilavam entre Judaísmo, Cristianismo e Gnosticismo. Essa é a pergunta que nenhum padre ou pastor consegue responder. Considerando que Cristo foi uma pessoa e ensinou diretamente ao público, porque tantas formas e versões de Cristianismo?

Para uma extensa lista dos grupos considerados seitas e heresias pela Igreja, visitem a página [em inglês] da Wikipédia, neste link.

Ebionismo

Os ebionitas (pobres), judeus-cristaos que seguiam a lei de Moisés, mas acreditavam que Jesus Cristo era o Messias, porém achavam que Ele não era o Filho de Deus (apenas um profeta anunciado por Moisés), Os ebionitas subsistiram até o século V, nesse período, dividiu-se em numerosas seitas. O apóstolo João escreveu seu evangelho, refutando essas heresias.

Elcasaísmo

Fundador Elxai, recebeu revelação por meio de um livro dado por um anjo, lembrando Maomé (Alcorão) e Joseph Smith (Livro de Mórmon). Aceitavam apenas partes do A.T.

Nicolaísmo

Fundador Nicolau (Balaão), era diácono da igreja, seita gnostico-libertina que apareceu em Éfeso e Pérgamo (Ásia Menor), condenava o Deus da criação.

Cerintianismo

Fundador Cerinto, acreditava que Cristo não nasceu Deus, mas tornou-se Deus no batismo, quando morreu Deus o abandonou, para recebê-lo na sua 2ª vinda, no final dos tempos.

Gnosticismo:

Heresia complexa, de elementos filosófico-religiosos orientais e cristãos. O Gnosticismo era composto por vários movimentos sincréticos de tradições religiosas da sua época: o helenismo, o dualismo, cultos de mistério, judaísmo e o cristianismo; enquanto as heresias judaicas estavam apegadas às tradições mosaicas, os gnósticos, pagãos que aceitaram a fé cristã, tentavam introduzir nela, concepções pessoais e teorias filosóficas.

O Montanismo

Apareceu na Frígia (Ásia Menor), de 150 a 157, movimento intelectualista, organizou-se em comunidades; na Ásia Menor, em Roma e na África do Norte, fundador Montano (sacerdote de Cibele), converteu-se ao cristianismo, julgava-se o instrumento do Espírito Santo prometido por Cristo e precursor de uma nova era, Prisca e Maximila suas profetizas. Chamavam a si mesmos de pneumáticos (inspirados pelo sopro do Espírito). Esta seita, anti-romana, se constituía numa ameaça para a paz entre a cristandade e o estado, foi excomungada pela Igreja, mas subsistiu no Oriente até o século VIII.

Os Antitrinitários

Teófilo de Antioquia, escritor cristão, em 180 a.C., começa aparecer em seus escritos a palavra “tríade” ou “trindade” (um só Deus em três pessoas), que serviu para explicar o dogma cristão da Santíssima Trindade.

Logo surgem os opositores, como o adocionismo, de Teodoto de Bizâncio (rejeitava a Trindade, negava a divindade de Cristo e a encarnação do Verbo), foi condenado pelo papa Vítor I (189-199); em 190 d.C. surgiu outra heresia, iniciada por Noet, que Praxéias e Sabélio, desenvolveram, recebendo o nome de sabelianismo ou monarquismo ou modalistas (para eles o Pai, o Filho e o Espírito Santo, eram apenas três títulos diferentes e não pessoas); assim sendo, o Pai se encarnou na virgem, nascido tomou o nome de Filho, sem deixar de ser o Pai, logo foi o Pai quem morreu na cruz.

O Maniqueísmo

Tipo de gnosticismo que começou na Pérsia, na 1ª metade do século III, fundador; Manés (Manion Maniqueu – 215/276), da Babilônia, morreu esfolado porque não curou um filho do rei Behram.

Para Manés, que seguia os ensinos de Zoroastro (Zaratustra), há dois reinos eternos : o da luz, em que domina Deus (Ormuzde ou Ahura Mazda), e o das trevas, domínio de Satã (Ahrimã ou Anrô Mainiu). O homem preso por Satã, luta para se libertar das trevas e ir para a luz, liberdade que se alcança por meio de uma vida austera, compreendendo três selos, (mortificações) : o selo da boca (jejum), o selo da mão (abstenção do trabalho) e o selo do ventre (castidade).

O Priscilianismo

Na Espanha, Prisciliano, bispo de Ávila, divulga os ensinos gnósticos e maniqueus, introduzidos pelo monge egípcio Marcos. Em 380, Prisciliano e os seus, foram expulsos e executados pelo imperador Máximo. Porém somente no Concílio de Braga, em 565, é que essa heresia foi condenada.

O Pelagianismo

Em reação aos gnósticos e maniqueus, surge o pelagianismo que se tornou uma grave heresia, divulgador Pelágio nasceu em 354 na Inglaterra, moralista e intransigente, dizia que não se precisava da graça para salvação, bastando somente a vontade individual, não existia o pecado original, era contra a remissão dos pecados, acreditava que se não há pecado original, não há necessidade de redenção, logo Jesus Cristo é inútil. [CACP]

Simonianismo

Os Simonianos, seita gnóstica do século II dC, tiraram seu nome de Simão Mago (ou Simão, o mágico), que faz uma aparição nos Atos 8:9-24, onde é repreendido pelo apóstolo Pedro por tentar comprar o ofício apostólico (daí o termo “simonia” para a prática de venda de favores divinos, bênçãos, cargos eclesiásticos, bens espirituais, coisas sagradas, etc). De acordo com o bispo Irineu de Lyon, Simão é o pai de todos os hereges.

Simão contou uma história na qual o primeiro pensamento feminino de Deus (ou a “metade feminina de Deus”), chamada Enóia, foi para os mundos inferiores para criar anjos. Infelizmente, os anjos se rebelaram contra ela, que ficou presa no corpo de uma mulher. Ela habitou tal corpo através de sucessivas reencarnações, uma das quais foi Helena de Tróia. Deus finalmente desceu à Terra como Simão Mago a fim de resgatá-la. Simão encontrou sua mais recente encarnação, também chamada Helena, trabalhando como prostituta na cidade de Tiro.

Em forma humana, Deus/Simão pregou contra os anjos rebeldes que criaram o mundo. Há indícios nos escritos de Simão que ele também identificou-se como o Cristo, que sofreu na Judéia. Ele ensinou que as pessoas que se voltavam para ele e Helena (que foi identificada como o Espírito Santo) eram salvas pela graça, não pelas obras. Os apócrifos “Atos de Pedro” relatam que, em uma “competição” com o apóstolo Pedro para provar quem estava dizendo a verdade, Simão levitou acima do Fórum Romano. Pedro, então, rezou a Deus para derrubar Simão, e o herege foi parado em pleno ar e caiu ao chão. Exposto como um vigarista, ele foi apedrejado pelo povo e morreu por conta de seus ferimentos.

Marcionismo

Os Marcionitas eram seguidores de Marcião do Ponto (ou Marcião de Sínope), considerado um dos cristãos mais influentes entre o tempo de São Paulo e Orígenes. Ele teria sido expulso da Igreja por “seduzir uma virgem”, mas essa acusação pode ter sido incitada por seus inimigos.

O que se sabe é que ele chegou a Roma e começou a ensinar suas doutrinas lá, atraindo um grande número de seguidores e ameaçando a própria existência da Igreja Romana, ainda no seu início. O bispo Policarpo de Esmirna chamou-o de “primogênito de Satanás”.
Marcião rejeitava o Deus judeu Javé como uma divindade tirânica, ensinando que o Deus de que fala as Escrituras Hebraicas não era o Pai de Jesus Cristo. Obviamente, ele rejeitou os escritos judaicos (que viriam a ser o Antigo Testamento), bem como compilou um novo cânone de livros sagrados. Para este fim, ele produziu um “Evangelho do Senhor” (uma versão inicial do Evangelho de Lucas) e recolheu as epístolas de Paulo, introduzindo assim a ideia de um “Novo” Testamento.

Marcião avaliou Paulo como o único apóstolo a entender verdadeiramente a mensagem de Jesus. Ele considerava os 12 originais, incluindo Pedro, idiotas. Marcião também proibiu o casamento e pediu o celibato entre seus seguidores (mesmo os já casados), uma vez que trazer mais crianças para o mundo significava trazer mais pessoas para o “cativeiro do despótico Javé”. Marcião foi também um docetista – ele acreditava que Jesus nunca tinha sido um ser humano de carne e sangue, apenas fingiu ser um.

Carpocracianismo

Enquanto os Marcionitas praticavam um celibato extremo, a seita liderada por Carpócrates foi acusada do exato oposto – pura libertinagem. Os Carpocracianos acreditavam na reencarnação, e o bispo Ireneu de Lyon disse que os membros do grupo eram encorajados a experimentar tudo o que há na vida para que não tivessem que reencarnar e fazer o que ainda não tivessem feito, o que inclui a imoralidade.

Irineu podia estar exagerando, mas Carpocracianos de fato se orgulhavam de ser acima de todas as leis morais, e transcender convenções humanas. A notoriedade da seita reacendeu no século 20 com a descoberta do Evangelho Secreto de Marcos, uma versão mais espiritual do Evangelho canônico de Marcos. Clemente de Alexandria acusou os Carpocracianos de falsificá-lo para apoiar a sua libertinagem. O Evangelho Secreto incluía uma cena em que um Jesus nu dava instruções a outro homem nu, e esta sugestão de um encontro homossexual foi usada pelos Carpocracianos para justificar um estilo de vida gay em uma sociedade muito menos tolerante do que a nossa é.

Marcosianismo

A seita marcosiana, liderada pelo professor Marcos (ou Marcus), é conhecida por sua fascinação com a teoria da numerologia e das letras, derivada dos pitagóricos.

Marcosianos encontravam significado nos equivalentes numéricos de palavras (em grego, cada letra tem um valor numérico). Por exemplo, o nome “Jesus” em grego – Iesous – corresponde ao equivalente numérico “888”, um número considerado como sagrado e mágico pelos antigos. Uma razão para isso é que os números associados a todas as 24 letras gregas, quando somados, dão 888.

Valentianismo

Valentino era um professor muito popular e influente, por pouco não sendo eleito Bispo de Roma (o cara que chamamos de “Papa” hoje). Depois de perder (ou recusar) a eleição, ele montou seu próprio grupo.

Valentino acreditava em um andrógino Ser Primal, cujo aspecto masculino se chamava Profundidade, e o feminino Silêncio, a partir do qual pares de outros seres emanavam. Quinze pares acabaram sendo formados, totalizando 30 – os Aeons descritos por Marcos, discípulo de Valentino.

O último Aeon, Sophia, sucumbiu a ignorância e foi separada de seu grupo, o que resultou na criação de todos os males. Ela foi dividida em duas: sua parte superior retornou ao seu grupo, enquanto sua parte inferior ficou presa neste mundo físico. O conceito Valentiniano da salvação estava no resgate de Sophia pelo seu Filho, ou Salvador, em quem todos os Aeons são integrados. Sophia havia criado sementes espirituais em sua imagem, mas elas também estavam na ignorância. Para despertar e amadurecer as sementes, a Sophia inferior e o Salvador influenciaram o Demiurgo (artesão, ou Criador), uma divindade também inferior, a criar o mundo material e os seres humanos. Este Demiurgo não é outro senão o Deus bíblico dos judeus.

Basilidianismo

Irineu chamou os seguidores de Basilides de Alexandria de dualistas e emanacionistas. Ou seja, eles viam a matéria e o espírito como forças hostis opostas, e acreditavam no mito gnóstico dos Aeons emanando em sucessão a partir de um “Pai” não gerado. Os cinco principais Aeons eram Nous (Mente), Logos (Palavra), Phronesis (Inteligência ou Prudência), Sophia (Sabedoria) e Dynamis (Poder). De Sophia e Dynamis emanaram 365 céus em ordem decrescente, coletivamente chamados Abrasax.

O Deus dos hebreus governou o céu mais baixo, e criou um mundo ilusório – o nosso. O verdadeiro Deus viu o sofrimento da humanidade neste reino ilusório e enviou Nous (ou Cristo) para trazer o conhecimento que iria libertá-los. Nous nasceu como Jesus, cujo nome secreto entre os Basilidianos era Kavlakav (ou Caulacau).

Cristo, sendo um ser totalmente divino, não tinha corpo físico real. Basilides é talvez mais conhecido por sua interpretação da crucificação de Cristo que, sendo incorpóreo, não podia morrer. No caminho para o local da sua crucificação, ele “fez uma troca” com Simão de Cirene, que estava ajudando a carregar a cruz. Os romanos, enganados, começaram a crucificar o pobre Simão.

Ofitismo

Os ofitas são nomeados após a palavra “serpente” – como você deve ter adivinhado, eram cristãos adoradores de cobras. A fascinação com serpentes decorria da leitura sobre a “queda” no Gênesis. Para eles, a serpente que tentou Eva não é a vilã da história, mas a heroína. Eles chamaram o Deus Criador do Gênesis de Ialdabaoth (Filho do Caos), que queria governar Adão e Eva escondendo deles a “árvore do conhecimento do bem e do mal”, a fonte da sabedoria.

Ialdabaoth era o filho de Sophia. Ele desconhecia o fato de que havia um reino divino mais elevado acima dele – era ignorante -, e assim arrogantemente se proclamou o único Deus. A serpente foi usada por sua mãe Sophia para frustrar suas ilusões de grandeza, convidando Eva a comer do fruto proibido. Assim, o próprio Moisés exaltou a serpente no deserto, e Jesus se comparou a essa serpente.

Setianismo

Os Setianos eram assim chamados porque reverenciavam Seth (também grafado Sete ou Set em português), o terceiro filho de Adão e Eva, como o revelador do conhecimento. Eles se consideravam a “semente de Seth”, a parte da humanidade que tinha atingido Gnosis (conhecimento) e que, portanto, seria salva, ao contrário do resto da humanidade, os descendentes de Caim e Abel. Cristo e Seth eram a mesma pessoa.

Setianos são mais conhecidos por seu trabalho “Apócrifo de João” ou “Evangelho Secreto de João”. É a obra com a mais completa visão de mundo gnóstica. Ela começa com o inefável e incognoscível Pai Primal, a partir do qual o primeiro poder, Pensamento (também chamado de “Barbelo”) emanou. Esta figura feminina desempenhou um papel tão importante no mito Setiano que os seguidores da seita também eram conhecidos como Barbeloites.

Um outro processo de emanação de Barbelo produziu Autogenes (Autogerado) e os anjos, incluindo Adamas, o Homem Perfeito. A emanação caçula, Sophia, queria criar uma imagem de si mesma sem o consentimento do Espírito invisível. Ela acabou produzindo um ser deformado, Yaldabaoth, que se tornou Demiurgo – o Deus Criador da Bíblia. Yaldabaoth, por sua vez, produziu os Arcontes, que criaram o primeiro homem, Adão. Os Arcontes viram que Adão era superior que eles em inteligência, de modo que resolveram esconder dele a Árvore do Conhecimento no Jardim do Éden. Quando Adão e Eva desobedeceram os Arcontes, foram expulsos do Paraíso. Yaldabaoth então seduziu Eva, e ela deu à luz a Caim e Abel.

Borborismo ou Fibiorismo

O único relato que temos das práticas Fibionitas (também chamadas de Borboritas) vem dos escritos de Epifânio, grande defensor da ortodoxia cristã. É preciso estar consciente dos possíveis exageros e calúnias do relato tendencioso desse “caçador de hereges”. No entanto, verdadeiro ou falso, sua descrição é muito intrigante, para não dizer escandalosa.

Epifânio afirma que, quando era jovem, no Egito, duas meninas Fibionitas tentaram convertê-lo (“seduzi-lo”) e fazê-lo se juntar a sua seita. Ele rejeitou a prática, mas passou a familiarizar-se com seus escritos.

Epifânio dá detalhes das festas Fibionitas, que começavam com homens cumprimentando as mulheres, enquanto secretamente faziam cócegas nas palmas de suas mãos por baixo. Este podia ser um código secreto para alertar aos membros da presença de estranhos, ou um gesto erótico. Depois de jantar, os casais começavam a ter relações sexuais, com qualquer outro membro da seita. O homem, no entanto, tinha que se retirar antes do clímax, de modo que ele e sua parceira pudessem coletar o sêmen e ingeri-lo junto, dizendo: “Este é o corpo de Cristo”. Os líderes da seita que já haviam atingido a perfeição podiam realizar o rito com um membro do mesmo sexo. Havia também a masturbação sagrada, na qual se podia tomar o corpo de Cristo na privacidade de seu quarto.

E qual a razão deste ritual sexual? Os Fibionitas acreditavam que este mundo estava separado do reino divino por 365 céus. Então, para chegar ao mais alto mundo, um Fibionita redimido deveria passar por todos os 365 céus – duas vezes. Mas a crença dita que cada céu é guardado por um Arconte, e para passar por ele, é preciso chamar o nome secreto de um dos Arcontes durante o ato sexual. Essa crença garante que cada homem faça sexo com uma mulher pelo menos 730 vezes.

A liturgia do sexo também foi fundada na ideia de que os seres humanos têm uma semente divina presa dentro do corpo físico, e deve ser liberada para que possam voltar para os reinos mais elevados. Esta semente é transmitida através do sêmen masculino e do sangue feminino. Permitir que a semente se desenvolva em outro ser humano no útero da mulher é perpetuar o ciclo de aprisionamento. Assim, o ritual de coleta de sêmen e de sangue de menstruação e sua ingestão representa a libertação da semente divina. [hypescience]

Ao pó voltarás

Das catacumbas aos palácios.

Ficção com base em fatos históricos.

Incluindo piedosas fraudes.

Milagres de Santo Irineu.

[ATENÇÃO! NSFW!]

A palavra hóspede, hotel e hospital tem a mesma origem e surgiram com essas ordens hospitalitárias aonde toda pessoa que chegasse conta com atendimento médico, refeição e quartos para estadia.

Por três dias a XII Legio Fulminata permaneceu na Ordem Maltesa dos Hospitalitários, onde as treze abadessas trataram de satisfazer seus visitantes para cumprir com a primeira diretiva da Ordem, uma regra de ouro, em diversos povos, que é receber e tratar bem os hóspedes.

Por milagre de Santo Irineu, os prisioneiros não fugiram nem pediram exílio. Sem precisar de ordem, todos eles, homens, mulheres e crianças, simplesmente voltaram e entraram na carroça de prisioneiros. O general e o centurião não deram conta nem falta de um prisioneiro que permaneceu na enfermaria. Pela Graça de Cristo este foi poupado, sendo o próprio Santo Irineu.

No dia seguinte da partida da legião romana, aliviadas e felizes, as abadessas voltaram à sua rotina diária, o que incluía cuidados ao Santo Irineu. Ele recebia em seu leito comida, bebida e banho. Algumas, mais animadas, excediam nos cuidados e, usando mãos e lábios, extraíam aquilo que chamaram de creme de nozes de Santo Irineu. Esse foi considerado o segundo milagre do Santo Irineu, pois estando em região tão árida, era pouco provável que crescesse qualquer vegetal, muito menos uma nogueira.

Santo Irineu recebeu a Graça de Cristo, foi curado das feridas, pode levantar e sair do leito. Contrariando a insistência da Madre Superiora, ele se pôs a trabalhar, tanto para retribuir a estadia quanto para se fazer de útil. Por ciúme e inveja, o Diabo colocou na abadia enorme quantidade de lenha, no que Santo Irineu empunhou o machado e de lá não sairia antes de livrar a abadia dessa manifestação maligna.

O Diabo, revoltado, ordenou ao espírito do vento que fosse tentar ao Santo Irineu. O espírito do vento entrou pelo ouvido da abadessa Eustáquia e a perturbou com perguntas. Por inocência, mas curiosa em saber mais dos mistérios de Cristo, Eustáquia visitou Santo Irineu.

– A paz de Cristo, irmão.

– A paz de Cristo, irmã.

– Perdoe-me por interromper seu lavor, mas nossa sororidade está distante de qualquer lugar e nós não tivemos contato com a totalidade do Evangelho. O senhor, Santo e Doutor nesse assunto, poderia esclarecer minhas dúvidas?

– Com a Graça de Cristo, pela Vontade de Deus, eu responderei o que te aflige.

– Nós somos todas mulheres, no total de treze e nós conhecemos nossa condição, tal como Deus nos criou. Cristo veio ao mundo nascendo de Santa Maria [Myrian], mesmo ser ter conhecido homem e ela se manteve virgo intacta? Como alguma mulher pode conceber sem contato carnal?

– Irmã Eustáquia, os pagãos infiéis helênicos clamam que Atena é parthenos, ou seja, nasceu não como fruto do contato carnal. Algumas plantas produzem frutos com flores que possuem tanto a parte masculina quanto a feminina. Em animais mais simples, tanto o feminino quanto o masculino estão na mesma criatura e, em certos animais complexos, o macho se torna fêmea e a fêmea se torna macho. A natureza é reflexo da Vontade de Deus, certamente não há empecilho para que a Providência fizesse com que Santa Maria [Myrian] concebesse Cristo, através da Manifestação do Espírito Santo naquele ventre sagrado.

– Então um espírito pode fazer com que a mulher conceba, da mesma forma como um espírito sopra nas narinas dos que nascem para que possam receber uma alma.

– Esta é uma interessante conclusão, irmã.

– O inverso pode ser verdadeiro, também? Pois viajantes que casualmente passam aqui relatam que são atormentados nos sonhos, de noite, por espíritos que os forçam a ceder de sua essência através do estímulo carnal.

– Este é um mistério, pois tal como o espírito procura a carne, a carne procura o espírito. Assim, deve ter razão os antigos ao dizerem ser pecado derramar a semente masculina no solo e é pecado beber o sangue dos animais. Nestes líquidos corporais se encontra a energia vital necessária para a criação da vida, que pertence somente a Deus.

– Nossa abadia segue os preceitos deixados por Santo Antão quanto à vida monástica. O senhor pode imaginar o tipo de perigo e tentação que treze mulheres sozinhas em tal amplidão árida podem passar diariamente. Tão importante quanto nossos votos de acolher e ajudar todos os peregrinos que por aqui passam, nós matemos vidas humildes, recolhidas em castidade. Nós podemos ser atacadas e abusadas por espíritos, tal como nós fomos atacadas e abusadas pelos legionários romanos. Como nós podemos ser como Santa Maria [Myrian] e recobrar nossa condição de virgo intacta?

– Quando eu estive em Éfeso, acalorada discussão discorreu sobre tal assunto. Eu, doutor e estudioso do Evangelho, levei até o fim a questão, chegando a analisar diversos pergaminhos acerca da condição e vida de Santa Maria [Myrian]. Eu devo ter causado mais comoção, ao exibir o equívoco dos tradutores e copiadores. Santa Maria [Myrian], bendita seja seu Nome, era uma jovem mulher [almah] e não virgem [betulah]. Foi por exagero, preferência ou simplesmente capricho que alguns Patriarcas apresentaram a doutrina de que santa Maria [Myrian] era virgo intacta, esquecendo que Cristo teve muitos irmãos e irmãs de carne.

– Então eu não estou maculada aos olhos de Deus por ter falhado em meu voto de castidade?

– Isto eu tenho observado enquanto eu perambulava na missão de espalhar a Palavra. Eu tendo a ver como outro exagero, preferência ou capricho, pois se o contato carnal fosse algo impróprio, então a Vontade de Deus não teria dito aos Primeiros: crescei e multiplicai-vos. Não, irmã, não é concebível dizer aos Cristãos que o sexo seja a causa de impureza e não é exato dizer que a castidade seja abster o corpo de saciar sua necessidade normal, natural e saudável de sexo. O sensato é reafirmar a sabedoria antiga: disciplina é liberdade. Em todas as coisas, devemos ter prudência e temperança, pois o excesso, o exagero, coloca o corpo como governador e isto [indulgência] não é liberdade, é escravidão. Então, nós, Peregrinos do Caminho, aceitamos e observamos certos princípios, por opção e vontade própria, por que nosso entendimento quer que nosso Eu governe.

– Então Deus não nos condena por termos pecado contra a castidade?

– Irmã, a Vontade de Deus está sempre constante ao nosso redor. Onde a Vontade de Deus exibe exasperação contra os atos que, por compaixão e misericórdia, cometeram em concílio com os legionários romanos? Os homens podem julgar e condenar, mas Deus vê a intenção no coração. Se não fosse pelo sacrifício que vocês aceitaram fazer, livre e voluntariamente, eu não estaria vivo e o destino daquelas outras almas seria muito mais severo.

– Meu bom Santo Irineu, homem de Deus, eu ouço e entendo suas palavras. Deus não pode condenar aquilo que criou e instituiu. Deus nos fez homem e mulher, Deus nos criou para amar a fim de sermos Um. Conforme é a Vontade de Deus, eu e tu devemos ser Um. Rápido, não temos muito tempo. Sirva-se da minha entrada entre minhas nádegas. Eu estou em minhas regras então, por agora, coloque sua parte dentro de mim e derrame seu bendito creme de nozes entre meus rins.

Assim o espírito do vento conduziu Eustáquia, para satisfação do Diabo, acreditando que o ato sagrado da união carnal entre homem e mulher os faria perde-los. O creme de nozes de Santo Irineu só aumentou e consagrou a santidade da Santa Eustáquia, expulsando violentamente o espírito do vento de seu corpo, tal foi a quantidade e força do volume que a preencheu.

Indefectivelmente, o milagre chegou ao conhecimento das demais mulheres que, através dos mais diversos artifícios e subterfúgios, garantiram sua dose de creme de nozes, que foi devidamente derramado entre os rins delas, imunizando as abadessas das artimanhas do espírito do vento, sendo este o terceiro milagre de Santo Irineu.

O Diabo, irritado, ordenou ao espírito da água que fosse tentar ao Santo Irineu. O espírito da água entrou pela boca da abadessa Sinclética e a perturbou com perguntas. Por inocência, mas curiosa em saber mais dos mistérios de Cristo, Sinclética visitou Santo Irineu.

– A paz de Cristo, irmão.

– A paz de Cristo, irmã.

– Perdoe-me por interromper seu lavor, mas nossa sororidade está distante de qualquer lugar e nós não tivemos contato com a totalidade do Evangelho. O senhor, Santo e Doutor nesse assunto, poderia esclarecer minhas dúvidas?

– Com a Graça de Cristo, pela Vontade de Deus, eu responderei o que te aflige.

– Cristo nasceu como nós, então carregava consigo a mesma mancha do Pecado Original com o qual viemos a este mundo?

– Esta questão suscitou discussões acaloradas e excomunhões entre bispos. Cristo era pessoa ou espírito? Pode uma mesma pessoa ter duas naturezas? Como Cristo pode nos resgatar do pecado, tendo vindo ao mundo em forma humana? A redenção vem de Deus ou de Cristo? Eu estive com Inácio e Clemente, em Alexandria, somente para tentar encontrar uma solução. Em verdade, nós também somos ambos, carnal e espiritual, então Cristo apenas estava mais consciente disso. Nós, os Peregrinos do Caminho, recusamos e refutamos a herança do pecado, porque vivemos debaixo da Graça, não da Lei. Não obstante, nós somos responsáveis por nossos atos e palavras, os Preceitos do Caminho deixado por Cristo é algo para ser conhecido, estudado e praticado de forma consciente e voluntária. Eu apresentei a elucubração de que não existe o pecado, visto que é inconcebível que Deus o tenha criado ou de que Ele tenha nos sujeitado a algo tão cruel por estarmos agindo conforme a natureza com que fomos criados. Isso nos trona a todos não seguidores, mas imitadores de Cristo, este sendo modelo, não procurava seguidores, mas quem estivesse disposto a despertar para aquele Eu Sou que existe dentro de cada um de nós.

– Meu entendimento é pequeno e curto, Santo Irineu, mas se é assim, por que Cristo morreu na cruz? Por que existem igrejas e padres, se tudo o que temos que fazer é conhecer, estudar e praticar o Evangelho?

– Isso foi necessário porque nossos irmãos hebreus assim precisavam, de outra forma, não receberiam nem entenderiam a Palavra. Verdade seja dita, o Enviado de Deus veio anteriormente entre nós e virá no futuro. Nossa existência nesse mundo tem um propósito e Cristo é aquele que vem nos auxiliar nessa ascensão. A forma, o lugar e o método são moldados conforme a época e a necessidade. Cristo escolheu e quis ser como um de nós, para nos entender melhor, para nos ajudar com mais eficiência.

– Meu entendimento é pequeno e curto, Santo Irineu, mas então nós não precisamos combater o pecado, o mal do mundo e o Diabo que quer nos perder?

– Isso, espírito que se oculta dentro de minha irmã, é algo que incomoda a teu mestre, mas saiba que a Palavra veio para libertar a todos, você e ele também.

O espírito da água, tendo sido descoberto, fugiu apressadamente de sua hospedeira, em fluxos líquidos que saíam dos orifícios corporais, para vergonha da abadessa Sinclética.

– Meu Santo Irineu, valei-me! Sai tanto líquido de dentro de mim que eu creio que eu vou desaparecer!

– Por onde o espírito está esvaindo mais? Ali nós podemos obstruir a saída.

– Ah, que vergonha! Meu Santo Irineu, brota-me líquido profusamente dessa parte minha que mais parece uma concha, que agora espirra feito chafariz!

– Nós não temos muito tempo! Rápido! Abra bem suas pernas que eu irei obstruir a passagem do espírito com minha trava!

Sinclética hesita alguns minutos, pois estava com medo e impressionada com o tamanho da trava que Santo Irineu estava pronto para inserir naquela sua parte mais íntima, sensível e carnosa entre suas pernas. Suspirou, voltou suas preces ao Firmamento, pedindo perdão a Deus pelo que estava pronta a fazer. Tal como no caso dos legionários romanos, era questão de sobrevivência, Deus compreenderia.

– Santo Irineu, seja gentil. Esta minha concha ainda não conheceu homem.

Santo Irineu acenou, confiando que a declaração é verdadeira, pondo-se a trabalhar, lenta, porém com firmeza e consistência, até não sentir mais resistência, até a trava sumir inteira dentro das entranhas de Sinclética. O espírito da água, sem ter opção, saiu por lágrimas e suor do corpo de Sinclética, exorcizado por Santo Irineu.

– Aguente firme, irmã! Nós vencemos! O espírito está abandonando seu corpo.

– Ah! Glória a Deus! Ah! Mas não mexa muito, Santo Irineu! Ah! Meu corpo é fraco e eu não sou forte para resistir ao efeito desse contato carnal.

Inflexíveis são as leis da física, da biologia e da astronomia. Corpos se movem, por conta própria. Sinclética fecha os olhos, geme, sussurra, estremece, vira os olhos. Seus braços, pernas e quadris tem vontade autônoma, enroscando-se, envolvendo, prendendo o corpo de Santo Irineu, somente cedendo as cadeias depois de receber um enorme volume do creme de nozes no ventre faminto, trazendo enorme sensação de bem-aventurança a Santa Sinclética.

Indefectivelmente, o milagre chegou ao conhecimento das demais mulheres que, através dos mais diversos artifícios e subterfúgios, garantiram sua dose de creme de nozes, que foi devidamente derramado entre as coxas delas, imunizando as abadessas das artimanhas do espírito da água, sendo este o quarto milagre de Santo Irineu.

[trechos perdidos]

Dias, semanas, meses passaram e inúmeros sinais e prodígios foram avistados na Abadia da Ordem Maltesa dos Hospitalitários. Santo Irineu, no entanto, ouviu o chamado de Deus e, com tristeza no coração, foi até a Madre Superiora para comunicar sua decisão irrevogável. Santo Irineu partiu em direção até Roma, para valer de sua posição como patrício romano e ir falar com César para abrandar as leis contra os Cristãos. Foi momento de muita tristeza entre as abadessas que guardaram os inúmeros feitos e milagres de santo Irineu, a contar, doze, incluindo as imaculadas concepções que ocorreram após sua partida.

Do pó vieste

Das catacumbas aos palácios.

Ficção baseada em fatos históricos.

Incluindo piedosas fraudes.

Irineu tremia inteiro de frio, embora estivesse dentro da carroça de prisioneiros, encolhido no pouco espaço entre tantos desconhecidos e a pouca luz que passava por entre as grades indicava que o sol queimava sem dó os legionários romanos que os escoltavam através daquela estrada empoeirada até Laodiceia.

Os cavalos, em quatro parelhas, puxavam a pesada estrutura feita de chapas de bronze, por sobre o chassi de madeira, conduzido por dois legionários parcamente cobertos por uma lona e sentados em estofados feitos de couro. Espalhados em duas coortes, os legionários seguiam marchando a pé, uniforme de batalha completo, tendo à frente o portador da efígie de Roma, o trompetista e o centurião, tendo atrás dois bateristas.

Incansáveis, indiferentes, os legionários da XII Fulminata não cedem um segundo das passadas ritmadas em compasso com os tambores. Não há viva alma, senão a fauna típica desse terreno arenoso e causticante. No entanto Sextus Julios Severus capitaneava seus legionários como se estivesse em campanha na Britânia, por ordem do Imperador Públio Élio Adriano, que ele conhecera outrora como governador da província da Síria.

A “gentilização” da Terra Santa foi concluída com a derrubada de Massada e a expulsão de todos os Hebreus. Como resultado das inúmeras revoltas, a política romana de tolerância religiosa mudou para proibição e completa ilegalidade de qualquer coisa judaizante, mesmo que aparente. Até mesmo Gentios, que antes frequentavam e circulavam entre os Hebreus, que por simpatia ou apreço, fossem flagrados confraternizando com ou assimilando hábitos, costumes e crenças hebréias, terminavam detidos para posterior exame diante do fórum.

Velhos, jovens, mulheres, crianças. De origens tão distintas, com línguas tão disparatadas, que cada carroça de prisioneiros mais parece uma visão reduzida da Torre de Babel. O certo é que somente ricos comerciantes e aristocratas utilizavam dos meios de que dispunham para ficarem isentos dessa inquisição.

Como miragem, surge a unica construção entre léguas de areia ocre, quer seja hospedaria, quer seja estrebaria, servirá para descansar os cavalos e a companhia.

– Muito bem, meninas, cinco minutos, para retocar a maquiagem! Cavalariços, deem água e feno aos cavalos!

– Legado Severus, salvo engano meu, o que vejo diante da estalagem são mulheres?

– Bom olho, centurião Lapidatus. Rogo a Vênus que não sejam refugiadas hebreias, senão nós teremos que prendê-las.

– Bom, nós podemos nos divertir, “interrogando” essas suspeitas.

– O que, por sinal, sempre fazemos, ainda que sejam inocentes e helênicas. Não foi assim que você apreciou aquela tenra carne em Esmirna? Eu custei a crer que ainda existisse sacerdotisa de Ishtar e a aparência daquela jovem destoava demais do local. Você “descobriu” que ela estava exilada, vindo de Tebas, quando Alexandria foi liberta da influência judaizante. Como era mesmo o nome dela?

– Ela apresentava-se como Ketar. Eu não conheço muito do Egito, então não posso afirmar que ela tenha realmente declarado seu nome. Os servos que a cercavam davam a ela reputação exagerada, como se ela fosse um Cristo egípcio.

– Isso não o impediu de saborear aquelas tenras carnes que, segundo você mesmo disse, te lembrou de minha enteada.

– Oh, bem, costumes que são tradicionais. Eu me encantei com sua enteada, mas foi tu quem a iniciou na idade adulta.

– E foi tu quem iniciou a jovem sacerdotisa no mundo adulto, então estamos quites.

Os oficiais riem bastante enquanto os legionários conferiam a “mercadoria”, assustando as mulheres, contando, treze. A que parecia ser mais desenvolvida, provavelmente a responsável pela instalação, protestou.

– Tenham misericórdia, bravos legionários! Eu vos peço que não atentem contra nossos corpos, isso seria um terrível pecado.

– Acaso esta construção e suas amigas pertencem a algum Deus?

– Exatamente, excelso oficial. Nós somos a Ordem Maltesa dos Hospitalitários.

– Então eu tenho fortes razões para… revistar e vasculhar, seus hábitos e dependências. As senhoras correm o risco de somar-se a estes prisioneiros, se for encontrado algum sinal judaizante.

– Isso não é necessário, excelso oficial. Não irá encontrar coisa alguma judaizante entre nós.

– Eu decido isso. Ficará mais fácil e mais rápido se a senhora e suas amigas colaborarem com nosso serviço.

– Eu não me oponho a isso, poderoso general. Eu só te peço que depois nos permita fazer o nosso serviço.

Severus aceno concordando para o acerto e admirou a coragem daquela mulher. Os legionários trataram de ocupar as mulheres, em grupos de três, quatro e cinco. As coitadas foram usadas e abusadas das mais diversas formas, até não restar mais nenhum legionário em pé. Severus e Lapidatus ficaram por ultimo e repartiram aquela mulher misteriosa.

– Minha senhora, eu te devo desculpas. A forma como entretém minha arma com sua boca não é algo que rebeldes judaizantes façam. Eu creio que Lapidatus concorda comigo, satisfeito como ele parece estar, preenchendo seus quadris.

[slurp]- General, nosso mestre nos ensinou que não é o que entra pela boca, mas o que sai dela que advém a impureza.

– Talvez nós fiquemos alguns dias. Assim você poderá me instruir mais dos aforismos de teu mestre. Isso se eventualmente este mestre não tiver algo contra nossa permanência. Seria cruel impedir meu centurião de derramar sua essência entre seus rins.

O pobre Lapidatus tenciona todos os músculos do corpo, grunhe e a mulher sente ser invadida por enorme volume do líquido quente, esbranquiçado e grudento que costuma provocar efeitos colaterais nas barrigas das mulheres. Um foi vencido. Falta um.

– Grande general, nosso mestre nos ensinou que o homem se unirá à mulher, os dois se tornarão uma só carne. Então, se é desejo e vontade de Deus, que eu seja ferramenta da glória divina. Tomai este corpo e una-se a mim, para que nós sejamos Um.

As demais mulheres observavam, entre surpresas e invejosas, o desempenho de sua superiora, suspirando, resfolegando, gemendo e remexendo debaixo do enorme corpo musculoso do general. Alguns minutos mais tarde, o general também capitula, se esvai entre as coxas da mulher, rola e desmaia no chão. Vitória total e completa. Seu corpo está fervendo, amolecido e empapado de sêmen, mas ela venceu.

– Muito bem, minhas irmãs. Aquelas que ainda conseguem andar e se mexer, comecem a atender os prisioneiros. Tragam água, comida e emplastos. Os irmãos que nós encontrarmos, nós devemos envia-los em segredo até Antioquia.

As mulheres, capengando e cobertas de sêmen, abriam as cadeias da carroça e foram, aos poucos, removendo os prisioneiros que lá estavam, com sorriso e compaixão. Contando, dez homens, cinco mulheres, sete crianças.

– Madre Superiora! Tem um que não se move!

Temendo o pior, Melania apeou na carroça, entrou na carapaça de bronze e aproximou-se do enfermo, tomando o pulso em suas belas mãos.

– E… ele morreu?

– Felizmente não, irmã Macrina. Mas ele está gravemente enfermo. Venha, me ajude a leva-lo para nossas dependências, para a enfermaria, onde nós podemos ministrar os fármacos.

Macrina envolve o corpo magro, fraco e curtido do enfermo com lágrimas nos olhos, que fluem abundantemente ao ver a expressão de sofrimento naquele rosto. Melania o segura pelos pés, conduzindo para fora da carroça e para o chão.

As demais mulheres e prisioneiros ficam com expressão de comoção, piedade e compaixão, abaixam os olhos e orações começam a soar suaves pelos ventos. Melania e Macrina conseguem chegar nos leitos e depositam o corpo tísico, com cuidado, em um leito.

– Nós não temos muito tempo, Macrina. Traga meimendro, açafrão, funcho e salgueiro.

Coisas que se acha em qualquer casa. Toalha, água, bacia e ervas. Habilmente Melania mistura até ficar pastoso, formando o emplastro. Com cuidado, vagarosamente, aplica o fármaco nas parte mais prejudicadas. A pele retesa, a carne reage com tremores. Pacientemente, Melania envolve com ataduras para, então, dissolver na proporção de 2/3 por litro de água [quente] o emplastro a fim de fazer o enfermo beber.

Irineu sente a sensação de frio amainar, cedendo espaço a sensação confortável de calor morno, juntamente com o ânimo. Ele começa a ter as sensações de volta, consegue sentir que está sendo amparado, ele sente que algo envolveu seus ferimentos e que alguém está encostando o funil alongado típico da Ânfora de Esculápio. Sofregamente, lentamente, Irineu beberica a amarga tintura, ruim no sabor, mas eficiente na cura.

– Muito obrigado, gentil incógnito. Que Cristo te abençoe e te retribua.

– Que Cristo te restitua o que te foi tirado, meu irmão.

A voz feminina, melodiosa e agradável ajuda Irineu a se refazer. Curioso e consternado, ele se esforça em abrir os olhos para ver a figura do anjo que o ajuda.

– Mil perdões, minha irmã em Cristo. Eu te confundi com um irmão.

– Não se esforce nem se preocupe com coisas pequenas, meu irmão.

– A Graça de Cristo tornou possível que minha vida fosse poupada e resgatada. A Misericórdia de Cristo tornou possível que esse pobre servo pudesse receber a ajuda de um anjo de Deus. Apieda-te desse penitente, irmã, conceda-me conhecer teu nome.

[riso suave]- Você me honra demais, irmão. Eu sou apenas um instrumento da Vontade de Deus. Aqui eu sou chamada de Melania.

– Melania? A Madre Superiora? A Mãe do Deserto? Quem diria…

– Ora, eu estou ofendida! Tu me conheces, mas eu não conheço a ti!

– Eu não sou digno de estar diante de sua eminente presença, santa abadessa. Eu sou o menor de todos, aqueles que, como eu, são menos afortunados, conhecem-me como Irineu.

– Oh! Cristo! Irineu? O Santo Irineu? Pai celestial, isso é possível? Meninas, venham! Venham conhecer e conversar com Santo Irineu!

Como se elas não tivessem sido curradas alguns minutos atrás, as mulheres invadem a enfermaria e rapidamente formam um círculo em torno do leito onde Irineu descansa. Muitos rostos, muitas perguntas, muitos cheiros, muitos corpos femininos em ebulição. Irineu queda-se em dúvida se não morreu e agora se encontra no Paraíso.

Guerra é guerra

Das catacumbas aos palácios.

Ficção baseada em fatos históricos.

Guerras judaico-romanas é o termo genérico que designa a série de revoltas movidas pelos judeus contra a dominação pelo Império Romano.

Primeira Guerra

Também chamada de “Grande Revolta Judaica”, iniciada em 66 DC, na província romana da Judeia, e oficialmente encerrada em 70 DC, embora a luta tenha se prolongado até 73 DC, com a tomada da fortaleza de Massada. Foi sufocada pelas tropas do comandante romano (e futuro imperador), Vespasiano, secundado por seu filho, Tito. Morreram mais de um milhão de judeus e o Templo de Jerusalém foi destruído, restando apenas o Muro das Lamentações.

Segunda Guerra

Também chamada de “Guerra de Kitos”, ocorreu entre os anos 115 DC e 117DC, no governo do imperador Trajano. Consistiu em uma revolta das comunidades judaicas da Diáspora (judeus que viviam fora da Judeia), disseminando-se, principalmente, por Cirene (Cirenaica), Chipre, Mesopotâmia e Egito. Foi sufocada pelo comandante romano Lúsio Quieto.

Terceira Guerra

Também chamada de “Revolta de Bar Kokhba”, ocorreu entre os anos de 132 DC e 135 DC, durante o governo do imperador Adriano, sendo liderada por Simão bar Kokhba, que alguns consideraram ser o Messias davídico esperado pelos judeus. Foi sufocada pelas tropas do comandante romano Sexto Júlio Severo. [Wikipédia]

Agora, na época em que essa grande concussão aconteceu, os assuntos dos romanos estavam em grande desordem. Aqueles judeus que queriam mudanças, então incrementaram quando os tempos foram perturbados; eles também estavam em uma condição florescente de força e riqueza, de modo que os assuntos do Oriente estavam então extremamente tumultuados, enquanto alguns esperavam ganhos e outros provavelmente não sofriam de tais desordens; para os judeus que esperavam que estivessem melhores do que os outros.

Verdade que esses escritores têm confiança para chamar seus relatos de história; por que eles me parecem falhar de seu próprio propósito, tão bem quanto não relacionam com o que dizem. Pois eles têm uma mente para demonstrar a grandeza dos romanos, enquanto eles ainda diminuem e diminuem as ações dos judeus. Eles estão envergonhados com a extensão da guerra, a multidão das forças romanas que tanto sofrem nela, ou os poderosos comandantes, cujos grandes trabalhos sobre Jerusalém serão considerados inglórios, se alcançarem um objetivo contado.

Contudo, não irei ao outro extremo, ao contrário, àqueles homens que exaltam os romanos. Mas poderei prosseguir com as ações de ambas as partes com precisão. No entanto, sigo minha linguagem às paixões que estou sofrendo, estou sob as circunstâncias e devo estar em algumas lamentações sobre as misérias sofridas pelo meu próprio país. Para quem era uma tentação sediciosa de nossa própria destruição, e que eles eram os tiranos entre os judeus que nos trouxeram de volta à terra, Tito César, que destruiu é uma testemunha que, ousando toda a guerra, foi mantida viva pelos sediciosos, e muitas vezes adia voluntariamente a tomada da cidade, e permitiu tempo para o cerco, a fim de deixar os autores oportunidade de arrependimento. Mas se alguém faz uma acusação contra nós, quando falamos tão apaixonadamente sobre os tiranos, ou sobre os ladrões, ou lamentamos gravemente as desgraças de nosso país, permita-se que ele satisfaça minhas afeições aqui. Porque assim acontecera, que nossa cidade havia chegado a um grau mais elevado de felicidade do que qualquer outra cidade sob o governo romano e, no entanto, por fim, caiu novamente na mais dolorosa das calamidades. Assim, parece-me que os infortúnios de todos os homens, desde o começo do mundo, se são comparados aos dos judeus; enquanto os autores deles não eram estrangeiros também. Isso torna impossível para eu conter minhas lamentações. Mas, se alguém for inflexível em sua censura a mim, atribua os fatos à parte histórica e às lamentações ao próprio escritor. [Flávio Josefo, Guerra dos Judeus]

Para se livrar dos rumores, Nero criou bodes expiatórios e realizou as mais refinadas torturas em uma classe odiada por suas abominações: os cristãos (como eles eram popularmente chamados). Cristo, de onde o nome teve origem, sofreu a penalidade máxima durante o reinado de Tiberius, pelas mãos de um dos nossos procuradores, Poncio Pilatos. Pouco após, uma perversa superstição voltou à tona e não somente na Judéia, onde teve origem, como até em Roma, onde as coisas horrendas e vergonhosas de todas as partes do mundo encontram seu centro e se tornam populares. [Públio Cornélio Tácito]

Já que os judeus estavam fazendo constantes distúrbios na instigação de Christus [Chrestus /Cristo], ele [Cláudio] os expulsou de Roma.[Caio Suetónio Tranquilo]

Esta foi a regra que eu segui diante dos que me foram deferidos como cristãos: perguntei a eles mesmos se eram cristãos; aos que respondiam afirmativamente, repeti uma segunda e uma terceira vez a pergunta, ameaçando-os com o suplício. Os que persistiram mandei executá-los, pois eu não duvidava que, seja qual for a culpa, a teimosia e a obstinação inflexível deveriam ser punidas.

Todos estes adoraram a tua imagem e as estátuas dos deuses e amaldiçoaram a Cristo, porém, afirmaram que a culpa deles, ou o erro, não passava do costume de se reunirem num dia fixo, antes do nascer do sol, para cantar um hino a Cristo como a um deus; de obrigarem-se, por juramento, a não cometer crimes, roubos, latrocínios e adultérios, a não faltar com a palavra dada e não negar um depósito exigido na justiça. Findos estes ritos, tinham o costume de se separarem e de se reunirem novamente para uma refeição comum e inocente, sendo que tinham renunciado à esta prática após a publicação de um edito teu onde, segundo as tuas ordens, se proibiam as associações secretas.

O assunto parece-me merecer a tua opinião, principalmente por causa do grande número de acusados. Há uma multidão de todas as idades, de todas as condições e dos dois sexos, que estão ou estarão em perigo, não apenas nas cidades, mas também nas aldeias e campos onde se espalha o contágio dessa superstição; contudo, creio ser possível contê-la e exterminá-la. [Caio Plínio Cecílio Segundo]

Você observou o procedimento adequado, meu querido Plínio, em peneirar os casos daqueles que haviam sido denunciados à você como Cristãos. Para isto não é possível estabelecer qualquer regra geral para servir como um tipo de padrão fixo. Eles não estão a ser procurados; se eles são denunciados e provaram sua culpa, eles devem ser punidos, com esta restrição, que todo aquele que nega que ele é um Cristão e realmente prova – isto é, por adoração aos nossos deuses – ainda que ele esteve sob suspeita no passado, deve obter perdão por meio de arrependimento. Mas acusações postas anonimamente não deveriam ter lugar em qualquer prossecução. Para isto é tanto um tipo perigoso de precedente e fora de sintonia com o espírito de nossa era. [Imperador Marco Ulpia Nerva Trajano]

Os Cristãos, vocês sabem, adoram um homem até hoje — esse personagem distinto que introduziu seus rituais fora do comum e foi crucificado por causa disso… Sabe, essas criaturas equivocadas começaram com a convicção geral de que são imortais para sempre, o que explica o desprezo da morte e a auto dedicação voluntária que são tão comuns entre eles; e então eles foram ensinados por seu legislador original que são todos irmãos a partir do momento em que são convertidos e negam os deuses da Grécia, adoram o sábio crucificado e vivem de acordo com suas leis. Tudo isso eles levam muito em fé, causando como resultado o desprezo de todos os bens materiais semelhantes, considerando-os apenas como propriedade comum. [Luciano de Samósata]

Está claro para mim que os escritos dos cristãos são uma mentira, que suas fábulas não são bem construídas para esconder essa ficção monstruosa. Eu ouvi dizer que alguns de seus intérpretes são inconsistentes e, pena em mãos, altera os escritos originais, três, quatro e mais vezes para poder negar as contradições diante das críticas.
Não há nada de novo ou impressionante em seu ensino ético; de fato, quando se compara a outras filosofias, sua simplificação se torna aparente.
A Razão deve ser um guia antes de aceitar qualquer crença, uma vez que, qualquer um que aceita sem testar uma doutrina certamente será enganado.
Muitas das idéias dos cristãos foram expressas melhor – e antes – pelos gregos, que são modestos o bastante para evitar dizer que suas idéias vieram de um deus ou de um filho de deus. [Celsus]

– Dizei, meu caro Porfírio, Cristo teve doze Apóstolos [e deixemos de lado as considerações astrológicas], então por que o Evangelho nos chegou somente em quatro narrativas?

– Ora, Apolônio, porque foram quatro os centros das primeiras comunidades, das primeiras ecclesias que reuniam a nossos irmãos em Cristo.

– Quais são estes centros de difusão da Boa Nova?

– Sabemos que os primeiros escritos começaram a surgir em Jerusalém e os textos foram atribuídos a Mateus, que congregavam os Nazarenos e Cristãos da província da Judeia. Sem demora, escritos surgiram, copiados ou transcritos dos ensinamentos orais, em Antioquia, textos atribuídos a Lucas, congregando os Nazarenos e Cristãos da província da Síria. Destarte por necessidade, considerando que para lá se supõe que Pedro e Paulo foram ministrar o Evangelho, igualmente surgiram textos em Roma, atribuídos a Marcos, onde inumeros conversos ansiavam por ouvir a Palavra. Como resultado inevitável das influências que trouxemos dos templos iniciáticos e da convivência com ordens místicas gnósticas, a província da Macedônia produziu a narrativa atribuída a João.

– Então o que nós vamos fazer em Niceia? Eu mesmo tenho dúvidas e incertezas em minha diocese. Eu ouço meus ordenados, eu ouço os sábios das escrituras, os sábios da história e consulto os textos de entigos pensadores, mas tem assuntos que são enigmas insoluveis.

– Meu caro amigo Apolônio, ao menos isso fazes. Eu fico com vergonha quando eu leio proclamas de nossos colegas, bispos de dioceses, excomunhando um ao outro, por expor seu entendimento do Caminho.

– Colocando em separado o casuismo que nós fomos convocados pelo Imperador Flavius Valerius Constantinus, esse evento chamado de Concílio seja para esclarecer pontos controversos. Os textos continuam a ser copiados e passados, muitas vezes sem controle, inexatos, adulterados, acrescentados. Pessoas comuns e ordenados novatos lendo os Evangelhos têm suscitado inúmeras heresias.

– Bem lembrado, meu bom amigo, bem lembrado. De outra forma, a Simonia irá crescer. Mas vamos nos deter por agora. Vêde essa gente toda aqui diante de nós?

Porfíro faz um amplo gesto com o braço, apontando para toda a extensão do auditório.

– Toda essa gente vive em um tempo à frente do nosso. Eu ouso dizer que poucos leram os Evangelhos por inteiro, menos ainda o Velho Testamento e ignoram a história que nos trouxe até esse momentum.

– Ah, sim, eu os vi. Parecem estar tão confusos como nós.

– E não podia ser diferente, caro Apolônio. Depois da Guerra Judaico-Romana, aconteceu a Diáspora Judaica. Nossos antecessores foram igualmente expulsos da Terra Santa, Judeus Helenizados e até mesmo Gentios. A Judeia foi a única exceção na politica romana de tolerância religiosa, por motivos evidentes. Nossos antecessores tinham perdido toda a organização que lhes conferia a Ordem de Melquisedeque, os centros de estudo [aqui chamadas de Lojas] foram forçados a usarem seus aposentos para sediar os mistérios de Mithra e os líderes morreram. Nossos antecessores, exilados, por questão de segurança e sobrevivência, deixaram de usar Nazarenos para se identificar e passaram a se denominar Cristãos.

– Isso é fato, mas longo caminho foi traçado, desde Cristo até a organização das ecclesias.

– Sem dúvida. A história de nossa jornada passa por cavernas, catacumbas, antes de podermos voltar a poder nos reunir, voltar a poder ter nossos templos e fazer os nossos cultos. Mas, eia, que esta é a função daquela criatura ali [Porfírio aponta para mim, com expressão de repulsa e nojo]. Vamos seguir o caminho para Niceia e ver no que vai dar.