Arquivo da categoria: religião

Conto noir para crianças crescidas – II

Quando se fala em indústria, o senso comum pensa em um edifício. Isso é uma evidente ingenuidade. Quando se fala em indústria deve se imaginar diversas instalações, ao redor de uma larga área, em volta do edifício principal onde fica a maior parte dos maquinários. O projeto e planta da fábrica deve ter um armazém, onde ficam as matérias primas. Ao lado ou em direção oposta, ficam os galpões onde os produtos beneficiados serão armazenados. Um belo e amplo pátio indica onde os caminhões estacionam, o que implica em um almoxarifado para controlar o recebimento e envio de produtos. Uma estação de força elétrica [ou diesel, ou outra] está desenhada estrategicamente para fornecer energia elétrica necessária a todo o complexo. Ah, sim, um planejamento estaria incompleto sem o prédio de administração e as instalações onde possam ficar os operários e vigias. Tantos recursos materiais e humanos dependem de uma grande soma em dinheiro e os burgueses contam com isso. Como essa conta será paga pelo povo, não pelo duque, ele começa a erguer sua indústria sem hesitar.

Naquele dia, de manhã bem cedo, tanto a estrada quanto a ferrovia estavam com trânsito pesado. Os cidadãos tentavam entender o que estava acontecendo, mas enormes comboios de caminhões e trens atravessavam a região, levando todos os itens necessários para construir a indústria. Os primeiros a chegar foram o arquiteto, o engenheiro civil e o mestre de obras. O ritmo estava frenético e os operários prontos para ação.

– Heh… na planta a impressão é que a área seria bem menor.

– Sempre é assim. Você só desenha. Eu tenho que adequar.

– Adequar o que, com quem? Vocês não teriam coisa alguma sem mim.

– Até parece aquela piada da eleição para presidente do corpo.

– Que piada?

– Deixa para lá. Podemos começar?

– Antes o pessoal quer fazer uma celebração.

– Celebração do quê e para quê?

– Os mais velhos falam que seus avós só conseguiram colonizar esse vale depois que fizeram uma celebração em memória dos mortos.

– Mortos? Que mortos?

– Os senhores sabem. Aqui aconteceu um morticínio sem igual entre dois reinos.

– Que bobagem! Isso são lendas que se contam para crianças.

– Isso é o que o senhor acredita. O que os senhores vão ter que entender e aceitar é que nós temos uma forte crença popular. Sem celebração, sem obra.

– Então que façam e que a Peste os carregue! Nós temos um prazo a cumprir.

O mestre de obras acenou com certo desdém e falou com os operários que foram, aos poucos, chegando, com seus familiares, trazendo bebida, comida, tabaco e velas. O arquiteto e o engenheiro, “doutores”, convencidos de que o conhecimento que tinham era melhor e superior aos demais, observavam o vai e vem das pessoas, com uma enorme birra. Rapidamente mesas foram postas, uma cozinha improvisada surgiu, barris de cerveja pareciam brotar de caminhonetes, enfeites e jovens mulheres coloriram o ambiente. A bandinha da vila mais próxima não demorou a chegar e tocar músicas folclóricas e até mesmo os “doutores” não resistiram a entrar na dança com as jovens mulheres.

No momento certo, acabou a farra e a alegria. Os “doutores” ficaram sem entender, mas parecia um enterro. Aos poucos, cada um foi depositando em um ponto suas oferendas aos falecidos. Caixas de charutos, vinho, cerveja, pães e bolos. Alguns retratos, pedidos, petições, faixas e coroas eram depositadas com o nome dos que se lembravam. Todos baixaram o rosto e ficaram quietos quando a anciã [temida e respeitada por ser bruxa] lembrou, como se tivesse acontecido ontem, a Grande Batalha e perfilou, um a um, o nome dos falecidos. Muito choro, lágrimas caíam ao chão, alguns batiam no peito, rasgavam as roupas ao lembrar-se do parente falecido.

Meio sem graça, os “doutores” imitaram as pessoas para não parecerem descorteses quando, do nada, a banda voltou a tocar e a fuzarca voltou com tudo, assustando os “doutores”.

– Com a breca! Essa gente é assim?

– Sim… nós somos. Nós somos simples, mas fazemos bem feito o nosso serviço. Podem confiar.

Realmente, assim ocorreu. Com a mesma rapidez e eficiência com que ajeitaram a celebração, os operários foram de um lado a outro, arrumando os materiais e acertando os equipamentos. Sorrindo de satisfação, o mestre de obras conduzia sua “orquestra”, cheia de sons metálicos e motorizados. Em duas semanas fizeram o prédio da administração e dos operários. Na terceira semana, veio o almoxarifado e o pátio de caminhões. Na quarta semana, o armazém e os galpões. Na quinta semana, a estação de força e as guaritas. Na sexta semana foi feito o prédio principal e foram instalados os maquinários e no sétimo dia foi observado o descanso, como é de praxe.

Na oitava semana, o duque inaugurou sua indústria, mostrando os planos para a vila dos operários e o projeto para a expansão da cidade para a região. Explico: o prédio dos operários serve como vestiário, cafeteria, refeitório e lazer. Mas os operários terão seus lares, onde poderão colocar suas famílias e isso deve ser feito com um plano de expansão da cidade como um todo, com bancos, farmácias, correios, escolas, etc. felizmente tiveram o bom senso de resguardar vinte quilômetros de distância entre a indústria e a futura vila dos operários. Evidente que essa expansão urbana foi patrocinada e financiada pelos burgueses, em troca de certos benefícios. Como a garantia de que a vila teria apenas os bancos e comércios de sócios desses burgueses. E que as famílias dos operários trabalhariam em suas empresas e colocariam seus filhos nas escolas deles. Um investimento que foi compensado pelo indulto fiscal e baixos salários. Definitivamente, foi mais fácil do que esfolar um gato.

Porém… sempre tem um porém… senão a estória não segue. Ninguém contava com o achado que aconteceu quando começaram a preparar o terreno para as primeiras casas. Esquecido e enterrado por várias camadas de terra, os operários encontraram o antigo memorial feito em homenagem aos falecidos na Grande Batalha. Aquilo criou um enorme burburinho entre as pessoas e discussões acaloradas entre os “doutores”. As pessoas comuns estavam ressabiadas com razão e os “doutores” se dividiam entre confirmar ou rejeitar o achado. Os “doutores” não gostam de admitir que estivessem errados. Mas pior foram os “doutores” da Igreja. Aquele era um memorial que poderia reascender antigas crenças e superstições populares. A ordem foi a de remover aquele indício de tempos iníquos e pagãos. Isso foi a um mês da Festa dos Mortos, que acontecia todo ano na véspera do primeiro dia de novembro, no ultimo dia de outubro. Este é o gancho que eu vou usar para apresentar e introduzir o nosso protagonista.

Sim, bem ali no meio de toda a controvérsia, polêmica e disputa, desconhecido e adormecido entre tantos restos mortais, havia uma existência que estava prestes a vir à luz.

Conto noir para crianças crescidas- I

Um cenário é meu protagonista para introduzir o tema. Não tem uma localização exata, pode ser em qualquer país, em qualquer tempo. Melhor dizendo, existe um tempo… aliás momento, quando só tinha a natureza ali. Um bucólico e tranquilo vale. Quase não percebeu quando chegaram os primeiros humanos, poucos, em suas carroças. Sobravam recursos, então sentiu só uma coceira quando árvores deram lugar às primeiras habitações. Quando os espíritos da natureza se deram conta, era tarde demais, o ser humano se alastrou rapidamente como uma praga, o vale virou vila e cidade.

A natureza demorou adaptar-se ao ritmo e demandas de seu novo inquilino. Cidades crescem, viram reinos e reinos viram impérios. O vale é pequeno demais para resistir ao avanço dos reinos e impérios, a cidade tem o infortúnio de estar entre dois exércitos, cada qual convencido de estar lutando por uma boa causa. O ser humano é provavelmente a única espécie que se regozija em matar sua própria gente. Centenas de soldados pereceram naquele vale e milhares de civis foram contados como casualidades de guerra. No solo arrasado, regado a sangue, só cresceram cadáveres, moribundos e sobreviventes. O vale teve este momento em que foi habitado pela morte. Em sua sabedoria, a natureza evitou voltar ao vale.

Mas não o ser humano. Um espaço amplo como aquele é uma tentação para os planos de crescimento e expansão de qualquer cidade. Somente os mais velhos e veteranos ainda lembravam-se do massacre que acontecera ali, mas a necessidade [ou a ganância] falou mais alto. O condado enviou seus homens para construir uma estrada e os operários sempre tinham histórias arrepiantes para contar das coisas que aconteciam todo dia. O barão não tinha tempo a perder e enviou os doutores da Igreja, que voltaram como foram, completamente inúteis. Foram os operários, lembrando os costumes de seus avós, que sossegaram as almas, enterrando os restos em uma vala comum, erguendo um memorial e celebrando a memória dos que pereceram.

A estrada também aumentou, veio a ferrovia para fazer concorrência e, inevitavelmente, o entorno deu origem a outras vilas e cidades. Três gerações depois, a memória do massacre era apenas uma lenda antiga que servia para assustar crianças. O conde até inaugurou uma catedral da crença dos escravos. Os padres tentaram, mas o folclore de celebrar o Dia dos Mortos persistiu. Foi essa piedosa crença popular que manteve as almas sossegadas por mais tempo.

O duque, filho do conde e neto do barão, queria livrar sua cidade dessas velhas superstições. Ele era um “homem das Luzes” e queria, a qualquer custo, erradicar a crendices populares e tornar seus cidadãos esclarecidos. Os monges da Inquisição da Igreja deram lugar aos céticos da Ciência e ao expurgo cultural que estes promoviam. Foi bastante embaraçoso e complicado. A cada ano os eventos “paranormais” aumentavam, sem qualquer explicação ou solução. Isso certamente atrapalhava os planos do duque, mas ele não deu o braço a torcer e ignorou os conselhos dos anciãos. Ele lançou o alicerce de uma fábrica e aquela seria a pedra fundamental dos eventos que eu lhes narrarei.

– Meu senhor, os emissários do rei aguardam por uma audiência.

– Que inferno! Quanta impaciência! Eu disse ao rei que estava tudo bem!

– Ainda assim o senhor deve lhes conceder audiência, por ordem real.

– Que venham então e depois o Diabo que os carreguem!

O mensageiro faz uma firula e convoca os emissários para a sala do duque. O pobre homem conta cinco pessoas, alguém da Igreja [bufa com desprezo], alguém da nobreza e três burgueses.

– Saudações, bispo de Voyeur. Eu o recebo com satisfação.

– Eu queria acreditar, Marcel, mas vossa mercê deixou abandonada a nossa comunidade ao não reformar a catedral que teu pai construiu.

– Eu tenho vários projetos, bispo. Eu peço à vossa reverência que tenha paciência.

– Paciência? Eu soube que seus “projetos” falam em escorraçar a crença das pessoas. Teu ducado tem sofrido com a invasão das hordas do Diabo por ter abandonado Deus.

– Invasão que, até onde nós sabemos, pode muito bem estar sendo incentivada pelo medo e ignorância de meus cidadãos. Eu pretendo levar a Luz da Ciência ao meu povo.

– Eu não me oponho, desde que esta Luz da Ciência não apague a Luz de Deus.

– [dissimuladamente muda de assunto] Mas a que graça eu devo a visita de meu nobre irmão?

– Graça alguma, Marcel. O nome de nossa família tem sido motivo de bazófias e arengues por causa de teus atos. Essa sua obsessão pelo progresso não anda em direção alguma e teu ducado tem uma posição estratégica que será reclamada pelo rei, em caso de conflito com o reino vizinho. Nosso Magnânimo Monarca enviou-me para me certificar de que está pronto a fornecer soldados, armas, munições e equipamentos.

– Ora, eu enviei uma missiva ao nosso rei demonstrando que a fábrica que eu construirei valerá mais do que um milhão de batalhões.

– Isso muito nos interessa, vossa excelência.

Um dos burgueses, figura que mais parecia um sapo de polainas, interrompeu e se intrometeu na conversação, desrespeitando todo o protocolo. Bárbaros e selvagens sem cultura e educação.

– Ahem… eu fico feliz em saber disso, senhor. Exatamente em que minha fábrica os interessa?

– Tudo, bom duque. Eu represento diversas empresas, mineradoras e beneficiadoras de ferro. Meu amigo aqui representa diversas empresas de transporte e distribuição de mercadorias. E cá atrás está nosso melhor e maior patrocinador, que representa os bancos. Com a nossa ajuda e auxílio, não apenas a sua fábrica será um sucesso, mas seu ducado entrará na Era Moderna antes de todos.

– Nenhuma exigência? Nenhuma cobrança? Ou esconde algo como o bispo? Ou tem outras agendas, como meu irmão?

– Absolutamente, bom duque. Todas as nossas “transações” são detalhadas em contratos bem claros e seguros. Nenhum truque, nenhuma surpresa. Na verdade, nós até oferecemos o bônus de resolver suas “dívidas” com a Igreja e a corte. Agrada ao bispo que seja incluída uma capela na fábrica? Nós damos um jeito para garantir que os operários mantenham a crença e os donativos para a Igreja. Agrada ao arquiduque que a fábrica produza não apenas mão de obra disponível para o exército, mas também armas, munições e equipamentos? Nós podemos garantir que o ferro possa ser facilmente transportado ou moldado para suprir as necessidades militares do rei.

Não se ouviu uma resposta, mas os burgueses esfregavam as mãos contentes com o silêncio. Foi mais fácil do que esfolar um gato.

Preâmbulo de uma farsa

Eu escrevi um conto de como eu percebo o Mundo Espiritual. Considerando que minha possível audiência seja composta de pessoas cristãs, eu sinto que a decepcionei. Eu duvido muito que meus leitores tenham lido a Divina Comédia ou Paraíso Perdido, referências constantes quando os animes abordam o Inferno e o curioso é que o Japão é budista, mas em nosso mundo contemporâneo a cultura é multinacional.

Eu vou emprestar o conceito do anime “Sin Nanatsu No Taizai” [ainda em progresso] para abordar essa hierarquia de seres e entidades que supostamente ou são servos ou são adversários de Deus [o Judaico e Cristão]. Ainda que eu pressinta que seja inútil, eu recomendo a leitura do Livro de Enoch que conta exatamente o mito da Queda dos Anjos. No livro apócrifo, os rebeldes que começaram uma guerra no Firmamento são outros, mas eu vou tentar me ater à demonologia cristã.

A Rebelião de Lucifer de J.J Benitez é um livro que pode vir ao caso para entender o roteiro. Quem começou a guerra contra Deus foi Lucifer, por não aceitar que o Homem é uma criação divina. Shaitan [Yezidis] ou Iblis [Muçulmanos] desobedeceu a Deus ao se recusar se ajoelhar diante do Homem [e Shaitan é parente de Satan, daí porque se confunde Lucifer com Satan]. Influenciado pelo livro Evangelho de Loki, eu fico imaginando como seria a crônica da Guerra dos Anjos na visão de Lucifer.

Eu vou apenas alterar um pouquinho a cena do primeiro episódio do anime [Atenção! Spoiler!]. Miguel e Lucifer lutam ferozmente e, como consequência do embate, Lucifer é arremessada, se choca e fica estatelada no chão de uma capela, atada a uma cruz. A câmera enquadra Maria como testemunha da queda de Lucifer, mas eu também estou lá, para pegar hóstias e água benta, excelentes materiais para bruxaria. Maria [que certamente não está ali por mera coincidência] fica embevecida com a manifestação do anjo enquanto eu, nas sombras da secretaria da capela, fico intrigado com essa revelação de que anjos têm sexo e gênero feminino.

Eu vou dar uma lista tirada do Wikipédia dando uma correlação entre arquidemônios e os pecados capitais. Segundo o Wikipédia, Asmodeus tem o atributo da Luxúria, Belzebu tem o atributo da Gula, Mamon tem o atributo da Ganância, Belphegor tem o atributo da Preguiça, Belial tem o atributo da Ira, Leviatã tem o atributo da Inveja e Lucifer tem o atributo do Orgulho. Para o escritor e produtores do anime a lista seria ligeiramente diferente. Lucifer continua sendo culpada por Soberba e Leviatã por Inveja, mas Belial é a Vaidade, Satan é a Ira [Fúria] e Astaroth é a Melancolia. [Atenção! Spoilers!] Todas as personagens são femininas e usam pouca [ou nenhuma] roupa.

Quando Lucifer afunda no chão em direção ao Inferno com o golpe dado por Miguel, eu pulo junto. Se esta personagem for mesmo Lucifer, ela também é Ishtar, Venus e Cristo, pela minha mitologia particular. Minha presença causa uma ruptura dimensional, então o estúdio continuou com o roteiro e eu criei uma nova linha narrativa. Lucifer parece ter percebido a dobra dimensional e olha diretamente para mim.

– Durak! Não era para você interferir nessa minha encenação!

– Perdão, Lucifer, mas eu não posso te deixar sozinha. Eu fiz um juramento para ti que eu sempre ficaria ao seu lado.

– Você não tem jeito. Eu me disfarcei como Kate Hoshimyia e você me reconheceu. Eu mudei a minha aparência para este anime e ainda assim você me reconhece. Ainda bem que eu te vi, senão o pessoal do estúdio de animação entraria em pânico se sua forma se manifestasse na película.

– Eu lamento por te dar tanto trabalho. Ordene e eu retorno.

– Isso não é necessário, Durak. Eu criei uma dobra dimensional, então o estúdio e o publico verão apenas o que o roteiro e eu permitiremos que vejam. Vamos tentar usar este recurso para aquela cross over que você quer fazer, inserindo o passeio de Leila, minha irmã. Vamos ver como o anime, nesta realidade alternativa, se desenrola.

Nós nos chocamos ao chão e Leviatã está na marca dela, embora não consiga encontrar no roteiro a minha participação.

– Eh… Luci chan… quem é este personagem? Segundo o roteiro era para apenas nós duas contracenarmos.

– Vamos fazer a mesma cena, com pequenas alterações. Esta encenação estará sendo transmitida para uma realidade alternativa então, para todos os casos, este é Durak, meu servo.

– Eu acho que conheço este mortal. Você não acompanhou minha afilhada Lilith em um dos muitos multiversos?

– Sou eu mesmo.

– Puxa vida… quem diria… eu, o Dragão do Abismo Marinho, reencontrando o único mortal que foi capaz de entender e conceber o Fogo Negro.

– Vocês se conhecem. Excelente. Então não teremos problemas com exposição explicita de corpos femininos nus.

– Mas já? Eu ainda estou me acostumando a esta forma antropoide.

– Nós ainda temos um roteiro, Leviatã. Além do que Durak precisa trocar de roupa.

Leviatã aplaude enquanto Lucifer encena a remoção de suas roupas celestiais por roupas demoníacas. Eu sou envolto pela minha velha armadura feita de couro de dragão, algo que Leviatã não gostou.

– Fur is Murder! Fur is Murder!

– Cale-se Leviatã. Esta couraça foi feita do corpo original de Durak. Ele é um de nós, desde sempre.

– Isso é piada, Luci chan? Um humano? Nascido originalmente como um da raça dos Antigos?

– Ousa duvidar e questionar?

– N… não. Nós somos aliadas, certo? Você é poderosa demais para eu sequer pensar nisso.

A cena segue, com a chegada de Belial e Satan. As duas também ficam surpresas e contrariadas com a minha presença ali.

– Mas… o que significa isso? Nós deixamos bem claro que nós não queríamos contracenar com humanos [fizemos uma rara exceção no caso de Maria] e deixamos bem claro que não deveria ter a presença de nenhum personagem masculino.

– Eu não lembro que o contrato assinado com o estúdio proibia que nós trouxéssemos nossos serviçais. Como uma futura regente do Inferno, eu tenho meus vassalos e eu não abro mão do apoio que Durak me oferece.

– Pouco me importa. Eu não aceito.

– Então façamos uma aposta, Satan. Afinal, você mesma encenou um teatro escrito por Durak, então deve conhecê-lo. Um duelo. Se Durak te vencer, ele entra na equipe.

– Hah! Vai perder esta aposta, Lucifer. Eu aceito, evidente, pois me incomoda ouvir no Inferno os demônios falarem que este humano é mais forte do que eu. Prepare-se, Durak, porque eu não vou pegar leve.

Satan veio com tudo com seu machado de dois gumes e Lucifer providenciou que eu tivesse minhas boas e velhas espadas [duas katanas, com um lado cerrado]. Bom, eu estava lutando com Satan então eu calculei que eu ia precisar de 80% de minha força [eu quase me tornei o Senhor da Floresta]. Ainda bem que estávamos em uma realidade alternativa, pois o cenário voava pelos ares em fragmentos fumegantes quando Satan caiu sentada e assustada quando sentiu meu golpe defensivo-ofensivo.

– O… o que é isso? O que significa isso? Isso é impossível! Eu fui com toda minha força e poder, no entanto ele me repeliu e me fez recuar com um único golpe!

– Eu vou aceitar isso como sua declaração de derrota. Que isto sirva de lição. Nós criticamos o ser humano por julgar conforme a aparência, mas nós fizemos o mesmo ao julgar Durak por sua aparência humana.

– Por caso ele… é um daqueles nascidos dos Antigos e escolhidos para encarnar como humano?

– Sim, este é meu muito amado e querido. Sua família – a verdadeira – tem laços antigos e fortes com a minha família. Meu pai e o pai dele nos uniram em um compromisso, eu fui confiada a ele e ele foi confiado a mim. Minha única tristeza e arrependimento são de não poder ajuda-lo em sua atual encarnação no mundo humano. Eu não posso interferir na missão dele porque ele é assim. Cumpre com seu propósito, sua missão, a qualquer custo.

Mãos sujas, consciência limpa

Quando saímos do território de Zeus, Satan estava com seu “treinamento” completo. Dizem que o mestre aprende mais com seu pupilo do que este com seu professor. Bom, eu nunca fui apreciador dessa baixa filosofia que empesteia o bom senso, mas não deixa de ser verdade. Nossa próxima parada é a Nova Acrópole, a capital do Império construído por Jeová e não é no Vaticano. Para falar a verdade, toda a ideia de fazer a central na colina do Vaticano foi concepção de Benito Mussolini, mas desde Constantino que Roma tinha deixado de ser a central do mundo ocidental cristão. Não caía muito bem manter a central em uma colina que sabidamente pertencia ao passado pagão, tampouco por estar irremediavelmente associada com o Duce do Fascismo.

A central está em Washington, Columbia, EUA. Considere isso um resquício do Império Romano: a central política, econômica e religiosa em um único lugar. Não é coincidência o militarismo, a paixão pela bandeira e a águia como efígie. Este é um país construído por anglo-saxões, protestantes que imigraram do Velho Mundo por perseguição política e religiosa, mas que são herdeiros do Império Romano em relação ao Mundo Ocidental Cristão contemporâneo. Infelizmente não herdaram dos Romanos a tolerância e o multiculturalismo. Aqui Jeová encontrou terreno fértil para o mais ferrenho Fundamentalismo Religioso Cristão.

Então também não é coincidência que aqui existe o pior tipo de intolerância política, religiosa e sexual. Na chamada Terra da Liberdade não existe liberdade. Não faltam inúmeros grupos que perseguem outras religiões e outras etnias. Aqui não faltam televangelistas que fazem fortuna com seus sermões repletos de racismo, xenofobia e homofobia. O direito de portar arma é mais importante do que a defesa dos direitos civis, então aqui vigora o pior tipo de moralismo puritano que o Cristianismo pode gerar.

Quando o americano descobriu que seus padres/pastores andavam fazendo com suas crianças e adolescentes, a Igreja passou por maus bocados e foi pela pressão americana que a Igreja se viu obrigada a admitir o que se sabia, mas se omitia, se ocultava. Não que casamentos infantis ou sexo com “menores de idade” sejam algo novo ou desconhecido do Velho ou do Novo Mundo. Isso pode ser um escândalo para sua gente, mas apesar de ser um tabu, uma proibição na sociedade contemporânea, até a Idade Moderna não existia infância e adolescência.

A história humana está repleta de casos de estupro, incesto e adultério. Mas não pega bem quando uma instituição que alega ser o baluarte da Moral e dos Bons Costumes ser pega com as calças na mão. A sociedade cristã civilizada ocidental hipocritamente reagiu a esse “escândalo” unicamente porque se tornou público [e manter as aparências é tudo] e a central do Império fez aquilo que sabe fazer melhor: acionou seus fantoches [ONU… ouviu falar?] e, ao invés de conter as causas, potencializaram as consequências com mais repressão/opressão sexual.

Sim, eu estou afirmando: esta atual paranoia e histeria em relação ao sexo, ao desejo, ao prazer, ao corpo, disfarçada de boas intenções, nada mais é do que a velha Cruzada, a velha Inquisição, desta vez contra a Pornografia, apenas um nome, um rótulo, conveniente para instituir um bode expiatório para lhes tirar a vida e a liberdade. Em nome da “defesa da moral”, em nome da “defesa dos bons costumes”, em nome da “inocência das crianças”, a humanidade voltou à Era Vitoriana, ao Puritanismo carola extremado. Não é coincidência que os casos de abuso e violência sexual têm aumentado. Isso é problema de vocês, mas enquanto vocês não encararem suas pulsões e libidos, vocês sempre terão vidas cheias de recalques, frustrações e insatisfações. Mas sobre isto, o escriba que escreve estas linhas fala com mais propriedade.

O escritório de Jeová fica em algum lugar de Washington, Columbia, EUA, entre a Casa Branca e o Pentágono. A construção lembra muito com uma catedral e, quando estiver completa, Jeová deve se livrar de vez de seu vínculo com a Igreja. Alguns humanos piram com teorias de conspiração, achando que existem indícios e símbolos que mostram a existência de um Governo Mundial, os Illuminati, mas para meus olhos o que eu vejo são sinais contemporâneos adotados por Jeová para o Império dele. No saguão de entrada, Babalon, ou a Grande Meretriz, nos atendia como secretaria.

– Bom dia, meninos. Gegê vai atende-los em breve.

Ela pisca para mim lascivamente. Inevitável, pois se Jeová quer encenar o Juízo Final, Ele vai precisar dela e de mim. Ela é uma entidade recente, uma menina em termos comparativos e eu sou o especialista nesse tipo de espetáculo. Ela não é o meu tipo, se querem saber.

– Sim, sim. Está tudo sob controle. Tudo está sob o Meu comando.

– Problemas no Paraíso, Jeová?

– Absolutamente. Entrem, nosso negócio é… particular.

Na sala particular de Jeová, fotos de todos os governantes e líderes religiosos. Centenas de mapas, projetos, desenhos e telas competem pelo espaço. Onde e como isso tudo faz algum sentido, só na mente dele.

– Muito bem, senhores, vamos direto ao ponto, pois meu tempo é escasso e eu estou muito ocupado. Satan está pronto?

– Sim, ele está pronto. [Aqui o leitor pode decidir até que ponto eu fui sincero ou dissimulado].

– Ótimo. Satan, você está pronto para exercer sua função?

– Sim, eu estou pronto. [Aqui o leitor deve subentender o que bem quiser].

– Excelente. Eu vou lhe outorgar domínio sobre espíritos, entidades e até mesmo Deuses que não Eu, evidente. Você irá gerenciar todas as outras religiões que não estejam alinhadas com a minha empresa multinacional.

– Eu me recuso.

– Como é?

– Eu estar pronto é uma coisa, Jeová, outra coisa é eu concordar com o seu Plano Divino. Eu me recuso a ser sua Sombra, eu me recuso a ser o Tentador, eu me recuso a ser o Adversário, eu me recuso a ser o Diabo. Aceitar esse papel apenas endossaria seu delírio e loucura. Se eu quero realmente te combater, te vencer, te destronar, eu tenho que me recusar a aceitar ser esse personagem que você me designou. Ao me recusar ser sua Sombra, ser uma mera manifestação espiritual das necessidades humanas, eu recuso todo esse esquema sórdido, eu recuso ser sua contraparte maligna e eu recuso sua divindade. Não, Jeová, você não é Deus, assim como eu não sou o Diabo. Você é um verme e deve morrer como um verme.

– Isso é inaceitável! Loki! Você falhou miseravelmente!

– Ah, aí é que você se engana, Jeová. Eu fiz aquilo que eu sempre faço e eu faço muito bem. Não é um serviço limpo, mas alguém tem que fazer. Ao libertar Satan de suas garras, eu libertei toda a Humanidade. Agora todos verão exatamente como você é.

– Maldito seja, Loki! Você vai se arrepender!

– O que você acha que pode fazer, Jeová? Eu sou o Deus Traiçoeiro. O Diabo que você criou eu engulo e cuspo como se fosse nada. Eu encarei o Ragnarok, Surtur e o Caos. Seu Inferno é playground para mim. Você achou que podia me controlar Jeová e esse foi seu maior e último erro.

Babalon entra na sala particular de Jeová, aturdida e alarmada, mas sorri feliz e aliviada ao ver que o tirano está imóvel, inerte e impotente. Pode demorar alguns anos ou séculos até que o Império sucumba, alguns milênios até que a Humanidade se dê conta de que Deus está, definitivamente, morto… bom, ao menos Jeová está. Será o fim de toda forma de Monoteísmo, a verdadeira praga que tem escravizado a Humanidade. Pode ser que surja um Novo Mundo e talvez nesse Novo Mundo os seres humanos tornem-se evoluídos o suficiente para voltar a morar conosco. Sim, será magnifico e nós todos poderemos rir muito de tudo isso.

Non Ducor, Duco

Partida e despedida são sempre difíceis. Ceres e Demeter estavam enredadas com Satan e sussurrando no ouvido dele coisas bem apimentadas. Emoção é uma invenção divina, ao contrário da língua e da palavra, ela não pode ser distorcida, deturpada ou fingida. Quando Juno me envolve em seus braços, o brilho em seus olhos é legítimo e é sincero seu sorriso.

– Boa viagem, Loki. Volte quando quiser. Eu sempre estarei te esperando.

Juno pressiona seus lábios aos meus de tal forma que parece querer me sorver. Juno é uma das poucas Deusas que me tiram o fôlego e a palavra. Como? Eu dei a entender que eu tinha problema com as Deusas? Não… não de forma geral. Meu problema é familiar, algo que você conhece bem, escriba. Eu sempre fui muito bem recebido, em Roma e Atenas. Eu sempre fui muito procurado e solicitado pelas Deusas locais. Chame isso de charme ou carisma. O fato é que Deusas romanas e gregas sempre gostaram de minhas carnes. Felizmente nenhum incidente ou acidente ocorreu nesse… intercâmbio cultural.

Saindo de Roma, em pouco tempo estamos sobre o Mediterrâneo. Ao longo de seu imenso litoral, nasceram e floresceram inúmeras civilizações que tornaram o mundo tal qual é. De onde estamos, na direção sudoeste, eu vejo o território de Asur e Aset, Deuses da civilização egípcia. Garota esquisita. Juntou os pedaços do esposo, esquartejado por Seth. Esquisita, mas uma delícia. Eu sempre tinha para ela aquilo que faltava em Asur e nunca foi achado. Na direção este-sudeste eu vejo o território de Marduk e Baal, Deuses das civilizações babilônica e assíria. Ali em algum ponto, entre cananeus, filisteus, acadianos, sumérios e elamitas deve estar o pequeno território original de Jeová.

– Q… quem é aquela?

Até então Satan estava quieto e amuado. Eu imaginei que ele estava pensando em Ceres ou Demeter. Ou tentando entender toda a nossa ultima atividade. Ao contrário de vocês humanos, nós Deuses não temos problema algum em relação ao sexo. Para falar a verdade, nós escandalizaríamos até seus mais devassos libertinos. Satan estava tão impressionado que saiu de sua melancolia contumaz. Eu me virei, porque para esquecer Ceres e Demeter deve ser uma bela visão. Eu pisquei três vezes, pois achei que tinha visto Sigyn e Angerboda acenando para nós de uma ilha repleta de árvores carregadas de maçãs douradas. Não, não tinha como serem elas. Eu olhei com mais atenção e tentei ler a assinatura daquela Deusa e quase fiquei cego com a cascata de cores que jorravam feito um caleidoscópio de seu corpo. Foi no ultimo segundo, quando minha visão estava sendo coberta pelas macieiras que eu vi um pouco de sua verdadeira forma. Meus joelhos tremeram e minhas pernas fraquejaram. Era Ela.

Aset quase se tornou uma Deusa de uma religião de massas, quando Roma instituiu culto a Isis, o seu nome ocidentalizado. Antes dela, apenas uma Deusa teve tamanha influência e popularidade entre os humanos. Seu culto e nome foram tão fortes que resistiu por séculos ao monoteísmo Persa e Hebreu. Seu nome é temido e venerado até pelos Deuses mais antigos. Os Gregos a chamaram de Afrodite, os Romanos a chamaram de Vênus. Seu povo entoavam Ishtar em cânticos sagrados, os Hebreus a chamavam de Shekinah e a Igreja a chamou de Lúcifer.

– Você ainda não está preparado para conhecê-la. Nem mesmo os Deuses mais antigos sabem lidar com Ela. No território de Zeus, nós conheceremos Afrodite, um pálido reflexo dEla. Se tivermos sorte, Hecate vai nos ajudar com a arte de controlar as emoções. Sem esse conhecimento, diante dEla nós ficaremos loucos. Ela é a fonte do Amor. Ela é a força da luxúria, do sexo, do prazer e do êxtase.

– Eu… eu estou confuso. Eu acabei de vê-la, mas é como se a conhecesse. Eu ainda não a vi pessoalmente, mas eu sinto uma atração tão forte que é como se eu fosse ser rasgado em dois. Por favor, Loki, diga-me quem é Ela e prometa-me que nós vamos vê-la!

– Eu não faço promessas, Satan. Sobretudo quando envolvem Ela. Quando você estiver pronto, talvez a conheça.

Satan ficou emburrado, mas aquietou-se. Próximo do centro de Atenas nós chegamos no hotel onde Zeus era proprietário, gerente e habitante. A porta abriu sem que acionássemos a campainha.

– Até que enfim! Jove avisou que vocês estavam a caminho. Vamos ao meu escritório. Hoje é temporada de turista e o meu hotel está cheio.

Realmente, atravessamos a recepção do hotel apinhada de gente. O escritório de Zeus conservou a construção original, mas era visível o cimento reforçando a estrutura. Evidente que Atena estava como sua secretária.

– Muito bem, cavalheiros, vamos aos negócios porque Dinheiro é o Deus do mundo atual. Como eu posso ajuda-los?

– Nós esperamos que você possa chamar Hecate aqui para o que eu pretendo fazer com meu garoto.

Cerâmica espatifando e espalhando pelo chão mostra que eu não sou o único a ter problemas familiares. Atena ainda guarda diversas mágoas e ressentimentos com Hecate.

– Por Gaia, papai! Você não vai chamar essa… sirigaita aqui, vai? Não foi agradável quando você trouxe aquele… aquilo… o animal do Dioniso.

– Atena… ainda zangada com a pegadinha que Dioniso e Hermes armaram, colocando você e Ares em um quarto escuro? Ainda chateada por Hecate se recusar a morar com a família?

– N… não lembre dessas coisas sujas, imundas e impudicas. Eu levo muito a sério meus votos. E eu sei que Hecate participou da pegadinha.

– Muito bem, então. Nós vamos visitar sua prima, Circe.

– M… mas… o hotel… os turistas…

– Eu tenho certeza de que você consegue gerenciar tudo. Eu não te nomeei Deusa da Estratégia por acaso. Vamos, cavalheiros.

Atena estava empacada no meio do escritório de Zeus e eu quase senti pena dela. Mas eu tenho meus próprios castigos com que lidar.

– Cá entre nós, Loki. Eu acho que você tem exatamente aquilo que Atena precisa. Essa menina tem que sair de vez desse papel de donzela guerreira. Nos dias de hoje, nem Hestia é virgem. Atena nunca vai se desenvolver se não der uma boa foda.

– Eu percebo que minha… reputação… com as Deusas é de seu conhecimento.

– Não se vanglorie, Loki. Meu histórico como conquistador precede e supera o seu.

– Hei… hei… hei… isso nunca foi uma competição. Vamos nos concentrar com Hecate. Alguma ideia de como nós vamos convencê-la a nos ajudar?

– Seu garoto, Satan. Para a Igreja, o Diabo é a fonte de toda Bruxaria. Hecate certamente é vaidosa com seu Ofício e vai querer conhecer seu garoto.

Zeus sempre foi mais inteligente do que Jove. Nós nos afastamos do centro e seguimos pelo subúrbio. Nas comunidades rurais, votos e oferendas ainda enfeitam as encruzilhadas. Hecate nunca teve um culto oficial, religião ou sacerdotes e ela é uma das poucas Deusas que permanece em atividade.

Achamos Circe morando em uma comunidade alternativa, vendendo suas bugigangas. Ao nos ver, gritou para dentro de sua choupana.

– Mãe! Zeus, Loki e outro cara estão aqui!

Hecate me faz lembrar um pouco Angerboda. Mas Angie é menos gentil e mais lasciva.

– Pelos astros de Urano… meninos, eu não esperava pela visita de vocês. Quem é o jovem?

– Este é Satan, minha amada sobrinha.

– Ora, ora, ora… mas que garotinho gostosinho você deve ser… bom para comer e cuspir o bagaço fora.

– Mãe!

O coitado do Satan tentou entender porque todos nós começamos a rir descontroladamente. Humor e sexo não são exatamente uma rotina na vida desse anjo subserviente. Hecate entendeu que nós contávamos com ela para mudar isso. Mais calmos e relaxados com o chá servido por Circe, Hecate foi direta e precisa.

– Muito bem, meninos. Essa porra é séria. Satan tem que ter controle de suas emoções, mas ele terá que descobrir e desenvolver todas as emoções. Eu posso ajudar, orientar. Mas para o que vocês pretendem, eu terei que chamar o Antigo.

– PQP. Nós vamos… chamar Ele… mesmo?

Só tem um Deus que eu pessoalmente temo mais do que Anu. Só de pensar no dia em que eu O vi, no meio da floresta… todos nós ficamos arrepiados só de pensar. Sim, o Antigo, o Deus Touro, o Consorte da Deusa Serpente… Ele.

Ensinando o Diabo

Mas… você ainda está aqui? Você é bem persistente, escriba. Como? Você foi intimado? Eu nada tenho com isso. Hã? Não, não precisa mostrar o documento… não, não precisa confirmar com a remetente. Eu tive problemas o suficiente com Deusas em meu tempo em Asgard. Eu não estarei livre de você enquanto eu não contar como foi esse percurso no qual eu fui o tutor de Satan, certo? Foi o que pensei.

Um pequeno memorial: diga que foi… ou Destino, ou Fortuna… que eu voltei a ter uma existência e um corpo. Meu retorno ao mundo humano foi recebido por uma entidade menor que confiou a mim a preparação de seu… pupilo… para o papel que estava designado. Assim Jeová largou Satan em minhas mãos para torna-lo um personagem mais eficiente para seu Plano Divino. Sim, eu tinha meus próprios planos. Tinha algo nessa relação que me incomodava e eu quis descobrir.

– Ele foi embora?

– O Senhor dos Exércitos está sempre presente.

– [suspiro] Muito bem, Satan, essa será sua primeira lição comigo. Jeová não é o Deus Todo Poderoso. Nem é o único Deus.

– Eu posso aceitar isso. Afinal, o senhor é o Deus da Mentira.

– Touché… mas o mentiroso quando diz que mente, diz a verdade ou a mentira?

– O intento do meu Criador é o de tornar-me mais eficiente. Eu sou o promotor do tribunal que irá julgar vivos e mortos diante de Deus. Então, como advogado de Deus, eu quero ver as evidências.

– Muito apropriado. Seria até irônico se isto te tornasse ateu.

– Nós dois sabemos que isso é teimosia humana.

– Nós dois sabemos que isto não te isenta dos humanos que criaram uma religião supostamente baseada em você.

– E nós dois sabemos que satanistas são tão iludidos quanto os cristãos. Eu não sou nem represento as necessidades humanas carnais. Eu sou um anjo, não conheço as necessidades humanas nem tenho interesse por elas. Isto é apenas uma forma que o humano encontrou para divinizar a si mesmo.

– E cá estamos nós, em um projeto que envolve os humanos.

– O que é outro paradoxo. Cá entre nós, que o Criador não nos ouça, mas é no mínimo incoerente que Deus precise dos humanos para consolidar seu Plano Divino.

– Bravos! Eu acho que este é o começo de uma bela e longa amizade.

– Não fique animado, senhor Loki. Assim que minha… instrução for concluída, você voltará a ser um demônio.

– Você fala como se isso fosse ruim…

– Pare com isso! Ou eu vou acabar rindo!

– Essa será sua segunda lição, Satan. Emoções serão sua melhor arma. Saiba como controla-las. Você poderá usar esta arte para seu autoconhecimento e libertação.

– Bom, eu não pretendo entrar nesse tipo de entretenimento, mas eu acho que estou prestes a desenvolver a raiva. E a impaciência. Evidências de que Jeová não é Deus nem único, por favor?

– Ora, quanta gentileza! Eu terei que trabalhar com isso depois. No serviço que eu… que nós fazemos, gentileza é uma fraqueza inaceitável. Acompanhe-me.

– Nós vamos para Asgard?

– Oh, não, por Yggdrasil. A ultima coisa que eu preciso é um agradável reencontro com meus irmãos e irmãs. Eu vou te levar para os territórios de dois dignatários que teu Criador deve conhecer: Jove e Zeus.

– Ah! Os verdadeiros autores da civilização ocidental! Eu ansiava por um momento assim!

Satan parecia um colegial em excursão. Não que Roma seja completamente desconhecida por ele. Secreta e sigilosamente, em círculos bem restritos e catacumbas escondidas no subsolo do Vaticano, padres, bispos, cardeais e papas ainda celebram Missas Negras. Sim, o Satanismo e o culto satânico existiam antes mesmo destes serem recriados para o consumo comercial. Mas este não era o nosso objetivo. Nem tampouco falar com os inúmeros Deuses da Antiga Roma que sobreviviam em suas capas de santos cristãos. Nosso alvo era Jove. Evidentemente que eu não irei dar a localização de sua atual moradia.

– Pelas barbas de Saturno! Quem bate em minha porta?

– Jove! Sou eu, Loki!

– Loki? Ah! Por Rhea! Um minuto!

Jove abre a porta envolto em pouco mais do que um lençol. Por alguns segundos eu achei que ele estava curtindo algum tipo de saudosismo, mas uma mulher esgueirando por trás da porta que dava para a cozinha me dissimulou.

– Oh! Perdão, Jove. Eu interrompi sua intimidade.

– Bobagem, bobagem. Entre. Você é de casa. Creio que vocês se conhecem… Loki, Hestia, Hestia, Loki.

– Saudações… meu primo distante.

Satan está tão deslumbrado por conhecer Jove pessoalmente que escapa dele as sutis implicações desse affair divino. Hestia e eu temos algo em comum: o fogo. Mas ela deveria ser, supostamente, intocada, virgem. Oh, bem… virgens que não são tão virgens não é novidade alguma.

– Ah, a minha educação! Jove, Hestia, este garoto que eu trouxe comigo é Satan.

– Satan… o… Diabo?

Nós três começamos a rir descontroladamente. Eu espero que seus leitores entendam a ironia da cena. Três Deuses, renegados e esquecidos, se reencontrando em Roma, a poucos metros do Vaticano, sede da multinacional de Jeová, em um encontro clandestino com o Diabo. Para ensinar a ele seu ofício. Sim, é hilário.

– Ah, puxa vida… isso merece abrir um odre com vinho de palmeira. Mas sentem, sentem. Hestia, veja se Demeter e Ceres estão por perto. Eu vou ver se consigo falar com Zeus.

– Oh, eu não quero incomodar.

– Bobagem, bobagem. Hoje em dia existem carros, aviões e smartphones. Nós acompanhamos a tecnologia. A única diferença é que nos mantemos incógnitos. Nós vamos precisar de mais duas Deusas, pelo menos, para ensinar Satan seu oficio.

– Oh, bem… eu sempre tive um fraco por Juno. E eu acho que Proserpina seria ideal para Satan. Mas não ligue para Zeus. Ele será a nossa próxima visita.

As pizzas chegaram pouco depois das “meninas”. Jove relembrou cada um de suas sagas e de seus problemas com os Césares. Hestia só falava de como estava aliviada de ter sido aposentada. Ceres tentava falar, mas ficava difícil entender o que ela falava com a boca ocupada com meus… atributos. Satan não tirava os olhos do decote de Demeter, que deixava escapar seus seios voluptuosos e fartos como sempre. Eu perdi Satan de vista quando Juno chegou e eu… nós… fomos para a cama nos enredar em lençóis de algodão. Jove também sumiu… com Hestia… para o segundo tempo.

Eu voltei para a sala de estar depois que deixei Juno dormindo, com um enorme sorriso de satisfação nos lábios. Ali não estavam nem Demeter, nem Ceres, nem Satan. Foi simples encontrar os três no quarto dos fundos, completamente nus, bêbados e empapados em líquidos corporais. Bom garoto. Aprendeu com facilidade a primeira lição.

A volta de Loki

Hum? Você de novo? Não me leve a mal, humano, mas eu tive minha cota com seu povo, especialmente com escribas. Sua gente tem medo da morte e do Apocalipse, borrariam as calças se tivessem que enfrentar o Ragnarok ou tivessem que encarar o esquecimento.

Em breve o Mundo no qual vocês se encontram chegará ao fim. Um de muitos, para ser mais exato. Gaia passou por mudanças bem extremas e conheceu muitos términos. Mas Gaia sempre dá um jeito e recomeça, juntando os cacos dela mesma e gera novas criaturas de seu proficiente ventre. Eu quase sinto simpatia dessa menina. Quase, mas ela é Deusa de outro povo, de outra cultura. Eu pertenço a outro panteão, outro povo, outra cultura.

Isso foi há muitos séculos atrás, no tempo humano. Muito tempo depois que eu liberei o Ragnarok e acabei com Asgard. Ou é isso que eu achei que tinha acontecido e a existência, minha e de meus irmãos e irmãs, foi esquecida. Um Novo Mundo surgiu, depois outro e outro… até que sua gente criar a Era da Iluminação, decretando a morte dos Deuses e nos relegando a meras figuras lendárias e mitológicas, no sentido de nossa existência ser uma fraude, uma mentira.

Dizem que fica registrada no fundo da retina a ultima imagem antes de nossa existência acabar. Quando eu recobrei minha consciência, a imagem que estava gravada na minha retina era Surtur, expandindo suas negras asas, trazendo consigo o Caos, como se fosse… uma espada? Não, muito linear e elegante. Uma motosserra? Não, muito mecânico e previsível. Um triturador, fragmentador, retalhador? Isso é bem mais próximo do que Surtur faz. Enfim, não é uma boa imagem para se deitar na aniquilação.

Isso é o que eu acreditava. Então eu comecei a sentir algo. Como se algo ou alguém me cutucasse. Uma força me atraía para fora da obliteração, me colocando próximo do Sonho e da Morte, me colocando próximo das lendas e dos mitos. Eu devia ter retomado algum tipo de forma quando eu senti ser sacudido. Eu devo ter assustado o visitante, porque eu gritei, soquei, chutei e rangi meus dentes para todos os lados. Eu demorei em perceber que Surtur não estava mais ali e aparentemente o Caos estava quieto. Pisquei os olhos três vezes para ter certeza disso. Então me dei conta de que tinha recobrado meu Aspecto como Deus. Não se engane, humano, é mais certo dizer que vocês são reflexos de nós do que nós sermos imagens de vocês.

Eu primeiro situei o local onde eu… despertei… por assim dizer e foi no mesmo local onde meu ultimo corpo havia sido depositado no ápice do Julgamento dos Deuses. Eu não reconheci, a princípio, o que é compreensível, mas eu podia ler que era o mesmo local pela assinatura espiritual. Mas onde antes era a Floresta de Metal, eu via paredes, portas, janelas e estátuas em minha volta. Desconcertado, eu voltei minha atenção ao singelo visitante que provavelmente consolidou meu despertar. Em minha época como “convidado” em Asgard, eu tinha conhecimento de outros povos e Deuses mais ao sul. Eu acho até que tenha visto Jove e Zeus confabulando formar um enorme Império. Mas esta figura era completamente diferente.

– Quem és tu, que ousa importunar o grande Loki? Perguntei eu, como se não tivesse acontecido coisa alguma e eu estivesse em pleno poder. Eu tive o cuidado de usar duriliano baixo, uma língua impura, mas conhecida e usada nos diversos reinos divinos e espirituais, por todo tipo de entidade.

– Eu sou Jeová, o Deus de Israel.

O sotaque é terrível e a entonação é primária. Que tipo de povo bárbaro e inculto tem uma entidade como esta como Deus? O tipinho é baixo, bem peludo, cheio de rugas e um tom de pele amarelado. Parece um verme. Ele porta uma armadura, escudo, espada e elmo que não são dele. A assinatura não mente e eu leio o nome do proprietário: Anu. Quando eu era criança, meus pais gostavam de nos aterrorizar com estórias sobre os Antigos Deuses que vieram das Estrelas. Eu posso dizer que, na nossa infância, Anu era o Bicho Papão. Era altamente improvável que uma criatura daquelas podia portar tal majestoso arsenal. Por algum motivo tudo isso me incomodava. Eu fiz o que sabia fazer melhor. Eu fingi.

– E o que o Deus dos Hebreus deseja comigo?

– Grande Loki, muita coisa mudou desde que os Deuses abandonaram a humanidade e Gaia. Por meios e expedientes muito pouco louváveis ou nobres, eu não apenas fiz o Homem esquecer seus Deuses, como eu me tornei o único Deus de todo o mundo ocidental. Mas eu sinto a chegada de uma Nova Era e o Homem está esquecendo-se de mim, me negando, me relegando ao mesmo patamar das lendas e mitos antigos.

– O que eu posso ter com isso?

– Loki, o Homem tem também relembrado de suas verdadeiras origens e raízes. Por outras formas, por outras narrativas, o Homem tem trazido de volta os seus Deuses. Eu levei muito tempo e investi muito na construção do meu Reino entre os homens e tenho muitas empresas e funcionários. Eu não posso perder tudo para a Ciência nem ceder terreno ao Paganismo Moderno.

– Ainda não percebo o que eu tenho com isso.

– Veja o que o Homem fez com sua figura.

Jeová atirou um calhamaço de algo fino, colorido, cheio de figuras e letras. Eu passei tempo suficiente entre vocês para saber a linguagem humana. O material desse objeto não era de couro de carneiro nem fibra de cálamo. Era algo mais fino, liso, suave. Consistia de figuras desenhadas com tinta, algo que uma vez eu tinha visto ao visitar Aset e Asur, mais conhecidos como Isis e Osiris. Eu tinha conhecimento que sua gente gostava de contar estórias, então esse tal de “quadrinhos” deve ser a forma pela qual sua gente agora fala de sagas, heróis e aventuras. Não é de todo desagradável, se não tivessem tido o mal gosto de terem me retratado. Eu soube até que fizeram um filme e o ator que me interpretou refletiu mais o personagem de quadrinhos do que eu. Inaceitável.

– Então agora vê o que tem com isso?

– Repugnante. Mas você não teve esse trabalho todo de vir até aqui e me acordar por ter alguma estima por mim, pelo meu nome e reputação. Não tente trapacear o Deus da Trapaça.

– Bom, exatamente por você ser o Deus da Trapaça que eu vim aqui. Eu preciso que você me ajude em meu Plano de Dominação Mundial.

– Eu imaginei que isto fossem favas contadas.

– Não mesmo. Não sabe o quanto foi difícil chegar ao comando entre os Elohim. Nem a dureza que foi negociar com os Annunaki. Ou barganhar com Ormuz, Mithra, Jove, Zeus… apenas para citar alguns dos dignatários mais influentes. Sim, eu fiz muitas e diversas concessões. Funcionou, por algum tempo. Mas… sempre tem os que não concordam, que não colaboram. Eu vou poupa-lo das coisas que eu fiz para cooptar as inúmeras religiões de mistério, o que eu fiz para erradicar as inúmeras seitas dentro do meu povo, o que eu fiz para aniquilar Gnósticos, Hereges, Bruxas… as guerras que eu tive que fazer para que Cristo fosse distorcido e deturpado para dar espaço para o Cristianismo.

– E mesmo assim, algo deu errado.

– Oh, sim. Os humanos. Eles sempre são o elemento instável. De alguma forma o Conhecimento sobreviveu e, no momento certo, deu ensejo à Renascença, ao retorno da Ciência. Eu tinha perdido a coroa dos reis, eu estava para perder a coroa dos papas. Foi muito difícil fazer com que os governos seculares concordassem em manter meus domínios. Eu tive que jogar nação contra nação em guerras fratricidas. Muitas vezes eu coloquei cristão contra cristão, quando não contra o judeu, o muçulmano, embora também sejam empresas minhas. Nada disso foi o suficiente, eu precisaria de algo tão grande e poderoso quanto fora o Império Romano. Pois bem, agora eu estou quase consolidando meu poder absoluto. Eu encontrei no Novo Mundo, em uma terra construída por imigrantes e fugitivos das guerras de perseguição religiosa [que foram fomentadas por mim], um governo que tem todo o potencial para ser tão grande, senão maior, do que o Império Romano [tanto que até utilizam a águia como símbolo]. Ali eu encontrei um “terreno fértil” para restaurar o fundamentalismo religioso disposto a combater a Ciência e a descrença.

– Eu parei na Renascença. Você consegue ser mais complicado do que Odin. Uma boa estratégia, um plano eficiente tem que ser claro e objetivo. Qual é, exatamente, o seu projeto, para, enfim, conquistar o mundo inteiro?

– Permita-me apresentar alguém que é bastante semelhante a você, pelo menos aos olhos do humano cristão ocidental. Loki, este é meu subalterno, Satan.

– Saudações, Loki, filho de Farbauti e Laufey, descendente legítimo dos Gigantes do Gelo.

Oh, sim, eu gostei do garoto. Jeová alega que o criou e isto tem diversos significados. Um artista cria uma obra. Eu acho pouco provável que Jeová tenha capacidade e competência para criar algo. Um pai e um padrasto cria um filho, mas é sempre a mãe quem gera. Olhando bem Satan, sua estatura, seu porte físico… tão diferentes de seu “Criador” que eu apostaria em sequestro. Objetos podem ser criados de matéria inanimada. Gerar um ser vivo requer um útero. Eu tentei ler para tentar detectar que tipo de feitiço Jeová lançou em Satan para ter tão abjeta subserviência que nem mesmo o mais rele mendigo de Asgard teria com meus irmãos e irmãs, mas eu não vi qualquer runa e sim outros tipos de sinais [parece aramaico], mas que possuem uma magia muito fraca para tamanha arte.

– O garoto ao menos tem educação e diplomacia. Qual o seu plano?

– Ensine a ele sua arte. A despeito de toda a doutrina e dogmática da Igreja, Satan persiste em ser meu anjo, não meu Adversário, muito menos opor-se a mim ou encenar o papel de Diabo. Sem um Antagonista, eu não posso ser o Protagonista. Sem o medo, a humanidade não se renderá à ignorância nem se entregará ao ódio. Somente quando a humanidade decair ainda mais é que eu poderei aparecer e oferecer a eles uma “salvação”, em troca de sua liberdade. E a humanidade me entregará suas vidas e almas gratuitamente, em troca de migalhas.

Foi assim que eu me vi tutelando Satan para que ele pudesse ser o Diabo necessário para os planos de Jeová. Podem me condenar se quiserem, mas eu sou Loki. Era de se esperar que tamanha fraude, mentira e trapaça viessem de mim. Mas veio de Jeová. O Deus de um povo escravo só se compraz onde há escravidão.