Arquivo da categoria: hipocrisia

A Irmandade do Capuz –III

Eu estou muito ocupado [eu falando com o meu Self usual], me preparando para minhas merecidas férias em outubro [e, para ser sincero, eu não sei se continuo a escrever]. O que mais há para ser escrito e contado escapa da minha criatividade e paciência. Vendo como anda o espirito dos brasileiros, eu receio por eventos piores do que um conflito nuclear entre EUA e Coréia do Norte.

Os leitores que gostem de anime como eu, devem conhecer o padrão dos animes [e jogos online]. O protagonista passa por uma jornada e diversas lutas e batalhas que preparam e treinam para a luta final com o vilão, a “fonte do mal”. Vendo tanta maldade no mundo, a impressão é que o Mal sempre sobrepujará o Bem. Essa maldade não está em Deus ou no Diabo, mas dentro de nós mesmos. Então, para ser honesto, otaku assiste anime do gênero mahou soujo pelas garotas e pelo serviço de fã.

Enfim, o espetáculo tem que continuar. Eu vou ao cenário de “enfermaria” e a equipe de cenário está acertando os últimos detalhes. Som, luz, claquete. Eu sou enfaixada [aqui falando com o Self encarnado] e eu tenho que vestir o “pijama de hospital”. Eu subo na maca e colocam fios de equipamentos e mangueiras que vem das bisnagas com medicação. Este é um cenário que eu conheço, tanto como “visitante” quanto como “paciente”. Eu espero que os leitores nunca tenham que conhecer uma experiência dessas.

– Oquei, todos em posição. Cena sete tomada um.

– Muito bem senhorita Tekubinochi, sua recuperação foi além das expectativas. Eu vim aqui para dar uma ultima olhada antes de te dar alta.

Eu tenho que manter a expressão indiferente e desinteressada. O ator que faz o papel de médico é Hugh Laurie. O estúdio está gastando todos os créditos, se pretendem fazer uma crossover com o seriado House. Entra em cena a “tenente capuz lavanda”. Eu desconfio que o roteiro foi escrito por alguma inteligência artificial.

– Então, doutor, como está nossa recruta?

– Está inexplicavelmente curada, oficial. Eu gostaria de fazer alguns testes para determinar a causa dessa recuperação incrível.

– Isso é desnecessário, doutor. Além do que, nós temos um cronograma. Todos os novatos estão aguardando para dar início à primeira preleção. Aqui está seu uniforme, recruta, vista-o e me siga.

Meu uniforme [ridiculamente colado ao corpo, mas surpreendentemente confortável] tem as cores vermelho e preto, o que eu considero perfeito, por minha devoção por Exu. Eu segui a Rei [tenente capuz lavanda], mantendo o mesmo desinteresse e indiferença. Mesmo como Erzebeth, não é fácil ficar próxima de Rei e eu tento não babar quando eu dou uma olhada em seu corpo ou na forma como ela move seus quadris.

– Beth… ou Durak… tente não estragar tudo, oquei? Seja lá o que for que você ache que sente… não sinta. Não espere que o multiverso seja uma mera válvula de suas fantasias. A distância que existe entre nós é a mesma que existe entre uma pessoa comum e uma celebridade.

Rei diz como se isso fosse algum tipo de revelação ou verdade. Eu sei que minha vida em qualquer outra realidade no multiverso seria tão infeliz quanto a presente. Eu sou um mero personagem da Sociedade que, por desígnios que não me incumbem de declarar, também cumpre com a função/papel de escriba.

– Dizem que se juntarem mil macacos em uma sala, eventualmente escreverão um livro. Nós temos uma encenação, vamos encenar. Mas pergunte-se, “tenente capuz lavanda”, quem está se enganando, quem encena ou quem assiste? Como você pode ter certeza de que exista alguém que realmente gosta de você?

A equipe de produção armou o cenário por todo o ginásio onde eu me juntei a uma centena de coadjuvantes. Não importa mais se Rei me ama. Não importa mais se a Deusa me ama. O que você tem que aprender, leitor, plateia, é que você tem que primeiro se amar. Apostar ou ter expectativa de que você receberá tanto amor quanto você dedica ao outro sempre resulta em decepção. Ao sinal do diretor, a equipe de iluminação desliga os holofotes e deixa apenas um foco de luz na plataforma central, que se ergue, um truque velho do teatro para que o cenário empreste uma carga dramática ao encenado.

– Sejam todos bem vindos à Irmandade do Capuz. Nossa base é a verdade e nosso objetivo a justiça. Eu não vou engana-los. Nós estamos em guerra. Nosso inimigo é cruel e implacável. Muitos aqui não voltarão vivos, mas o sacrifício que vocês fizerem será lembrado pelas gerações futuras e seus nomes serão celebrados como heróis. Saibam que, no final, nós venceremos, porque nós estamos do lado do Bem e do lado de Deus. Nós iremos corrigir e eliminar todo crime e pecado do mundo. Então sigam avante e nada temam! Nossa causa é pura e justa! Nós vamos tornar possível o Reino de Deus, aqui e agora!

Gritaria, aplausos, animação. Os novatos começam a entoar cantigas que eu conheço do campo de batalha. Um ou outro, mais animado, dizia chavões, palavras de ordem, que a humanidade achava que estavam esquecidos, superados. Mas não, a sede de sangue e sacrifício do ser humano ainda não está saciada. As páginas da história estão repletas de massacres cometidos em nome de um ideal, de um governo, de uma religião, de um Deus. Desculpas e justificativas esfarrapadas para que o ser humano se autorize a cometer atrocidades. O alarme soa estridente e sinais luminosos disparam.

– Invasão! Nós fomos invadidos! Estejam preparados, recrutas, pois nossa luta começa agora!

Algo está errado. A expressão da equipe de apoio mostra que não são atores que estão fazendo uma cena de batalha. Eu reconheço quando um batalhão está em operação e quando são coadjuvantes fazendo uma triste mímica de combate. Os tiros são bem reais, assim como o sangue e os corpos que vão se empilhando no chão. Todos ficam em choque, sem saber o que fazer.

– Tolos humanos! Essa farsa sem sentido acaba hoje! Nós, espectros, estamos fartos da humanidade e de sua hipocrisia. Basta de encenação e farsa! Mostrem o poder desse deus, dessa verdade e dessa justiça!

Eu tenho que avaliar a situação da forma mais lógica e racional possível. O perigo é real, não é uma simulação nem é um jogo onde se possa reiniciar. Os milicianos não vão perguntar quem está contra ou a favor, todos ali serão atacados e mortos. Em uma situação normal, eu assistiria essa cena de longe, se possível, sem me envolver, mas eu estou no meio disso tudo. A decisão vem fácil, assim como a deliciosa sensação, uma mistura de adrenalina e vontade de matar. Todo soldado enfrenta isso em campo de batalha, quando começa o embate. Não há mais “pelotão”, o soldado vê que está sozinho contra um batalhão, sabe que não tem a menor chance, mas a alegria de estar em combate em campo de batalha, a satisfação de liberar toda a agressividade… é quase tão bom, às vezes melhor, do que o êxtase provido pelo sexo. A energia do Senhor da Floresta flui livremente pelo corpo e eu vou com tudo. Os milicianos começam a cair, cheio de dores, escoriações e ferimentos.

– Coooorta! Alguém pare essa atriz doida!

– Hei… Beth… ou Durak… acalme-se, oquei?

Minhas mãos foram detidas a poucos centímetros e segundos de matar um miliciano. Eu percebo que Zoltar é quem segura minha mão e Alexis faz um escudo vivo diante do miliciano petrificado.

– Zoltar… Alexis… mas o que vocês estão fazendo aqui?

– Os produtores queriam dar mais “realismo” nessa encenação “live action” então nos pediram para trazer amigos, vizinhos e parentes.

– Essa não… não me diga que Miralia….

– Ela veio também. Afinal, ela precisa ganhar experiência. Mas não se preocupe, ela não estava escalada para esta cena.

Ambos os selfs suspiram aliviados. Mas não deixam de ficar preocupados. O que resta pensar e perguntar é se eu vou conseguir [ou escrever] o capítulo seguinte.

Anúncios

Sovando a massa

Como se não bastasse o brasileiro estar dividido após a conclusão da conspiração que ensejou o golpe que trouxe ao poder um governo usurpador, os grupos que amealharam exposição e popularidade [VemPraRua, RevoltadosOnline, MBL] estão deixando cair cada vez mais suas máscaras de seu moralismo hipócrita e mostrando o que realmente são: fascistas. Não é mera coincidência que esses grupos, junto com os bots da alt-right e a Mídia Oligarca tem tentado, a todo custo, disfarçar o mal-estar depois da “manifestação de supremacistas brancos” [cofcof neonazistas] em Charlottesville. Os americanos tem Donald Trump, nós temos Jair Bolsonaro [entre outras excrescências da direita conservadora, fascista e reacionária].

O prato que está sendo servido para o público [a massa] externar seus medos, inseguranças, ignorâncias, histerias e paranoias, foi a Exposição Queermuseu. Que a ideia da “manifestação em repúdio” nasceu das cabeças carolas [antiquadas e
obsoletas] mais típicas das Senhoras de Santana [ou do IPCO], é algo que se pode esperar de um país ainda predominantemente conservador e católico. O que não pegou bem foi que o “movimento” foi alavancado pelo MBL, não por questões técnicas, artísticas ou filosóficas, mas porque a exposição “ofendia os valores cristãos ocidentais”. Eu fico imaginando o que seria de Oswald de Andrade, o Oscar Wilde brasileiro, se ainda estivesse vivo. A frase tão atribuída a ele, que “a massa ainda comerá o biscoito fino que eu fabrico” viraria algo como com a massa sovando ele “para fazer dele um macho de verdade”.

Esse é um tipo de “assunto” que é simplesmente ignorado pelos programadores e produtores por detrás do Colégio Sweet Amoris. Agora que o jogo adotou a mesma linguagem dos “reality shows”, uma proposta assimilada pelas emissoras de televisão para tentar acompanhar [ou evitar] a concorrência da internet, ainda que não seja dito, a impressão é que os “participantes” seguem um roteiro. Para ser sincera, todo jogo online é baseado em um roteiro cujo transcurso consiste em cumprir missões predeterminadas. A vida é imensamente mais complexa e complicada.

O prompter vibra e pisca. Eu recebo a “atividade” do dia. Engraçado que nenhuma das “atividades” envolvam assistir aulas ou aprender. Nenhuma interação com professores, pouca interação com outras personagens femininas. Eu fico intrigada ao saber que tem mulheres na equipe de programadores, desenvolvedores e produtores. Como mulheres podem achar normal um jogo onde meninas fiquem disputando pela atenção [paquera] dos homens? Onde fica a sororidade? E a paquera com meninas? Ou paquera com professores [ou professoras]?

Alternativa A: voltar ao Diretório dos Estudantes e pegar mais um serviço com Lily. Alternativa B: voltar ao Estúdio de Arte para recolher o material com a April. Alternativa C: voltar para a classe e relatar para o Nat que “cumpriu” com as “atividades disciplinares”. Alternativa D: vagabundear pela escola e ficar encarando os meninos na quadra. Quem montou isso deve ter uma ideia brilhante de como deve ser o futuro de uma garota. Duas alternativas são complementares [mas isso também é ignorado
pelos programadores]. Eu estou de bobeira depois de dar um toco no Cast e matar o fantasma do meu passado. Eu quero deixar Nat por ultimo, então pela lógica eu volto para April, que parece estar ensinando algo para seus alunos.

– Por isso, alunos, que vocês devem ser veganos, como eu.

– Hei, April, a diretora sabe que você está fazendo proselitismo religioso?

– O que é isso Beth? Eu estou explicando aos alunos sobre o vegetarianismo.

– Então você não sabe que o vegetarianismo surgiu na América e seus fundadores tinham ligação com a Igreja Adventista?

– Ai que bobagem, Beth, vegetarianismo não tem nada a ver com religião, mas com saúde, ecologia e ética. O ser humano é herbívoro.

– O que caracteriza um animal herbívoro é a presença do diastema, coisa que o ser humano não possui. Os molares de um herbívoro são específicos para a mastigação de vegetais, os molares humanos não são tão específicos assim. Portanto o ser humano não é herbívoro, mas onívoro. A história, a antropologia e a biologia demonstram que nossa espécie se distinguiu, desenvolveu um cérebro, por que nossos antepassados comiam carne e tutano. Comer não tem coisa alguma com moral, mas com a ingestão de nutrientes. Foi comprovado que no organismo humano a “proteína” vegetal tem menor absorção do que a proteína vegetal. Se vamos falar no “sofrimento”, então deixemos de comer vegetais, verduras e frutas, afinal plantas também sente dor. Animais morrem e são mortos na produção agrícola.

– Não fale bobagens, Beth. Comer carne faz mal ao homem e ao ambiente. Matar outro ser vivo senciente é eticamente questionável.

– Se nós vamos falar em “moral” ou “ética”, ficaríamos estarrecidos em ver como é produzido o alimento “saudável” na Farm Ville. A Farm Ville, para ter solo para plantar, mata toda a plantação nativa e os animais que ali vivem acabam morrendo por fome ou por eliminação.
A Farm Ville, para ter boa produção, usa agrotóxicos e fetilizantes quimicos que ao cairem nos rios atingem uma região maior e matam mais plantas, animais e pessoas. A Farm Ville, para coletar sua produção, acaba matando animais de porte médio que sobreviveram ao agrotóxico e à exposição ao fertilizante químico. A Farm Ville, para garantir uma produção comercialmente competitiva, altera genéticamente as sementes, incluindo produtos nocivos ao organismo humano. A Farm Ville ainda lava e embala seus produtos com isopor e plástico, sustentando duas indústrias notoriamente prejudiciais ao ambiente.

Nosso debate [ou pelo menos uma tentativa] foi interrompido por uma enorme agitação, correria e grios do lado de fora. Nós [eu, April eos alunos da aula de arte] saímos da classe. Eu pude ver Nat atravessando na nossa frente, cambaleante e lívido. Devem ter achado a minha “obra prima”. Eu caprichei na minha cara de paisagem enquanto a patrulheira glitter foi fazer aqui que ela abe fazer bem – ser uma boçal adocicada.

– Nossa, Nat, o que aconteceu?

– Foi horrivel… acharam o corpo do Ken aqui perto.

– Mataram o Kenny? [eu fiz referência ao South Park]

– Sim. Isso nunca aconteceu no Colégio Sweet Amoris. Quem poderia ter feito isso?

– Quem sabe? Quando o jogo era apenas uma plataforma virtual, os jogadores não interagiam diretamente como nessa versão “live action”. A realidade virtual tem um filtro, mas quando se junta tanta gente em um local, não há filtro que segure o ser humano. [eu falei, fingindo indiferença]

– A diretora me mandou chamar todos os “alunos”. Eu acho que ela vai acusar o Castiel. Afinal, todos sabem que ele é o líder da gangue.

– Oh, coitadinho! Vai ser feito de bode expiatório! Seria tão bom se existissem aqueles heróis que lutam pela justiça… [eu insinuei, para provocar a patrulheira glitter]

– Bem pensando… eehh… quer dizer… eu acho que sei onde nós podemos encontrar ajuda.

Eu sinto que vou desapontar os leitores por dizer que eu assisti a série Glitter Force [existem inúmeros animes mahou shojo e a melhor parte é a transformação] e fiquei decepcionado com a [inexplicavelmente longa] sequência com a transformação, sem graça e anatomicamente impreciso. Isso não era algo que os “alunos”, programadores e produtores do jogo nessa fase “live action” esperavam. O Colégio Sweet Amoris se tornou um crossover com Glitter Force.

– As cinco luzes que nos guiam ao futuro! Brilhe! Smile Precure!

Eu devo concordar. Elas são bem chamativas. Impossivel não notá-las. Cores berrantes e brilho excessivo. Sem falar nas roupas. Elas precisam urgente ir ao Esquadrão da Moda. O espanto deu lugar ao riso bem rápido, porque… bem, elas estão vestidas como palhaças.

– Ahm… Glitter Verde… porque nos chamou? Onde está o Bufão?

– Ele deve estar aqui! Nós só temos que encontrá-lo!

– Com licença, senhoritas, mas quem são vocês e o que vieram fazer aqui?

– Está tudo sob controle, “civil”, a Glitter Force chegou para trazer a paz, o amor e a justiça.

O ato falho revela aquilo que eu sempre soube. Debaixo de toda aquela fachada de “boas moças” e toda aquela conversinha sobre amizade, união e companheirismo se escondia uma mentalidade militarista, reacionária e fascista. Evidente que na animação isso não é facilmente percebido porque o público projeta sua própria sombra, o seu lado maligno, nos personagens vilões.

Não percam o ultimo episódio.

Quer mostarda ou quer ketchup?

A cena pareceu ficar suspensa na parte recente, mas o jogo é assim, como eu havia dito, todo ele é ambientado no colégio e não há qualquer outra parte encenada em outros ambientes. Novamente, eu não tenho alternativa nas ações ou eventos, eu tenho que ir ao Diretório dos Estudantes para fazer as “atividades escolares” que me forem passadas a título de “correção de disciplina”.

– Com licença? Eu vim aqui para cumprir minha penitência.

– Oi, você deve ser a Beth. Prazer, eu sou a Lily. Não fale em penitência, mas atividades disciplinares. Só Deus pode nos julgar.

Eu dou uma olhada no tipo. Mediana em tudo e cabelos louros. Parece uma versão menor da Amber, mas irritantemente gentil e humorada. Eu acrescento esta à “patrulha glitter” que resolveu aparecer nessa “live action”. O jogo Amor Doce é incompreensível no mundo contemporâneo, eu duvido que alguma garota goste da Série Precure [como é chamado no original]. Compreensível se pensarmos no gênero bishojo ou mahou shojo, mas a franquia tem um desagradável maniqueísmo mais típico do Cristianismo ao enquadrar os sentimentos e emoções em apenas duas categorias [bom/bem vs ruim/mal]. Todos os nossos sentimentos e emoções são igualmente importantes e somos nós, em nosso moralismo dúbio e hipócrita, que os tornamos bons ou ruins. Quando nós damos preferência aos “sentimentos bons” em detrimento aos “sentimentos ruins”, o resultado é isso que eu vejo na minha frente: uma garota [um ser humano] imatura e infantilizada.

– Como queira. Qual é a minha atividade disciplinar?

– Hoje nós vamos precisar que você nos ajude a carregar os materiais para a aula de artes. Vai ser sensacional!

Nada demais. Quatro caixas que parecem grandes e pesadas. Lily deixa o queixo cair quando eu levando e empilho as quatro caixas, sem dificuldades, em cima da plataforma móvel. No caminho eu ouço algumas risadas, coisa típica de colégio de adolescentes e eu sei que a zoação está sendo liderada pela Amber. Felizmente eu estou vacinada pelas experiências com meu outro Self. A melhor estratégia é não dar audiência. Aos poucos fica sem graça e a galerinha fica sem jeito de continuar a tripudiar. Evidente que essa parte é convenientemente ignorada pelos produtores desse “reality show”. O cenário da classe da aula de arte parece vinda de algum livro do prezinho. Essa deve ser a concepção mais usual das pessoas comuns sobre o que é uma aula de arte. Eu não estranho a polêmica e celeuma criada em cima da Exposição Queermuseu. As pessoas comuns acham que fazer arte é rabiscos de crianças de cinco anos.

– Com licença? Professora? Eu trouxe as caixas com o material da aula.

– Ah, oi! Você deve ser a Beth. A Lily avisou que você vinha.

Eu dei uma boa olhada no tipo. Alta e sem curvas, cabelo com um tom esverdeado. Anotada como parte da “patrulha glitter”. Ela quase fez questão de pegar as caixas, mas eu me adiantei, peguei as caixas e coloquei no centro da sala, para espanto geral.

– Puxa você é bem forte. Deve ser tão forte quanto a Kelsey.

Eu sei bem aonde isso vai acabar. Na concepção machista e sexista da sociedade ocidental, uma garota [mulher] que é forte [ou musculosa] só pode ser masculinizada [senão lésbica]. Elas não devem conhecer Riley. Eu dou de ombros e saio, porque a minha “participação” [nessa parte] acaba nesse ponto. O prompter que nós todos somos obrigadas a carregar pisca, vibra e sinaliza que eu tenho uma tela de opções para escolher. Eu estou concentrada nas “alternativas”, tentando pensar em como eu posso quebrar essa limitação, quando uma voz abafada, quase um murmúrio, parecia me chamar.

– Be…Beth? Sou eu, o Ken.

– Ken?

– S… sim… nós somos… amigos de infância…

Eu dou uma boa olhada no tipo. Um garoto com roupas inadequadas, amarrotadas, cabelo de tigela, óculos fundo de garrafa e uma pilha de livros debaixo do braço. O estereótipo do nerd. Eu dou uma boa olhada no prompter, mas esta cena não está na programação. Seria um ensaio? Enfim, eu de certa forma me enxergo espelhado nesse tipo. Meu Self costumeiro passou esse perrengue que muito adolescente deve passar na escola e colégio. Eu quase entendi porque meus colegas me desprezavam e ignoravam. Mas eu sabia de meu lugar e condição, ao contrário do Ken. Ele parece inofensivo, mas no fundo ele é um masculinista em desenvolvimento. A maioria dos masculinistas foram como Ken em sua juventude e tomaram um toco das garotas e se tornaram misóginos ao ponto de defender “estupro corretivo” para as lésbicas.

Não há um monitor, os “alunos” mais próximos parecem estar concentrados em outras coisas, eventos e pessoas. Eu tinha que fazer isso. Eu tinha que fazer algo com o Ken para matar o meu passado e as minhas mágoas. Ken parece confuso e aturdido. Ele tenta desesperadamente respirar, manter o equilíbrio, mas o sangue espirra profusamente de sua carótida, perfurada pela ponta da minha caneta. Algo bem simples e rápido. Eu só preciso dar alguns passos para trás para evitar ficar manchada de sangue, que se espalha pelo chão e forma uma moldura ao redor do corpo inerte e sem vida do Ken.

Satisfeita com a morte do Ken, do meu passado, de minhas mágoas, eu opto pela “alternativa” mais improvável, que é uma parte com Castiel, o bad boy de plantão e o pior estereótipo do jovem “rebelde”. Enquanto eu vou ao “ponto” previsto, eu percebo movimentação da equipe de apoio. Os produtores não esperavam essa opção. Eu tenho que segurar minha risada, pois vai seu muito mais engraçado quando encontrarem a minha “obra prima”. Eu sinto meus olhos queimarem de satisfação quando eu penso no chilique que o Nat vai ter.

– Aham… você é a Beth?

A equipe de maquiagem sai de fininho para não ser enquadrada pelas câmeras e o Castiel segue o roteiro e a “personalidade” de seu perfil.

– Quem quer saber?

– Aham… Eu fiquei sabendo de sua luta na piscina contra o Pedrão. Eu queria entender como você pode aceitar ficar fazendo essas atividades estudantis impostas pelo Conselho de Disciplina?

– Não é gentil não se apresentar.

– Eu sou Castiel.

– Então, Cast, ao contrário de você, eu não tenho necessidade alguma de ficar me afirmando. Eu não preciso provar coisa alguma a quem quer que seja. E você não me engana nem me assusta com essa pose de bad boy. Aposto que você é um filhinho mimado da mamãe.

– Ah… ummm… errr… então… olha, você é novata aqui, então eu vou deixar por isso mesmo, só por hoje.

– Puxa, obrigada. Quando quiser encarar é só avisar.

Tal como seu “parceiro” Pedrão, Castiel sai de fininho. Como todo valentão, é covarde. Não está acostumado a ser contestado nem desafiado. E não tem autoconfiança suficiente para “pagar para ver” se eu estou blefando. Coitado do Castiel. Ele é um amador, eu sou profissional. Eu vou adorar espremer essa sementinha para fazer creme de mostarda.

Uma pitada de sal para temperar

Até meus sonhos recorrentes em sala de aula e escola são melhores do que as aulas no Colégio Sweet Amoris. Eu não podia esperar um conteúdo mais verossímel, considerando que o objetivo do jogo é paquera. Outro ponto negativo é a completa falta de caráter e personalidade dos professores. Eu continuo cismada com o alinhamento milimetricamente exato das carteiras, a completa ausência de sujeira [ou de grafites] ou da bagunça que acontece normalmente quando se junta muita gente.

Os idealizadores do jogo não se esforçaram sequer na caracterização dos personagens interativos. Eu me sinto em um filme americano ambientado no colégio, tantos são os clichês e estereótipos. O típico garoto rico e mimado pelos pais. Sua contraparte feminina, fútil, superficial, vazia, mas invejada por outras garotas porque é popular. O valentão, capitão do time, que as garotas vivem babando, mas socialmente é um perfeito imbecil. O nerd, que é o CDF e o alvo da zoação da turma, que inexplicavelmente tem um crush por você. O conteúdo das aulas é completamente irrelevante para a vida prática e isso acontece também no mundo humano. Outro ponto em comum é que eu não pretendo interagir com os personagens, então eu fico quieta, na minha, comendo meu lanche.

– Oi? Você deve ser a aluna nova transferida, certo?

Eu dou uma boa olhada no tipo. Alto, loiro, magro. Eu faço cara de paisagem, mas eu queria vomitar. Eu odeio mauricinho.

– O pessoal do Diretório de Estudantes me passou sua ficha. Prazer, eu sou Nathaniel, o Representante de Classe… hã… senhorita… Tekubinochi?

– O pessoal me chama de Beth.

O mauricinho me olha intrigado, provavelmente por que o sobrenome [asiático] não combina com minha aparência latina.

– Certo, Beth, desculpe eu interromper seu lanche, mas o Diretório de Estudantes esqueceu-se de te pedir o formulário de inscrição assinado e fotos. Você poderia fazer o favor de assinar o formulário e entregar duas fotos?

Eu mantenho minha cara de paisagem, mordo o ultimo pedaço do sanduíche e sorvo o resto do suco, sem pressa.

– Onde eu assino?

– Aqui.

– Eu só posso trazer duas fotos semana que vem.

– Certo… então… tem uma papelaria aqui na escola onde você pode tirar as fotos.

– Oh, puxa, que coisa… eu não vim com dinheiro e só devo receber mesada no mês que vem.

– Oquei… vamos combinar assim. Eu te pago as fotos e você me reembolsa no mês que vem.

– Se você insiste…

Sim, ele insiste. Ele tem mania de perfeição. As garotas ficam nos encarando, provavelmente me jurando de morte. Típico sonho e fantasia masculina. Ver as mulheres competindo e brigando por eles. Eu morro, mas eu não vou dar esse gosto. Novamente, eu fico incomodada com a aparência extremamente organizada e arrumada da papelaria. Eu vou até o “estúdio”, sento na banqueta e faço mil bocas e caras, deliberadamente provocando o mauricinho.

– Quando estiver pronta, me avise, Beth.

– Diz aí, Nat, quanto você leva para trazer as alunas aqui?

– Como é?

– Eu que pergunto. O dono é parente seu?

– Não… [visivelmente contrariado] Por favor, sente-se corretamente para a foto. As fotos são para seu cadastro e crachá no colégio.

– Ah, sim, senhor! Eu não sabia que eu estava sendo arregimentada para o Exército, senhor!

Nat fica vermelho quando eu faço continência mostrando a língua e ainda dou uma banana com meu braço. O atendente segura a risada para poder tirar a minha foto. Ele torce os lábios porque não ficou… perfeita, mas vai ter que servir.

– Mas… o que significa isso, Nathaniel?

– Agora não, Amber…

– Agora, sim senhor! Essa novata não pode te tratar desse jeito!

Eu dou uma boa olhada no tipo. Alta, loira, em forma. Praticamente um reflexo feminino do Nat. A patricinha do colégio e certamente a irmã superprotetora.

– Algum problema, Nat? O que pode ser tão grave que sua namorada tem que intervir?

[ambos, roxos] – Na… na… na… namorada?

– O que você está falando, novata? Não tem noção não?

– Amber é minha irmã gêmea, Beth.

– Sei… se bem que, hoje em dia, isso não quer dizer que não sejam namorados.

[visivelmente aborrecido] – Não fale bobagens, Beth. Isso seria… impróprio. E contra as leis de Deus.

– Qual Deus? Eu conheço doze. Se for o semita, não foi Ele quem mandou Adão e Eva se multiplicarem? Sendo ambos irmãos? Gêmeos?

Eu quase sinto pena do Nat enquanto fumaça sai da cabeça dele. Amber, mais agressiva e menos articulada, vem com tudo para cima de mim. Oquei, aqui são todos adolescentes, Amber pode parecer ser maior e mais forte, mas este corpo onde eu estou encarnado carrega a minha habilidade com artes marciais. Nat assiste, atônito, sua irmã voar e cair dois metros adiante. Funcionários, assistentes e fiscais do colégio aparecem aos montes para ajudar a patricinha. Evidente que os gêmeos nada falam nem me denunciam. Amber é levada para a enfermaria e Nat tenta terminar sua ronda.

– Oquei… certo… eu vou deixar assim por hoje. O que importava é sua assinatura e as fotos. Eu só te peço para ter cuidado, Beth. Violência não é permitida aqui.

– Diga isso para sua irmãzinha. Eu só me defendi.

– Por isso que eu vou relevar. E por favor, não fale mais que nós somos namorados. Ou sobre sua crença pagã.

– Por mim, tudo bem. Não me provoquem e eu não provoco.

– Ótimo. Combinado.

O meu relógio de pulso vibra. Um relógio similar a esses que compartilham sinal com smartphones. Eu vejo uma mensagem de status indicando que eu passei para o nível 2. Eu dou de ombros, pois é irrelevante. Assim como o resto das aulas e o retorno para minha “casa”. Eu só estou começando.

Doce demais estraga os dentes

Uma música insuportavelmente melosa faz com que eu acorde. Eu vejo que a música vem do despertador do meu celular. Uma dessas musiquinhas populares que grudam feito chiclete. Eu fico ranzinza, tentando pensar em um culpado quando eu me dou conta de que eu não estou no meu quarto que eu costumo despertar. A decoração é infantilóide e feminina demais para o meu gosto. Eu tento não ficar furioso, pensando quem seria o autor dessa pegadinha quando alguém bate três vezes na minha porta. A voz de uma mulher madura ressoa abafada, do outro lado da porta.

– Querida, se arrume e desça para o café! Senão você vai chegar atrasada para a escola!

Por alguns segundos eu pensei que tivesse voltado ao meu quarto como Sasaki Shishi, mas o enorme espelho do armário mostra que eu encarnei em minha forma adolescente de Erzebeth. Oquei, não é algo que eu não consiga fazer. Dentro do armário, eu vejo cinco jogos de roupas combinando. Devem ser os uniformes da escola. Cena típica de anime. Dez minutos depois eu desço as escadas para começar a minha interação com os outros personagens “família”.

– Nossa, querida… você desceu rápido hoje!

Uma mulher madura, por volta dos trinta, em roupas sociais, sorve seu café e evita que a torrada suje suas roupas, deve ser a “mãe”.

– A princesinha deve ter percebido que é o patinho feio.

Uma garota, mais velha do que eu, me olha com desprezo, deve ser a “irmã”.

– Eu espero que isso signifique que ela vai começar a estudar.

Um garoto, mais velho do que eu, me olha com desconfiança, deve ser o “irmão”.

– Papai, a Beth não está arrumada, ela parece mais um menino.

Uma garota, mas jovem do que eu, me olha com decepção, deve ser a “irmãzinha”.

– Hah! Eu sempre desconfiei! Beth é sapatão!

Um garoto, mais jovem do que eu, me olha com repulsa, deve ser o “irmãozinho”.

– Vamos para com isso, pessoal. Vamos tentar ter um café calmo e agradável em família.

Um homem maduro, por volta dos quarenta, mal tira os olhos do jornal e está igualmente com roupas sociais, deve ser o “pai”. Eu me sinto em meio a um comercial de margarina. Não existe família assim. Eu imagino que isso é coisa de Leila, mas eu não pretendo colaborar.

– Eu agradeço as boas vindas de todos, mas eu devo avisar que a criatura fútil que vocês conheceram como “Beth” não existe mais. Obrigada pelo café. Vou para a escola. Tchau.

Eu levanto, atravesso a cozinha, a sala, passo o pórtico, sem olhar para trás. Eu não preciso. Como uma típica cena de animação, a “família” deve estar com olhos arregalados e queixo caído. Eu dou uma boa olhada na vizinhança. O cenário define muito a cultura onde a encenação está acontecendo. Casa praticamente iguais separadas por cerquinhas de madeira pintada de branco. Eu moro em um típico subúrbio americano. Mais pessoas vão aparecendo na rua, a pé, ou de carro, ou esperando o ônibus. Não é difícil encontrar o ponto do ônibus escolar, uma fila de jovens perfilados ao lado de um imenso poste amarelo com enormes letras garrafais em vermelho escrito “school bus” não deixam dúvidas. Marquem bem isso: eu fiquei no fim da fila, esta é a única concessão que eu faço.

– E aí, Beth? Acordou cedo? Chegou cedo? Ou você não é a mesma?

Uma garota enorme, cabelos alaranjados e corpo atlético, me encara com um sorriso sarcástico e irônico. Ao lado dela, uma garota pequena, cabelos pretos escorridos, me encara como se eu fosse uma atração de circo.

– Oi, Riley, oi, Gill. Eu posso arriscar que isso é ideia de Leila?

– Talvez sim, talvez não.

– Tanto faz. Eu não vou seguir roteiro.

– Exatamente o que Leila quer. Espere até chegar na nossa “escola”. Você é muito inteligente, vai sacar de cara o que nós queremos encenar.

Qualquer encenação com Leila e Riley só pode ser confusão. Mas é o meu couro que fica no risco. Eu dou de ombros, afinal, ninguém me linchou, por enquanto. O ônibus escolar chega [ônibus amarelo…], a fila anda e eu e as meninas embarcamos. Ver jovens tão homogeneizados, sentados, quietos, comportados… eu sinto arrepios. O ônibus só parte com todos sentados. Eu vou observando a minha “cidade” e vejo ruas limpas, asfalto parecendo seda, pessoas cordatas e gentis. Definitivamente, nós não estamos em Houston, Doroty. O ônibus entra e estaciona milimetricamente alinhado com a vaga que lhe cabia no enorme pátio, cheio de ônibus… todos iguais, incomodamente iguais.

– Vamos andando, Beth. Eu tenho certeza que você vai dar muita risada.

Com enorme facilidade, Riley puxa eu e Gill pelo braço. Gill praticamente alça vôo e eu tento acompanhar para ela não arrancar meu braço. Riley solta um “tcharam” diante do portão de entrada da nossa “escola”. Eu reconheço esta construção. Esta é a “escola” onde basicamente acontece todo o jogo Amor Doce. Os alunos em volta começam a olhar esquisito para mim, porque eu desando a rir insanamente.

– Eu sabia que você riria.

– Hahahaah… oquei… deixa eu tomar fôlego. [respiração profunda] Melhorou. Qual é a ideia dessa encenação, Riley?

– Sinceramente eu não sei. Leila pediu que eu te trouxesse até aqui. Daqui em diante, é por sua conta. Cya!

Eu até poderia dizer que foi “por acaso” que eu encontrei indicações desse jogo. Mas não existem coincidências. Em pleno século XXI, eu só imagino se ainda existe alguma adolescente que curta esse tipo de “romance”. Com o feminismo finalmente tendo seu espaço na sociedade, torna-se incompreensível um jogo onde o “objetivo” é paquerar meninos. Oi? O machismo mandou um abraço aos idealizadores. Quem disse que “paquerar meninos” é a prioridade de toda garota adolescente? Quem disse que o mundo [ou o universo] gira em torno do falo masculino? Enfim, eu estou “dentro” do jogo e não sei até que ponto eu posso interagir com os personagens ou até que ponto eu poderei tornar as coisas mais… imprevisíveis. Eu juro que, se eu tiver a oportunidade, eu vou ser uma psicopata.

– Oi! Bem vinda! Você deve ser a aluna nova transferida!

Uma garota de cabelos rosáceos, provavelmente vinda da Glitter Force, me ofusca com seu sorriso. Ela carrega uma prancheta e vários papéis.

– Meu nome é Emily e eu estou aqui em nome do Diretório dos Estudantes para lhe dar as boas vindas, apresentar a escola, os professores e sua classe. Mas como dizem os diretores, primeiro as prioridades. Por gentileza, preencha seus documentos que eu cuido da burocracia.

Oquei, segunda concessão. Criar caso em preencher um calhamaço de papéis é inócuo. Algo que eu faço em cinco minutos. O que deixou a Emily impressionada.

– Okidoki. Siga-me.

Nada demais, amenidades, frugalidades. Quem desenhou a “escola” podia ter feito um projeto melhor. Os personagens “professores” são tão superficiais e vazios quanto os professores humanos. Eu fiz um mico e fiz reverência como se eu estivesse em um anime. Hábito. A classe está com todas as carteiras perturbadoramente alinhadas. Eu escondo meu nervosismo e escolho um lugar vazio aleatoriamente. Que comecem os jogos.

O Evangelho Segundo Gorgonzola

Quarto Evangelho dos Evangelhos de Genésio, traduzido do original Gospel of Cheesus, remasterizado por Kim Kardashian.

Pare de ler essa porra. Sério, pare de ler agora. Essa porra é mais um de inúmeros textos supostamente inspirados, iluminados e reveladores dessa merda toda chamada religião. Disse um sábio [se é que um sábio se dê ao trabalho de escrever] que a letra é morta. Então que porra você acha que um texto supostamente sagrado pode ter que você mesmo não saiba? Então pare de ler essa porra. Algum dia a humanidade terá conhecimento suficiente para inventar uma tecnologia onde textos possam ser automaticamente criados. Um robô desses conseguiria escrever uma enciclopédia de livros sagrados em alguns dias só compilando esse monte de merda cheia de lugares comuns e combinações de frases que soam com um falso tom espiritualizado. Então pare de ler essa porra que eu não vou escrever porra alguma relevante.

Provolone se acha muito fodão, dizendo que é casca grossa. Foda-se ele, a casca dele e a Grande Vaca. Fodam-se todos. Nós somos todos grandes Filhos da Santa Meretriz, para não usar a palavra mais correta. Todos nós nascemos de um ato obsceno, feito no meio das coxas e nós ainda nos escandalizamos com um corpo desnudo. Essa porra de medo, vergonha, rejeição a tudo que advém do corpo, como o sexo, o desejo, o prazer, vem tudo dessa merda chamada religião. Eu não vou coadunar, eu não vou colaborar. O capitão batizou-me como Gorgonzola porque eu sou descrente dessa porra toda. Ou como os outros vermes submissos preferem dizer, Gorgonzola porque tem uma porra de um fungo me devorando por dentro. Uma forma sutil de dizer que eu estou morto por dentro. Fodam-se todos.

Sério, qualquer criança com dois neurônios perguntaria como piratas, anarquistas por padrão, vão ter uma porra de capitão. Qualquer imbecil vai questionar como marinheiros sem um dobrão podem conseguir um barco a remo, quanto mais uma galera. Então com que porra de dinheiro nós temos armas, mantimentos, ferramentas e treinamento para abalroar uma merda de nau capitânia? Quando um grupo de mercenários aparece, sob quaisquer bandeiras, desconfie que exista um patrocinador oculto. Quando um grupo de piratas surge com uma hierarquia naval militar, desconfie ainda mais. Quando almofadinhas desocupados começam a escrever romances sobre essa merda toda, tenha certeza de que isso também faz parte de um plano sinistro para te dominar.

Eu escrevo porque não tenho escolha, porque eu estou sendo obrigado, porque eu estou confinado na prisão. Eu estou fodido, então eu vou levar alguns comigo. Eu vou escrever a coisa tal como aconteceu, sem firulas, sem fantasias, sem porra alguma de revelação. Isso eu posso fazer porque eu vejo essa porra toda pela visão de um grande Filho da Santa Meretriz que eu sou. Isso eles vão ter que me conceder, porque eu sou irmão mais velho do capitão e nós somos Irmãos de uma porra de um incesto sagrado, essa é a verdade. Sim, nós dois nascemos das mesmas coxas, devidamente invadida e preenchida por um sacerdote de merda, no Monte das Rameiras, em algum lugar do Caribe. Essa é a maior ironia dessa merda toda chamada de religião. Crenças populares e antigas sendo dominadas, abusadas e estupradas por alguma instituição religiosa. Os governantes, sacerdotes e patrões, nos fodendo com uma doutrina que nos deixa submissos e acomodados. Foi uma tremenda sacanagem transformar tudo que é realmente bom, normal, natural e saudável em algo mal, ruim e pecaminoso.

Como dois bastardos, filhos de uma meretriz, nascidos em uma porra de ilha do terceiro mundo, nós não tínhamos muitas opções. Ou vivíamos de furto e roubo de turistas [que vinham aos montes visitar a ilha maior], ou virávamos piratas. Com tantos navios indo e vindo, nós começamos nossa carreira como todo homem do mar, grumetes, em algum cruzeiro cheio de gente empertigada. Nós conseguimos juntar aos poucos, como ratos que éramos, até poder subir de cargo para marinheiro. Mosley, mais falastrão, tinha seus minutos de sol no bordo, mas eu desci para a sala de máquinas. Os crentolinhos acham que isso é coisa da Fortuna ou do Destino e eu rio de todos. Isso é a vida. Consegue-se mais ascensão social sendo um verme que agrada as pessoas. Quem tem algum conhecimento ou ofício é colocado na sombra. Ninguém gosta de se ver refletido nem descoberto. Eu não tenho prurido algum em apontar e evidenciar a verdade, nua e crua. Todos nós somos grandes Filhos da Santa Meretriz.

O mínimo que Mosley podia fazer e fez foi o de me convocar para ser o seu Mestre de Engenho quando ele adquiriu aquele pedaço de pau que ele batizou como Gaivota Caolha. Ele evidente se autoproclamou capitão, a Santa Meretriz o aclamou diante da tripulação e eu fiquei com a parte dura e difícil. Sim, eu, por arte, por ofício, por engenharia e ciência, fiz aquela piroga se tornar uma galera. Não houve milagre algum.

Quando Mosley quis um navegador, fui eu quem o avaliou. Quando Mosley quis um galanteador, fui eu quem o avaliou. Quando Mosley quis um valentão, fui eu quem o avaliou. Quando Mosley quis uma taverna para comemorar e arregimentar, fui eu quem indicou. Sim, eu conheço a Taberna do Macário bem antes de Joaquim e Manoel. Mosley é um falastrão, mas lhe falta o intelecto e a finesse para frequentar certos lugares. Fui eu quem apontou essa taverna como sendo o nosso Parnaso e não poderia fazer diferente, com tantas beldades dispostas a nos entreter com esses jogos na cama, tão proibidos e arriscados. No momento certo, fui eu quem encontrou [e avaliou] duas sacerdotisas para substituir a Santa Meretriz, que estava ficando com idade e não estava pegando bem nós frequentarmos a cama dela. Sim, por minhas mãos, língua, lábios e outras partes mais enrijecidas, que essa tripulação condenada foi alegrada com Anne Tiler e Bunny Clide.

Era a mim que a tripulação recorria para ancorar nossos barcos em diversas outras coxas, pelos portos do mundo inteiro. Foi a mim que a tripulação recorreu quando Bunny Clide apareceu com um acidente de trabalho, exigindo que o autor assumisse a paternidade. Qualquer um, senão todos, poderia ser o autor desse deslize, muito embora não haja qualquer explicação do porque Anne Tiler não embuchou primeiro, tanto que eram os solicitantes e de tantos que eram escassos os recursos para prevenir acidentes de trabalho. Os palermas pomposos encenavam seus papéis, Parmesão sendo o bajulador, Mozarela sendo o populista e Provolone sendo o briguento. Se a coisa continuasse, todas as mulheres zarpariam para fora dessa companhia em um piscar de olhos. Eu fui, olhei, medi, pesei e avaliei o gajo que Bunny Clide nos apresentara. Eu, discretamente, inquiri o gajo para averiguar suas habilidades e foi daí que este deu um salto e declarou saber fazer a melhor pizza quatro queijos. Este é a única coisa que eu direi do gajo. Ele teve coragem naquilo que alegou. Não é uma afirmação que se pode fazer impunemente, sobretudo na Taberna do Macário, orgulhosa de ter a melhor pizza de quatro queijos do mundo inteiro.

Os crentolinhos discutiam, brigavam apostavam. Eu, pensando na parte prática e imediata, fiz o que devia fazer. Eu dei um jeito para ter certeza de que o gajo realmente fizesse a melhor pizza quatro queijos. Quando filibusteiros armaram uma mesa com doze ingredientes, eu deixei marcas discretas para o gajo saber o que pegar. Quando os piratas ficaram distraídos, perfilando para se entreter nas coxas de Bunny Clide, eu entrei incógnito na cozinha, entreguei a receita e monitorei para que tudo saísse de acordo. Sim, uma coisa é fazer uma pizza conforme a receita, outra coisa é fazer a melhor. Joaquim e Manoel riam do gajo, achando que ele jamais poderia imitar a pizza ou o segredo do preparo. Coitados, o segredo lhes foi passado pelo antigo proprietário que era meu sócio. A verdade é que o segredo eu havia trazido de antigas receitas de meu outro Ofício. Melhor do que o similar, só o original. Foi arriscado, mas o cheiro e gosto do queijo que eu ganhei o nome disfarça o enteógeno, eu só acrescentei mais uma pitada.

Assim que a pizza ficou pronta, o cheiro foi suficiente para induzir os presentes em um transe psicotrópico. A pizza acabou em segundos, mas afetados como estavam, nem se deram conta enquanto se empanturravam com as pizzas de diversos sabores que lhes foram sendo fornecidas. Entorpecidos, os piratas deixaram de lado as mulheres e pediam por cerveja e que fosse a melhor. A verdade é que beberam de tudo que tinha ali de líquido, tomando por cerveja até água de latrina. Saciada a larica, adormeceram todos enquanto Mosley continuava a falar suas arengas sem sentido sobre a Santa Meretriz nos ter anunciado Genésio como o Cheesus que nos salvaria do erro de comer fast-food e nos conduziria ao Parnaso onde a Grande Vaca nos concederia a eternidade onde ficaríamos comendo, bebendo e transando.

Eu sabia que essa merda ia dar errado. Só podia dar errado. A religião é um negócio com muita concorrência. A alimentação é um negócio com muita concorrência. A pirataria é um negócio com muita concorrência. O meretrício é um negócio com muita concorrência. Eu tenho certeza que nós seremos entregues de bandeja em troca de trinta dobrões de ouro. Eu sei quem vai nos entregar e, por isso, eu estou preso e serei o primeiro a ser esticado na forca. Então foda-se a Igreja do Espaguete Voador. Foda-se a Boa Especiaria. Essa porra toda vai acabar quando morrermos.

Conto noir para crianças crescidas – IV

– Você está pronto, Dudu?

– Sim, senhor roteirista.

– Então comece a estória narrando do seu ponto de vista.

Eu me lembro de meus dias como um ser humano. Eu era um garoto normal da minha vila. Eu tinha meus pais, amigos, escola. Nossas vidas eram frugalmente inocentes e alegres. Nós nem ligamos quando os vigias perceberam os acampamentos dos reinos vizinhos, adversários, acampando na borda de nossa vila.

Foi em uma tarde com outra qualquer, eu e meus amigos e colegas corríamos pelo pátio da escola enquanto as freiras tentavam nos reunir para retomar as aulas. Nós congelamos quando ouvimos o zunido da primeira bateria de flechas cruzando por sobre as nossas cabeças. O campinho foi tomado e pisoteado pela coluna de montaria, seguida de perto por lanceiros e soldados.

Então começaram os estrondos. Enormes pedras e odres cheios de fogo grego voavam e faziam um baque surdo ao se chocarem com o chão. Eu sabia que viriam mais e me juntei com os alunos, todos correndo, desta vez juntos com as freiras, em busca de abrigo. Os vigias seguiam com os milicianos para tentar evitar que nossa vila ficasse destruída com essa batalha, mas mesmo eu percebia que seria completamente inútil.

A capela era pequena para tanta gente que tentava se esconder, a catedral estava cheia e restavam poucas construções feitas com pedras, ou com um alicerce fundo. A enorme maioria das habitações era feitas de madeira que, se não estava queimando, era destruída. As mulheres e idosos se espremiam na cripta da capela e nós ficamos, com as freiras, no ádrio. Da janela da torre do sino da capela eu via os vigias e milicianos caírem feito folhas, alvejados por setas ou lanças. Os poucos homens que restaram eram apenas agricultores e iam sendo dizimados por pedras ou explosões.

Eu não tive a melhor ideia ou inciativa, mas eu não pude deixar de pensar em meus pais. Eu corri no meio daquela chacina, só com meus pais na minha cabeça. Alguns metros depois, a capela foi acertada em cheio por um odre com fogo grego, o teto explodiu e o fogo choveu, comendo todos até virarem cinzas. Eu só podia chorar e olhar para trás, vendo a agonia dos que ali ficaram. Os padres nos ensinaram a rezar, mas Deus não estava atendendo ninguém. Mesmo assim eu rezei para que meus pais estivessem seguros.

Eu passava pelas ruas de minha vila e para sorte ou azar os soldados não notavam a minha presença. Eu vi o que a guerra faz, eu vi casas destruídas, homens sendo mortos sem qualquer chance de defesa, muitos sendo torturados sem qualquer motivo. As mulheres eram estupradas e as crianças eram capturadas para vender como escravas. Mesmo assim eu só pensava em meus pais.

Eu cheguei onde meus pais, eu e meus irmãos e irmãs morávamos. Eu consegui ver a todos antes… bem, antes de morrermos. O muro que ainda restava, que cercava a vila, foi atingido por uma enorme pedra e um odre cheio de fogo grego. O muro caiu com tudo em cima de nossa casa… metade foi esmagada. A outra metade ficou exposta para os soldados que nos usaram como alvo para suas flechas e lanças. O teto que restava estava para cair, o chão também. Meu pai agonizava, agarrado à minha mãe, que só chorava. Eu me arrastei até eles. Então tudo foi abaixo e ali no solo duro nós ficamos. Meu pai sussurrou algo e minha mãe cantava algo antigo, que ela aprendeu com a minha avó. Uma cantiga proibida pelos padres, mas minha gente volta e meia cantava essas músicas, para a semeadura, a colheita, os casamentos e os funerais. Os padres não gostavam, mas essas cantorias antigas nos falavam de espíritos que eram bem mais reais e presentes do que o Deus dos padres. Enfim, eu não sentia mais dor e meu pai balbuciou algo para mim como “até breve”. Eu adormeci… ou melhor, eu morri, ouvindo minha mãe cantando a minha cantiga de ninar favorita.

– Mas… não foi o fim.

– Na minha perspectiva, eu estava dormindo. Eu estava tendo um sonho muito esquisito, o sol brilhava gentilmente em um campo cheio de flores e frutos e diversas pessoas pareciam estar em uma celebração. Meu pai me pegou, me levou para uma mesa e ali ele colocou um enorme prato e um caneco de cerveja escura. Ele apenas dizia coma, beba, faça música e amor. Eu não entendia coisa alguma, mas meu pai mandou, eu comi e bebi. Eu não sabia tocar instrumento musical e eu não sabia coisa alguma de fazer amor, então eu só ficava empanturrado e bêbado.

– E quando ou como você acordou?

– Só tinha uma coisa naquilo tudo que me incomodava. O som de terra remexendo. O som metálico da pá raspando o cascalho. Nesse sonho maluco, eu achava que era o nosso vizinho fazendo alguma reforma. Então eu senti um cutucão e algo quente. Na minha perspectiva, eu apenas abri os olhos. O sol ainda estava lá, mas estava diferente. Ao meu redor, eu não vi mais a abundancia nem aquelas pessoas. Só tinha um homem olhando aterrorizado para mim e terra carbonizada revolvida. O homem correu para a borda de um morro e só depois eu percebi que eu estava em uma cratera. Pior, eu estava cercado de restos mortais. Só então eu me dei conta do que eu estava realmente comendo.

– Você ainda não tinha percebido sua… condição.

– Não… mas os padres não demoraram a chegar e a imprecar contra mim. No meu ponto de vista, eu sou a vitima aqui, não o monstro.

– Eram todos contra você. Mas você não estava sozinho.

– Essa foi minha surpresa. Foram surgindo, aos poucos, espíritos, de diversas naturezas. Eles contra os padres. E eu no meio daquela bagunça toda.

– O que aconteceu?

– Os padres chamaram Deus e eu até achei que Ele viria. Mas Deus [o dos padres] não veio, não apareceu, continuou calado no canto dEle. Então vieram as bruxas com as cantorias delas. Eu fiquei animado, confesso, eu conhecia aquelas cantigas de cor. Antigas cantigas tradicionais populares. Eu não sei dizer se isso faz de minha mãe uma bruxa. Eu só sei que eu senti.

– O que aconteceu?

– Bom, eu não sei como a plateia [ou leitores] vão lidar com o fato, mas o caso é que o Deus Verdadeiro apareceu. Meio homem, meio touro [ou bisão, ou bode, ou cervo]. Enorme e o Poder emanava dEle. Ao lado dEle, eu achei que eu vi Nossa Senhora, com a lua aos pés e as estrelas como tiara, mas… aquela mulher era negra e estava nua!

– Você não sabia quem era Ela ou Ele.

– Não, mas os padres pareciam saber. Eles ficaram murchos e suas mentiras ficaram evidentes.

– Teve um motivo especial para que tantos espíritos se manifestassem. O mesmo motivo que Ele e Ela apareceram. Certo?

– Isso parece engraçado agora, especialmente vindo de mim, um morto vivo, mas aquele era a Véspera do Dia de Finados, o ultimo dia de outubro e véspera do primeiro dia de novembro. As pessoas em volta falavam Feliz Halloween, mas os mais velhos falavam Feliz Sanhaim. Vivos e mortos começaram a celebrar. O Antigo e a Deusa receberam a todos, todos foram bem vindos.

– Eu achei que nós fossemos encenar uma estória assustadora, mas parece que tivemos um final feliz.

– Talvez, se a estória fosse contada pela visão de um cristão. Estórias de terror são sempre parecidas. O ser humano sendo ameaçado por um monstro sobrenatural. Que frequentemente é derrotado ou vencido por um “homem de Deus”, um herói. Depois eu descobri que nós somos pacíficos. A única ameaça contra a humanidade é o próprio ser humano.