Arquivo da categoria: sexualidade

Runaway train

First of all, this is not a composition about this 1992 Soul Asylum’s song, we past the middle of the first decade of XXI century and USA is far from settle the bullying problems, especially after voting for Trump, a compulsory bully.

I rather use something that I like: anime. Then, second, I will take the anime “Youjo Senki” as a reference, please, serve yourself.

Quoting Wikipedia: “In Tokyo in 2013, a poor performing salaryman is fired, and later, pushes the heartless supervisor who fired him in front of a train. As the supervisor falls, time stands still and he hears the words of God coming from the people at the station”.

So here I am, at subway station, watching my watch [no pun intended], worrying about lack of time, worrying about my appointment when, suddenly, I feel my body floating after a hard push in my back. Fear and horror are stamped in many faces, only one is smiling, in victory and the voice of this man sounds like thin can, talking something about punishing the sinners and infidels.

Please, take note, reader, even you think is irrelevant: the man can be anyone who confesses a monotheistic religion, Abrahamic religions, with that sadistic, jealous and bloody bastard God. So, judge, here is my complain: I was pushed to face Death because some moron think I am a sinner [there is no such thing] and an infidel, even me being a good modern pagan and very devoted to my Lord and Lady. I haven’t chance to defend myself. I rest the case.

Fear not, reader, because I haven’t. In this seconds that last a day, I was wondering if this is just a way to meet Tanya again. Well, she was there, shouting to me something like: “don’t disappoint me, master Weinberg”. And then all gone, after some pain and the feeling of being dismembered.

Fade in, fade out, black in, black out. I can’t count how many times this skill is used in movies. This is something unbelievers don’t understand. As the music “Snakedriver” from JAMC says: “If I wake up dead I’ll wake up just like any other day”. I just wake up and open my eyes as if it was another day. I feel funny and I don’t recognize my surroundings.

Let me describe how I see my actual environment. Green lines everywhere, some making what seems a path, others making what seems a box. Very much like a computer default location. Then, from the very borders of this, crossing a white wall [light?] appears a lad, with hooded jacket, jeans trousers, t-shirt and snickers.

[Jake]- Folks? Reunion! We got new place to run!

Slowly, other persons starting to show up, crossing through the white wall, from the “floor” or just appearing in middle of the “air”. I think I recognize them and I hope the reader too, but I will decline: they are characters of well know game called “Subway Surfers”.

[Tricky]- What will be our place to run, Jake?

[Jake]- Since we are at the World Cup, we will run in Moscow, Russia.

[Tricky]- That’s great! Hey, Alex, we will run in Moscow!

[Alex]- Velikolepnyy!

[Tricky]- What did she said?

[Jake]- That will be awesome!

[Lucy]- Hello. You must be the new character unlocked.

[Me]- I think so. What this is all about?

[Lucy, laughing]- Come with me, rookie. Jake will explain it all.

[Jake]- Hello, newcomer! What is your name?

[Me]- Do I have to choose a name?

[Lucy]- Of course! Otherwise, how we can call you?

[Me]- Then I choose Ubiratan.

[Tricky]- How exquisite!

[Jake]- Very peculiar.

[Lucy]- Very sexy…

[Jake]- Well, Ubi, all you have to do is to run as soon as the race starts.

[Me]- Run? To where? For what?

[Tricky, laughing]- Just run forward. Run away from the subway inspector.

[Lucky]- Speaking about the Devil, here he comes!

[Inspector]- I will get you, brat!

[Jake]- Run, folks! Don’t forget to jump, roll and dodge from the obstacles!

A man, big, fat and dumb, get closer and closer. Jake, Tricky and Lucy were far ahead, running. I stand still, regardless, facing him with a blank expression. When he get really close and spread his arms, I just use one of the hapkido techniques that I know. He screams in pain, starts to cry like a baby, while I hold his wrist in one hand and his face in the ground.

[Jake]- What are you doing, newcomer?

[Me]- I am giving him something to think about before hunting us.

[Jake]- This is not what we do. We run. Let’s try again, ok?

Tricky helps the inspector to stand up and she looks worry about him.

[Tricky]- He is part of the crew. Don’t do that again.

[Lucy]- That was impressive, though. You must meet my brother, Spike.

[Tricky]- Don’t support him, Lucy. We are not a fighting game.

[Lucy, rolling eyes]- Ay, ay, captain!

[Jake]- Ok, let’s start!

They start to run ahead, jumping, rolling and dashing. I follow behind, being avoided by the inspector. Suddenly, I see a barrier in my way. It comes to my head the simplest way to get over it, getting through it. I just break the barrier in two.

[Jake]- What are you doing, newcomer? You have to jump, roll or dodge it!

[Me]- Well, I break it. It seems easier that way.

[Tricky]- Don’t do this. We will have to pay for it. Barriers are property of our company.

[Lucy]- I wonder want more the newcomer knows to do.

[Jake]- Focus, folks! We are about fulfilling a mission!

[Me]- What was that?

[Tricky, rolling eyes]- We have missions to fulfill. Each time we realize that, we get prizes, like coins, head starts, score points multipliers and so on.

[Me]- I guess this is the payment we get.

[Lucy]- Right! You can also unlock another suit or board.

[Me]- This running never ends?

[Jake]- You are out of run if the inspector gets you. Like Tricky right now.

[Me]- Even he gets all of us. The run will start again and again. Do we have a spare time? To rest, to eat, to do something else?

[Jake, thinking]- I never think about that. We are out of game when inspector gets us. Then I think we have a spare time.

[Lucy, rolling eyes]- Don’t mind of Jake. He is the veteran, but he is not the most brilliant of us. Out of game we have a place to stay. We even have a city where we live. We call it Kiloocity.

Eventually the inspector gets us all. The game closed and we went to other dimension. A big dimension, where you can see a lot of cities that the characters have already runned. In the center of it, lies the Kiloocity, where the characters can eat, rest and do something else.

[Lucy]- Here it is, Ubi. Come with me! Let’s meet the other crew. Come with me and I will introduce you to my brother.

There are something in her eyes that makes me suspect about her intentions. But I was tired, thirsty and hunger.

[Lucy]- Hey, Spike, come to see the newcomer!

[Spike]- Newcomer? I will punch his face.

[Lucy]- I dare you.

[Spike]- What was that? Are you daring me? What is he? Your boyfriend?

[Lucy, drooling]- Maybe…

[Spike]- Oh, fuck. Good. Now I have a very good reason to kick your ass.

Spike gets out of their home and went straight to me, with his punk attitude. He looks very menacing in game, but looking at him now, he looks shorter than me. He throw his best punch at me [not even he hit would hurt me], but he ends in the floor, unconsciousness.

[Lucy]- Wonderful. Spike needed that. Come on. Let’s have lunch time in my home.

I walked inside the house, with walls surrounded with punk bands posters everywhere.

[Lucy]- We have pasta and pizza. I think that we have beer, too.

In a matter of minutes, she get back to the main hall, with two dishes, covered with pasta and pizza, holding two beers in teeth.

[Lucy]- Here is for you. This one is for me. Cheers.

The pasta and the pizza have an amazing taste. I drink four bottles of beer, nothing that I couldn’t take, but Lucy was already drunk.

[Lucy]- Hey, Ubi… you are from Brazil, aren’t you?

[Me]- Yes, I am. Why?

[Lucy]- Well… everyone knows about the Latino reputation. I want to check this out. Before the others girls have it.

Lucy jumps from the couch, get down in her knees in the floor and before my very own eyes, she unzipped my pants and take out my Little Friend.

[Lucy]- Mother of Gods! Look at it! It is not possible!

[Me]- Lucy, you are sure about this?

[Lucy]- Yes, my dear. I want it. I need it.

Needless to say that she play a lot with it, with her hands, lips, tongue and mouth. When she takes out her dress and panties, she was already wet.

[Lucy]- Ohboyohboyohboy… I never feel something like this. This thing will tear me apart, but I don’t care.

She come over me and start to ride me, making that love noises we know very well. I think she come trice before I blow away, inside her, my creamy load. She collapsed, passed away and lied in the floor, with a large smile in her face, with some of that white hot goose sprouting from her insides.

I have to find a way out of here. I know where it lends. Soon or later, the other girls will want to have the same. I don’t need more bad reputation.

Anúncios

Ao pó voltarás

Das catacumbas aos palácios.

Ficção com base em fatos históricos.

Incluindo piedosas fraudes.

Milagres de Santo Irineu.

[ATENÇÃO! NSFW!]

A palavra hóspede, hotel e hospital tem a mesma origem e surgiram com essas ordens hospitalitárias aonde toda pessoa que chegasse conta com atendimento médico, refeição e quartos para estadia.

Por três dias a XII Legio Fulminata permaneceu na Ordem Maltesa dos Hospitalitários, onde as treze abadessas trataram de satisfazer seus visitantes para cumprir com a primeira diretiva da Ordem, uma regra de ouro, em diversos povos, que é receber e tratar bem os hóspedes.

Por milagre de Santo Irineu, os prisioneiros não fugiram nem pediram exílio. Sem precisar de ordem, todos eles, homens, mulheres e crianças, simplesmente voltaram e entraram na carroça de prisioneiros. O general e o centurião não deram conta nem falta de um prisioneiro que permaneceu na enfermaria. Pela Graça de Cristo este foi poupado, sendo o próprio Santo Irineu.

No dia seguinte da partida da legião romana, aliviadas e felizes, as abadessas voltaram à sua rotina diária, o que incluía cuidados ao Santo Irineu. Ele recebia em seu leito comida, bebida e banho. Algumas, mais animadas, excediam nos cuidados e, usando mãos e lábios, extraíam aquilo que chamaram de creme de nozes de Santo Irineu. Esse foi considerado o segundo milagre do Santo Irineu, pois estando em região tão árida, era pouco provável que crescesse qualquer vegetal, muito menos uma nogueira.

Santo Irineu recebeu a Graça de Cristo, foi curado das feridas, pode levantar e sair do leito. Contrariando a insistência da Madre Superiora, ele se pôs a trabalhar, tanto para retribuir a estadia quanto para se fazer de útil. Por ciúme e inveja, o Diabo colocou na abadia enorme quantidade de lenha, no que Santo Irineu empunhou o machado e de lá não sairia antes de livrar a abadia dessa manifestação maligna.

O Diabo, revoltado, ordenou ao espírito do vento que fosse tentar ao Santo Irineu. O espírito do vento entrou pelo ouvido da abadessa Eustáquia e a perturbou com perguntas. Por inocência, mas curiosa em saber mais dos mistérios de Cristo, Eustáquia visitou Santo Irineu.

– A paz de Cristo, irmão.

– A paz de Cristo, irmã.

– Perdoe-me por interromper seu lavor, mas nossa sororidade está distante de qualquer lugar e nós não tivemos contato com a totalidade do Evangelho. O senhor, Santo e Doutor nesse assunto, poderia esclarecer minhas dúvidas?

– Com a Graça de Cristo, pela Vontade de Deus, eu responderei o que te aflige.

– Nós somos todas mulheres, no total de treze e nós conhecemos nossa condição, tal como Deus nos criou. Cristo veio ao mundo nascendo de Santa Maria [Myrian], mesmo ser ter conhecido homem e ela se manteve virgo intacta? Como alguma mulher pode conceber sem contato carnal?

– Irmã Eustáquia, os pagãos infiéis helênicos clamam que Atena é parthenos, ou seja, nasceu não como fruto do contato carnal. Algumas plantas produzem frutos com flores que possuem tanto a parte masculina quanto a feminina. Em animais mais simples, tanto o feminino quanto o masculino estão na mesma criatura e, em certos animais complexos, o macho se torna fêmea e a fêmea se torna macho. A natureza é reflexo da Vontade de Deus, certamente não há empecilho para que a Providência fizesse com que Santa Maria [Myrian] concebesse Cristo, através da Manifestação do Espírito Santo naquele ventre sagrado.

– Então um espírito pode fazer com que a mulher conceba, da mesma forma como um espírito sopra nas narinas dos que nascem para que possam receber uma alma.

– Esta é uma interessante conclusão, irmã.

– O inverso pode ser verdadeiro, também? Pois viajantes que casualmente passam aqui relatam que são atormentados nos sonhos, de noite, por espíritos que os forçam a ceder de sua essência através do estímulo carnal.

– Este é um mistério, pois tal como o espírito procura a carne, a carne procura o espírito. Assim, deve ter razão os antigos ao dizerem ser pecado derramar a semente masculina no solo e é pecado beber o sangue dos animais. Nestes líquidos corporais se encontra a energia vital necessária para a criação da vida, que pertence somente a Deus.

– Nossa abadia segue os preceitos deixados por Santo Antão quanto à vida monástica. O senhor pode imaginar o tipo de perigo e tentação que treze mulheres sozinhas em tal amplidão árida podem passar diariamente. Tão importante quanto nossos votos de acolher e ajudar todos os peregrinos que por aqui passam, nós matemos vidas humildes, recolhidas em castidade. Nós podemos ser atacadas e abusadas por espíritos, tal como nós fomos atacadas e abusadas pelos legionários romanos. Como nós podemos ser como Santa Maria [Myrian] e recobrar nossa condição de virgo intacta?

– Quando eu estive em Éfeso, acalorada discussão discorreu sobre tal assunto. Eu, doutor e estudioso do Evangelho, levei até o fim a questão, chegando a analisar diversos pergaminhos acerca da condição e vida de Santa Maria [Myrian]. Eu devo ter causado mais comoção, ao exibir o equívoco dos tradutores e copiadores. Santa Maria [Myrian], bendita seja seu Nome, era uma jovem mulher [almah] e não virgem [betulah]. Foi por exagero, preferência ou simplesmente capricho que alguns Patriarcas apresentaram a doutrina de que santa Maria [Myrian] era virgo intacta, esquecendo que Cristo teve muitos irmãos e irmãs de carne.

– Então eu não estou maculada aos olhos de Deus por ter falhado em meu voto de castidade?

– Isto eu tenho observado enquanto eu perambulava na missão de espalhar a Palavra. Eu tendo a ver como outro exagero, preferência ou capricho, pois se o contato carnal fosse algo impróprio, então a Vontade de Deus não teria dito aos Primeiros: crescei e multiplicai-vos. Não, irmã, não é concebível dizer aos Cristãos que o sexo seja a causa de impureza e não é exato dizer que a castidade seja abster o corpo de saciar sua necessidade normal, natural e saudável de sexo. O sensato é reafirmar a sabedoria antiga: disciplina é liberdade. Em todas as coisas, devemos ter prudência e temperança, pois o excesso, o exagero, coloca o corpo como governador e isto [indulgência] não é liberdade, é escravidão. Então, nós, Peregrinos do Caminho, aceitamos e observamos certos princípios, por opção e vontade própria, por que nosso entendimento quer que nosso Eu governe.

– Então Deus não nos condena por termos pecado contra a castidade?

– Irmã, a Vontade de Deus está sempre constante ao nosso redor. Onde a Vontade de Deus exibe exasperação contra os atos que, por compaixão e misericórdia, cometeram em concílio com os legionários romanos? Os homens podem julgar e condenar, mas Deus vê a intenção no coração. Se não fosse pelo sacrifício que vocês aceitaram fazer, livre e voluntariamente, eu não estaria vivo e o destino daquelas outras almas seria muito mais severo.

– Meu bom Santo Irineu, homem de Deus, eu ouço e entendo suas palavras. Deus não pode condenar aquilo que criou e instituiu. Deus nos fez homem e mulher, Deus nos criou para amar a fim de sermos Um. Conforme é a Vontade de Deus, eu e tu devemos ser Um. Rápido, não temos muito tempo. Sirva-se da minha entrada entre minhas nádegas. Eu estou em minhas regras então, por agora, coloque sua parte dentro de mim e derrame seu bendito creme de nozes entre meus rins.

Assim o espírito do vento conduziu Eustáquia, para satisfação do Diabo, acreditando que o ato sagrado da união carnal entre homem e mulher os faria perde-los. O creme de nozes de Santo Irineu só aumentou e consagrou a santidade da Santa Eustáquia, expulsando violentamente o espírito do vento de seu corpo, tal foi a quantidade e força do volume que a preencheu.

Indefectivelmente, o milagre chegou ao conhecimento das demais mulheres que, através dos mais diversos artifícios e subterfúgios, garantiram sua dose de creme de nozes, que foi devidamente derramado entre os rins delas, imunizando as abadessas das artimanhas do espírito do vento, sendo este o terceiro milagre de Santo Irineu.

O Diabo, irritado, ordenou ao espírito da água que fosse tentar ao Santo Irineu. O espírito da água entrou pela boca da abadessa Sinclética e a perturbou com perguntas. Por inocência, mas curiosa em saber mais dos mistérios de Cristo, Sinclética visitou Santo Irineu.

– A paz de Cristo, irmão.

– A paz de Cristo, irmã.

– Perdoe-me por interromper seu lavor, mas nossa sororidade está distante de qualquer lugar e nós não tivemos contato com a totalidade do Evangelho. O senhor, Santo e Doutor nesse assunto, poderia esclarecer minhas dúvidas?

– Com a Graça de Cristo, pela Vontade de Deus, eu responderei o que te aflige.

– Cristo nasceu como nós, então carregava consigo a mesma mancha do Pecado Original com o qual viemos a este mundo?

– Esta questão suscitou discussões acaloradas e excomunhões entre bispos. Cristo era pessoa ou espírito? Pode uma mesma pessoa ter duas naturezas? Como Cristo pode nos resgatar do pecado, tendo vindo ao mundo em forma humana? A redenção vem de Deus ou de Cristo? Eu estive com Inácio e Clemente, em Alexandria, somente para tentar encontrar uma solução. Em verdade, nós também somos ambos, carnal e espiritual, então Cristo apenas estava mais consciente disso. Nós, os Peregrinos do Caminho, recusamos e refutamos a herança do pecado, porque vivemos debaixo da Graça, não da Lei. Não obstante, nós somos responsáveis por nossos atos e palavras, os Preceitos do Caminho deixado por Cristo é algo para ser conhecido, estudado e praticado de forma consciente e voluntária. Eu apresentei a elucubração de que não existe o pecado, visto que é inconcebível que Deus o tenha criado ou de que Ele tenha nos sujeitado a algo tão cruel por estarmos agindo conforme a natureza com que fomos criados. Isso nos trona a todos não seguidores, mas imitadores de Cristo, este sendo modelo, não procurava seguidores, mas quem estivesse disposto a despertar para aquele Eu Sou que existe dentro de cada um de nós.

– Meu entendimento é pequeno e curto, Santo Irineu, mas se é assim, por que Cristo morreu na cruz? Por que existem igrejas e padres, se tudo o que temos que fazer é conhecer, estudar e praticar o Evangelho?

– Isso foi necessário porque nossos irmãos hebreus assim precisavam, de outra forma, não receberiam nem entenderiam a Palavra. Verdade seja dita, o Enviado de Deus veio anteriormente entre nós e virá no futuro. Nossa existência nesse mundo tem um propósito e Cristo é aquele que vem nos auxiliar nessa ascensão. A forma, o lugar e o método são moldados conforme a época e a necessidade. Cristo escolheu e quis ser como um de nós, para nos entender melhor, para nos ajudar com mais eficiência.

– Meu entendimento é pequeno e curto, Santo Irineu, mas então nós não precisamos combater o pecado, o mal do mundo e o Diabo que quer nos perder?

– Isso, espírito que se oculta dentro de minha irmã, é algo que incomoda a teu mestre, mas saiba que a Palavra veio para libertar a todos, você e ele também.

O espírito da água, tendo sido descoberto, fugiu apressadamente de sua hospedeira, em fluxos líquidos que saíam dos orifícios corporais, para vergonha da abadessa Sinclética.

– Meu Santo Irineu, valei-me! Sai tanto líquido de dentro de mim que eu creio que eu vou desaparecer!

– Por onde o espírito está esvaindo mais? Ali nós podemos obstruir a saída.

– Ah, que vergonha! Meu Santo Irineu, brota-me líquido profusamente dessa parte minha que mais parece uma concha, que agora espirra feito chafariz!

– Nós não temos muito tempo! Rápido! Abra bem suas pernas que eu irei obstruir a passagem do espírito com minha trava!

Sinclética hesita alguns minutos, pois estava com medo e impressionada com o tamanho da trava que Santo Irineu estava pronto para inserir naquela sua parte mais íntima, sensível e carnosa entre suas pernas. Suspirou, voltou suas preces ao Firmamento, pedindo perdão a Deus pelo que estava pronta a fazer. Tal como no caso dos legionários romanos, era questão de sobrevivência, Deus compreenderia.

– Santo Irineu, seja gentil. Esta minha concha ainda não conheceu homem.

Santo Irineu acenou, confiando que a declaração é verdadeira, pondo-se a trabalhar, lenta, porém com firmeza e consistência, até não sentir mais resistência, até a trava sumir inteira dentro das entranhas de Sinclética. O espírito da água, sem ter opção, saiu por lágrimas e suor do corpo de Sinclética, exorcizado por Santo Irineu.

– Aguente firme, irmã! Nós vencemos! O espírito está abandonando seu corpo.

– Ah! Glória a Deus! Ah! Mas não mexa muito, Santo Irineu! Ah! Meu corpo é fraco e eu não sou forte para resistir ao efeito desse contato carnal.

Inflexíveis são as leis da física, da biologia e da astronomia. Corpos se movem, por conta própria. Sinclética fecha os olhos, geme, sussurra, estremece, vira os olhos. Seus braços, pernas e quadris tem vontade autônoma, enroscando-se, envolvendo, prendendo o corpo de Santo Irineu, somente cedendo as cadeias depois de receber um enorme volume do creme de nozes no ventre faminto, trazendo enorme sensação de bem-aventurança a Santa Sinclética.

Indefectivelmente, o milagre chegou ao conhecimento das demais mulheres que, através dos mais diversos artifícios e subterfúgios, garantiram sua dose de creme de nozes, que foi devidamente derramado entre as coxas delas, imunizando as abadessas das artimanhas do espírito da água, sendo este o quarto milagre de Santo Irineu.

[trechos perdidos]

Dias, semanas, meses passaram e inúmeros sinais e prodígios foram avistados na Abadia da Ordem Maltesa dos Hospitalitários. Santo Irineu, no entanto, ouviu o chamado de Deus e, com tristeza no coração, foi até a Madre Superiora para comunicar sua decisão irrevogável. Santo Irineu partiu em direção até Roma, para valer de sua posição como patrício romano e ir falar com César para abrandar as leis contra os Cristãos. Foi momento de muita tristeza entre as abadessas que guardaram os inúmeros feitos e milagres de santo Irineu, a contar, doze, incluindo as imaculadas concepções que ocorreram após sua partida.

Manual de como perder a cabeça

Das catacumbas aos palácios

Ficção baseada em fatos históricos

Temperada com lendas

Antipas passou quinze anos de seu reinado em relativa tranquilidade, três vezes mais que seu finado pai. A única preocupação dele e de Herodíades consistia em criar e preparar Salomé para sucedê-lo no trono e isso não era opcional.

Ele ficou de fora, como um cidadão comum, enquanto sábias anciãs examinavam Salomé, tradição cuja existência consiste em tabu, pois determina se a criança amadureceu a ponto de poder ingressar no mundo restrito dos adultos, o que geralmente exigia a execução de um rito de passagem, chamado de “festa de debutante” no mundo moderno.

Herodíades passou por isso, então ela compreende a frustração e impaciência de Salomé, diante do exame das sábias anciãs.

– Meu amor, aguente só mais um pouco. Elas estão quase acabando.

– Tudo bem, mãe. Isso é importante para você e papai, eu estou bem. Eu só sei que não preciso que essas velhas me digam aquilo que eu sei. Eu não sou criança, mamãe, eu sou adulta faz algum tempo. Eu sou e sei que sou, eu não preciso que confirmem ou atestem isso.

– Eu sei disso, meu amor. Sou eu quem troca seus lençóis. Sou eu quem te dá banho e te veste. Você lembra muito do que eu fui, na sua idade. Acredite, meu amor, eu também passei por toda essa bobagem. Essa é a verdade que esse mundo, governado por homens, não quer e não aceita saber. Todos nós nascemos com uma sexualidade. Nós, meninas, vamos nos transformando em mulher um pouco a cada dia. Meninos demoram mais e muitos simplesmente só aumentam de tamanho, a maturidade é mais tardia.

Salomé faz careta, solta um som baixo de incômodo e fica ruborizada. As anciãs recuam e começam a tagarelar entre elas.

– Mãe, quando você sentiu isso? Quando você notou que seu corpo estava mudando? Quando você começou a pensar em meninos de outro jeito? Quando os meninos começaram a olhar para você de forma esquisita?

– Ah, querida… nós não podemos aceitar essa concepção errada que a sociedade impinge que essas coisas acontecem em tempo determinado… [Salomé suspira, demonstrando irritação] Eu comecei a notar mudanças no meu corpo quando eu completei sete anos e isso se tornou a fonte de muitos medos e inseguranças. Minha mãe era falecida, mas papai, seu avô, tinha uma mulher, chamada Sulamita, que me apoiou e me ensinou o que é ser mulher. Aos oito eu olhava para os homens que iam e vinham no Heródium e sentia coisas estranhas no meu corpo. Os meninos começaram a me olhar de forma esquisita quando eu completei nove anos, mais ou menos quando eu tive meu primeiro corrimento de sangue, a menstruação. [risos] Eu gritei muito, bem alto, meu pai, seu avô, correu, viu aquele sangue todo e achou que alguém tinha entrado no meu quarto e me ferido. Eu só parei de gritar quando Sulamita veio e expulsou papai do meu quarto. Ela veio, me abraçou, me aconchegou e eu me senti acolhida, protegida, aceita como mulher que eu havia me tornado.

Uma das anciãs se aproxima de Herodíades e sussurra algo no ouvido dela.

– Parece que você me antecipou em alguns meses, querida.

[acanhada]- Eu não quero que os meninos olhem para mim de forma esquisita, mãe.

[risos]- Eu falei a mesma coisa, querida. Mas você vai conhecer meninos e homens que farão você mudar de ideia.

[pensativa] – Mãe, é verdade que você e papai são irmãos?

– Sim e não, meu amor. Nós somos irmãos por parte de pai, não de mãe.

[intrigada]- Mas isso não é arriscado, mamãe?

– Que nada, meu bem. Senão como nós todos poderíamos ser filhos e filhas de Adão e Eva?

[irradiante]- Como você conheceu papai?

[risos]- Antes ou depois de eu conhecer seu tio?

[curiosa]- Você conheceu papai antes e depois de conhecer meu tio?

– Sim, meu amor. Lembra da Sulamita? Ela e papai [seu avô] tinham um relacionamento lindo e ela ensinava a seus tios, seu pai e eu os mistérios guardados escondidos nos templos dos pagãos. Eu conheci seu pai ali, mas por decisão do meu pai, eu fui prometida e entregue ao seu tio. Eu sabia que eu não queria estar com ele, eu gostava… eu sempre gostei de seu pai, desde o primeiro dia que o conheci. Felipe, seu tio, era como seus outros tios, não era um apreciador de mulheres, mas seu pai… ah, seu pai… [pigarro] Então… imagine a minha alegria quando seu pai apareceu quando eu e seu tio estávamos na estrada para Decápolis, onde seu tio seria rei e eu rainha, mas fomos atacados por bandidos. Seu pai me libertou duas vezes. Ele me libertou de um casamento infeliz e das mãos dos bandidos.

– Papai foi seu primeiro homem?

[provocando]- Fisicamente? Sim, ele foi. Disso eu me orgulho. Eu me guardei para meu verdadeiro amor. Mas na mente, querida, nós podemos ter tantos homens quanto quisermos. Nossas mãos têm cinco amigas que podem nos ajudar em nossas fantasias.

[envergonhada]- Mamãe!

[risos]- Vai querer enganar eu, sua mãe, que você não andou fazendo ginástica com seus dedinhos na cama, pensando em algum menino ou homem?

Salomé cobre o rosto [roxo de vergonha] com as mãos e grita de raiva o mais alto que consegue. Antipas invade o recinto e com expressão de preocupado vasculha o ambiente em busca de possíveis perigos.

[risos]- Filho de peixe, peixinho é. Está tudo bem, querido. Nada aconteceu. Só conversa de meninas.

– Vocês duas ainda me matam do coração. Então, acabou o exame?

Herodíades acena afirmativamente em coreografia com as anciãs. Pela expressão radiante daqueles rostos, Antipas entendeu que sua menina havia se tornado uma bela mulher. Antipas teve que se segurar no espaldar de uma cadeira próxima para não cair pela vertigem que o abateu.

– Oh… puxa… isso… é bom. Eu… eu vou cuidar da papelada. Vocês devem ter mais “coisas de meninas” para conversarem. Depois nós saímos para comemorar e, se tudo der certo, nós achamos um pretendente… assim que eu melhorar dessa tontura.

Antipas caminha bambeando, como se estivesse bêbado, para fora do salão e fecha a porta ao sair.

[lívida]- Papai está bem?

[risos]- Sim, meu amor, ele está bem. Só vai precisar de um tempo para assimilar que você é mulher, tal como meu pai, seu avô, precisou. Homens não são muito diferentes de meninos. Eles nos olham como lobos, mas são como cordeirinhos para suas mães, como se uma mulher não fosse mãe, irmã ou filha de alguém.

[confusa]- Então papai é exceção, porque ele sempre te olha como um lobo.

[risos] – Isso é porque ele me ama e me deseja.

[chateada]- Não importa. Você tem papai. Eu não tenho ninguém. Eu não quero ninguém. Não podem me forçar a escolher um pretendente.

[suspiro]- Tudo bem, meu amor. Eu entendo. Sério. Eu não quero que você passe pelo que eu tive que passar. Eu só te peço que dê tempo ao tempo. Você é minha filha e é muito mais linda do que eu. Você irá escolher seu homem, ou mulher, quem você quiser. Combinado?

[abraçando]- Combinado, mãe. Eu te amo.

[abraçando]- Eu também te amo, meu docinho.

Algumas horas depois, as duas trotavam pelo palácio de governo da Galileia, como se nada daquilo tivesse acontecido. O clima estava tão ameno e agradável que até Antipas se esqueceu do evento. Finalmente livre da papelada, sorvendo uma caneca com um destilado egípcio feito de palmeira, Antipas relaxa e descansa.

– Pai? Papito?

– Oi, meu coração. Entre, fique à vontade.

– O senhor está ocupado?

– Não no momento, meu tesouro mais precioso. Algo te aflige?

– Nada me aflige, papito. Eu vim aqui para te perguntar se ainda está em pé sua promessa.

[fingindo de desentendido]- Promessa? Que promessa? Tem algum documento escrito e assinado? [grunhido de raiva] Opa, uma bela princesa enraivecida! Eu acho que eu estou encrencado. [risos] Eu prometi que nós faríamos uma comemoração, certo, meu coração?

[apontado com o dedo]- Bingo, papito! Mamãe está escolhendo o lugar. Então fique bem lindo e arrumado para nos acompanhar, oquei?

– Oquei, luz dos meus dias. Vamos sair na nona hora. Combinado!

Salomé se inclina e beija o rosto de Antipas, coça o nariz pelo contato com a barba, levanta, gira e sai do escritório como se fosse uma bailarina. Antipas fica com a mesma expressão abobada que todo pai faz ao olhar para sua filha. Desanda a rir de si mesmo por ter ficado abalado com o fato de que sua menina havia se tornado uma bela mulher. Se pega pensando em diversas brincadeiras e pegadinhas para testar os futuros pretendentes, incluindo espadas. Então começa a chorar pensando no que seu pai diria se tivesse conhecido sua neta. Chora mais ainda, pensando em como vai ser quando ele for conhecer a neta dele. Entorna o caneco e seca o destilado egípcio. Isso ajuda a secar as lágrimas e ativar algum ânimo. Antipas foca toda sua atenção na tarefa de se arrumar, caprichado, afinal estaria na companhia de duas belas damas.

– Mãe? Missão cumprida!

– Que bom, meu amor. Eu fiz a minha parte. Nós vamos ao restaurante gaulês que abriu recentemente.

– Ah! Comida estrangeira! Nós vamos estar cercadas de pessoas chiques e elegantes! Vai ter música? Nós vamos poder dançar?

– Sim, meu amor, tudo o que você quiser.

Salomé e Herodíades riem como se fossem duas colegiais. Escolheram as melhores roupas, os melhores acessórios e desceram, deslumbrantes, para o salão de entrada, onde Antipas as aguarda, de queixo caído, embevecido com tal epifania.

– Ora, ora, ora. Não é bom que damas de fina estirpe caminhem pelas ruas desacompanhadas. Permitam que esse pobre cavalheiro sirva-as.

Salomé e Herodíades também arregalaram os olhos quando viram a figura de Antipas, garbosamente vestido em seu melhor traje real, perfumado e decorado, com óleos aromáticos acrescentados ao penteado dos cabelos e barba.

– Veja só que ousadia, Salomé! Esse homem não sabe com quem está falando!

– Meu senhor, respeito! Nós somos aristocratas e estamos sob a guarda do poderosíssimo Herodes Antipas, senhor e rei de todas essas terras!

– Nada temeis, nobres damas! Eu e o rei somos bons amigos. Vós estais em boa companhia.

– Mesmo? Eu admito que tua figura nos agrada, não é mesmo, Salomé? [acena afirmativamente] Nesse caso, distinto cavalheiro, nós concedemos a honra e privilégio de nos acompanhar até o restaurante gaulês.

– Excelente escolha, nobres damas. Não se fala de outra coisa senão desse restaurante que foi inaugurado na Cesaréia Marítima. Eu só espero estar à altura dos convivas que lá estarão, tão deslumbrados quanto eu, diante de tamanha beldade que vós sois.

Os três desandam a rir, trocar piadas de duplo sentido, enquanto trotam alegremente na direção do Chapéu do Javali. Nem se aborreceram por terem que seguir escoltados, nem com a curiosidade da gentalha.

– Olha, papai! Uma autêntica french “maiden”!

– Cuidado, meu coração, com as palavras. Ela pode ficar ofendida. Ela pode achar que você a está comparando com as rameiras.

– Pardon, Voutre “Majestré”, por ouvir vossa conversa com a princesa, mas eu vos posso garantir que jamais eu ficarei ofendida com que vós me dizeis.

– Olha, papai! Ela sabe falar nossa língua!

– Melhor nós ficarmos de olho em seu pai, senão ele vai tentar seduzir essa pobre criança!

– Por Yahu Adonai, meu amores! Assim o que essa jovem gaulesa vai pensar de nosso povo, de nossa cultura, de nossos hábitos, sobretudo de mim, esse velho e pobre homem?

Mais risos, mais palavras e piadas de duplo sentido. A garçonete [palavra de origem francesa] acompanha o trio até a mesa reservada, oferece o menu [palavra de origem francesa] e anota as commandes [palavra de origem francesa].

– Trés bien, Voutre Majesté, eu anotei vossos pedidos. Vós fizestes excelente escolha. Em breve vos trarei os pratos solicitados. Merci beaucup por escolherem nosso pequeno e humilde restaurante.

– Ai, que chique! Eu me sinto como se estivéssemos em Lutécia!

Salomé e Herodíades riem, se distraem, nem percebem que a jovem gaulesa discretamente deixa um pequeno pedaço de papiro dobrado ao lado do prato de Antipas que, rapidamente, cobriu com a mão, puxou com os dedos e ocultou na dobra da manga para investigar posteriormente. Experiente, Antipas não precisa abrir para saber o teor do recadinho, ele só pensa se vale a pena o risco de “comer” carne estrangeira.

Ao fundo de cena, tão comum entre a classe alta, bem ao longe, junto com a gentalha que é mantida afastada por grades e legionários, encontra-se Yohannes, outro jovem, que deveria estar em Jericó fazendo suas pregações, mas por “coincidências” do destino ele está na Cesaréia Marítima, chocado e embasbacado com a beldade que acaba de ver e sente suas entranhas rugirem por causa dela.

– Perdoe-me, legionário, mas quem são essas potestades?

– Por acaso esteve vivendo como ermitão em uma caverna? Aquele é o Basileu da Judéia, a Rainha da Galileia e a Princesa de Hebron.

Yohannes pensou em confirmar que efetivamente esteve vivendo como ermitão, mas era evidente que a pergunta era força de expressão. O legionário só podia estar falando de Herodes Antipas, Herodíades e de Salomé. Esse é o nome da beldade que raptou o coração do pregador. Salomé.

Adoecido por amor [isso não é amor], Yohannes passou a tentar atrair a atenção da princesa para ele. Só na cabeça desse debilóide [falta de maturidade] fazia sentido que ele conquistaria a atenção da mulher que ele desejava através de suas pregações.

Na primeira semana, ele proferiu duras palavras contra Antipas, mas isso não surtiu efeito algum, ocupado como ele estava fazendo “intercâmbio” com a jovem gaulesa. Na segunda semana, ele proferiu duras palavras contra Herodíades que, acostumada ao estilo de vida aristocrático, estava tendo “aulas” com um pensador Helênico, mas seus inúmeros admiradores deram uma sova no pregador. Desesperado, ele tentou, na terceira semana, chamar a atenção de sua musa proferindo duras palavras contra… ela mesma, como moleques costumam fazer. Salomé até ouviu as bobagens que ele disse, mas não deu atenção, estava concentrada em suas “aulas” com certo escriba, famigerado por seus escritos e por sua péssima reputação alegando que ele teria tido feito amor com a Deusa em pessoa.

Frustrado, irritado, contrariado, Yohannes fez o ultimo e menos recomendável ato para chamar a atenção daquela que capturou seu coração. Ele criaria tumulto, isso alertaria os legionários que provavelmente o prenderiam e ele teria que ser julgado e condenado pelo Basileu, o que daria a ele a oportunidade para se declarar para Salomé. Infelizmente seu plano não contava que os legionários também estavam apaixonados pela princesa e sua cabeça acabou separada do pescoço.

Contentes e satisfeitos com a façanha, os legionários foram até o palácio do governo da Galileia com o corpo do “bandido sedicioso”, o “pregador que difamava a honra real” e solicitaram pela presença da princesa, para oferecer a ela a cabeça do desvairado. Considerem isso um aviso e um consolo do louco fanático religioso: sua única satisfação em sua curta vida foi a de ter sido visto pela princesa, porém sua alma nada pode aproveitar dela, só a tristeza de ver a princesa “recompensando” os legionários.

A maior farsa da história

Das catacumbas aos palácios

Ficção baseada em fatos históricos

Respeitável público, seja bem vindo à segunda fase. Não estranhem por sentirem deslocamento e vertigens, mas na literatura, teatro e cinema, a linha de tempo não segue uniforme. Virada a página, feita a transição de cena, o público é jogado em outro cenário e se depara com os personagens irreconhecíveis, velhos e modificados. Nossa Companhia de Teatro abre as cortinas para que os senhores e senhoras continuem com nossa apresentação, mas para nossos atores/personagens, passaram-se quinze anos.

Ao bem da verdade [mentira!] eu pulei várias cenas para não me tornar tedioso ou repetitivo em demasia. Então eu creio ser imprescindível explicar o contexto no qual eu irei basear a segunda fase, conforme o ator/atriz/personagem. Com qual a distinta audiência prefere que eu comece? [barulho no auditório] Oh, não senhoras e senhores, não convém que eu discorra sobre Siloque ou Lilith. [barulho intenso no auditório] Sim, Sulamita está muito bem, vivendo em Esmirna. Eu mesmo pude conferir isso. Eu esgotei minha dose diária de frutazona, mas valeu a pena. Mas ela é uma bela e boa [muito boa] personagem para inserir o andamento das personagens que irão ser mais atuantes nessa fase. Vamos todos aplaudir e chamar Sulamita ao tablado, deixemos que ela mesma nos relate os acontecimentos.

A cortina é afastada e Sulamita avança para a parte dianteira do tablado, onde se fazem os monólogos. Urros, assobios, elogios e palavras de duplo sentido são ditos, tanto por homens quanto por mulheres. Sulamita acena, pisca o olho, joga beijos. Impossível não ter uma ereção ao ver mulher tão formosa, mesmo os velhinhos tem que segurar as calças quando ela aproxima aqueles lábios carnosos e rútilos do microfone.

– Boa tarde pessoal! [barulho ensurdecedor] Sim, eu também amo todos vocês! [piadas e palavras de duplo sentido] Sim, eu também senti saudades de todos vocês. Como todos podem ver eu estou bem de saúde. [urros, assovios] Eu fui para Esmirna onde eu habito e encontrei muitas de minhas irmãs por lá, algumas vindo de outras terras e isso foi incrível e fantástico. Se alguém te disser que Pan morreu, não acreditem, o Caminho ainda está bem vivo.

Eu me aproximo dessa imensa beldade, a rodeio pela cintura com meus braços e minha pressão arterial alcança o topo do Everest.

– Eu soube de fonte fidedigna que a senhorita também está habitando em Alexandria, Egito.

Ela gira com graça e leveza aquele rosto [que pintura!], agitando seus longos cachos marrons e me fita com aqueles olhos profundos, causando arrepios e suores no meu corpo.

– Isso é verdade, escriba. Eu fui lá para visitar uma mulher chamada Hipátia e nós nos tornamos melhores amigas no mesmo instante. Nós conversamos horas de como o Caminho tem tantas correspondências com o neoplatonismo, presente na filosofia e na ciência.

– Essa é uma lição importante, especialmente para o mundo contemporâneo, enfurnado na ideologia do Iluminismo, produzindo garotos cheios de traumas com a figura paternal, achando que a ciência nasceu em berço dourado, entregue ao mundo como divina revelação pelos cientistas oitocentistas, chegando ao ápice de negar o divino, esquecendo que o berço da cultura moderna [incluindo a ciência e a tecnologia] está no chamado Mundo Clássico, onde neoplatonismo, ocultismo, esoterismo e ciência são uma coisa só.

– Eu encontrei alguns Helênicos e Romanos que duvidam e questionam o divino. Cada um é livre para crer [ops] no que quiser, mas dizer que o divino não existe é o mesmo que negar que eu seja uma obra prima dos Deuses. Então, meninos e meninas, acham mesmo que esse meu corpinho não é perfeito o suficiente para provar a existência do divino? [urros, assovios]

Minha mente começa a enevoar, meu corpo começa a tremer, minhas mãos estão ansiosas para agarra-la, leva-la para algum canto e queimar em desejo dentro dessas carnes.

– Não tem notícias de Yonah e das noviças?

– Yonah vive de forma clandestina na Loja de Bethlehem, monitorando suas noviças, recebendo e treinando tanto Hebreus quanto Gentios no Caminho. Myrian Nazarena deu à luz ao filho que ela teve com o centurião romano, tendo que coabitar com Yussef ben Heli, com quem, para todos os fins e fachadas sociais, ela está casada. Myrian Magdalena está em Jerusalém, ensinando o Caminho para Hebreus e Gentios.

– Isso não é tudo, distinto público. Diga-me minha amiga [deliciosa, maravilhosa, gostosa] das mudanças que aconteceram após [Herodes] Antipas ter indicado Caifás como Sumo Sacerdote e, seguindo costumes Hebreus e Romanos, ter se declarado o Primeiro Sumo Sacerdote, bem diante de todo Sanhedrin, na comemoração do Rosh Shana?

– Bom, escriba [ela corresponde e devolve minha gentileza e carinho, enredando meu tórax com seus braços torneados, causando efeitos em todo meu ser], Yonah me escreveu relatando que muitos legionários romanos passaram a patrulhar de forma mais incisiva e violenta as ruas do reino de Judá, com ajuda dos soldados [mercenários] de Antipas. A ordem era encontrar, prender ou matar todo aquele que estiver envolvido com os Messiânicos. Nossos amigos e colaboradores acharam melhor, então, que nosso secto se distanciasse e até se divorciasse de qualquer vínculo com os Messiânicos. Isso iria garantir a segurança de todos, nos daria mais autonomia e liberdade de agir, mas também provocaria rejeição por parte do público, que nos veria como uma seita.

– O público acompanhou nossa apresentação e sabe que, além do Ancião, somente Shimai e Anás sabiam de todos os detalhes da Grande Obra. Caifás certamente vai querer tomar e comandar essas ordens secretas. Felizmente existem outros potenciais Messias em ação e outros estão à caminho. Minha [saborosa] amiga, quantos e quem está, em nossa linha narrativa, apresentando-se aos Hebreus e Gentios como sendo o Messias, o Cristo?

– Bom, escriba [ela apalpa minha bunda], Zacarias apresentou-nos não apenas Yussef, mas também Yoachim, ambos parentes dele. Zacarias mesmo cogitou ser um Pregador, mas tem Isabel e seu filho Yohannes para cuidar. Eu ouvi falar de Simeon, que se diz mago, apresentando-se como Messias em Samaria. Tendo passado quinze anos, Yonah escreveu-me dizendo que Yeshua [filho de Myrian Nazarena] tem se desenvolvido espantosamente no Caminho e rumores já chegaram falando das pregações de Yohannes nas margens do rio Jordão.

Meu autocontrole dá sinais que está no limite, eu não sei quanto tempo mais eu aguento antes de virar uma besta, uma fera e acabar “comendo” a Sulamita ali mesmo, na frente de todos.

– Boas novas! Vocês pensaram que nome vão dar a esse grupo?

Sulamita mordisca o lábio, sinal claro que ela também quer.

– Shimai sugeriu que nós nos chamássemos “Nazarenos”. Magdalena prefere manter o nome de “Essênios”, como seus alunos tem se apresentado.

– Última pergunta, que deve ser a mesma da audiência. Como vocês pretendem prosseguir com o projeto da Grande Obra, sabendo do inevitável conflito entre os núcleos Hebreus e Gentios?

– Os Grãos Mestres das Lojas estão traçando um plano que pode dar certo, mas isso irá necessitar de outras ações planejadas e encenadas, diante do povo, para que acreditem que o Messias chegou e que a pregação é para preparar o Povo de Israel para a purificação dos pecados, o advento do Fim dos Dias e o início do Reino de Deus com a Nova Jerusalém. Você deve saber bem como é isso, escriba… teatro… encenação… fraudes piedosas. As pessoas serão induzidas a verem o que nós queremos que veja, e irão crer naquilo que os poderosos querem que creiam. Somente os sábios conseguirão ver a linguagem e sinais cifrados nas mensagens. Quem tiver ouvido, ouvirá; quem tiver entendimento, entenderá. Poucos, pouquíssimos, acharão a “coisa real”.

Sulamita alisa o calombo pulsante que sobressai de minha calça. Dane-se. O distinto público irá ver algo normal, natural e saudável.

Correria, gritos, ajudantes de cena tapam a visão do auditório com biombos, ajudantes de encenação correm e nos cobrem com mantas, a diretora [Alexis] grita, a ajudante de direção [Riley] tenta me separar de Sulamita, mas acaba sendo engolfada, tornando aquilo um ménage à trois. A diretora [Alexis] grita mais e eu não sei se é dando ordens, ou xingando por ciúmes e inveja. Minha visão fica completamente turvada e eu perco completamente a consciência enquanto minha essência jorra profusamente dentro de algum orifício.

Cai o rei de paus

Das catacumbas aos palácios.

Ficção baseada em fatos históricos.

Rumos secundários.

Dois anos que o Brasil vive uma verdadeira novela que começou após a reeleição de Dilma Rousseff. Antes que a audiência comece xingamentos e agressividade, eu não sou petista, eu sou de esquerda e legalista. A Mídia Oficial, em conjunção com o Congresso [e com os EUA, eu suspeito] montaram uma conspiração que ensejou no processo [ilegal e ilegítimo] do impeachment que afastou a presidente legitimamente eleita para então entregar o poder para um fantoche mais sintonizado com os interesses do Mercado [daí porque falamos em golpe].

Eu vejo espaços vazios no auditório, a mesma greve dos caminhoneiros que foi manipulada para impulsionar o impeachment/golpe voltou, agora para impulsionar o impeachment/golpe contra as eleições de outubro de 2018. A greve está repercutindo na falta de combustíveis e no abastecimento de víveres. O pessoal da direita e os analfabetos políticos adoram falar que o Brasil nunca será uma Venezuela. Eis que o Brasil, o paraíso neoliberal, está se tornando uma Venezuela.

Eu sou da geração que nasceu na Ditadura Civil-Militar e nós ainda temos que lidar com essa herança maldita, nosso povo não foi educado nem conscientizado politicamente e nossa educação ainda é marcantemente de direita, tradicionalista e católica. Isso que a Mídia dissemina é continuação da “educação política” do brasileiro, que o transformou em um analfabeto político, que tem orgulho de se dizer apolítico, de ser anti-político, então era esperado que candidatos que se apresentam como “gestores” e não como políticos fizessem sucesso, da mesma forma como o radicalismo tem também feito sucesso porque o brasileiro médio comum acredita na historiografia oficial contando um paraíso dourado durante os Anos de Chumbo.

Eu tenho que esboçar um sorriso amarelo, apesar de eu ter essa percepção trágica de que nós somos ovelhas que se comprazem em ser presas dos lobos, porque o espetáculo tem que continuar.

Vamos falar disso que os conservadores moralistas hipócritas chamam de bons tempos e dos valores morais dos nossos antepassados e ancestrais. No mundo contemporâneo a monarquia não faz mais o menor sentido, o regime republicando é o mais adotado, mas houve um tempo em que a monarquia fazia sentido porque existia a noção de que o rei era representante legal de Deus, indicado pelo Altíssimo. Essa é meia verdade, o que não se contam nas escolas e eu tive que descobrir sozinho, estudando a história antiga e a mitologia, é a verdadeira fonte do poder e da majestade na qual o rei se investe. Está ali, bem claro, mas só para quem tiver ouvidos para ouvir e entendimento para entender. Deuses e reis uniam-se em matrimônio com suas próprias mães, irmãs, primas, cunhadas e filhas por um único motivo: a verdadeira majestade e poder são passados por linhagem MATERNAL, nossos ancestrais e antepassados construíram cidades, reinos e culturas na antiguidade a partir de uma sociedade matrilinear. O patriarcado e os regimes advindos dele é uma “invenção recente”, que apareceu juntamente com o banimento das religiões ancestrais, o estabelecimento dos Deuses Pais no ápice da hierarquia divina, a demonização dos Deuses Antigos [especialmente das Deusas Antigas e de suas manifestações como serpente ou dragão] e a imposição da linhagem patrilinear. As religiões oficiais, mantidas e incentivadas pelo regime [monarquia e república] obviamente seguem e refletem esse padrão, então as principais religiões majoritárias são calcadas e estruturadas a partir da imagem de Deus, o Pai do Céu, o Deus Único, sozinho, solitário, no Paraíso. Eu não me espanto que a manifestação desse Deus seja tão agressiva, ciumenta, violenta, abusiva, arbitrária, possessiva; não me espanto que seus “representantes” disseminem tanto ódio, intolerância, medo, discriminação e segregação; não me espanto que as organizações religiosas que “representam” esse Deus tenham cometido tantos crimes contra a humanidade.

Antes de voltarmos para a narrativa principal, se é que eu posso falar nisso, vamos nos debruçar um pouco para vermos outra alma, cujo destino está enredado com a trama principal. Vejamos para onde e o que fez o Tetrarca da Iduméia, Herodes Traconítide, depois que se divertiu pelas ruas de Bethlehem com seu irmão mais velho, Herodes Arquelau. Eis os dois, ainda empapados em sangue, no palácio do governo da Judéia. [reclamação da plateia] Não, caro público, não há erro, nós é que estamos mal acostumados em acreditar que o tempo transcorre linearmente. Na quinta dimensão o tempo é mais uma espiral que flutua ao sabor de inúmeras outras forças. Sim, distinta audiência, na quinta dimensão o tempo é líquido. Mas vamos para a encenação.

– Por Yahu Adonai, meu irmão! Eu não me divertia tanto assim há anos!

– Eu também, meu irmão. Qual de nós matou mais ratos nessa noite? Eu acho que eu ganhei.

– Ah, meu bom e velho irmão, eu tenho que discordar [Arquelau arregala os olhos, espantado] Sim, eu sei que falam que eu sou um reflexo seu, que eu te imito em tudo, mas confundem minha admiração e respeito devido ao irmão mais velho com submissão. Nós não contamos as cabeças que sacamos, mas eu reclamo o mérito dessa noite.

– Que seja, meu primeiro irmão. Eu estou tão feliz e contente com nossa façanha que eu reconheço tua vitória. Venha, vamos comer, beber, fazer música e amor em algum dos santuários que eu mantenho em segredo aqui em Bethlehem.

– Eu agradeço, meu bom e velho irmão, mas eu devo retornar ao meu reino e deixa-lo reinar o teu.

Surpreendentemente, Traconítide tem vontade própria e capacidade de decidir. A despeito da insistência e protestos de Arquelau, o Tetrarca da Iduméia junta-se à comitiva que o tem acompanhado desde seu território para, então, traçar a rota de volta ao seu lar. Tamanha consciência de responsabilidade nós não veremos entre nossos governantes e políticos.

Antes de sair de Bethlehem, Traconítide considera a ideia de levar consigo a tão afamada sacerdotisa Sulamita, um acréscimo que viria a calhar para sua coroa e seus templos. Fraco de memória e ensinamento, o rei pouco ou nada recorda de sua infância com tal imensa beldade, cujo corpo certamente atiçou seu apetite. Mas os destinos de Sulamita e de Traconítide não se cruzariam novamente [spoiler!].

– Senhor escriba, perdoe minha interrupção ao seu discurso diante do público, mas eu preciso tratar contigo, urgente.

– Ah! Eis, senhoras e senhores, Sulamita! [acena, reverência, joga beijos] Em tempos como o que nós vivemos, uma beldade dessas, com tantos e tão fartos talentos, encontraria problemas com a repressão e opressão sexual em que vivemos, causados tanto por conservadores quanto por feministas. Sim, distinto público, essa mulher é sacerdotisa de Astarté, ela tem relações sexuais com qualquer pessoa que fizer oferenda para a Deusa, algo que é atualmente considerado crime, tanto por conservadores quanto por feministas.

– Será que eu posso me dirigir ao público e falar algumas palavras sobre minha profissão?

– Fique à vontade. Com vocês, a Suma Sacerdotisa Sulamita! [aplausos esfuziantes]

Eu passo o microfone e não consigo não ficar excitado em ver aqueles lábios perfeitos, carnudos, rútilos, se aproximando do microfone.

– Muitíssimo obrigada, senhoras e senhores. Eu falo por mim mesma, eu não preciso que outra pessoa fale por mim. Essa é a minha verdade. Desde que eu me dei por gente, eu me vejo e me sinto mulher, sensual, fêmea. E eu gosto de homens, então eu me sentiria rejeitada e ofendida se não for desejada por homens, mas eu não rejeito o desejo que recebo de mulheres também. Eu nasci, cresci e fui criada no templo de Astarté. Eu acredito que eu fui criada para ser assim e eu entrego meu corpo a quem quiser oferecer sacrifício para minha Deusa. Eu friso bem: eu entrego, a vontade e decisão é minha, não da Deusa, não da minha crença, não do templo que eu ministro. Essa sou eu, eu fui criada para ser assim, seria um enorme pecado não utilizar meus talentos [eu começo a babar] para dar e receber prazer. Então eu peço a vocês que respeitem e reconheçam o trabalho de minhas irmãs que tem, nesse tempo, nessa sociedade, nesse mundo contemporâneo, a mesma ocupação que a minha. Obrigada por me ouvirem, obrigada pela atenção. [aplausos ensurdecedores]

– Bravo, bravo! Se eu tivesse dito algo assim, eu seria apedrejado, até por esses que se dizem liberais, progressistas, feministas e de esquerda. Mas sobre o que quer falar comigo?

– Senhor escriba, tendo a audiência como testemunha, eu te peço que dê outro destino para mim. Eu não gostei do papel que eu tive que encenar no roteiro “Hieródulo”. [Sulamita ginga, faz biquinho e posições provocantes]

– Bom… hã… [totalmente excitado] eu acredito que nós conseguimos chegar em um… acordo…

– Obrigada, senhor escriba! [beijo, abraço] Eu estarei te aguardando no camarim para… discutirmos melhor… [sai rebolando] [assovios, elogios, piadinhas de duplo sentido, buquê de flores são atirados pela plateia]

– Hã… onde eu estava mesmo? [alguém cochicha da plateia] Ah, sim! Sua vez, Tetrarca da Iduméia.

– Até que enfim! Eu não sei o que você, escriba pagão, vê tão de especial em uma mulher. Muito bem, eu estou em meu palácio do governo da Iduméia. Siga a narrativa desse ponto.

Sim, respeitável público, Traconítide está em sua escrivaninha, tentando parecer tão ocupado quanto seu irmão. [protesto] Eis que se passam alguns dias e o Tetrarca da Idumeia nota, incomodado, aumentar tanto o número das patrulhas romanas, quanto da presença dos Messiânicos em suas terras. Inseguro e instável como pessoa, governante e rei [protesto], a cartada final foi dada quando chegou o mensageiro do cônsul da Síria, com o seguinte decreto:

“Cônsul Caio Senso Saturnino, nomeado pelo Senado da República de Roma como governador da província da Síria, faz saber à Vossa Majestade que, por atos de traição e desgoverno, declaro Herodes Arquelau, Tetrarca da Judéia, destituído de todos os privilégios, títulos e posses. Eu rogo à Vossa Majestade que compareça ao conciliábulo no qual, juntamente com o Tetrarca da Galiléia, o território do reino da Judéia será repartido entre os legítimos sucessores do Grande Basileu.”

Temendo por sua vida mais do que por suas posses e riquezas, [protesto] Traconítide recolhe alguns itens pessoais e sai, sem dizer em que direção ou destino parte, deixando seus súditos e funcionários à mercê da Fortuna. Dizem os boatos que ele foi visto em Alexandria, pronto para embarcar para Roma, onde pretende viver em exílio com [Herodes] Felipe [chamado Romano].

Interferências textuais

Das catacumbas aos palácios.

Ficção baseada em fatos históricos.

Rumos secundários.

– Querido?

– Hmmm…

– Querido, eu gosto muito de senti-lo entre minhas pernas, mas nós temos que nos levantar, nos limpar, tomar o desjejum e irmos trabalhar.

– Querida, eu não tinha sido aposentado? Eu tenho certeza de que a Companhia de Teatro do Piratininga dispensou meus serviços.

[risos]- Que bobagem, meu amor. Como você explica estar em meus aposentos, na minha cama, situada em algum lugar da quinta dimensão?

[bocejos]- Não faz mais sentido meu esforço e dedicação. Não tem ninguém assistindo minhas encenações.

[risos]- Eu não teria tanta certeza, meu escriba favorito. Senão como explicar toda essa gente olhando para nós, nesse instante?

– Mas… quê… [praguejamento] Eu estou nu! Você está nua! Nós estávamos… eles viram…

[risos]- Eles viram tudinho, meu amor. Se você tiver me engravidado, eu tenho muitas testemunhas.

– Senhoras e senhores! Não entendam isso de forma errada! Venera Sama é uma Deusa, então essa aparência não representa a idade cronológica dela!

[risos]- Falar isso com esse troço, saído recentemente de dentro de minhas tenras carnes, ainda grande, duro, balançando, babado, coberto com meu sumo, não vai convencer quem quer que seja, querido.

-Ah… que droga. Eu acho que não posso mais usar a desculpa de ser o escriba é minha benção e maldição. Quem será que teve a brilhante ideia?

– Hum… eu não sei. Você foi incrivelmente eficiente a nível heroico em seduzir minhas amigas com essa… coisa… que, só de olhar, me deixa excitada.

– He… hei… Kate… nós não tínhamos que tomar banho e tomar o desjejum?

– Pois é isso que eu estou providenciando. Eu quero beber o seu mingau. Eu não conheço desjejum melhor do que esse creme que você produz. Seja bom menino e me dê bastante.

Eu, coitadinho de mim, sou arrastado para algum canto do quarto/palco, causando a queda de holofotes, mobília de cenário, painéis. Rindo muito, Kate me larga, semiconsciente, no tablado e sai saltitando do quarto/palco, ainda nua, com a minha essência respingando de suas entranhas e decorando o chão. Eu consigo, com dificuldade, me erguer, tomar banho, me arrumar e tomar o desjejum. Ah… delicioso café, quente e fresco.

– Corta! Equipe de apoio, troca de cenário!

Eu sinto alguma vertigem conforme os painéis e mobília de cenário vão se movendo, dando lugar a outros painéis e mobílias de cenário. O quarto/palco vira escritório/palco. Para ser mais exato, eu estou diante da diretora da Companhia de Teatro, Alexis, que finge estar brava comigo, mas a expressão no rosto dela indica outra emoção mais forte.

– Ah! Eu não estava pronta! Ah! Zoltar! A encenação começou! Ah!

Alexis estava deitada em cima de sua mesa, seminua e Zoltar estava atrás dela, mais roxo do que o normal, trabalhando nos quadris de sua amada. Eu não julgo nem condeno Zoltar. Eu fui, praticamente, quem os aproximou e os fiz trepar sob alegação de que fazia parte do roteiro e agora estão casados. A pobre mesa range, parece prestes a quebrar no meio, quando, enfim, Zoltar tenciona, estremece e cai resfolegando no solo.

– Ah… minhas pernas estão bambas e minha mente está nublada…

– Ahem! Diretora Alexis, precisa de ajuda?

– Sim, Riley. Eu preciso de alguns minutos. Poderia começar sua parte?

Riley é assistente de direção e é a funcionária mais feliz e eficiente da equipe. Ela diz que é porque se sente em casa, mas o pessoal desconfia que é porque ela constantemente requer minha “ajuda” nos roteiros.

– Senhor escriba! [fazendo cara de séria] Nós estamos analisando sua mais recente composição e nós queremos esclarecimentos.

– Eu estou à sua disposição, Riley.

Ela agita o roteiro com a mão e desvia o olhar, ruborizada, tentando não encarar o volume que começa a se formar nas minhas calças. Eu sei que minha reputação é péssima, no multiverso e no mundo humano, mas tem algo na Riley que faz com que meu lado animal aflore. Eu tento me conter enquanto ela põe uma das mãos na cintura e inclina para um lado.

– Nós estamos notando algumas referências históricas e mitológicas. Qual a premissa do roteiro?

– Eu estou misturando as referências para contar, do meu modo, o Evangelho e a lenda de Cristo.

– Não é perigoso fazer isso, sabendo que a audiência é ocidental e cristã?

– Absolutamente. O público é livre para acreditar no que quiser. Assim como eu tenho liberdade de reescrever as lendas.

– Obrigada, Riley. Agora eu assumo a encenação.

Alexis reaparece, limpa e banhada, como se não tivesse acabado de ter tido sexo selvagem com Zoltar. Alexis tem corpo mais maduro, minha mente consciente aprecia, mas minha parte animal perde o interesse.

– Nós fizemos pesquisas na internet, escriba e nós percebemos que este roteiro pode ser plágio de outro texto que você escreveu em abril de 2007.

– Eu admito. Mas isso é o que nós, escribas, fazemos. Repaginamos, acrescentamos, reescrevemos e repetimos coisas que havíamos escrito anteriormente.

– Isso faz sentido. Nós aprovamos o roteiro. Entretanto, nós achamos ser necessário arrematar a primeira fase contando, de forma lateral, o que aconteceu com outros personagens que ficaram pendentes.

Mais inserções, mais “rumos secundários”. Felizmente o meu estilo de narrativas curtas, de quebras de narrativas, é algo que o publico está acostumado e creio gostar. Eu espero que esta peça possa ser melhor escrita.

– Pretende utilizar o texto anterior no roteiro?

– Eu vou usar algumas ideias e guias de narrativas para orientar o roteiro. O texto interior está repleto de imprecisões, lacunas, sujeiras.

– Nós vamos precisar de mais gente para incluir os personagens desse texto anterior?

– Eu acho que sim. Alguns personagens estão presentes no roteiro e outros têm conexão com a narrativa ou o personagem.

– Por favor, faça uma lista dos que tem nesse texto anterior e quais pretende utilizar nesse roteiro. Agora continue seu serviço.

– Eu não tinha sido aposentado? A Companhia não estava utilizando um Gerador Automático de Roteiro? O pessoal não estava cansado e injuriado com as constantes cenas de sexo?

– Não fale bobagens. Você não insiste em dizer que essa é sua benção e maldição? Você só vai parar quando morrer e, para ser sincera, e eu acho que falo por tod@s, nós não estaríamos aqui nessa Companhia se não fosse por essa sua visão louca e libertária a respeito do sexo. Eu só te peço que tome as precauções necessárias para não acontecer algum “acidente de trabalho”.

– Como o que aconteceu com você e Zoltar?

– Isso… isso é diferente. Eu só não tenho interesse algum em você porque Zoltar preenche todos os meus interesses.

Zoltar murmura algo quando ouve sendo citado. Alexis sai correndo para checar se seu marido está bem. Ela fica em uma posição que me coloca em visão privilegiada para observar aquele traseiro tão belo e farto quanto o de minha cunhada. Minha porção animal desperta com tudo, deixando Riley embaraçada.

– Escriba, porque não aproveitamos que recuperou o seu “animo” e começa a escrever o roteiro? Eu posso te dar uma ajuda…

Eu não tenho tempo de responder. Riley com sua enorme gentileza [redundância, quando se trata de Riley], me agarra, me arrasta, me joga dentro do meu escritório particular, faz um perfeito giro de balé em volta da porta, a tranca e se vira para mim, com olhos famintos. Eu temo por minha integridade física. Se eu sobreviver, eu prometo que continuo a narrativa.

A diagonal do bispo

Das catacumbas aos palácios.

Ficção baseada em fatos históricos.

[ATENÇÃO, NSFW]

Saudações, distinto público. Eu sabia que podia contar com a presença de tal ilustre audiência. Aqui eu devo introduzir [no bom sentido] o prolegômenos para o atual capítulo. Destarte engano meu, a atenta plateia deve ter percebido o titulo do capitulo anterior e a correlação com o título que encima essa composição. Ambos os títulos são referências ao xadrez, com peças brancas e pretas, onde o objetivo dos contendores é capturar o rei adversário, o que torna evidente qual a relevância de tal referência para a obra como um todo.

Permitam-me debruçar mais sobre o significado do título que capitaneia essas palavras. Cada jogador tem oito peões, que se movem em linha reta. Tem também duas torres, que se movem em linha reta, para frente, para trás, para direita, para esquerda. Peças de movimentos truncados são os cavalos e os bispos. Cavalos movem-se como um quadrado parcial e bispos movem-se pelas diagonais. No tablado, a soberana é a rainha, movendo-se para qualquer das oito direções cartesianas. O rei move-se de forma parecida, mas restrito na distância do movimento. O movimento em L do cavalo é similar ao movimento que o cavaleiro [e o cavalo] fazem em batalha e o movimento do bispo parece ser dissimulado. Esse andar enviesado é característico de farsantes, vigaristas, falsários e estelionatários. Eu creio que me fiz entender.

Antipas é o tipo de estrategista que gosta de jogar xadrez como forma de relaxar e raciocinar sobre seus projetos pessoais. Essa noção de que uma ação produz outra e que ações podem ser antecipadas é a alma do xadrez. Talvez a única falha no jogo é que não inclui as intrigas, as conspirações e as colaborações [sutis ou não] de terceiros. Antipas sabia, melhor do que seu pai, fazer uso da cobiça alheia para monitorar os planos e ações de seus irmãos, atento a qualquer brecha para providenciar que um “acidente” os tirasse do jogo e o colocasse como único regente.

– Então, centurião Portius, meus queridos irmãos perambularam por Bethlehem e, sob escusa de estarem escoltando sacerdotisas, sacaram algumas cabeças dos pescoços.

– Sim, Vossa Majestade. O Tetrarca da Judéia também publicou decreto prometendo indulto aos que denunciarem os Messiânicos. Eu tenho recebido muitas queixas de meus patrícios, colonos, de estarem sendo pesadamente taxados. Roma não irá gostar de saber que seus cidadãos estão arcando com a custa do indulto.

– Arquelau, meu estimado irmão mais velho, só excede em tempo de vida, falta-lhe a maturidade e a diplomacia para tratar de política. Eu estou mais intrigado com a presença do meu estimado irmão Traconítide. Ele não iria até Bethlehem somente para cortar algumas cabeças com nosso irmão. O que me faz deduzir que ele está envolvido, de alguma forma, com essas tais sacerdotisas que alegaram estar escoltando. Poderia ser mais detalhista quanto a essa incomum companhia?

– Sim, eu posso, Tetrarca da Galiléia. Por acaso [não existe coincidência] meu colega, centurião Ariovanus, juntamente com dois legionários, encontraram e escoltaram esse grupo até Bethlehem. Questões de ordem administrativas nos fazem prestar relatório com a ocorrência do dia e eu soube então, por declaração do mesmo, que se tratam de uma Suma Sacerdotisa, enviada de Bizâncio, com duas noviças, com o intento de inaugurar o templo de Astarté em Bethlehem.

– Isso está ficando mais interessante. Prossiga.

– Pouco depois, outro colega meu, centurião Laurentium, declarou que tinha sido responsável pela escolta do Tetrarca de Iduméia até Bethlehem, juntamente com dois convidados, aparentemente tendo por objetivo encontrar esse mesmo grupo.

– Perfeito, centurião Portius, perfeito. O senhor não saberia o nome dos demais envolvidos, saberia?

O centurião abriu um largo e amplo sorriso naquelas faces acostumadas à dura rotina militar, como o jogador imprudente que acha que fez manobra inteligente e está com a partida ganha.

– Eu tenho todos os nomes envolvidos, Tetrarca da Galiléia. Além de Vossos nobres irmãos, eu cito a Suma Sacerdotisa Yonah, a Suma Sacerdotisa Sulamita, a noviça Myriam Nazarena, a noviça Myriam Magdalena e o rabino Zacarias.

– Excelente, centurião Portius, excelente. Eu te peço que aceite esse pequeno presente como agradecimento meu. [o centurião arregala os olhos e fica boquiaberto diante da bolsa com trezentos sestércios de ouro]. Infelizmente nossa gratidão está limitada.

– Vossa Majestade é muito gentil e magnânimo. Eu me coloco à Vossa disposição.

Antipas meneia a mão, dispensando o centurião que, feliz, levanta, faz a saudação costumeira e parte, sem demora, de volta ao seu destacamento. Esta poderia ser a ocasião que ele esperava, se não tivessem duas sacerdotisas envolvidas.

O nome de Yonah e das noviças nada significam para ele, mas a coisa muda de figura com Sulamita. Ao contrário de seus lesados irmãos, Antipas sempre levava a sério aquilo que fazia e não foi diferente quando Herodes, seu pai, colocou todos na Escola dos Helênicos e trouxe Sulamita para o Heródio. Seus irmãos não assimilaram nem aprenderam o que era esperado e foram iniciados formalmente por noviças. Quando foi a vez dele, Antipas lembra muito bem de seu pai ter chamado ela, Sulamita, para consumar o Hiero Gamos, rito crucial da iniciação no Caminho. Antipas perdeu as contas das vezes que ele foi convidado a compartilhar o leito de seu pai com esta beldade incomparável e, mesmo sabendo que era vetado e inútil, acabou se apaixonando pela Suma Sacerdotisa.

Ao contrário de seus irmãos, Antipas acompanhou e compartilhou a dor de Herodes quando Sulamita desapareceu sem deixar notícias. Embora não tivesse certeza, o Tetrarca da Galiléia deduziu que ela provavelmente fugiu para gerar o filho que seu pai insaciável plantou no ventre dela.

– Meu irmão, meu esposo, eu não estou me sentindo bem.

Antipas pisca os olhos três vezes ao interromper o raciocínio e virar o rosto na direção da suave voz feminina que se dirigia a ele. Herodíades tem ficado mais carente de atenção e cuidados do que o costume e ele considera inevitável, tendo em vista a crescente protuberância que ela tem no ventre. Nisso Antipas é parecido com Herodes, a despeito do conhecimento das artes e de como prevenir a gravidez, ele sempre acabavam esquecendo-se dos cuidados quando estava entre as coxas de sua mais amada e eles sempre derramavam enorme quantidade de sua essência naqueles templos preciosos.

– Minha irmã, minha esposa, deveria estar descansando. Carregas contigo o fruto de nossa união.

– Perdoa-me, meu irmão, meu esposo, mas a tua semente que cresce dentro de mim me tornou sensível à sua ausência. E a parteira disse que é bom que eu me movimente um pouco. Eu vim de fazer companhia e… oh! Meu irmão, meu esposo!

Herodíades tinha uma expressão esquisita, aparentava estar curiosa, espantada e amedrontada, olhos vidrados, enquanto com um dedo de sua delicada mão apontava para algo no meio das pernas de Antipas.

– Meu esposo, meu irmão! Eu espero sinceramente que esteja pensando em mim para ficar nesse estado. Eu espero honestamente que não siga o hábito tão comum entre nobres e reis e esteja pensando em usar esse seu talento em outras carnes.

Pego em flagrante, sem poder negar ou esconder algo tão formosamente evidente, Antipas podia, ao menos, fraudar o nome da autora da façanha.

– Minha irmã, minha esposa, eu confesso que sou culpado até ultima instância. Não tem como eu negar que eu pensava e a prova cresce dentro de teu ventre. Viste o centurião que acabou de sair daqui? [acena sim] Ele me trouxe a boa notícia que nossos irmãos vão inaugurar um templo de Astarté em Bethlehem. Eis que eu fiquei divagando, lembrando-me dos dias em que estivemos aprendendo juntos o Caminho. Eu fiquei nesse estado lembrando-me de cada minuto que eu passei ao teu lado.

– Ah, meu irmão, meu esposo! Eu sabia que tu estiveste apaixonado por mim no primeiro minuto que eu te conheci. Eu sofri muito quando nosso pai me entregou a Felipe [chamado Romano] e eu posso me elogiar por ter me guardado. Eu nunca te disse isso, meu irmão, meu esposo, mas você foi meu primeiro homem.

Antipas olha para Herodíades com alguma incredulidade. Por mais impossível que pareça, Felipe [chamado Romano] era bem capaz de ser tão… incapaz. Ou talvez o irmão caçula saiu com a mesma herança que seus demais irmãos, ignorantes no apreço devido que o homem deve dar à mulher. Antipas nunca vai admitir isso, mas Herodíades foi a primeira dele… bom, a primeira virgem, a primeira engravidada. Na perspectiva dele, a iniciação não conta, as vezes que ele violentou servas não conta, as vezes que esteve na casa das cortesãs não contam. Essas vezes foi apenas contato carnal, sexo brutal, sem amor. Herodíades foi a primeira dele porque foi com amor, com tesão, com vontade. Mesmo naquele estado em que ela estava, ela atiçava seu apetite e o volume só aumentou.

– Ah! Meu irmão, meu esposo! Pare com isso! Se continuar, é bem capaz que venha a explodir!

– Eu não consigo, eu não posso! O que nós faremos?

– A responsabilidade é minha. Sou eu quem tem que cuidar disso. Eu não posso permitir que derrame sua semente no chão, isso seria pecado.

Os olhos de Herodíades brilham com satisfação e gula assim que liberam o volume de seu esconderijo. Isso é algo que ela aprendeu e brincou muito com Antipas. Suas mãos e seus lábios cresceram e desenvolveram habilidades providenciais para esses casos. Ver, observar, fazer. Não faltaram professores e professoras, ainda que acidentais, servos e servas, que brincavam pelos cantos do palácio. O que ela aprendia, sabia que podia contar com a “colaboração” de seu irmão para repetir e praticar. Antipas era o único que recebia tal tratamento e, de certa forma, isso o treinou para executar o Hiero Gamos.

– Gush! Ack! Cofcof! Meu irmão, meu esposo! Quer me matar afogada?

– Mil perdões, minha irmã, minha esposa. Seus lábios me fizeram sentir muito bem.

– O sabor da sua essência e a rigidez de seu troço também me fazem me sentir bem. E… oh… isso ainda está duro e eu estou precisando sentir isso dentro de mim.

– O que pretende, minha irmã, minha esposa? Tu estás no período de resguardo. Eu posso danificar esse fruto que cresce em teu ventre.

– Ah, meu irmã, meu esposo! Você me ensinou algo valioso para momentos assim. Venha por trás, como fizeste anteriormente. E não ouse sair enquanto não esvaziar toda sua carga dentro de mim.

Herodíades não sente vergonha alguma em ficar diante de Antipas naquela posição que é mais habitual entre rameiras, de quatro, como se fosse uma fêmea animal, arrebitando os quartos, praticamente implorando para ser empalada. Antipas retira toda a fantasia que reis vestem para se diferenciar de homens comuns e, sem prurido e compaixão, faz uso de sua “ovelha” como bem quer e só cessa de arremeter o aríete através daquela estreita passagem quando esgota seu sêmen até a última gota.