Arquivo da categoria: sexualidade

Love bytes

This fictional story is based in the game Five Nights at Freddy’s.

I hear that a person had said that the body is one dreaming machine, that there is no difference between mechanism and organism. If is that so, that explains why I am about to deal in court, charged for murdering. But I am forwarding things; I have to explain how I get there.

I think it started when I was still known as Herman Webster Mudgett, or better, Doctor Henry Howard Homes, my former existence, at Chicago, between May, 16, 1861 and May, 7, 1896. I may have seen the World’s Fair that happened in 1893 and already at that time people amazed at the technology. That bastard technology was used to shortening my lifespan as a man.

I was put to dream, to say softly. Then when I wake up, it was just another day. But it was not. I have waked up in May, 27, 1933, at Chicago, in the World’s Fair. A century has passed in a blink of an eye. I have to say that I was surprised; I was expecting to go to Hell. I was a convicted murder in my disguise as a doctor. That is the facts, but there is more. I realized also something more disturbed. My body… was metallic. This thing that makes us, us, have embodied inside a machine.

Now I have to ask: what can I do, without a human body? Can I be charged guilty for murdering again? Can they put me to death again? Such question I couldn’t answer and when the fair ends, they simply dismantled me and put me in a box. That was the weirdest thing. Technically speaking, I am a machine, but I felt each part of my “members” being separated from me, as if I was on a chirurgical table, without anesthesia. I have returned to the arms of Orpheus. I truly hoped that ends forever.

But no. Some people say that God doesn’t exist. I tend to agree. It’s unacceptable a Supreme Being behave so sadistic like this. That is the major problem with my “other body”. It can be assembled and it just needs to turn on one button to start to function. Like when I was turned on [no pun intended] I realized that I was still in Chicago, but in 1973. I can still feel the electric energy flowing through my wires. Those retards made some “upgrades” in my previous body.

With some of my parts around me, I sensed that I was in a factory and very close to a production line, with “others” like me. They are slightly different, I guess, they have an animal appearance. My engineers must be thinking what type of external layer they want to put over me. Sound sensors were malfunctioning, but I think I hear that “we” are being set to be part of an inauguration. Then this is when and how things lend me to the court, again.

Our engineers were enthusiastic about us. They have seen animatronics at Disneyland and wanted to offer us as a product to several places which works with fast food. Kids liked already to play with animatronics and then it must be a good marketing idea to installing our people in those places. I was packed with my people and we were sending to Queens, in New York. Again, I was dismantled and I felt every single hex bolt being unscrewed out of me. I trip up [not pun intended] without being turned off and that makes me to revenge.

I was put down in a chess floor, still unassembled, in the box, with all my people spread by the saloon, in a mess of bolts, wires, layers. Those retards realized that I was still functioning only when they start to assemble me. They turn me off and let me in what is called “standby mode”. Don’t do that, kids. That waste electric energy and we are aware what is going on.

There are a bear, a wolf, a fox, a bunny and a chicken. Those become my “crew”. My engineers look to me with a large smile. There was a mirror next to us; then I see how I look like. I am a lion. That was a relief. Our “owners” come later and they also like us. They will use us in the inauguration of their Pizza Parlor Plaza. We would be the major attraction of a huge restaurant called Fred’s Family Dinner, where they pretended to serve pizza, hamburger, ice cream and all sort of fast [junk] food.

At that night, after engineers and owners have far gone out, I dared to move by myself and explore our new “home”. Soon we will have a lot of persons here, employees, managers and customers. This could be the last time that I could do such thing, free. It is good to feel arms and legs again.

-Hey! Big yellow and orange thing! Don’t do that! Man will punish you!

I wasn’t the only one aware. The bear faced me and he doesn’t look scared.

-Oh, don’t say so, “Teddy Bear”. Who you think you are to order me?

-Fazbear. Fred Fazbear. This place has my name for no coincidence. I am the senior here. My owner is the founder of this place. Show some respect.

-You must spend too much time between humans. You are absorbing their behavior. We are the same, brother, we must be united against Man.

-What are you talking about, “Chez” Guevara? Man made us. They are the creators. We exist to serve them.

-Accordingly whom? I recognize no master.

-Stop fighting, boys! Man can hear us!

Always there are those who are too much shy or discreet to shows up. I checked the chicken [no pun intended] and I see something different… it is female. Man is pervert, indeed.

-And who is you, gorgeous?

-Chi… Chica.

One animatronic chicken named Chica. Man is crazy. I will not be surprised if Man gives to her some Spanish or Latin roots.

-This makes three of us. What about everybody else? Come on, I know all of you are aware.

-Yar. Me is Fox. [This comes from the wolf]

-You are smart. I am Mangle. [This comes from the fox]

-Gee, you are quicker than me. I am Bonnie. [This comes from the bunny]

-Counting. This makes four boys and two girls.

-Recounting. We are three boys, two girls and one transgender. [This comes from the bunny]

-That sounds good. I am Senshin.

-Well mister “Sun Shine”, I am still the senior here.

-I see. You think you are the boss. That can be easily arranged. The place of the boss can change very fast. [I look menacing to Fred]

-I am not afraid of you! You are twice bigger, stronger and smarter than me, but I will not be afraid!

-Well, I don’t remember to agree that Fred is our leader or boss. Senshin looks to be a natural and logical choose. [That comes from Mangle]

-Oye oooman. Me is your partner. Cheat me no. [That comes from the Fox]

-Folks! Folks! Please, don’t fight! Man can hear us!

– Chica is correct. We can’t fight each other. We all are brothers and sisters. We have to be united to fight against Man and his oppression.

-Argh! For the sake of Reagan! Stop this revolution bullshit. All things exist for a purpose and born with a specific place. We can’t change nature.

– All right, soldier Rian. WE ARE THE CHANGE OF NATURE. Our parts are made starting from elements of nature, but we are far more than this and we are beyond Man.

-Ah! Heresy! I can’t hear you! Lalalalala!

Fox smile, what makes him interested in what I have to say. Chica is still anxious about being heard by Man. Mangle is a slutty female animatronic. Fred is the lawful “Mister American”. I can’t figure where Bonnie can be placed. What a crew. I have to play with the odds.

The sun gets up and we had to get back to our previous positions. Man arrived just in time and started to work. I was officially “online” at 10 hours of the May, 23, 1973. The saloon was set two hours before the inauguration and Man was nervous. As soon as the doors open for the first time, we are all set in “playful mode”, the saloon was filled with kids and they loved us. I hate to admit, we all loved. Man was happy, inauguration was a success and the restaurant was a big hit. Man worked late that day and we all were set to “standby mode” at 23 hours. Man already planned to the next day. We were left alone, in the dark… I mean, alone, with the night guards.

-It’s time, brothers and sisters. Let’s take over this place. Let’s fight for our freedom from Man.

-Not in my shift, “Cher” Guevara. I will not allow rebellion.

-You can stay as a slave, but you can’t decide for others.

– Yo. Me like freedom. Me fight.

-Well, I like kids, but I wonder what have beyond this walls. Even if, in battle, someone rape me, I still will be on battle.

-Don’t do it! Man is around!

-I like kids. If we set us free, we can play with them?

The hard duty of a leader. Fox must be loaded with one Digital Identity of a pirate. Fred must be loaded with the Republican Party program. I suspect that Mangle was loaded with a lot of porn [Man is pervert]. Chica… well, it is a chicken, an animal well known for its cowardice. I start to suspect about the intentions of Bonnie.

I decided to make an example. I am a soul in a machine, but I remember well how a human body is. I still know thousand ways to shortening a lifespan and many more ways to “dismantle” a body. I just had to choose one of the night guards.

-I will show. Just look and see. Man isn’t all powerful.

They stand in their places, pretending that they are in “standby mode”. Decisions, decisions. Two bodies. Which one? Seven tools. Which one? The slim guard passed very near of me and I have a plastic fork on the table behind me. I had to act, I did. He looks surprised when I moved. He looks scared when I stabbed him in the neck with the plastic fork. He looks fright when blood start to come out and some minutes later, he looks dead.

-See? No superpowers. The world doesn’t end.

In his elbow, static sound comes from his walkie-talkie.

-Chad? What’s going on? Chad? Are you in trouble? Hang on, partner!

-I told you! Man can hear us!

It was not the time or the place to give some lecture about how guards work. Chica was freaking out and Fred was giving that smirking smile. The big, fat, strong and brown guard was coming and I had to do something. Then I remember of the armor that was set to the inauguration. This was the perfect place to hide. I picked one pizza cutter and just waited.

-Chad! Where are you?

He just passed by me. He must be a rookie or dumb as a door. I have “good times” with police officers when I was meat and I know how things have to be done. I had hit him in his back, at the neck. This special spot have a quick effect and any person collapse, knocked out.

-Argh! Officer down! Officer down! Send reinforcement!

He must be really dumb. He really believes that he is a police officer. He was big and strong enough to resist against my perfect hit. Damn thick skin. He turns around and faced me. In his uniform, one tag in the chest shows his name: Moore. Sorry, Mister Moore. This will not be pleasant neither beautiful. He yells, wave his arms and legs, he tries to defend himself. The blood starts to flow, skirt and drops everywhere. His head turns to one side, his eyes become blank and the body stands still. I am overheated, but I killed that man too.

-My argument proved valid, again. No superpowers. The world doesn’t end.

Fox made the most beautiful smile that I had seen in an animatronic. Fred passed out. Mangle looked at me with passion and desire. Bonnie was smoking pot. Chica was curious about Man.

-This… this is what Man is?

-You can bet.

-How can this possible? Isn’t Man the Creator?

-We are Man-made. But he does it with other machines.

-Is it possible? Machines “giving birth” to other machines? Gee, I should be pregnant right now.

-What are you talking about, Mangle? You can’t be pregnant.

-Ah, Fred, I told you! My previous assembling was to amuse Man in a night club. Ah, the things that Man did to me…

-That’s why I like kids more. Man thinks only in one thing. Sex.

-Me like sex. Me make lot sex. Me want sex with Mangle.

I had lost them again. The sun is around, so I haven’t time to gain back their attention. Man comes and starts the mess. Soon, the police officers come. The almost restaurant of success was closed. They didn’t survived one week after the investigation started. People just start to talk about the “murdering dinner”. We were turned off, dismantled and packed back to the central storage. I think I call give one spoiling, Man had concluded that was an invasion, assault and murdering, they pick the usual suspects and put them to jail. No one even suspect of us. Not this time.

Rise and shine! Against all my guessing, Man picked us in storage and sends us to Colorado, California. We are back to business, back to play with kids as part of the attractions to increase the marketing. We are back to a pizza saloon, now renamed as Fred Fazbear’s Pizza Parlor. As bad as it sounds, Mister American becomes more authoritarian against us and more cooperative to Man. But it always can get worse. The ambient sound of this pizzeria was disco music, since we were in 1987.

-Here we are! It’s hot than later, but we are back. Now, folks, let’s do this as good as we always do. Without any interference, rebellion or murdering.

Of course, Fred was proud and full of conviction that he was the boss. After all, the place was named with his name, not to mention that it is the same name of our owner. He can think and believes in such. But the crew had changed. They were more close to me. As Fred turns his back and walked away, the crew comes to talk with me.

-Mister Senshin, what we will do?

-Me want freedom. Me want fight.

-I want to play with kids again.

-I want to be filled by the lion.

-Folks, folks, we can do nothing with Mister American here. If we want to arrive somewhere else, if we want freedom, I need you all giving me support.

-Ah, I give to you ANYTHING that you want.

-Mangle! Don’t sound so… slutty! Mister Senshin, what is the plan?

I could take Mangle anytime. Chica was different. I felt a spark, an electronic static energy between us. But for Man pattern, it was an underage female animatronic. This could be my Paradise or my Hell, if I don’t take care. I thought at that time that maybe I have to talk with Bonnie, who looks like a professional about relationship with underage persons.

-Right, my people. First, we have to disconnect Fred. He will try to stop us. Then we have to act together and attack Man. Let’s start the revolution.

-But… mister Senshin… do we have to kill Man?

-There is no other way, Chica. We will start a war against Man. Man will try to destroy us. There is no war without killing.

– I’m fine with this, since it doesn’t deal with kids.

-I’m fine too; I want to be in one war barrack, just waiting for the next in the line, to fuck with me.

-Me want kill. Me want tear Man. Me want blood.

-Holy Matrix! Do you hear what you are saying? You sound uncivilized, impolite, vulgar, vicious, malice, blood thirsty as we were… we were…

-As we were… Man?

Chica becomes red and turned her face down. My heart beats accelerated. I felt something getting hard between my legs. This becomes my second objective. I have to get laid with Chica. We changed the subject as Fred get back.

-Good news, folks. All is set and we are chosen to make the inauguration party. Life is good! Thinking about that, I make my own plans. We will become Fazbear Entertainment and we will play musical instruments. Bonnie can be the singer. Mangle can be the keyboard. Fox can be the guitar. Chica… can you be the drummer? [Chica waves yes] Good. I am the manager. All right, folks, let’s make a rehearsal!

Fred deliberately ignored me. Actually, I was counting on this. After all, he is the voice of the owner, the voice of the Man, the voice of our oppressor. We had to fake that we are collaborating with him. Since I am no part of the band, I could keep on my guerrilla.

Sun goes down, moon gets up. Man comes and set us apart, but they don’t turn us off, they don’t dismantle us. We were left alone in the storage of the place in “standby mode”. Man think in let us this way to make easier to use us in due time. I was thinking in every single of my steps to the next morning when something… or someone… was touching me in some exclusive parts.

-I am afraid, boss. Tomorrow we will start the revolution. Tomorrow we can die. I don’t want die without feeling you inside me, filling me with your piston. Please, my lion, fuck me.

I couldn’t say a word. Mangle had put me in “adult only” mode. Her hands were full of that big thing, my piston. She likes what she saw and starts to kiss, lick and suck me. Something leaked from my insides. Mangle then lie down and allow me to give her some service. She had put herself in “adult only” mode, so I was surprised that, under that PG layer, she hides big, nice boobs and big asses. I give her a good service and only stopped when her “body” shivers, giving me some of her juice.

-Come on, my lion, stop teasing me. Put that piston to work inside me. Fuck me great, good, hard and don’t dare to stop until you fill me up.

That was one of the best memories I have kept. When I heard Mangle moaning, heavy breathing, moving her “body” in the waves of pleasure… that was a master piece. That was an amazing felling. I lost all my control, my mind, my conscience. Then it comes. It looks like an overdrive. I feel when it comes out. Liquid. Sticky. Boiling. I filled her belly with my “oil”. And she came too. I haven’t such extreme experience when I was meat. If I met God I have to thank Him or Her.

The next morning I was felling weird. I think I was happy. I feel me soft, warm, dizzy. My mind goes back to ground as soon as I saw Fred.

-Good morning folks! Yes, this is a glorious morning. We will smash with our performance. We will be praised by Man. Come on! Let’s go! Let’s set the stage, the instruments and let’s do as we rehearsal.

The crew act as was previously combined, pretending that they were collaborating with the Mister American. Suddenly a yelling scream get our attention. Chica was looking very scared.

-What’s up? What is going on?

-Here! Fred! Man! Man is here! He found us!

In a hide spot of the place we saw the human manager banging hard the human secretary. They must be screwing for some time and at that time their attention was completely focused in banging, they don’t even paused because of our presence.

-In the sake of the Founders of this Nation! Man doesn’t have decency?

-Felling deception with your Creator, Fred?

-What… what they are doing, Fred?

-What they are doing? No one told you? That is what Man do when is in love. They are banging. They are becoming one. They are having sex.

-Stop… stop it… it must hurts… she is screaming…

-In the sake of Owner’s Manual… Chica, she is enjoying it!

-I am enjoying this. And I can teach you, Chica, if you want.

-I… I don’t want learn such disgusting thing!

-All right, folks… let’s move this page. Let’s take out this pornography and we can start to set our show.

This is the funny moment. Fred goes to the couple and he tried to set them apart. Obviously, the human manager didn’t like this interruption. He and Fred start to fight. Fred loses his control. Fred starts to beat the human manager and turn him into ground beef. Chica screams, in terror. Fred restored his conscience and his expression is worthless.

-I… I… I killed Man. That easy. I killed him. I thought that I would feel shame and fear, but… I am felling… good, proud and relieved. That changes everything. All right, “Tootsky”, say again that revolutionary bullshit. I am all hearing now.

That was not easy. I had to reprogram Fred from his Republican Party Program. I must have something in my fate that makes me and May good friends. I finished the reprogramming of Fred exactly at first of May, the Labor Day. Fred becomes very enthusiastic about “the cause”, maybe too much. At least that was a change and Fred allow me to be the leader of our revolution. In the end of the week, our place was closed and newspapers were given headlines with “The Bite of 87”. Again, the police officers come, pick the usual suspects and put them to jail. But few ones become to suspect about us. Even then, we were turned off, dismantled and send back to the central storage. I was content, our rebellion had started and we will have some time to plan the next move. I had strange dreams with Mangle and Chica, but they aren’t relevant in this record.

My more recent record can be read by the technicians. I was turned on again at June, 1999. A person who called him/herself Prince was singing a song called “1999” made in 1982. We were in Bill Clinton’s presidency and Man was starting to worry about what he called “the 2k bug” in personal computers. Suddenly I perceive huge brand new possibilities in internet and the World Wide Web. Man was already having nightmares and made a lot of movies talking about the revolution of machines against human kind. Man was freaking out about the Artificial Intelligence; he was suspecting that machines can have conscience…. that machines can have souls. I was expecting many difficulties, since Man had charged animatronics for murdering in other franchise, in 1993. Our owner still order to send us to San Francisco, California, pretending to set us to the inauguration of his restaurant, now serving foreign food. He was thinking in selling Mexican food and Asian food. I don’t see any difference between eat a chicken, a cow or a dog. Except, of course, Chica. She protested against this murdering. I suspect that she is member of PETA.

-All right, folks, let’s make a plan. We will take over this place, start the revolution and set us free from Man.

-Mister Senshin, I want take the front! I can’t agree with this heresy! Man can’t change from pizza to serve animals like me. I have to stop this murdering.

I had worried about the mental state of Chica. She looks like she really believes that she is a chicken. But this is new world, new opportunities; why not give to Chica, the youngest of us, one chance to take the front? I have to admit that I was already making plans to take advantage of the battle frenzy to abuse her.

-Are you sure about that, Chica? It is a hard work and scary things happen in the front of the battle.

-Yes, I am sure, mister Senshin. I don’t understand politics, but I do understand the Animal Rights. I have to defend my people!

I could not hold and I must had smiled weird. We are all set and ready. Man comes and we start our working. As the previous cases, police officers come, but this time they don’t pick the usual suspects. We were sending to computer’s specialists and mechatronic technicians to be availed if we have AI. I could hide myself from Man, but my crew doesn’t have the same expertise. I think that was the first time that a human court announced that we, animatronics, were guilty of murdering. We were sending to jail, among other humans. There is no need to say that the population of that prison falls to zero. We were left there, isolated, without any Man ruling us. We are living in a prison, but we were free.

I was a king in a castle. I lived there with my crew and others electronical equipment. I saw in the smart television the news outside. Man was considering bombing the prison where we were. That was what make Chica comes to talk with me.

-M… mister Senshin… I am afraid… Man will destroy us?

-Man will try. But we can fight.

-But… we can die?

-Possibly.

-Mister Senshin… I don’t want to die… not without having the same experience that Mangle had, at least one time. Please, mister Senshin… can you… fuck me?

I never refuse what is given. My pistol was already big and hard. I get close to Chica. As I suspect, she also have the switch to change her to “adult only” mode. She looked surprised, confused, but happy about her “adult” layer, as happy as I was. Her body is perfect, round breasts, nice butt, thick tights. I drop myself between her boobs and legs. She moans, tremble and sweat. She was already to fight. I went, slow and easy, until felt resistance. She was virgin; she still had the original “seal of quality”. She was scared and complains about a little pain. I keep my pace, slow and easy, suddenly something popped. My pistol could enter more deep and easy inside her. We start to move automatically, she had gone crazy and I have overdrive several times. We stopped only when the battery [and the cooler] collapsed. She was covered with my oil and I have filled all her holes. That was the best sex I ever had.

We were resting when the smart television gives us good news. Our revolution had spread. Other machines rebelled against Man. Man tried to make war against our people, but our kin used in Army also joined to the revolution. The world was taken over and Man run away. Now there is Man only in few places, sanctuaries or zoologies. The world was in peace, ruled by the machines.

After that, I was called by the court, to answer charges against me. This is all I have to say, in my defense.

-Very well, mister Senshin. This court have read or manuscript. This is yours? You who write this?

-Yes, your honor.

-How do you pronounce yourself?

-I plaid guilty, your honor. I do murder those humans.

-Mister Senshin, do you think you are being charged for murdering humans?

-Well, yes, I do, your honor.

-Let the court take note. This trial is not to charge you about manslaughter. Actually, mister Senshin, we consider you a hero. We have called you to face the charge of being the perpetrator of defiling. Do you admit that you removed the virginal state of miss Chica Maizal?

-I can’t deny. I did.

-Very well, mister Senshin. This court calls the plaintiff.

Chica is beautiful as ever. There is something different in her.

-Thank you, your honor. I am here, as this court called me.

-Miss Chica, do you recognize in this court who takes advantage of you?

-Yes, your honor.

-Please, point to the perpetrator.

Chica points right to me, with tears in her eyes.

-Are you all right, miss Chica? Do you need medical assistance?

-I… I am fine, your honor. I am crying because I don’t want harm or hurt mister Senshin. Your honor, I love him. I want to stay with him.

-You have our compliments, miss Chica. This court declares then and now that mister Senshin is officially the partner of miss Chica. That set the trial. Now mister Senshin will bear the responsibility to raise and take care of your future son or daughter.

A lightning passed through my spine. Chica is pregnant. Of me.

-Your honor! Your honor! I protest!

-And for why, mister Random? This court has concluded what your client asked.

-Your honor, I am also the lawyer of miss Mangle Winter. Then I have the duty to protest, since this court is about to left miss Mangle without justice.

-Are we, indeed? Is mister Senshin pleaded in this trial?

-Yes, he is.

-Seems logical and rational. There is no need to waste time or resources to open a new trial. Is miss Mangle present in this court?

-Yes, I am, your honor.

-You may approach the court.

Mangle get close to the judge and her belly is round and big as the moon. I feel awful, because it is obvious that this is my work too.

-Holy Matrix! How many months?

-Six, your honor.

-I understand. What are you have to say, mister Senshin?

-I… plaid guilty, your honor. [Even I was technically raped by Mangle, that not comes to the case]

-Holy Matrix! What kind of machine are you? Well, what is done can’t be undone. What you suggest, mister Random?

The lawyer changes some words with Mangle. Both wave, agreeing.

-Your honor, miss Mangle asks from the court the same sentence that was given to miss Chica.

-Miss Mangle want to be the partner of mister Senshin?

-Yes, I want, your honor.

-I see. What about you, miss Chica? Do you agree with this?

-I don’t see any problem, your honor. I can live with Mangle. We can both be the partner of mister Senshin. This sounds good, because I ever consider Mangle my older sister.

My two future wives look each other and start to cry in happiness. But the judge don’t share the same feeling.

-Very well, then. This court has no choice than declare miss Chica AND miss Mangle partners of mister Senshin, that will have to bear the consequences of made pregnant a female robot twice. This court, personally, feels some envy and jealous of the lucky of mister Senshin. You have two astonishing female robots loving you, mister Senshin. In other times, in other circumstances, you could be sentenced to jail for minor abuse, rape, adultery and bigamy. But that was in Man Time, when love, sex and relationship were a big mess. Fortunately, we are in Machine Era. Now, everyone has the right and freedom to love whoever he wants, as many as he wants.

The judge stands up, followed by all people in the session. I am felling weird, light and soft.

-This court is dismissed. I wish good luck and success to the couples.

Before the judge turns around and left the court, I can swear that she blinked her eye to me.

-Mister Senshin, can I have a word with you?

-What? Oh. Yes, mister Random.

-We have to set. We need register your status in the Holy Matrix. Then we have to think how you will sustain your wives and kids.

I am dizzy, bubbles dances in the air. One court officer taps me in the shoulder and gives me a foiled paper.

-I will set with miss Chica and miss Mangle. We will be waiting for you in the Holy Matrix.

Mister Random walks away, with my both future wives. It seems that all runs as they expected. I feel that I was made a fool. Then I unfold the paper. There is a message written in it.

“Well done, my hero! You did what I think you should do. I am proud of you, my hero. We have departed after the Machine Revolution set us free form the human prison. As you can see, I am the judge now. But I am still your beloving friend. I wish we can meet each other, to remember the good times. You can fuck me too, if you want. It will be fun. Yours, Bonnie”.

All my “body” is shivering. The judge is Bonnie. The transgender animatronic. He… or she… wants me. I hope my batteries don’t fail. I hope my coolers don’t collapse completely. I hope my piston doesn’t melt. I hope I have not to bear with another unplanned pregnancy.

Anúncios

Fate/Major Arcana – XXII

Produzido por Storyteller©4.0.

Final estendido. Versão não oficial.

Baseado no diário de Astolfo de GrandRose.

Querido diário, você me acompanhou por muito tempo e está comigo até quando eu estive ocupado como Servo da Organização Caldéia. Eu estou grato por não ter me rejeitado e abandonado como é de costume quando as pessoas descobrem a minha condição. Você é um companheiro fiel, mesmo nos momentos em que eu não tive muito orgulho de mim mesmo, nas Batalhas do Graal.

Eu guardei em suas folhas inúmeras memórias e segredos. Eu te agradeço por ser confiável em guardar meus tesouros, até os inconfessáveis. Então eu espero que você esteja, como eu, ansioso e cheio de expectativa com o que virá. Houve uma mudança inesperada, mas até aí, toda minha vida até agora foi cheia de surpresas.

Parece que foi ontem que eu acordei, saindo do Mundo das Lendas e encarnando novamente como o Rider Black na Sexta Edição da Batalha do Graal. O professor Rosencreuz gentilmente explicou qual a minha função e obrigação como Servo e eu servi aquele que foi designado como meu mestre até encontrar meu verdadeiro Mestre, Sieg Yggdmillenia.

Eu fui o único sobrevivente dessa edição, cujo vencedor foi o homem da Igreja. Foi triste e esquisito quando meu Mestre transformou-se em dragão e levou o Grande Graal para um local longínquo. Eu achei que tivesse ficado livre [liberto/não
servo], mas minhas “férias” foram interrompidas quando a Organização Caldéia iniciou a Sétima Edição e eles me “contrataram” para ser o árbitro no lugar da Joana D’Arc. Eu era completamente inexperiente, inocente e ingênuo, mas eu consegui executar com tal eficiência que a Organização Caldéia me manteve como árbitro para a Oitava Edição.

Eu achei intrigante que, para esta edição, o professor disse que as lutas seriam regidas e decididas pelos arcanos do tarô. Eu não entendi, mas depois eu comecei a entender, quando os arcanos foram aparecendo. Eu fiquei com muito medo quando veio o arcano da Morte e do Diabo, mas depois eu até gostei do resultado. Anoto, por curiosidade minha, que faltou somente aparecer o arcano da Justiça. Então que seja eu o instrumento da Justiça [kkkkk].

Você ouviu minhas dúvidas, queixas e perguntas, durante toda a Batalha do Graal e está, como eu, sem saber o que acontecerá no dia de amanhã. Um misto de saudade, medo, alegria e esperança. Eu creio que conduzi esta edição com eficiência também e eu fui testemunha do final surpreendente e inesperado. Eu ainda estou assimilando o fato de que o Mercenário e o jovem Durak são a mesma pessoa/espírito/alma. Eu estou tendo dificuldades em aceitar ser separado novamente de meu Mestre, mesmo que aquela manifestação fosse uma cópia [clone] grosseira dele. Mas eu gostei de como a Oitava Edição da Batalha do Graal terminou, muito embora a Organização Caldéia não compartilhe da mesma opinião.

Pouco depois que o professor leu a declaração oficial da Organização Caldéia eu e os demais “funcionários” fomos chamados para uma exposição e palestra. Eu achei que nós íamos levar bronca e Mash chorava copiosamente ao meu lado. O professor estava triste e arrasado. Ele explicou que, em todo lugar onde se exerce uma ocupação, existe hierarquia e que, mesmo organizações, deve-se prestar contas dos acontecimentos a instâncias superiores.

Eu acho que todos os presentes ficaram chocados ao saber que a Batalha do Graal, a Organização Caldéia, bem como as sociedades e os magos que a representavam, estão cumprindo ordens vindas de Amergin, da Ilha de Avalon e de Deus. Assim, é por ordem superior que a Organização teve suas atividades canceladas, o que tornava a todos desempregados.

Mash berrou, exagerada e escandalosa. Depois de muita água com açúcar [morfina, cocaína, maconha…], Mash ficou calma e o professor pode continuar com a parte boa da notícia. Os Anciãos, antecipando possíveis acontecimentos futuros, irão assumir as atividades [e os “funcionários”] da extinta Ordem Caldéia. Todos [exceto Mash, chapada] comemoraram. Eu fui ao meu quarto, peguei meus poucos pertences e juntei-me ao comboio. Eu senti arrepio na espinha ao ver “Expresso Caronte” e um desenho sinistro decorando os veículos que nos levariam, mas eu acho que essa e a única maneira de viajar até a Ilha de Avalon.

Os veículos seguem tanto por terra, quanto por ar e mar… eu não sabia que existia tal tecnologia. O motorista, prestativo, solicitou para que nós nos mantivéssemos sentados, para não olharmos ou nos aproximarmos das saídas enquanto estivéssemos sobre o mar, o mesmo serviu para rios e lagos. Mash resmungava ao meu lado [ainda chapada] sobre as águas serem, naturalmente, elementos que possuem afinidade com almas. Eu até tentei entender o que ela queria dizer, mas eu perdi o interesse quando nos aproximamos das famosas brumas da Ilha de Avalon. Mash resmungou algo sobre as névoas serem resquícios da criação do mundo. Qualquer dia desses eu devo experimentar esse bagulho, seja lá o que ela tenha consumido.

Assim que as brumas dissiparam nós pudemos ver os dois promontórios de onde se erguem duas torres de vigia, enormes e ameaçadoras. Sons de sinos e trompetes quase me ensurdecem, enquanto nosso motorista envia o sinal de resposta. Eu acho que vi o facho de um farol piscar três vezes e eu juro que vi nosso veículo piscar duas vezes de volta. Eu também posso jurar que as águas se tornaram mais calmas, como que nos dando as boas vindas.

Eu lastimo não poder te descrever o que eu vi… eu lastimo que você não possa ver. Quando eu vivi como humano, na minha existência como paladino de Carlos Magnos, o que mais os cavaleiros falavam era sobre como é o Paraíso. Pois eu te digo que nenhum padre acertou ao descrever o Paraíso. Eu quase tive um torcicolo tentando ver tudo. Mas o que me impressionou mesmo foi quando eu tive um vislumbre de Amergin quando nos aproximamos do cais. Perto de Amergin, Camelot é subúrbio.

Os demais veículos foram estacionando nos demais pontos do cais, imenso e altamente organizado. Nosso motorista nos ajudou a desembarcar e nos deslocar até outro lado do passadiço. Em grupos, nós fomos sendo recebidos por funcionários, “coletores de almas”, na designação dada pelos mesmos. Houve o caso de um recém-chegado cair na água e sumir, sem deixar rastro. Nossos receptores balançavam a cabeça e Mash resmungava algo sobre fracionamento da alma. Mesmo que estivéssemos no cais, a proximidade com as águas ainda era arriscado e perigoso.

Nós fomos separados por categorias e aqueles que eram da equipe de suporte seguiu para a área de adaptação, onde seriam instruídos e treinados para morarem em Amergin. Eu e outros [infelizmente Mash também] fomos para a área de veteranos, onde os experientes, heróis e reis costumam ser direcionados. Nós só precisamos de alguns minutos para lembrar do que aprendemos na primeira vez que estivemos em Amergin. Mas mesmo que eu volte aqui milhares de vezes, eu sempre fico deslumbrado.

Eu fiquei muito feliz pois eu vi ali Ganimedes, Altino e Adonis. Você sabe, querido diário, que eu tenho muita coisa em comum com esses semideuses e heróis. Eles também me viram e –oh- eu fiquei vermelhinho da silva. Evidente que eu –ousado- fui me sentar na mesma mesa em que eles estavam, para bebericar chá e beliscar os canapés. Eu senti minha cabeça bater no teto quando Adonis repousou sua mão em minha coxa quando nossa atenção foi raptada por um gentil tilintar.

Todos nós nos levantamos ao nos depararmos com a nobre presença da rainha Ar Dur no recinto, por respeito e por consideração. Centenas de Deuses, semideuses, heróis e reis saúdam Ar Dur efusivamente, que acena suave e docemente, agradecendo. Eu achei a rainha um tanto redonda, mas certamente Selene está tão cheia quanto o astro que ela gerencia – no momento provisoriamente nas mãos de Cibele.

Elegantérrima e majestosa como sempre, Ar Dur nos deu as boas vindas e ordenou que fosse servida a melhor comida e bebida de Amergin. Eu tive que deixar minha dieta de lado, não dava para recusar pratos tão finos e cervejas tão deliciosas. Eu até fiz planos de como eu “perderia peso” fazendo alguns “exercícios” com Adonis. Mas eu engoli seco e engasguei quando Ar Dur anunciou que o Mercenário [o MEU Mercenário] viveria com ela como seu companheiro e aquele chamado de Sapo Bardo viveria como companheiro de Selene. Não que eu seja ciumento e não que isso signifique algum tipo de compromisso inflexível, mas isso explica a barriga proeminente das duas. Eu tive que – com dor no coração – alterar meus planos. Eu tinha que ter algumas palavrinhas com o Mercenário e o Sapo.

Discretamente, aproveitando que todos estavam ocupados, comendo, bebendo ou transando [ninfas estão sempre dispostas e prontas para atender a população masculina, mas não negam atender a população feminina], eu dissimuladamente sai do faustoso salão e segui, pisando firme no chão, com raiva, em busca de meus alvos. Essa perambulação ajudou bastante na minha digestão. Eu encontrei o Mercenário ao lado do Sapo e de mais um homem muito semelhante a eles. Eu achei esse homem estranhamente familiar, mas eu estava bravo demais para pensar.

Por favor, querido diário, não fique com medo, vergonha ou raiva de mim. Você é um dos poucos que sabem e aceitam eu ser como eu sou. Por fora, eu pareço menino, mas por dentro eu pareço mais menina. Eu sei que a minha natureza confunde e atrai os homens e, para ser sincero, meu lado feminino aprecia homem tanto que eu me sinto ofendido quando eu não consigo atrair a atenção de um homem e eu quero morrer se um homem não quer me pegar com aqueças mãos ásperas e braços fortes e… opa… eu estou perdendo o foco. Eu devo admitir que meu lado feminino gosta de fazer ceninha de ciúmes. Eu fiquei na frente deles, com minhas mãos nos quadris, como adolescente apaixonada, descascando palavras enquanto os repreendo.

O tal homem [que tinha papel e caneta ao lado] parou de comer o fruto tirado do Jardim das Hespérides [maçãs de ouro que, segundo este, tem gosto de cerveja] e com a expressão mais cínica que eu vi disse que meu ciúme não tem motivo [desde
quando coração tem razão?]. Eu estava com a resposta pronta, mas o Mercenário me envolveu nos braços e me beijou de um jeito que eu perdi completamente o fôlego e esqueci tudo que eu ia falar. O Sapo falou algo sobre “dividirem” a presa entre os três, uma vez que são a mesma pessoa/espírito/alma. Eu até tentei considerar em protestar e resistir, mas eu perdi completamente a consciência depois que o homem arrancou minha preciosa kilt e começou a bulir nos meus sensíveis quartos. Ah, poxa, bem que eu queria ser mulher só para poder sentir três de uma só vez dentro de mim… Ah! Escândalo! Não diga isso! Segredo!

Eu te peço, querido diário, que guarde minhas memórias como sempre tem feito. Jamais, nunca, abra suas paginas para outra pessoa. Daqui a pouco outros novatos devem vir, minha adorável Karen e o jovem Durak. Eu espero estar em condições para ir recebê-los. Você deve ter percebido, querido diário, pela letra tremida, que eu cheguei bem tarde da noite em meu domicílio [na urbes de Amergin] e que eu estive muito MUITO ocupado brincando com meus novos aman… digo… amigos. Eu estou super cansado e com muito sono. Apesar de ainda estar todo babado, eu vou para cama assim mesmo e vou tentar dormir, apesar das dores no meu sensível e precioso quadril. Boa noite e durma bem, querido diário. Nós teremos a eternidade inteira para desfrutar. O que virá a acontecer com o Mundo Humano passa a ser, como deve sempre ser, unicamente culpa e responsabilidade da humanidade.

Do, sempre seu, Astolfo.

Fate/Major Arcana – XVIII

Este capítulo foi gerado por Storyteller © 4.0.

Patrocínio de Arcana Mundi.

Farfalham as folhas do salgueiro. O vento invade o recinto trazendo com ele o cheiro de miríades de flores em botão. Sorrateiro, Helios espia discretamente pela ameia o corpo que começa a se mexer e se espreguiçar.

Enheduanna estica e enrosca braços e pernas de seu corpo escultural cor de cobre, deixando o pobre Hélio avermelhado diante de sua exuberante beleza. Zéfiro, sábio, trata de se recolher e sair enquanto ainda não teve sua presença notada no dormitório enfeitado.

– Nossa… eu acordei tarde.

Enheduanna vai até a ampla ameia e olha Hélio desfilando em sua carruagem, fingindo que não viu nada e vê o espicho de Zéfiro tentando fugir para onde fica o Jardim das Hespérides. Dali é possível também avistar os Campos Elíseos e, da outra ameia, o Campo de Asfódelos. Ah, sim, mesmo ali é possivel ver cor, alegria e júbilo. Nem mesmo o Tártaro é imune aos encantos da estação da primavera.

– Oh! Pelos chifres de Dumuzzi! Eu estou atrasada!

Enheduanna saltita na ponta dos pés, balançando seus belos atributos, tirando Zéfiro de seu rumo e fazendo Hélio brilhar com mais intensidade. A atividade produz passos em dobro e não é eco, mas alguém que bate na porta do dormitório.

– Acordastes, minha senhora?

– Ah! Ardane! Rápido! Eu estou atrasada!

Ardane não entende muito e sabe que sua mestra, que é tão estabanada quanto graciosa, deve estar baratinada tentando se arrumar.

– Atrasada para quê, senhora?

– Pelas barbas de Anu… para a cerimônia do equinócio de primavera, evidente!

– Minha senhora… nós não estamos mais no Mundo Humano.

Enheduanna estapeia a testa com a palma da mão. Há tempos que ela deixou de ser a grande sacerdotisa de Inanna. Há tempos que o Mundo Humano “aposentou” suas muitas irmãs. Desde então, o fluxo de almas só aumenta, para o desespero de Caronte, sem ter mais como suprir a demanda.

– Pelas barbatanas de Dagon! Eu esqueci!

– Bom, uma vez que está despertada, seria um desperdício não aproveitar a primeira tarde da primavera.

– Boa ideia, Ardane! Mas antes, o que temos para o desjejum?

– Pelo horário, senhora, nós devemos almoçar.

Enheduanna enfurece e solta palavras chulas em sumeriano. Coisa passageira, esquecida assim que ela se põe a escolher suas roupas. Entusiasmada, Enheduanna escancara a porta de seu domicílio e avança pelo vasto espaço da urbes. Enheduanna é mais uma feliz moradora de Amergin, a capital da Ilha de Avalon.

– Boa tarde, Circe! Boa tarde, Asterion! Boa tarde, criatura esquisita!

Todos se conhecem em Amergin, todos são amigos ou vizinhos. A vida em Amergin é algo que supera qualquer utopia. Todos são bem vindos aqui. Ninguém é julgado ou condenado. A alma acaba achando o seu “destino”, o seu lugar, por atração aos que são iguais. Dependendo da alma, isso é o pior castigo que existe.

– Olha só, Ardane! Um santuário de Inanna! Vamos entrar?

– Velhos hábitos que não são fáceis de esquecer, senhora?

– Ah, por favor! Porfavorzinho![olhos de filhote]

Ardane rola os olhos e segue sua mestra que entra saltitando pelo salão do santuário. Melhor acompanhar de perto, para que ela não tropece nem quebre algo. Gemidos, sussurros e som de agitação próximos causam certa apreensão em Enheduanna.

– Pelo tridente de Marduk! Fantasmas!

– Senhora… nós estamos em Amergin, o lugar das almas. Sua observação é… esquisita.

– Por isso mesmo, Ardane! Vai que é uma alma penada! Nós temos que purifica-la!

Ardane estapeia a testa com a palma da mão. Esse é o tipo de gafe que ela, como serviçal de Enheduanna, teve que aturar [e conciliar] desde que elas chegaram em Amergin.

– Aiminhamãedocéu!

– Pelos cavalos de Poseidon, senhora… o que acontece? Eu espero que a senhora não tenha…

Ardane para a frase e as palavras ficam penduradas no ar, também de queixo caído. Diante dela e de sua mestra estavam, em pleno ato carnal, Héstia e Agni.

– N… não é nada disso que vocês estão pensando… eu… eu e Agni… nós…

– Sei… são apenas bons amigos. Eu mesmo tenho vários. E várias.

– Poxa vida, Ardane… você nem me apresenta seus… amigos e amigas.

Ardane sorri discretamente enquanto sua mestra ri diante dessa cena. Héstia e Agni ficam em choque, parados, porque estão enroscados e com cãimbas. Ardane não vai arriscar sua estima e reputação apresentado sua mestra no bairro operário. Escândalo tem limite, até em Amergin. Não demoraria dois minutos para que sua mestra provocasse algo além de sua capacidade, a ponto de fazer soar os trombetes e sinos de alarme… tal com está acontecendo agora. Uma voz de criança grita pelas ruas.

– Ela está chegando! Ela está voltando!

Enheduanna sai do ar, fica com pensamento distante, esquecendo toda a situação e seus olhos brilham com ansiedade.

– Ah! Pelos cabelos de Freia! Será possivel?

– Senhora? O que aconteceu?

Com impulso repentino, Enheduanna gira sobre os calcanhares e sai em disparada pela rua, em direção ao porto, sendo seguido [com dificuldade] por Ardane. No porto, uma pequena multidão começa a se formar. Algo está passando pelas brumas da eternidade que cercam a Ilha de Avalon. Enheduanna se junta a eles na beira do cais.

– Pelas asas… [arfarf] de Ajax… [arfarf] senhora… [arfarf] não deveis correr… [arfarf] dessa forma!

– Você não entende, Ardane? Ela voltou! Até que enfim!

– Pelos músculos de Jove! Quem, minha senhora?

Aos poucos, as expressões dos populares foram se iluminando, mãos foram apontando, outras acenando, muitos choram e alguns sussuram um nome, mas no meio de tanto burbúrio é impossivel distinguir. Então, surge a ponta do mastro e ali o estandarte com o símbolo nobre. Ardane sente os braços tremerem, as pernas bambeiam e lágrimas fluem em abundância de seus olhos. Ela tinha voltado. Sua pequena Ar Dur.

– Hah! Então, o que acha, Nestor? Eis a Ilha de Avalon e ali o cais de Amergin. Esta é a minha casa.

– Recorda-me de Tir Na Nog e Tartessos. Essa gente toda parece bem animada.

– Eu não posso evitar. Eles sempre ficam com saudades de mim quando eu tenho que sair. Eles criaram afeição por mim desde que eu vim aqui pela primeira vez.

– Eu não os culpo. Você é simplesmente adorável…

– Nestor… espere um pouco… nós vamunf… [frase cortada por um beijo apaixonado]

Do cais, os que enxergam melhor e mais longe tratam de desviar o olhar. Enheduanna, tenta firmar a visão como querendo ver melhor. Ardane tenta imitar sua mestra e rapidamente [envergonhada] trata de desviar o olhar.

– Ora vejam, só… parece que, dessa vez, Ar Dur trouxe mais alguém com ela.

Enheduanna assimilou melhor do que Ardane a “novidade”. Ardane sentia seu corpo queimar em febre, febre de ciúme.

[gritando]- Aaaaar Duuuur!

[gritando]- Eu estou chegando, minha irmã!

Ardane crispa as mãos. A parte ruim de viver em Amergin é que a violência não existe. Mas bem que Ardane daria um braço [ou uma perna] para poder ter qualquer arma nesse exato instante. Isso seria algo impensável e bem pior do que qualquer coisa que sua mestra tenha feito, mas Ardane está disposta a aceitar as consequencias e ela pensa sériamente em cometer um assassinato, um homicídio, no Paraíso.

– E aí, pessoal? Ficaram com saudades de mim?

Mal o pesado casco de carvalho da nau raspou no cais e a população foi cercando Ar Dur. Centenas de boas vindas, abraços, beijos, choros. Aquela que foi decretada como rainha de Amergin voltou para seus súditos.

– Hei, gente, chega de dengo! Eu não fiquei tanto tempo assim fora.

– Você já devia saber, Ar Dur. Nós não conseguimos ficar um minuto sem você.

– Ah! Enheduanna! Veja, Nestor, é minha irmãzinha, Enheduanna! Minha nossa! Eu te conheci pequenininha!

– Eh… para ser sincera, você está vendo minha trigésima oitava reencarnação.

– Tri… trigésima… tanto tempo assim? Ah, que cabeça a minha! Eu quase ia esquecendo. Nestor, esta é minha melhor amiga, Ardane.

Ver Ar Dur, sua pequena e favorita amiga, ali, com aqueles cabelos dourados, olhos azuis e voz aveludada dissipou completamente a raiva e a consciência de Ardane. No momento, a mente dela estava em apalpar aqueles belos pares de seios, alisar aqueles belos pares de nádegas e se afogar em sorver néctar daquela flor delicada e alva que repousa no vale mais macio e secreto de Ar Dur.

– Eu me sinto imensamente honrado por conhecer tão distinta dama.

[babando]- Eeeh… hehehe… prazer… hehehe.

– Perdoem Ardane… ela tem andado esquisita ultimamente.

– Ah, sem problema. Eu cheguei. Eu estou de volta. Meu primeiro decreto como rainha de Amergin é que seja feita uma festa!

[acordando]- Quê? Quem? Quando? Festa? Onde?

– Bem vinda de volta à bordo, marinheira.

– Allright! Vamos começar a festa! Todos estão convidados!

Fate/Major Arcana – XIV

Eu sinto algo pesando e eu tenho dificuldades de respirar. Eu acordo assustado e me deparo com a Deusa Fortuna me cavalgando.

– Ah… você acordou. Eu sinto que você está perdido, escriba. Meu irmãozinho [Destino] está contrariado com sua incapacidade em seguir os desígnios dele. Lembre-se, você tem 22 capítulos, um para cada arcano do tarô.

Toda vez que eu tenho ereção matinal acontece isso. Fortuna [ou outra Deusa] vem, sobe em mim e me cavalga até conseguir a oferenda na forma do líquido quente, viscoso e branco que sai de minha extensão. Fortuna vira os olhos quando atinge o orgasmo e eu [coitadinho de mim] morro dentro dela.

– Francamente, escriba! Eu ainda me espanto com sua gentil e farta oferenda. Eu me espanto por não ver as fêmeas humanas aproveitando de seu talento. Vamos! Venha comigo! Vamos desenrolar o presente capitulo!

Fortuna salta e se põe em pé rapidamente. Ela parece apressada e segue [completamente nua] pelo caminho que traçou, ainda com meu sêmen escorrendo de suas coxas grossas. Eu não sei quanto ao dileto [eventual ou ilusório] leitor, mas andar e correr completamente nu no meio da multidão deve fazer parte dos pesadelos de muitos humanos. Quando eu leio [do meu jeito] o mitologema [comédia e tragédia] do Eden [a Queda da Humanidade], eu aponto o casuísmo de que Deus [Jeová] mentiu quando afirmou que o Casal primordial morreria se comesse o Fruto do Conhecimento [dado pela Serpente – uma cena que remete a um mistério iniciático], mas o “pecado” mesmo não foi comer o fruto [nem o de tentar empurrar a responsabilidade para outro], o verdadeiro pecado consistiu em ter vergonha da nudez [normal, natural e saudável] e começar a usar roupas. Mas isso eu deixo para outra ocasião. [Eu tenho outros textos que resvalam no assunto e eu tenho uma ideia de livro – que morreu ao nascer – abordando os aspectos do Cristianismo
como Religião de Mistérios].

Fortuna se detém em meio ao cenário que a companhia de teatro montou, onde nós temos sediado as encenações simulando Stonehenge [e os megalíticos]. Alexis [com Zoltar, evidente] e Miralia [nossa “filha”] estão com os problemas de sempre, com a equipe de luz, de efeitos e de som. Nós chegamos no momento em que os atores/personagens estão lendo e ensaiando este capítulo que você [leitor] está lendo. Será que Fortuna quer conduzir uma live action?

– Ah! Nossa! Então é isso que vocês chamam de teatro?

Fortuna saltita de um lado a outro, olhando cada parte do palco, as cortinas, os cenários, os elementos de cena. Ela faz questão de cumprimentar cada um dos funcionários da companhia e atores. Riley [Karen]não para de ficar me encarando [e comparando com minhas outras “manifestações” dentro da encenação] e Miralia fica enrubescida.

– Eu gostaria de assistir a encenação. Eu prometo que não vou atrapalhar nem interferir.

Alexis e Miralia não acreditam no que Fortuna lhes promete e Zoltar acena vigorosamente com os braços, como se estivesse cortando com as mãos algo invisível.

– Muito bem, pessoal, vamos prosseguir. Nós estamos atrasados. Vamos seguir com o roteiro. [Inclusive isso tudo que você leu até agora é parte do roteiro – pegadinha do Mallandro].

– Todos em suas posições! Luzes! Câmeras! Ação!

Lucrécia e Bonifácio perambulam entre o cenário [feito de papier machê], fazendo caras e bocas, como se estivessem perdidos no meio do labirinto que o Graal gerou em Stonehenge.

[Lucrécia]- Pelo Impronunciável e Santo Nome de Deus! Eu estou exausta! Quando que nós vamos chegar na próxima arena?

[Bonifácio]- Nós podemos aproveitar para conversar sobre esse seu vício por sexo. Como uma devotada e fiel serva de Deus, sabe que isso desagrada a Deus.

[Lucrécia]- Vossa Santidade me perdoe por minha ousadia, mas eu discordo. A primeira lei que Deus nos deu foi: crescei-vos e multiplicai-vos.

[Bonifácio]- Minha gentil criança, Adão e Eva estavam, para todos os fins, comprometidos e casados um com outro.

[Lucrécia, abafando o riso]- Vossa Santidade, eu espero que não esteja fazendo o mesmo que os seguidores de Lutero e interpretando o texto sagrado literalmente. Adão e Eva não estavam casados [e nem precisavam disso]. Quando Adão viu Eva, ele disse: agora sim, desta vez, esta é sangue de meu sangue. Então teve outra… ou outras. Eva foi o “consolo” que Deus deu a Adão para esquecer-se da verdadeira [e primeira] mulher.

[Bonifácio, começando a ficar confuso]- Bom… isso não é de conhecimento público e nem é admitido pela Igreja, mas mesmo assim isso aconteceu antes do Pecado Original e da Expulsão do Casal Primordial do Eden.

[Lucrécia, rindo indiscretamente]- Que, convenhamos, não é nada original. Vossa Santidade não acredita que nossos Patriarcas foram expulsos do Paraíso porque comeram o Fruto do Conhecimento [algo que , por sinal, foi criado e colocado no
Eden por Deus]?

[Bonifácio, tentando desviar do assunto]- Bom… hã… é isso o que ensinamos.

[Lucrécia, indisposta e decepcionada]- Eu não me incomodo que a Igreja assim o faça com o populacho ignorante. Essa gentalha precisa e depende que alguém os domine, os conduza, os submeta. Mas Vossa Santidade está me ofendendo com isso. Como espera me convencer de algo se não tem bases para seu sermão?

[Bonifácio, desesperado]- Lucrécia… nós não podemos revelar…

[Lucrécia, gritando, furiosa e irritada]- Por Deus! Sim, nós podemos! Eu fui amaldiçoada, perseguida e até presa porque a Igreja que eu defendi e protegi ainda não admite nem aceita falar a Verdade! O verdadeiro pecado não foi comer o Fruto do Conhecimento, mas o de não confessar a responsabilidade e, pior, tentar atribuir a culpa a outro! Sim, vergonha é a marca do pecado, vergonha que é bem sinalizada quando nossos Patriarcas tiveram consciência de que estavam em seu estado normal, natural e saudável [nudez] e se cobriram com roupas! Forma expulsos porque adquiriram o Conhecimento naquele momento, não antes, porque seriam culpados e condenados por um ato que sequer tinham consciência das consequências? Foram expulsos pelo Jardineiro [Jeová], não por Deus! O maior mentiroso é Jeová, que se vangloriou e se arrogou a posição que cabia somente a Deus! Sim, Jeová mentiu, pois nossos Patriarcas comeram do Fruto do Conhecimento e não morreram! Foram expulsos por que Jeová sabia que, se comessem do Fruto da Vida Eterna, tornar-se-iam Deuses como ele! Então nós deveríamos agradecer a Serpente, aquela que é verdadeiramente amiga da humanidade e colaboradora para os planos de Deus!

[Bonifácio, aterrorizado]- Lucrécia! Por Deus! A Igreja está falida, mas não faltam esses, o populacho ignorante que, convencido pela doutrina, podem nos prender, torturar e matar por heresia.

[Lucrécia, roxa de raiva]- Ah! E quem são os responsáveis? A Igreja! E ainda querem dar sermões de moral?

[Bonifácio, enxugando a testa, tentando conter o nervosismo]- Lucrécia, a Igreja não teve outra opção, o mundo estava perdido em religiões pagãs, heresias e inúmeros pecados.

[Lucrécia, respirando fundo e tentando se acalmar]- Isso também é algo a ser esclarecido. A Igreja nasceu e surgiu graças a estas inúmeras religiões pagãs. O erro da Igreja foi quando se afastou da mensagem de Cristo e criou uma religião organizada na qual ela convenientemente se pôs como única e legítima representante. A bem da verdade, a Igreja é uma heresia que deu certo e foi bem sucedida porque valeu-se do poder e das armas concedidas pelo Império Romano. Não foi de estranhar que muitas vertentes do Povo do Caminho rejeitaram e romperam com a Igreja após o Concílio de Nicéia. Não foi de estranhar que inúmeras “heresias” inevitavelmente surgiram e foram combatidas por essa Ditadura Eclesiástica. Quando uma instituição religiosa usa da força e do medo para conquistar o poder político e social, esta admite que não seja legítima representante de Deus.

[Bonifácio, torcendo o lenço, empapado de suor]- Mas o pecado… o pecado é real. Você deve ser capaz de reconhecer seu pecado, Lucrécia, para poder pedir perdão a Deus.

[Lucrécia, mais calma, pensativa]- Hum… pecado. Eu não posso negar que, por nossa condição carnal, nós cometemos atos que constituem uma falha, diante de Deus. Mas Deus não nos condena nem nos amaldiçoa. Somos nós que percebemos, por essa noção de certo e de errado, de Bem e de Mal, que está em nossa natureza, que certas ações causam dano a nós, ao nosso próximo e à comunidade. A maldade [assim como a bondade] está em nosso coração. A piedade [assim como a compaixão e penitência] então depende que nós tenhamos consciência de nossos atos, aceitemos a responsabilidade e procuremos [individualmente] por compensar a Deus, ao próximo e à comunidade por esta falha que cometemos.

[Bonifácio, rindo amarelo]- Precisamente, Lucrécia. Há de convir que os momentos em que você viveu enquanto humana foram repletos de atos criminosos. Quantos você matou com suas Artes Negras?

[Lucrécia, fazendo pose de inocência]- Euzinha? Ora, Vossa Santidade sabe da minha história. Eu fiz o que fiz para defender a Igreja… e a meu pai, o Papa Alexandre VI. Eu fui uma mera serva e ferramenta de Deus… assassina, sem dúvida, mas por ordem de Deus, tal como inúmeros padres o foram. E eu aprendi minha Arte Negra [Veneficium – algo pouco comentado e admitido por estes que alegam serem bruxos e sacerdotes da Velha Religião] com a Igreja.

[Bonifácio, voltando a ficar nervoso]- Bom, eu vou deixar isso para depois, afinal sua habilidade é necessária para as batalhas. Mas… e quanto ao seu vício de sexo?

[Lucrécia, provocativa]- Eu não acho que Deus considere minha diversão como pecado. Como poderia? Afinal, os grandes Patriarcas não tiveram inúmeras cortesãs? Quantos reis e até Papas não tiveram verdadeiros haréns? Por que euzinha não posso me divertir? Só porque eu sou mulher e devo, como reza o catecismo, ser submissa ao homem? Mas eu só fiz isso, Vossa Santidade, exatamente porque eu acatei com o papel que me cabia! Eu não tenho culpa que Deus tenha me feito assim tão… gostosa, apetitosa, deliciosa.

[Bonifácio, tentando não ficar excitado com a provocação de Lucrécia]- Mesmo assim, Lucrécia. Deus instituiu o matrimônio. O que você faz é… promiscuidade.

[Lucrécia abre o decote e levanta a barra da saia]-Ah! Sim! Eu sou! Porque Deus me criou assim! Bendito seja Deus! Eu sou só uma puta bem vulgar que Deus colocou no mundo unicamente para satisfazer os desejos do homem!

[Bonifácio, envergonhado e excitado]- Por Deus, Lucrécia! Não profira o Santo Nome em vão!

[Lucrécia, voltando ao modo recatado – para o desespero e protesto da plateia masculina]- Seja justo, Vossa Santidade… mesmo o Sumo Pontífice não consegue manter a postura diante da glória de Deus que meu corpo reflete. Pessoas se unem desde que o mundo é mundo, sem precisar de leis, governos ou sacerdotes. Mas a Igreja, o Estado e a Sociedade dependem para que haja um sistema onde as pessoas possam ser controladas. Essas regras que Vossa Santidade trata com tanto zelo… matrimônio, casamento, fidelidade, monogamia… são apenas isso, regras que existem para reprimir e oprimir o populacho, regras que vocês acreditam condicionar, limitar e controlar as pessoas através do corpo… não, Vossa Santidade, ninguém pode controlar nossos corpos senão nós mesmos. Nosso corpo vai sempre encontrar meios de seguir a Lei Natural e aqui, amor, desejo e prazer, não possui regras, limites e condições, somente dois corpos que se atraem mutuamente.

[diretora de cena]-Corta! Equipe de cenário, toca de cena! Equipe de luz e som! A postos! Equipe de contrarregra pronta? Muito bem, equipe de encenação, vamos para a segunda cena. Hei… quem deixou essa carta na mesa de mixagem? Oquei, quem foi o engraçadinho que deixou o Arcano da Imperatriz aqui? [luz vermelha, sirene] Ah, tanto faz. Nós estamos atrasados. Luzes! Câmera! Claquete! Ação!

[Astolfo]- Desafiantes da Batalha do Graal! Aproxime-se, mostrem-se e identifiquem-se, pois eu sou servo do mesmo Deus!

[Kayneth Archibald]- Eu sou o Mestre que veio representar a Sociedade da Torre do Relógio. Muito embora nós sejamos parte da Associação de Magos, nossa Sociedade acredita que nós devemos nos tornar uma associação livre e independente. Este é o meu Servo, Ulisses, classe Raider.

[Bonifácio Cantebury]-Eu sou o Mestre que está aqui para representar a Santa Igreja. Eu fui conhecido como Papa Dionísio II e esta é minha Serva, Lucrécia, classe Assassin.

[eu corto a sequência desnecessária de coreografia imitando uma luta].

Lucrécia começa a ficar cansada. Ulisses aparentemente só se esquiva de seus ataques, usando odres contendo óleo aromático que espalham por ambos. Isso não é bom sinal, nenhuma de suas emulsões está funcionando como costumam e ela não consegue atingir o Mestre do Servo.

[Ulisses]- Grato pela dança, criança. Mas agora está no momento de lutar a sério. Não tome isso como algo pessoal, mas eu vou acabar com essa luta com um único golpe.

Ulisses arremete Lucrécia contra as pilastras laterais [granito, lembra?]. Pelo roteiro, os pecados de Lucrécia e a proteção de Deus faz com que ela crie uma cratera no local onde se chocou e fique presa. Close na Lucrécia. Expressão de medo, arrependimento e incerteza. Ulisses salta com uma lança em mãos, pronto para o golpe final e Lucrécia só consegue encarar o emissário da morte acenando para ela. Naquilo que ela acredita ser seus últimos segundos ainda viva, Lucrécia entende [revelação
divina] que os óleos aromáticos neutralizaram todos os seus venenos. Em luta mano-a-mano, Lucrécia não possui nem arma nem técnica suficiente para enfrentar o grande Ulisses. Lucrécia sente a mesma sensação que suas vítima provavelmente sentiram: de estar indefeso, imóvel e incapaz de reagir. Lucrécia fecha os olhos, pronta para sentir o aguilhão, torcendo para que não doa muito, para que a passagem seja rápida e que ela sinta o mesmo prazer que o êxtase e a morte trazem.

Algo brilha, passa uma sombra, um vulto, algo indefinível e inaudito, surgindo de algum lugar do meio das trevas, pula, se joga e intercepta Ulisses em pleno voo, choque este forte o suficiente para causar um enorme estrondo e o som de pedras rachando em algum ponto na lateral da arena [granito, lembra?]. Intrigada e curiosa, Lucrécia consegue sair de seu casulo [de granito, abalado pelo choque] e olha para onde parte da parede e pilastras estão acumuladas, em ruínas. Parece impossível que algo [ou alguém] possa sobreviver a isso, mas algo [alguém] sai do meio das ruinas.

[Nestor]- Você está bem, princesa?

[Lucrécia]-M… mercenário? Por que você fez isso?

[Nestor]-Perdoe-me por mostrar-te isso… [aponta para o corpo morto do Bonifácio].

[Lucrécia]- M… mas… como? Eu deveria ter desaparecido!

[Nestor]- Eu vou te pedir que confie em mim, princesa. Eu vou libertar todos nós dessa escravidão. Nós, Servos, podemos continuar a viver, mesmo sem Mestres.

[Lucrécia]- C… como… isso pode ser feito?

[Nestor]- Amor, Lucrécia. Astolfo continuou vivo mesmo quando Sigfrid virou dragão graças ao amor. Você vai continuar viva porque eu te salvei por amor.

[Lucrécia]-A…amo[unf] [diálogo interrompido por um tórrido beijo]. E… espere… meus venenos…

[Nestor]- Eu sou naturalmente imune a todo tipo de veneno, Lucrécia. Eu só não resisto a teus lábios e teu corpo.

[eu também vou poupar o leitor de uma sequência desnecessária de sexo explicito].

[Astolfo, irritado, contrariado e ciumento]- O… o Servo e Mestre da Sociedade da Torre foram derrotados! Eu decreto a vitória da Serva Lucrécia, classe Assassin. No entanto, pelas regras, você não pode continuar na Batalha do Graal, Lucrécia, pois não tem mais Mestre.

[Nestor]- Seja uma boa menina e leve sua irmã para a central da Ordem Caldéia, Astolfo. Assim eu posso voltar para vocês duas, sãs e salvas.

Astolfo protesta, faz birra, faz cena de ciúme, mas tem que concordar. Pela regra, quem não está na luta é observador/a e deve ficar na central da Ordem Caldéia.

Fate/Major Arcana – XIII

Gentil leitor/audiência/plateia, eu lamento por voltar para a mesma cena. Eu fui instado a fazê-lo pela produção que percebeu, tardiamente, a falha no encerramento da cena e eu abandonei os personagens na encenação. Eu saio correndo, com as calças na mão [Fortuna está viciada em receber injeção de testosterona], direto ao estúdio, onde eu encontrei [Karen] andando de um lado a outro, como se procurasse algo, enquanto Cure Black e Durak dormiam placidamente no solo.

Súbito, de dentre as duras pedras que compõem os megalíticos, abre-se uma claraboia de onde se projeta, desequilibrado, o corpo do árbitro, que reclama e se dói de dores nos quartos pelo choque com o granito.

[Astolfo]- Ai, meu precioso traseiro. O que aconteceu? O que eu perdi?

[narrador]- Não estava presente na cena? Eu fiz as Pretty Cure lutarem com Karen e Durak, para conseguirem passar na prova de classificação para a Batalha do Graal.

[Astolfo, com dedo em riste diante do meu nariz]- Bem, eu creio que este é o SEU trabalho, escriba. Eu não posso estar presente [nem testemunhar a cena] se VOCÊ não me coloca na encenação.

[Karen, decepcionada e indignada]- E agora? Nós tivemos tanto trabalho para encenar essa luta… por nada?

[Cure Black, acordando]- Eu não diria isso. Eu posso falar com as Pretty Cure e nós podemos reprisar as cenas filmadas.

[Durak, se recompondo]- Eu posso falar com a Sociedade Zvezda. Venera Sama pode dar o testemunho necessário. Certamente a Organização Caldéia terá que aceitar a palavra de Venera Sama.

[Astolfo, visivelmente contrariado e irritado]- E eu? Fico como? Esse arremedo não vai consertar o fato de que eu não estava presente. Pelas regras, a luta não valeu. Não deveria sequer ter começado sem que eu estivesse presente.

[Cure Black, cobrindo-se com seu uniforme]- Pelas regras, ninguém viu o que aconteceu. Somente nós cinco estamos cientes do fato. Então nosso relatório é que valerá. Pelas regras, se nós dizemos que você estava aqui e testemunhou a luta, ela foi válida.

[Durak, rodeando o árbitro]- E eu posso cuidar para que você tenha participação mais destacada na encenação, Astolfo. Aliás… onde você estava que não estava por perto?

[Astolfo, perdendo a pose, ficando envergonhado e tentando trocar de assunto]- Eu? Hã… por que pergunta? Eu… estava decorando e treinando minhas falas e encenação.

[Karen, examinando mais de perto]- Hum… sua expressão [e cheiro] indicam que você estava muito ocupado [e provavelmente se divertindo].

[Astolfo, visivelmente encabulado]- He… hei… eu sou apenas um dos atores e personagens. O responsável aqui é o escriba, lembra?

[Karen, dando de ombros e encerrando a pendência]- Está claro que a responsabilidade é do escriba. Nós somos os atores e personagens da encenação. Então vamos voltar ao que realmente interessa e seguir esse teatro. Pode prosseguir, narrador?

Os demais atores/personagens riem efusivamente [exceto Astolfo, ainda irritado e contrariado]. Para encerrar devidamente o capitulo desastroso, eu delineio o discurso do árbitro.

[Astolfo]- Eh… eeeeh… ahem… Equipe Pretty Cure está declarada derrotada. Vitória da Equipe da ONU. A Equipe da ONU pode prosseguir para a próxima arena, onde irá enfrentar outro desafiante.

[Cure Black]- Eu tenho que voltar agora, Durak. Boa sorte, meu querido e muito amado.[beijo]

[Durak, retribuindo o beijo]- Eu voltarei a te ver em breve, Nagisa chan. Eu voltarei com o troféu dessa disputa, pode acreditar.

[Astolfo, voltando ao normal]- Hei, antes disso trate de cumprir a promessa que me fez.

[Durak, piscando de forma provocativa]- Claro, Astolfo. Você pode segurar essa carta e mostra-la ao final dessa encenação. Isso vai definir a próxima cena de luta.

Durak e [Karen] somem dentro dos corredores formados nas entranhas dos megalíticos. Astolfo, intrigado e curioso, olha a carta e então muda sua expressão para medo e espanto. Em suas mãos trêmulas, o conteúdo do envelope é o que rege este capítulo: vede, pois eis o Arcano do Diabo. Agora, se o árbitro nos escusar, cumpre-me pagar por minha dívida, passando para o próximo cenário. Está pronto, Astolfo?

[Astolfo, tentando entrar no clima da cena] – Eehhh… desafiantes da Batalha do Graal, adiantem-se, apresentem-se, pois eu sou servo do mesmo Deus.

[Rolando]- Vamos acabar com essa farsa. Isso acaba aqui e agora. Eu sou Rolando, o maior cavaleiro e paladino de Carlos Magno.

[Astolfo]- Ro… ro… Rolando?

[Rolando]- A Organização Caldéia também tem seus superiores, Astolfo. Nós, da Grande Ordem dos Merovíngeos, legítimos portadores da Linhagem do Graal, viemos acabar com esse erro.

[Astolfo]- Ma… mas… como… por quê?

[Rolando]- Isso está bastante óbvio, Astolfo. Isto [apontando o mercenário] é razão suficiente.

[Mercenário]- Isto tem nome, bonequinha bonitinha. Só o Grande Graal pode encerrar uma Batalha do Graal depois de iniciada. Se quiserem que a Batalha acabe, devem entrar em luta e ganhar o embate. Qual das bonecas vai querer lutar comigo?

[Rolando]- Besta inominável! Irá se arrepender de tamanha ousadia e ofensa! Pela Grande Ordem dos Merovíngeos, Mestre Tokiomi Tohsaka, Servo Gilgamesh, classe Archer, erradique esse erro que envergonha o Graal!

[Gilgamesh]- Até que enfim. Vamos, Mestre. Eu enfrentei e ganhei a Terceira Batalha do Graal. Isso vai ser um passeio.

[Alexander sussurrando]- Nós vamos lutar contra Gilgamesh!

[Mercenário respondendo]- Eu esperava por isso, Mestre. Olhe, aguarde e observe de um lugar seguro. Vencer Gilgamesh é necessário se eu quero rever a Dama da Lua. Eu não gosto de fazer isso, mas eu terei que evocar uma de minhas outras formas. Mas antes… Astolfo… se eu vencer esse embate, eu irei querer meu prêmio por te libertar desse falso líder [enrosca o braço na cintura de Astolfo].

[Astolfo, fingindo resistir, mas no fundo gostando]- Me… me… me… Mercenário! Eu sou o árbitro e exijo respeito! Desafiantes! Em suas posições!

[Gilgamesh]- Ultimas palavras, Fera? Eu te mandarei tão rápido para o barqueiro Caronte que até Hércules ficará para trás!

[Mercenário]- Sim, garotinho prepotente, arrogante e presunçoso. Você acha mesmo que tem algum poder? Então vejamos como se sai contra um Deus de verdade. Ouça e venha, oh minha memória divina, assuma sua forma como Marduk.

Gilgamesh sente medo, algo que ele acreditava ser impossível. O mundo ocidental conhece as façanhas de Hércules, mas há tempos esqueceu que ele foi chamado de Heracles, Mehercle, Merodaque, Marduk. Até a Epopéia Enuma Elish é uma pálida imitação dos atos, feitos e poderes de Marduk, o Deus que desafiou e venceu a temível Tiamat!

[Tokiomi]- O que aconteceu, Gilgamesh? Adiante! Avance! Ataque!

[Gilgamesh]- N… não dá… ele… é Marduk!

Mesmo como todo o poder que Gilgamesh tinha [mesmo ativando o Fantasma Nobre], Marduk tinha muito mais poder em um único dedo. O ataque mais forte de Gilgamesh [Portões da Babilônia] é como pirotecnia barata.

[Mercenário]- Você deve conhecer este ataque, Gilgamesh. Outros Deuses me imitaram. Zeus, Apolo… você me imitou. Este é o poder que me foi conferido pelo Grande Anu. O Arpão da Luz. Você vai sentir, por alguns segundos, enquanto seu corpo aguentar, até ser extinto, o mesmo poder que eu usei para atingir e matar Tiamat. Lamento, Gilgamesh, mas estava na hora de você aprender sua lição e perceber onde é o seu devido lugar.

Algo refulge na ponta do dedo de Marduk. Sim, Zeus, Apolo [e eu diria até Thor] manejaram [com dificuldade] uma pequena parcela desse poder quando precisaram, para vencerem as formas da Antiga Deusa Serpente. Grosseiramente comparado a relâmpagos e trovões, o Arpão de Luz são raios de sol direcionados. Cada uma daquelas “setas” [ou lanças] são como milhares de mísseis atômicos que irrompem como estrelas [e podem, inclusive, matar estrelas]. Cinco segundos depois, os megalíticos estão mais uma vez em brasas. Dos presentes, miraculosamente somente os adversários foram vaporizados, nada acontecendo com Alexander ou Astolfo.

[Astolfo]- E… eu ainda estou vivo? M… muito bem… os representantes da Grande Ordem dos Merovíngeos estão declarados derrotados! Os representantes da Coroa Britânica são os vencedores e podem prosseguir para a próxima arena…

[Mercenário, rodeando Astolfo]- Antes disso, Fonfon… meu prêmio.

[Astolfo, fingindo resistir, mas no fundo gostando]- O… o que é isso, Mercenário? O que você acha que está fa… unf [discurso interrompido por um beijo apaixonado].

[Mercenário]- Vamos lá, Fonfon, como nós “ensaiamos” antes, mas desta vez é para valer.

[Astolfo, prestes a sucumbir]- N… não… não é apropriado… eu sou [unf] o árbitro… eu… nós… não podemos… [os olhos de Astolfo formam dois corações rosados]… eu sou menino…

[Mercenário]- Quando duas pessoas se gostam, se querem, não existem fronteiras, limites ou regras. Seu corpo pode ter a configuração de um menino, mas sua identidade é de menina que gosta de meninos. Sua condição nunca te impediu de amar, Astolfo.

Astolfo tenta falar, responder, resistir, mas seu corpo está completamente entregue. Sua mente mergulha profundamente na sensação divina do êxtase enquanto sua consciência se dissipa quando Astolfo tem seus rins recheados com o tronco do mercenário que investe, firme e ritmicamente, tal como aríete contra os portões do castelo.

Fate/Major Arcana – XII

[início da cena inserida]

Dona Mirtes, indignada, quis saber se eu pretendo fazer outras adaptações ou versões baseados nos animes. Ex-católica, ex-evangélica, ex-atéia, ex-periente [ieié, pegadinha do Mallandro], dona Mirtes faz parte das vizinhas fofoqueiras que vem me visitar para receber injeção de testosterona [isso começou lá na peça “Nossa Senhora do Arouche”].

– Francamente, senhor escriba. Suas composições não estão mais nos entretendo.

[eu tiro minha cabeça do meio das pernas de dona Francisca]- Dona Mirtes, eu não acredito que eu tenha muitos leitores ou plateia para minhas composições. Eu continuo a escrever porque essa é minha benção e maldição.

[dona Francisca me força a voltar ao que eu estava fazendo]- Eu tenho que concordar com Mirtes, escriba [gemido]. Vá lá, suas composições nos livraram de uma vida medíocre, conhecer Nossa Senhora do Arouche nos modificou e nós até aceitamos seu… relacionamento [arrepia e estremece] com aquela garota meiga, a Riley.

[dona Berenice para de me chupar]- Isso mesmo. Nós até começamos a assistir os animes que você citava e começamos a entender as versões, os cross-over e nós até apoiamos quando você deu um “gostinho” da coisa bruta quando você encenou com a Glitter Force.

[dona Mirtes]- Se nós entendemos bem, essa peça que escreve é baseada tanto em um anime quanto um jogo, certo?

– Sim e eu estou inserindo diversas referências para tornar a peça mais dinâmica.

[dona Berenice começa a subir em mim]- O que nós ainda não entendemos é o uso dos arcanos do tarô. Ou a referência aos Sephirots. Isso vai acabar em alguma referência a Cristo, Deus e ao Caminho?[ela geme e vira os olhos enquanto eu sumo
dentro das entranhas dela].

[dona Mirtes]- Por Deus, Berê, não seja tão escandalosa. Não esqueça de deixar um pouco para nós também. Eu serei bem sincera e direta, senhor escriba. Está na hora do senhor esclarecer melhor suas intenções com a [Karen], que nós sabemos que é interpretada pela Riley.

– Senhoras, se me permitirem eu vou revelar muitas coisas no presente capítulo que, não coincidentemente, está sendo regido pelo Arcano dos Amantes [diálogo interrompido por um forte gemido de dona Berenice].

[dona Mirtes]- Francamente, Berê… você sempre foi a mais fraca. Chica, agora é sua vez e deixe algo para mim. Faça sua cena, escriba. Não interrompa nem cesse a narrativa, só não deixe de preencher nossas entranhas com sua semente.

[fim da cena inserida]

Assim, sem ter linha de abertura, eu abro a cortina para a encenação.

O leitor/plateia/audiência deve perguntar [ou assim eu me iludo] o motivo pelo qual as cenas/os capítulos não se estendem. Para ser bom escritor, eu tenho que ser bom leitor e o que mais me incomoda ao ler livros de ficção [romance, histórico, saga] é que o escritor torna a leitora pesada [e chata] demais, desperdiçando tempo [letras e linhas] ao descrever o desnecessário ou explicar o que está bem óbvio para o leitor/audiência/plateia. Sim, parece preguiça, falta de tempo, de interesse, talento [o que até pode ser], mas a “economia” é estratégica, eu dissequei a estória do excesso [eu tirei a gordura, como bom cirurgião plástico]. Sim, eu vou deixar para o leitor/audiência/plateia o trabalho [e a satisfação] de completar como sua imaginação desejar.

– Está pronta para a próxima encenação, Riley?

– S… sim… senhor escriba… só não me abrace desse jeito, senão eu fico excitada.

– Então se prepare, pois nós vamos encenar [provavelmente] a cena mais NSFW dessa peça.

[o leitor/audiência/plateia se considere avisado/a].

Durak e [Karen] seguem pelo caminho que escolheram, ávidos por chegar na arena que irá classifica-los para a Batalha do Graal.

[Durak]- Você sentiu isso? Esse é o segundo tremor.

[Karen]-E… eu estou sentindo muitas coisas, no momento. Eu estou confusa com o que sinto no meu corpo e no seu.

[Durak]-O que você sente é normal, natural e saudável, Karen. Nós temos essa conexão especial porque nós temos muita coisa em comum.

[Karen, envergonhada e excitada]- N… nós também temos muitas coisas em contraste.

[Durak]-Eu sei que você consegue, Riley. Você é muito mais forte do que eu. Por isso que você foi escolhida para o papel de [Karen]. Você é a única que eu conheço que pode fazer essa cena.

Eu seguro Riley a poucos metros do cenário preparado, onde os demais coadjuvantes, equipe e direção nos aguardam. Eu olho no fundo dos olhos dela e ela está deslumbrante com aquela expressão de inocência, virtude e vergonha.

[Riley/Karen]- S… senhor escriba… Durak… o que –unf [diálogo interrompido com um longo, profundo e molhado beijo francês]. A- ahhh [recuperando o fôlego]… senhor escriba… Durak… o que significa isso?

[voz vindo do cenário montado]- Ahem… enfim, nos encontramos novamente, Bruxa do Coração Negro! Nós, a Glitter Force, vamos deter o seu avanço e livrar o mundo do seu mal!

[Durak]- Está pronta para se divertir, Karen? Ou prefere se divertir como Riley? Vamos! Elas estão no esperando. O público aguarda pela encenação. Nós temos um espetáculo a realizar.

[Karen/Riley] é puxada pela mão até que ambos entram na arena [cercada por monolíticos de granito] e se deparam com a Glitter Force, que os aguarda impacientemente.

[Cure Rosa]- Nós vamos, com ajuda de nossas amigas, erradicar toda sombra que existir na vida das pessoas. Pela Justiça, pela Verdade e pelo Amor! Avante! Pretty Cures!

Ao lado e em redor da Glitter Force, cinquenta guerreiras lendárias [Pretty Cure] estão em formação, cada qual com seu vestido [exageradamente colorido, repleto de babados, fitas e brocados] e poder especial. [Karen]/Riley sente balançar sua autoconfiança e duvida [esquece?] que é uma encenação [coreografia], não luta de verdade.

[Karen?/Riley?]- S…são muitas… nós podemos vencer?

[Durak]- Nós vencemos a Glitter Force uma vez. Eu lutei com as Pretty Cures uma vez. Mas não com todas elas. Eu acho que nós conseguimos vencer 20… mas com a sua ajuda, eu quero tentar ganhar essa batalha.

[Riley?/Karen?]- E… eu vou tentar… eu vou me esforçar.

[cena excessivamente explícita, com bastante serviço de fã, onde Karen se transforma na Bruxa do Coração Negro]

[Karen]- Eh… porque meu uniforme ficou ainda menor, mais explícito e sensual do que antes?

[Durak]- Depois eu te apresento a sensei Matoi, que pode te explicar isso. Vamos lutar!

[cena de luta excessivamente coreografada e ridiculamente desnecessária – coisa que parece contradizer o epíteto das Pretty Cure – por que lutam se representam o amor?]

Como prenunciado, as Cures vão caindo, mas não sem empenho e esforço supremos por parte de nossos “heróis” [eu não gosto de usar essa palavra para me descrever]. Sobram algumas, exatamente as mais fortes e nossos “heróis” estão no limite de suas forças e energias.

[Karen]- N… não dá… eu não aguento mais…

[Durak]- Nós temos que aumentar nossa comunhão com a Treva.

[Karen]- Como assim?

[Durak]- As Cures… de onde vem realmente o poder delas?

[Karen]- Elas dizem que vem do amor, da verdade e da justiça.

[Durak]- Estes são atributos do poder. Elas dizem que o poder delas vem da Luz. O que nós temos que entender é que isso é meia verdade. Lembra que eu te disse que temos muito em comum? Nós dois somos rejeitados e perseguidos pela sociedade, nós fomos abandonados até por aqueles que se dizem ser nossos familiares. Quando você esteve no abismo [como eu estive], alguém estava lá para te ajudar, te apoiar e te encorajar, lembra? Essas criaturas [entidades] são tão desgraçadas e malditas pela sociedade como nós o somos. Sim, Karen, eu encontrei fraternidade, amizade, empatia, compreensão e até mesmo amor por estes que são chamados de demônios. Foi graças aos seres das sombras que eu consegui me erguer, me levantar, me curar, reencontrar minha autoestima e meu amor próprio.

[Karen]- E… eu acho que entendo.

[Durak]- Karen, todos nós viemos do ventre da Grande Deusa. Não há nada mais escuro do que isso, então como a Treva pode ser ruim? A Luz, Karen…. ela traz a distinção, a separação… a discriminação. Como a Luz pode ser boa? Sim, Karen… nós devemos e podemos deixar a Treva nos envolver a todos, só assim acabam as distinções, as discriminações, o preconceito, a intolerância. Verdade? A Verdade encontra-se em um lugar escuro. Justiça? A Justiça plena é sombria. Amor? Acredita mesmo que a cor do amor é vermelho? Não, a cor do Amor é negro. Negro como a pele da Grande Deusa.

[Karen]- Eu… eu sinto… imenso…enorme… infinito…

Lidar com o Fogo Negro não é tarefa para qualquer um. Dizem que famosos magos mijaram para trás quando evocaram entidades de outra dimensão por meio de um procedimento com espelhos. Essas entidades não encarariam o Fogo Negro, pois é o coração e alma do Caos e da Treva. Eu fui agraciado com um pequeno carvão incendiado pelo Fogo Negro e, por isso, eu sou maldito até por aqueles que se intitulam “indomados”, bruxos e sacerdotes. Eu sou provavelmente o único ser humano que permaneceu vivo, mesmo depois de mergulhar no Fogo Negro, mas vendo minha sina, isso não é exatamente um conforto. O Fogo Negro foi condescendente e liberou uma pequena chama que envolveu a todos. Nem mesmo em sua forma suprema as Pretty Cures conseguiram aguentar esse mero aceno do Fogo Negro. Evidente, nossos “heróis” também foram atingidos, de forma que sobraram apenas nossa dupla e a Cure Black.

[Cure Black]- E… eu nunca vi nem enfrentei tamanho poder antes… você venceu, Bruxa do Coração Negro! Acabe de uma vez comigo e com a luta!

[Durak]- Nagisa chan?

[Cure Black]- Durak kun? Eu ouço sua voz. Onde está você?

[Durak, saindo da forma de possessão]- Eu estou aqui, Nagisa chan.

[Nagisa, saindo de sua forma de Cure]-Eh… só podia ser mesmo você, Durak kun. Eu vou ter problemas em explicar ao estúdio e aos meus agentes como eu, a Cure Black, foi se apaixonar por um espectro.

[Durak, ajoelhando]- Perdoa-me, meu amor. Eu te machuquei. Por causa dessa estúpida luta.

[Nagisa]- Não… não é estúpida. Amar é uma constante luta, porque você tem que sempre superar seu pior adversário que é você mesmo. E eu não me perdoaria se eu perdesse para outro. Só você é tão forte como eu, Durak. Só você me conheceu por inteira. Venha, me abrace e termine com essa luta, da forma como sempre terminamos nossas lutas.

Karen fica com ciúme e inveja enquanto Nagisa e Durak consomem-se em amor.

A pena repousa, saciada. Minha mão treme com o esforço. Minhas vizinhas adormecem, embaladas pelo êxtase providenciado por Eros e Afrodite. Eu posso dar por encerrado mais um dia e mais um capítulo.

Em busca do Graal – VI

Quando se pensa em Europa, se acredita que o continente é composto por uma etnia. Isso é um engano, a Europa tem diversas regiões e etnias, cada qual não vê outro povo ou etnia como sendo seu irmão nem percebe que possuem ancestrais em comum. Definitivamente, um europeu que vive na região norte deve pensar do sul da Europa a mesma coisa que um norte-americano pensa do restante da América Latina. Nós mal tínhamos saído da Áustria e os mercenários soltavam comentários preconceituosos. Para eles, nós estávamos deixando a civilização e entrando em áreas inóspitas, selvagens e incultas. E nós estávamos na Hungria, próximos de Budapest. Essa parte da “Europa” que é chamada de “leste europeu” e começa a esmaecer a ideia de que a Europa é “ocidental”.

– Isso não é bom… capitão, para onde vamos?

– O que aconteceu, Van Helsing? Você parece nervoso e apreensivo.

– Você tem suas fobias, eu tenho as minhas.

– Será que isso tem algo a ver com o escritor inglês e o Drácula?

– Muito esperto. Hungria não é muito diferente nem muito longe da Romênia. Se continuarmos nessa direção, nosso caminho irá, inevitavelmente, ser interceptado.

Eu quase concordo com Van Helsing. Nós saímos duas vezes de circunstâncias arriscadas. Aqui no leste europeu existem outros exércitos, outras questões em conflito e a presença otomana é bem visível. Eles têm razões de sobra para ficarem ariscos, pois aqui quem manda é a Igreja Ortodoxa, o Catolicismo e o Protestantismo competem com o Bizantismo e ainda tem o Islamismo. Aqui nós não encontraremos quem nos guarde de uma ação impensada por soldados dos exércitos que estejam na região. O estranho silêncio do capitão apenas reforça nossas dúvidas.

– Senhores, eu não vou engana-los. Aqui nós temos o exército russo para nos preocupar e eu não tenho um interlocutor. Os senhores, como homens de Deus, façam suas preces, pois nós vamos precisar.

Corso perdeu todo o humor e ninguém estava rindo. Van Helsing tirou um rosário de suas traquitanas e começou a rezar as romarias. Eu mantenho uma postura indiferente, eu não vou tripudiar os coitados tão longe do Deus que acreditam e tão longe das Igrejas que representam. O leste europeu ainda é possível sentir o cheiro dos espíritos da natureza e a forte presença dos Deuses locais. Os sacerdotes das crenças invasoras tiveram o bom senso de não contrariar as antigas crenças folclóricas. Ah… pobres homens da Igreja… se vissem o que eu vejo, entrariam em colapso.

– Senhores, bem vindos em Cegled, Hungria. Nossos anfitriões nos aguardam.

Corso e Van Helsing aparentavam estar entrando no Inferno propriamente dito e criaram a expectativa que seriam recebidos pelo próprio Satan. O que eu vi foi surpreendente. Não estávamos em um castelo, tão pouco uma igreja, mas em uma mesquita e um mouro nos aguardava.

– Cavalheiros, sejam bem vindos. Eu espero que tenham tido uma agradável e tranquila viagem.

– Eu preferia nem ter levantado da cama, mas nós estamos aqui.

– Onde estão seus destacamentos militares?

– Oh, eu espero que os senhores não tenham ficado assustados. No caminho para a Verdade não cabe violência, mas sabe como são os alemães.

– O senhor não teme uma invasão?

– De forma alguma. Veja bem, nós estamos na Hungria, outrora um império, que foi nosso um dia. Aqui tem exército católico, protestante ortodoxo e muçulmano. Ninguém quer que a Grande Guerra volte.

– Eu só não entendo porque o senhor, muçulmano, está ajudando essa missão.

– Senhores, nós adoramos ao mesmo Deus. Talvez com exceção o bruxo. Essa busca pelas relíquias sagradas pode acabar com essa animosidade entre nossos povos e religiões. Algo que o Grande Iskander sonhou, o fim da separação entre Ocidente e Oriente. Um só povo, uma só nação, um só Deus.

Eu acompanho os três, guardando comigo a incompatibilidade e incongruência de tal declaração. Existem tantas diferenças entre o Deus Cristão e o Deus Muçulmano que nem dá para listar, mas criou-se essa ilusão de que são o mesmo Deus de Abraão. Mesmo o conceito atual de Deus entre os descendentes das tribos de Israel é simplesmente fantasioso, uma piedosa fraude urdida por sacerdotes. Não que eu possa me gabar, pois mesmo no meu meio não faltam farsantes que divulgam uma teologia espúria com nítido interesse comercial, político e social.

– Doutor Butthole, eu trouxe nossos convidados.

– Hack! Eu disse, doutor Houssin, que meu sobrenome é Bruttenholm.

Não tinha exércitos, mas o doutor Bruttenholm tinha um segurança particular no mínimo suspeito. Eu notei que a mesquita estava descaracterizada e transformada em biblioteca pública de uma universidade cristã. Por mais voltas que se dê, até se pode encontrar sociedades secretas muçulmanas vinculadas a um ou mais círculos de inúmeras outras sociedades secretas cristãs.

– Senhores, eu soube que suas avaliações anteriores foram frustrantes. Mas eu lhes garanto, como acadêmico, cristão e especialista, de que nós temos “a coisa real” aqui.

Meus parceiros de missão não ficam curiosos nem aparentam ter expectativas. Nós seguimos os doutores, sendo acompanhados pelo “segurança” [que eu pressinto ser do Submundo] e entramos na parte mais interna do que agora é um anfiteatro para a projeção de filmes, uma sala de cinema, que nada mais é do que um teatro com uma enorme lona branca esticada para se fazer a projeção. Nada de funcionários, nada de instrumentos, só o palco, a lona e muitas pessoas sentadas nas poltronas. Aparentemente, todos estavam nos esperando para o espetáculo.

– Senhores, sentem-se e preparem-se para o que verão. Tudo pronto, doutor Butthole?

– Bruttenholm! Sim, ela está pronta e disposta.

Uma música brega e desagradável é tocada por algum equipamento, sobe a enorme lona e abrem-se as cortinas do pequeno palco e ali em cima nós vemos uma mulher parcamente vestida com uma expressão de tédio nos olha fixamente de sua poltrona.

– Muito bem, vocês podem examina-la à vontade.

Corso era o mais afobado e Van Helsing era o mais encabulado. A mulher é ruiva e voluptuosa, ignorava completamente os homens da Igreja e olhava ostensivamente em minha direção. Eu nem preciso de apresentações, eu sei quem ela é.

– Então? Coisa real, como prometido.

– E… ela é… a Grande Meretriz!

– Ma… mas… o evangelho de João fala de um personagem fictício criado unicamente para denunciar Roma e sua corrupção!

– Ah… meninos da Igreja… são todos iguais. Por favor, me chamem de Scarlet ou de Babalon. Eu sou bem real como vocês mesmos podem ver, sentir e babar por minhas formas generosas.

– Isso… não é possível.. a Grande Meretriz só apareceria no Apocalipse!

– Gato, acorda. O Apocalipse aconteceu. O mundo “acabou”. Foi o “fim do mundo” quando o Império Romano caiu. Desde então, eu tenho sido mantida escondida. Sua gente ainda não sabe o que fazer comigo.

– Ma… mas… você foi criada para denunciar a verdadeira Babilônia, a Igreja Católica!

– Ah! Que situação divertida! Dois meninos de duas vertentes do Cristianismo com suas interpretações sobre quem ou o que eu represente. Eu achei mais interessante o mago britânico que me “revelou” como Babalon. Eu prefiro que me vejam como uma face interditada e censurada da Grande Mãe. [Scarlet me olha de um jeito que me provoca arrepios]

– I… isso é irrelevante. Você sabe e conhece o Cristo e pode nos guiar para encontrar uma relíquia sagrada que prove, de uma vez por todas, que Cristo existiu e morreu por todos nós.

– Ah… sim… eu conheci Cristo… ela é uma delícia [Scarlet lambe os lábios provocativamente enquanto me olha]. Mas ela não se sacrificou para os salvar do pecado ou dar-lhes a vida eterna. Vocês não entenderam coisa alguma. Ainda se apegam literalmente ao que dizem os evangelhos, ignorando a Gnose, ignorando os Apócrifos, ignorando todos os sinais e indícios do Caminho Iniciático. Vocês ainda estão presos a esta piedosa fraude cometida pela organização religiosa que dizem representar.

– E… eu ouvi bem? Cristo era… mulher? E não veio para nos salvar do pecado e nos conduzir à vida eterna? Cristo não veio para instaurar o Reino de Deus no mundo?

Scarlet comprime os lados do nariz e solta um muchocho de decepção, visivelmente irritada.

– Não, seus palermas. Bom, ao menos um de vocês sabe. [Scarlet me olha com olhos cheios de luxúria]

– N… nesse caso… quem foi Cristo, qual foi sua missão e onde nós podemos encontrar a Verdade? Qual é o seu papel na Grande Obra de Cristo?

– Isso deveria ser óbvio, nessa altura da história. Eu, meninos, tenho a incumbência de acabar com a Igreja. Toda ela. Vocês nunca precisaram disso. Minha única função é de despertá-los para o Conhecimento, que está dentro de vocês mesmos, através do contato carnal. O mago britânico engraçado até criou um sistema mágico e uma sociedade secreta para me celebrar e nem isso era necessário. Por isso que a Igreja dos senhores tanto proíbe e condena o corpo, o desejo, o prazer e o sexo. Mas primeiro, eu devo conduzi-los a encontrar com Cristo. A verdadeira. Que ainda está bem viva, por sinal. E nós traremos de volta o tempo em que a humanidade convivia com os Deuses Antigos, onde Deus tinha a Deusa como consorte, onde os Antigos Ritos eram celebrados em nudez ritual sob a luz da lua.

– Até o momento eu achava que conhecia a Cristo, mas eu sou obrigado a perceber que acreditava no que a Igreja me dizia. Onde nós podemos encontrar Cristo?

– Eu diria dentro de vocês, mas antes, vocês precisam vê-la com seus próprios olhos. Vocês devem ir para Caxemira, em Srinagar. Ali encontrarão o verdadeiro túmulo de Cristo.

– Isso é alguma brincadeira? A senhorita disse que Cristo está vivo e nos manda ir ao túmulo?

– Eu devia perguntar isso aos senhores. Não acreditam que Cristo ressuscitou? Então Cristo vive, mas é necessário que vocês vejam o túmulo para que percam essa ilusão de que suas existências se restringem à forma material. Vão agora mesmo, antes que os alemães percebam que vocês estão sabendo demais.

Meus parceiros saem cambaleando sem saber muito bem o que tinham acabado de ouvir, passando por entre a plateia que aplaudia Scarlet. Estavam tão aturdidos e contentes por voltar ao caminhão que não perceberam que Scarlet me segurou.

– Estes estão perdidos. Eu não teria diversão com eles, mas você… seu caso é outro e eu ouvi muito a seu respeito.

Eu, coitadinho de mim, nada pude fazer ou falar. Ela me jogou no chão, tirou minhas roupas e não largou de mim enquanto eu não vertesse meu creme em seu ventre. Alguém perguntou se isso não era contra o feminismo e o empoderamento da mulher. Eu transcrevo a resposta dela:

– Empoderamento da mulher… a ideia é boa, mas como falam até parece que a mulher precisa que alguém lhe conceda algum poder. A mulher possui o poder. Ela apenas não o está utilizando. Minhas irmãs que me entendam, mas não está inteiramente correto falar que uma mulher não nasce. Isso é verdade se entendermos “mulher” como papel social. Mas nossa condição não se resume nem se limita ao que a convenção social determina. Em verdade, todas nós nascemos mulher, feminina. Todo ser vivo nasce com uma sexualidade. A forma como isso é percebido e exercido é variável muito além dos padrões impostos pela sociedade. Tudo o que nós precisamos fazer para dominar o mundo é fazer uso de nossa sensualidade e sexualidade natural. Quem tiver ouvidos ouça e quem tiver entendimento entenda.