Arquivo da categoria: lider

Deus inventou o casamento

Quando Ken Ham [apologista americano] afirma que Deus inventou o casamento, ele está se referindo, evidentemente, ao Deus Cristão. Como cristão e fundamentalista, ele usa a Bíblia como base para sua afirmação. Há vários problemas nessa afirmação, começando pela autenticidade e autoridade da Bíblia e pelo fato que o Deus Cristão [Novo testamento] não é o Deus de Israel [Velho testamento].

Cristãos fundamentalistas acabam sempre tropeçando nas contradições e incongruências entre estes dois tomos contidos na Bíblia e suas tentativas de explicação acabam aumentando ainda mais as diferenças. Ken Ham usa a Bíblia para afirmar que Deus [o Cristão] criou o casamento por que não aceita o casamento entre pessoas do mesmo sexo.

Geralmente textos de apologistas colocam como assuntos correlatos família, casamento e gênero e usam a Bíblia para criticar qualquer coisa que destoe do que eles acreditam como sendo a “palavra de Deus”, tendo por base o que interpretam da Bíblia.

Mas o que a Bíblia realmente diz?

E criou Deus o homem à sua imagem; à imagem de Deus o criou; macho e fêmea os criou. [Gen: 1,27]

No original, usa-se a palavra Elohim, uma palavra que é um coletivo, o que é o suficiente para derrubar a ideia de que há apenas um Criador. Então nós temos que o texto primeiro fala de Homem enquanto espécie, não como um único indivíduo e que Elohim criou ao Homem, tanto macho quanto fêmea, o que indica que a natureza original da humanidade era transgênero, hermafrodita, andrógino. Isto é mais do que suficiente para acabar com a homofobia entre os cristãos.

Portanto deixará o homem o seu pai e a sua mãe, e apegar-se-á à sua mulher, e serão ambos uma carne. [Gen: 2,24]

Coabitar não é nem de longe o mesmo conceito do casamento. Por que Deus seria o inventor do casamento?

De acordo com Ken Ham, a resposta está em Gen: 2,18: E disse o Senhor Deus: Não é bom que o homem esteja só; far-lhe-ei uma ajudadora idônea para ele.

Mas não podemos esquecer-nos de Gênesis 2:19,20: Havendo, pois, o Senhor Deus formado da terra todo o animal do campo, e toda a ave dos céus, os trouxe a Adão, para este ver como lhes chamaria; e tudo o que Adão chamou a toda a alma vivente, isso foi o seu nome.

E Adão pôs os nomes a todo o gado, e às aves dos céus, e a todo o animal do campo; mas para o homem não se achava ajudadora idônea.

Na linguagem metafórica da Bílbia, quando Deus trouxe os animais para Adão os nomear, isto significava que Adão havia “conhecido” carnalmente cada tipo de fêmea dos animais, na busca de uma “ajudadora”. Isto é zoofilia, não é casamento.

Os versículos seguintes dão, novamente, a pista de que o Homem era, originalmente, ambos os sexos:

Então o Senhor Deus fez cair um sono pesado sobre Adão, e este adormeceu; e tomou uma das suas costelas, e cerrou a carne em seu lugar;

E da costela que o Senhor Deus tomou do homem, formou uma mulher, e trouxe-a a Adão.

E disse Adão: Esta é agora osso dos meus ossos, e carne da minha carne; esta será chamada mulher, porquanto do homem foi tomada. [Gênesis 2:21-23]

Assim fica fácil entender por que o homem deve se apegar à mulher e ambos serão uma carne. Antes o Homem era um gêmeo siamês, um hermafrodita. Depois da “engenharia genética”, o Homem foi separado em dois, na união carnal, o homem e a mulher voltam a ser uma só carne e isso não é casamento, é só sexo.

Isto é algo que os cristãos demorarão a entender – não é preciso estar casado para se ter relações sexuais, não é preciso estar casado para gerar descendentes. Na criação de Deus existe a heterossexualidade, a homossexualidade e até a assexualidade. Diversas espécies geram descendentes das mais diversas formas. Algumas espécies se multiplicam de forma assexuada. Algumas espécies portam no mesmo individuo ambos os gêneros. Algumas espécies alteram seu gênero para se reproduzirem. Algumas espécies mantêm uniões homossexuais, criando os descendentes que produziram depois de uma cópula heterossexual casual. Apenas o animal humano cria problemas com isso. Ou melhor, apenas organizações religiosas que precisam manter seu poder e influência a qualquer custo que criam problemas com isso.

Saindo um pouco da mentalidade limítrofe de Ken Ham, a humanidade conheceu diversas formas do divino, assim como construiu diversas culturas, sociedades que, conforme a época, os costumes e as crenças de cada povo, celebravam [e celebram] o casamento de diversas formas. Portanto o casamento não é uma “instituição divina”, mas cultural.

Anúncios

Hoshimiya Kate

Esta é nossa amada lider, Venera – sama. Seu nome mundano é Hoshimiya Kate. Para olhos carnais, ela parece ser uma garota de oito anos.

Apenas depois dela tirar as traves de nossos olhos que vimos a estrela brilhando entre sua madeixas em forma de chifres. De posse de sua arma, Galakxya, um aparente coelho de pelúcia “inofensivo”, ela conquistará o mundo pela persuazão do Amor.

Foi anunciado que viria uma criança para purificar este mundo e a humanidade.

Jure lealdade e talvez irás receber misericórdia.

PS: este é um personagem de anime, não uma pessoa real.