Arquivo da categoria: crítica

O retorno do dragão

O pessoal da companhia escasseava aos poucos conforme passavam os dias. Houve manifestação na sexta feira em diversos cenários do multiverso, o que não poderia ser diferente, os mundos interagem entre si. Segunda feira foi uma data de festividade dupla: Dia do Trabalho e Dia do Poste de Maio [celebração pagã], então inevitavelmente muitos emendaram sexta, sábado, domingo e segunda. Na terça apareceram alguns gatos pingados e eu tenho a impressão de que o pessoal largou ou desistiu da encenação.

– Duhh!

Zoltar e Alexis surgem com Miralia causando uma correria entre os presentes e a chegada dos gazeteadores. Todos queriam ver e pegar a pequena que insistia em ficar me chamando.

– Eh, Zoltar, não é cedo para vocês voltarem da licença?

– Ah, Alexis estava amuada por ficar parada e eu não sou sociável, mas assim que o médico liberou nós quisemos vir aqui para apresentar nossa filha a todos.

– Olha, eu não tenho certeza, mas eu tenho a impressão de que nossa encenação encerrou.

– Ah, sim! Antes que eu esqueça. Leila nos ligou e pediu para avisar que a encenação foi concluída.

– Mas… e a nossa cena? Como fica a batalha final?

– Ah, sim… Leila enviou uma equipe de técnicos em animação computadorizada no hospital. Eles colaram um monte de sensores em mim e eu “encenei” a minha parte. Sua “participação” será inserida também por edição computadorizada. Material é o que não falta.

– Isso não vai afetar o seu… o nosso pagamento?

– Oh, não. Leila nos pagará integralmente. Aliás, Leila pagou o hospital.

– A Alexis… está em condições para tal esforço?

– Eu estou bem, escriba. Nós resolvemos vir porque tem uma pessoinha que insistiu em vir te ver.

– Duuuuhh!

Miralia se desvencilha dos braços e mãos e estica os pequenos braços em minha direção.

– Ela ficou assim todos os dias. Evidente que nós decidimos te fazer de padrinho dela. Pegue sua apadrinhada, “tio” Durak.

– Duh! Du-duh!

Miralia aconchegou-se e dormiu em meus braços em poucos minutos diante de uma plateia de rostos embevecidos com a cena. Até Zoltar estava com aquela expressão de encanto.

– Pronto. Ela dormiu. Agora a deixe comigo. E não se esquece de vir nos visitar com frequência.

Alexis levou Miralia e o pessoal foi se dispersando. Dificilmente nós veremos tão cedo Leila e as irmãs Matoi.

– Eu me sinto inútil. Não fechamos a estória com Leila encenando a paródia do filme “A Profecia” e não fechamos esta estória.

– Eu acho que é muito cedo para você, escriba, mas contadores de estórias não são mais necessários. Personagens não são mais necessários. Protagonistas e antagonistas estão completamente obsoletos. Eu me tornei o maior vilão de Cartoonland e estou me aposentando. A internet, redes sociais e a realidade virtual dão a possibilidade para que cada um crie sua estória. Eu lamento, escriba, mas você deve saber, no fundo, que escreve apenas para si mesmo.

O estúdio fica vazio. Passo em Nayloria e não encontro os Red, nem os Marlow. Alongo meu passeio pelo multiverso, mas não encontro nenhum conhecido. Apreensivo, tento achar alguém na Sociedade e encontro apenas o local completamente vazio, como se nunca tivesse sido ocupado há tempos. Eu quase posso ouvir a risada do leitor, pois isto é o que é a minha vida no mundo humano, sem conhecidos, amigos ou parentes que se importem comigo.

– Ahn… senhor escriba?

– Eh? Ah! Oi, Gill. Onde está todo mundo?

– Kate chan me pediu para vir aqui. Ela disse que sabia que você apareceria. Ela me mandou te entregar essa mensagem e mandou você escrever uma estória comigo e o senhor Ornellas. Esta pode ser a ultima encenação da Sociedade.

– Eu não entendo… aconteceu alguma coisa?

– Kate chan disse que o falso Deus está voltando e trazendo consigo uma horda de humanos dispostos a matar. Ela também disse que o aumento do ódio no mundo humano é apenas um dos sintomas do retorno do dragão.

– Mas… por que Kate não mandou Riley?

– Foi o que eu perguntei… mas ela disse que meu jeito de ser levantaria menos suspeitas.

– Mas… e agora? Para onde você vai? De que jeito? Permita-me acompanha-la, Gill, até que você esteja em segurança.

– N… não será necessário, senhor escriba. Natasha chan me deu um pequeno instrumento que me levará instantaneamente para a nova sede da Sociedade. nós estamos nos preparando para a guerra.

Realmente, o equipamento de Natasha é impressionantemente eficiente. Gill apenas esbarrou no acionamento do dispositivo e sumiu em milésimos de segundo. Ao menos estão todos bem. Ultimamente eu estive tão ocupado, tanto no meu mundo quanto nos demais mundos, que eu devo ter negligenciado minhas obrigações com a Sociedade.

Sem opções, sigo na rotina diária até hoje [quarta] meditando, enquanto trabalho, no conteúdo da mensagem de Kate.

– Meu querido e muito amado, nunca, jamais esqueça de que eu sempre estarei contigo. Você viu a minha verdadeira forma e essência, mesmo disfarçada como personagem de um anime. Pode ser que a Sociedade deixe de existir, pode ser que minhas sacerdotisas te abandonem, pode ser que você nunca mais escreva estórias. Isso não é importante, o mundo humano tem todos os meios, recursos e conhecimento. Não é mais responsabilidade sua. Nunca foi. Não gaste seu tempo, seu talento, sua inteligência e sabedoria. Apenas seja meu profeta, meu amante, meu soldado, meu servo. Aquela que você sabe o nome, com amor.

Sim, isso é fato. Eu escrevo desde meus sete anos. Eu estou com 51 anos atualmente, foram 44 anos como escriba e eu não vi melhora alguma na humanidade. Nós estamos voltando para trás. Tudo aquilo por que tantos lutaram ao longo dos últimos 100 anos está acabando aos poucos. As perspectivas são as piores possíveis. Estamos na ponta do alvo de misseis teleguiados que podem ser acionados a qualquer momento por um falastrão eleito pelos americanos. O Fascismo ressurge no Velho Mundo. Discursos de intolerância são ditos abertamente sem que o público fique indignado.

Vai ser uma boa forma de encerrar meu oficio como escriba. Escrever e encenar uma estória com a Gill. Um ultimo tapa na hipocrisia da sociedade revirando seus tabus absurdos. A quem interessar possa, o ultimo a sair apague a luz.

Evangelho de Babalon – Inquisição

Navarra, ano do Senhor de onze de abril de 1307.

Por ordem do Bispo de Voyeur e pelas bênçãos do Rei Filipe I e Joana I, por designação do Papa Bento XI, a Arquidiocese de Pamplona e Tudela declara aberta o Tribunal Eclesiástico com o intuito de averiguar as acusações e denúncias contra o penitente aqui declinado pelo nome de Nestor Ornellas.

Presidindo esta seção, o bispo Arnaldo de Poliana, acompanhado do cardeal César Bórgia e do Cura Miguel Valdonese. Na condição de Inquisidor, Frei Alabardo e na condição de Defensor, Abade Coligny. Que os verdugos tragam o acusado diante deste Santo Ofício.

– Que conste nos autos, eminente presidente, que o acusado não apresenta marcas ou sinais de injúrias. Os ingleses e os franceses nos acusam de torturas contra os acusados, como se estes não fizessem uso dos instrumentos de inquisição.

– Anotado. Muito embora eu deva aconselhar ao Inquisidor que tenha mais preocupação em agradar a Santa Sede. Prossiga com a audiência.

– A preferência é minha. Como representante desse Sagrado Colégio, eu abro a rodada perguntando ao acusado se tem conhecimento dos motivos pelos quais nos foi trazido.

– Eu escutei certo ou o doutor da Igreja não sabe por que eu estou aqui neste tribunal?

– Que conste que o acusado não declarou sua ciência sobre os fatos a ele imputados. O acusado tem inimigo ou desavença?

– Seria constrangedor a este tribunal se eu o declarasse.

– Que conste nos autos que o acusado ignora possíveis adversários ou interessados em sua condenação. O acusado disse ou proferiu algo que ofendesse a Igreja, a Doutrina ou ao Santo Nome?

– Ofende a meretriz chama-la de adúltera? Quem vive de comercializar indulgências não merece outra consideração e se o faz usando tal “doutrina”, este compêndio não é melhor do que os livros do libertino. Muito espanta este tribunal acusar-me de ofender ao Santo Nome quando seus padres o fazem amiúde nas missas. Que situação, senhores! Eu quem os devia julgar, sentenciar e condenar!

– O acusado alega que este colégio não é digno de seu sacerdócio? Por acaso tem algum diploma de um seminário?

– Oh, não, eu que não quero nem preciso estar entre mafiosos para saber que cometem crimes.

– Este tribunal não permitirá tal ousadia. Que o escrivão omita esta declaração do acusado dos autos. Prossiga com as questões.

– Perfeitamente, eminente presidente. Eu peço apenas que se registre que o acusado demonstra por ações e palavras sua recalcitrância diante da Igreja.

– Anotado. Próximas, questões, por favor.

– O acusado reconhece a autoridade da Igreja?

– Não.

– Ahem. O acusado reconhece a autoridade das escrituras?

– Não.

– O acusado deve estar ciente que estas respostas constituem elementos suficientes para sua condenação.

– Como podem me condenar se não possuem nem o poder e nem a autoridade?

– Escrivão, omita esta declaração.

– Continuando, o acusado reconhece que Deus enviou Cristo para nos redimir dos pecados e nos dar a vida eterna?

– Este que vocês cultuam não é Deus e nem aquele que foi enviado é Cristo.

– Ora, essa é muito boa. O acusado, homem secular, sabe mais das escrituras, de Deus e de Cristo, do que todos nós, doutores da Igreja.

– Isso você o diz, não eu, mas agradeço seu reconhecimento.

– Este é o seu intento? Reconhecimento, aceitação, aplauso e popularidade?

– Se fosse esse meu intento, eu estaria entre vocês, “doutores da Igreja”.

– Então que tal isto? Se nos convencer de que seu conhecimento é maior do que o nosso, será libertado e nós nos converteremos ao seu credo.

– Não prometa o que não pode cumprir, Inquisidor.

– Ora vai desperdiçar uma oportunidade assim para esclarecer os ignorantes? Diga-nos porque aquele que adoramos não é Deus?

– Isto que vocês chamam de Deus é um mosaico, um monstro feito de retalhos de teologia. Com muita boa intenção, isto é uma mistura do Deus de Israel com Mithra e César. César foi divino, não o é mais. Mithra é um de muitos dos Deuses Persas, os quais, pela origem e raiz que vocês possuem, seriam muito mais adequados. O que resta o Deus de Israel, apenas um dos Deuses que fazem parte do Elohim e não possui qualquer vinculo com seus ancestrais.

– Está querendo nos convencer de que somente é Deus aquele que era conhecido por nossos ancestrais?

– Eu digo mais, pois se vocês conhecessem suas origens e raízes, chegariam a um Patriarca Mítico, cuja linhagem e procedência estão ligados a uma família de Deuses.

[risadas] – Oh, esta é uma boa piada. Vai nos divertir por algum tempo. Mas agora eu estou curioso. Quem nosso Deus enviou e quem é Cristo?

– Este que chamam de Deus ainda não enviou seu emissário e mesmo que o faça, esta salvação com a qual abarrotam seus cofres de dinheiro não chegarão aos seus concidadãos simplesmente porque assim afirmam os sermões dos profetas de Israel.

– Entretanto, o acusado reconhece que Cristo veio e esteve entre nós. Como pode Cristo vir sem que não venha de Deus?

– Vocês dizem ser doutores da Igreja e não viram o Conhecimento? Os sábios souberam esconder nos textos sagrados, mas vocês só leem o significado literal, mostrando o quanto são ignorantes.

– Ora então diga onde está o segredo, pois o que não falta neste tribunal são os textos sagrados.

– Está escrito: que pai mandaria serpentes quando os filhos pedem pão? O que fez o Deus de Israel quando o dito “Povo Eleito” clamou por pães? Mandou-lhes serpentes, pois eis o segredo, Cristo não pode ter sido mandado por tal Deus.

[burburinhos] – Isso… isso é absurdo. Os textos sagrados dizem que Cristo viria.

– E pela sanha de “encaixar” Cristo, os Profetas mentiram e enganaram tanto quanto senão mais do que esta Igreja que distorce os textos sagrados. A própria letra é pedra de tropeço, pois está escrito que Cristo viria da raiz de Davi e Jessé. Esta é a linhagem de Boaz e Rute, uma mulher moabita que, pela Lei de Deus de Israel, é maldita. Como pode Cristo vir de uma linhagem maldita? O segredo é que a linhagem e a procedência nunca foram determinantes. Vocês se prendem muito ao título ao invés de desvendarem quem é Cristo.

[vozes ruidosas] – O que o acusado diz é blasfêmia, heresia e sacrilégio. Antes de receber sua sentença, declare então quem é Cristo?

– Dizem serem doutores, mas não sabem nem percebem? Eu devo falar em títulos e honoríficos, pois não se deve pronunciar o Santo Nome. Nós conhecemos como a Serpente Primordial, Tiamat, Típhon, Píthon, Górgona. Recebeu diversos títulos como Prometeu, Zoroaster, Buda, Cristo, Profeta, Lúcifer. O povo de Israel entoava cânticos com bolos em formato de lua enquanto adorava o Santo Nome ao lado do Consorte Divino. Todo o trabalho e doutrinação de vocês são em vão, porque eu conheço o Porteiro que tem as chaves da Porta da Juventude e eu conheço o Vinicultor que preenche a Taça de Vinho da Vida. Vem o tempo quando o Conhecimento será desvelado e ai de vós, doutores da lei, que tirastes a chave da ciência; vós mesmos não entrastes, e impedistes os que entravam.

[discussões altercadas e tumulto de briga]

– Ordem! Ordem no tribunal! Defensor do acusado, tem algo a declarar em favor dele?

– Não é ele quem precisa ser justificado.

– Que conste nos autos que o Defensor desertou da advocacia do acusado. A mesa se retira para decidir a sentença.

[as autoridades presentes discutem abertamente as declarações]

– Ordem! Ordem no tribunal! Após deliberação, esta mesa decide degredar o acusado para a prisão em Desmoyne e que Deus tenha piedade de sua alma. Esta sessão está encerrada.

Escrituras de uma existência impossível – II

Eu e a manifestação começamos a rir e nos divertir, relendo os textos de minha juventude e relembrando nossas desventuras. Nathan parecia mais calmo, tranquilo, então nós lanchamos e depois fomos dormir. Eu deitei na cama e o espectro recolheu-se nas sombras da noite.

No dia seguinte, minha esposa olhava com apreensão, como se procurasse pelo estranho visitante. Eu a tranquilizei e garanti a ela [sim, eu menti] que a estranha criatura não voltaria a aparecer.

– Heh… você virou um bundão depois que casou.

– Nathan?

– Quem mais?

– Eu ouço sua voz, mas não te vejo. Onde você está?

– Heh… seus amigos ateus vão adorar essa parte. Eu estou na sua cabeça, onde eu sempre estive. Imagina se sua gente sabe que você ouve vozes, escriba?

– Isso não tem graça.

– O que prefere? Que eu encarne e fique me arrastando ao seu lado?

– Melhor não.

– Foi o que eu conclui. Nós podemos manter a comunicação mentalmente.

– Isso é o que eu sempre faço quando eu escrevo.

– Heh… o que sua gente vai pensar se souber que você “dialoga” consigo mesmo?

– Hum… que eu sou um escritor talentoso.

– Haha! Boa piada, escriba!

– Mas continuando o que conversávamos ontem… vamos continuar a expor o segundo círculo?

– Evidente. Madame assim exige. Podemos retomar a partir de onde paramos.

– Nós falávamos dos Caminhos da Luz.

– Perfeito! Combina com a releitura que fizemos de nossos manifestos. Nós percebemos o mundo através de nossos sentidos extremamente limitados e imperfeitos. O que nossos sentidos percebem é apenas uma pequena fração de um amplo espectro de sons, cheiros, texturas, sabores e cores. Mas vamos tomar a luz, uma vez que os olhos são a principal ferramenta de observação. A luz é como uma película que se espalha pela superfície do objeto e o que vemos é uma imagem gerada pela reflexão da luz, não o objeto em si mesmo. Portanto, aquilo que se observa, por mais objetiva que seja sua observação, é apenas uma aparência superficial.

– No entanto, atribui-se a esta imagem refletida, superficial, um valor de fato, evidência, verdade.

– Oho, estamos prestes a cometer uma heresia diante dos descrentes que acreditam piamente que a ciência está baseada em fatos e evidências.

– Bom, é estranho que o descrente baseie na ciência sua certeza religiosa na inexistência de espíritos, entidades e Deuses, sendo que o estudo da ciência versa sobre a matéria, o mundo material e coisas que podem ser coletadas, pesadas, qualificadas, medidas. Questões sobre o que é vida, seres vivos e existência são mais questões da filosofia e da religião.

– Nós estamos falando de objetos inanimados, mas temos que considerar a biologia e a ecologia que estuda os seres vivos.

– Interessante este dado. Vamos explorar. Quais dos seres são considerados “vivos”? A ciência não tem um consenso, pois seres unicelulares, bactérias e vírus são categorias de existências que ficam na fronteira do que é considerado “vida”. O que fazer com os fósseis? Aqueles são restos de animais que existiram há muito tempo atrás, mas deixaram de pertencer ao âmbito da vida, pois viraram pedra. E eu sequer estou considerando policísticos, fungos, anêmonas, águas vivas, que são seres complexos, mas estão na fronteira do que pode ser considerado “animal”.

– Eu fico imaginando os seres que habitam as profundezas do oceano. Isto é como se estivéssemos olhando vida alienígena de outro mundo.

– Isso também vale a pena explorar. Os seres vivos se adequam ao ambiente que os cerca. Na Venezuela existem formações rochosas que são como colunas de rochas. Em cada faixa dessas enormes formações rochosas habitam espécies específicas, como se fossem plataformas. Essa “estratificação” é observada no oceano, então espécies que habitam uma determinada plataforma não conhecem e nem poderão conhecer outras plataformas. O que eu proponho é a noção de que a ciência, por mais objetiva e prática que esta seja, é a visão da percepção de um ser vivo dentro de sua plataforma. Alteradas as condições ou elementos que perfazem essa plataforma, digamos, em níveis subatômicos, alteram-se as percepções e a “realidade” da plataforma. Eis minha segunda proposta – assim como há um nível subatômico, há uma hiper-realidade, outra plataforma onde será necessária uma adaptação para que haja uma leitura, uma percepção dessa “realidade”.

– Oho… parece que estamos chegando a algum lugar. Embora ainda seja uma teoria, alguns pesquisadores e cientistas afirmam que existem mais de uma dimensão no universo, mais de uma plataforma, para usarmos nossa analogia.

– Eu complemento com a noção de imagem, de reflexo criado, gerado pela luz, ao apontar que alguns teóricos e estudiosos afirmam que aquilo que nós chamamos de universo é apenas um holograma.

– Heh… mas isso para os descrentes é pseudociência.

– Nisso o descrente demonstra ser tão seletivo quanto o cristão.

– Eu cá fico imaginando como será quando a ciência desenvolver uma tecnologia capaz de evidenciar a existência de outras dimensões e que estas estão tão habitadas quanto esta que é apenas uma pequena janela dentro da imensa megalópole que é o Universo, cheia de janelas e edifícios.

– Eu cá fico imaginando o choque e a decepção de milhões de crentes ao se depararem com a miríade de espíritos, entidades e Deuses que habitam as Pradarias da Eternidade.

– Eu dei uma pista quanto a isto em diversos textos meus, falando da quinta dimensão.

– Pois eu gostei da analogia do peixe no aquário descrente que exista o oceano e as baleias.

– Isso vai deixar o leitor intrigado, caso ele tenha lido as obras de Howard Philip Lovecraft.

– Oh, mas existe essa possibilidade de nos depararmos com Cthulhu e os Deuses do Caos. Ou com os cenobitas da Ordem de Gash.

– Eh, assim nós vamos espantar a freguesia.

– Por quê? A morte é apenas um estado, uma consequência, um evento. Morre o corpo, não a essência que o anima. Como o ser humano pode voltar ao seu lar verdadeiro enquanto este não entender qual é sua verdadeira forma? Como o homem pode entender a necessidade da existência material sem fazer da carne um instrumento para o autoconhecimento? Para isso é necessário usar a carne como ferramenta, sem medo dos tabus e proibições. Você é muito preguiçoso ao insistir no prazer sexual como via sagrada. Explorar a carne significa desafiar outros tabus, como o medo da morte, a aversão ao sangue e aos dejetos.

– Hei, devagar, este é o terceiro círculo do Caminho das Sombras!

– Oh, é verdade. Nós ainda nem falamos de comer e beber. A via da santa intoxicação, por meio de enteógenos. Que sorte que você pelo menos aproveitou e experimentou o maná índigo.

– Ah, mas este lado negro do Ofício até os que se dizem bruxos negam ou querem proibir…

– Eh, isso é problema de sua gente. O Ofício é negro, o que fazem hoje em dia é, como você diz, bruxaria gourmet, uma bobagem alvejada e edulcorada.

– Tem até quem se diz legítimo iniciado que esquece o Senhor do Sabath!

– Argh. Eu que não quero coisa alguma com esse monoteísmo invertido, vade retro, Santa Ameba.

– Bom, a Bruxaria sobreviveu por milênios, sobreviveu contra todas as tentativas de expurgo feitas pelas religiões majoritárias, há de sobreviver a esses delirantes.

– Assim é, assim seja, assim se faça.

A paranoia moderna

[Compilação de diversos textos originários da IHU Unisinos]

IHU On-Line – Como a psicanálise explica os atos de pedofilia a partir de diferentes culturas e diferentes idades de maturidade sexual? O que é e o que não é aceitável?

Mario Fleig – Nos dias de hoje, assistimos a uma promoção social da pedofilia espetacular, ao passo que outras formas de desvios sexuais, anteriormente condenadas, são socialmente toleradas e até mesmo estimuladas. Por que precisamente a pedofilia se tornou o alvo de nossa repugnância ao sexual, em plena revolução do “é proibido proibir”, “faça amor, não faça a guerra” etc.?

Sabemos que, em outras sociedades, tão civilizadas como a nossa, a exemplo da Grécia, a pedofilia era socialmente organizada como rito de passagem para os meninos e jovens, sendo o modelo ideal da relação amorosa e pedagógica. Em Roma, o mestre, via de regra, tinha amantes meninos não púberes, desde que não fossem cidadãos romanos. Vemos então que a caça aos pedófilos, em nossa sociedade, tornou-se um fenômeno mais estranho do que um progresso da civilização. Por isso, seria interessante estarmos suficientemente esclarecidos a respeito do drama subjetivo dos sujeitos pedófilos antes de nos lançarmos nesta caça às bruxas. Os tribunais de Inquisição ainda lançam suas sombras sobre nossas memórias.

Penso que a promoção contemporânea da condenação à pedofilia tem relação com a invenção da infância, que desponta na modernidade, em torno do século XVIII. Freud já havia caracterizado este fenômeno ao denominar a criança de “sua majestade, o bebê”. A criança, para os pais contemporâneos, tende a configurar não apenas a criança idealizada e sonhada, mas passa a ocupar o lugar de ser aquela criança perfeita que os próprios pais fracassam em ser para seus pais. Assim, o filho adorado teria como função primeira, no imaginário dos pais, sanar a decepção que estes foram para a geração anterior. Compreende-se que se torna absolutamente insuportável para estes pais perceber o menor sinal de falha em seu filho, pois esta revelaria seu próprio fracasso como filhos. A cena da criança pura e inocente a mercê do repugnante pedófilo formaria um encobrimento justo para o insuportável desejo de uso deste bebê dentro da economia psíquica dos pais. Pela clínica psicanalítica, sabemos que aquilo que atacamos de modo implacável no outro não deixa de ter relação com aquilo que não suportaríamos reconhecer em nós mesmos. Está claro que a cena pedófila não cessa de causar repugnância e repúdio em cada um de nós, e, por isso, a consideramos condenável.

IHU On-Line – O que significa a palavra pedofilia? É “amar crianças”, “gostar de crianças”, ou o “prazer de ter relações sexuais com elas”?

Philippe Di Folco – Esta palavra “pedofilia”, em vista de sua arqueologia, é uma “patologia verbal”, saída dos estudos proto-psiquiátricos dos anos 1880, ou se quiser, é uma invenção linguística que deu lugar a um abuso de linguagem homologada pelo uso corrente (um lugar comum, um clichê). Ela nasceu da aliança de duas raízes gregas: pais, paidos, significando “criança” e philein, “amar por amizade”. Em meados do século XIX, a criança e o adolescente obtêm um status social: eles existem, são vistos, se pensa neles em termos de direito, de obrigação (Kindergarten, escola pública elementar obrigatória etc.). De fato, na língua francesa (não sei dizer para as outras línguas), não existe nenhuma palavra para expressar “o desejo de um ato sexual com uma criança”, sabendo que este desejo seria condenado, já que isso significaria instaurar um policiamento dos fantasmas e dos sonhos, como em qualquer romance de antecipação (assim, é ridículo condenar as obras de René Scherer , de Tony Duvert , ou de Gabriel Mazneff).

A partir dos anos 1950-60, conceitos saídos do Direito e da Lei, da Religião, da Psicanálise, apelam a termos tais como violação, abuso, desvio e, por vezes, de maneira eufemística, achego e perversão. Este regime jurídico-linguístico comum, visa, pelo menos no Ocidente, ou antes, na esfera euro-americana, a proteger os menores, isto é, os humanos que não atingiram a idade da maioridade sexual (que é diferente da maioridade cidadã: nos Estados Unidos até há três graus de maioridade: 16 anos para a condução de automóveis, 18 anos para a votação e o sexo, 21 anos para o álcool). O que significa esta “idade da maioridade”? É o momento em que se estima que um indivíduo seja capaz de tomar uma boa decisão por ela mesma, a qual não ponha em perigo sua saúde física e mental. Mas tudo isso está longe de ser racional e sofre numerosas exceções. Por que o Estado deveria incumbir-se, preocupar-se com nossos jovens corpos? Com que objetivos? E o que é de fato essa saúde mental? Existiria um modelo perfeito para o qual cada uma e cada um deveria tender, o do “cidadão responsável e bom pai / boa mãe de família”? Vê-se bem, pelos fatos, que não.

IHU On-Line – Em sua relação com as crianças, a pessoa qualificada como pedófila põe em prática seus desejos. De outro lado, certos aficionados à pornografia parecem ávidos, através de filmes, de tais representações. Como entender esse limite que separa os fantasmas de sua passagem ao ato e, mais especificamente, de que ato se fala aqui, como por exemplo, o de alguém que não pode decidir por si mesmo?

Philippe Di Folco – As pornografias, aqui consideradas como visuais, obedecem à oferta e à demanda: existe uma demanda de representações, de ficções pedófilas, portanto de atrizes / atores, de realizadores e de produtores para efetivamente produzirem tais ficções que, sob a forma de produtos visuais (DVD, site da Internet, revistas impressas) aparecem no mercado. O mercado absolutamente não é unificado ou unívoco: por exemplo, as sexualidades japonesas (ou seus códigos sexuais) diferem das outras esferas sexuais simbólicas: pense no fantasma da “filhinha falsamente inocente” etc. Numa mesma ordem de ideias, os códigos evoluem com o tempo: na Euro-América, Lewis Carroll , se ele vivesse hoje, seria, sem dúvida, qualificado de pedófilo (de fato, ele o foi, ele o diz em suas cartas, no sentido de 1880: “amizade/amor pelas crianças”).

É preciso, além disso, distinguir as encenações pedófilas (falsos corpos adolescentes etc.) das verdadeiras produções de caráter pedófilo que, pessoalmente, eu jamais vi. É um pouco o mesmo problema que o “snuff movie”: se está entre o rumor, a lenda urbana e a realidade de um mercado liberal onde tudo parece possível. Eu não digo que tudo isso não existe, eu digo simplesmente que aquela ou aquele – e isso, mesmo que essa pessoa seja menor – que quer ver material pedófilo o obtém sem dúvida mais facilmente do que há um século. E agora, o que fazer?

Como compreender as amálgamas entre o que é da ordem da ficção, nutrindo-se de fantasmas, de imaginários sexuais, e o que efetivamente tem lugar, portanto, fatos, em termos de direito comum, isto é, o abuso sexual contra o menor? Creio que é preciso confiar em nossas democracias, em seus sistemas jurídicos que sabem julgar os fatos e, portanto, gerenciar caso a caso: por exemplo, nossos jurados deliberam em segredo, e é por aí que nos aproximamos o mais possível da noção do justo. Isso é paradoxal, mas serve para se opor à vingança popular, ao linchamento, aos julgamentos do “levar a melhor”, aos amálgamas veiculados por certa imprensa populista… É preciso crer na sociedade quando ela é capaz, graças às ferramentas fundamentais que são as assembleias eleitas, os juízes independentes, os advogados, os jurados populares, e um direito capaz de evoluir pela jurisprudência, de contrapor-se a esses amálgamas e assim evitar que seja aviltada ou empregada exageradamente a noção de pedofilia, ou de ser confundida com as pornografias.

IHU On-Line – Numa entrevista anterior para nossa publicação, o senhor declarou ser errônea a ideia de que a pornografia conduz a uma argumentação dos atos de pedofilia. Por quê?

Philippe Di Folco – Eu trabalhei nos anos 2003-2005, durante a elaboração do Dictionnaire de la pornographie (Paris: PUF, 2005), com pessoas incumbidas da vigilância sobre as redes eletrônicas na França para tudo o que liberasse representações de caráter pedófilo comprovado. Discutindo na ocasião com esses serviços de controle estatais, e também com pesquisadores especializados nas sexualidades (Ph. Brenot , A. Giami ), e tendo frequentemente contatos com juristas e filósofos do direito (R. Ogien ), continuo dizendo que as diferentes pornografias, tais como elas se manifestam hoje, em sua amplitude, sua rapidez de circulação, seus delírios, não interferem mais sobre o aumento ou não dos delitos sexuais contra o menor do que um filme de gângster influencia sobre os ataques à mão armada. Não é George Clooney com Ocean 13 que explica o aumento dos arrombamentos, nem é a série Saw que explica o fato de ainda haver assassinos em série. Nem mesmo menciono a série televisiva Dexter!

IHU On-Line – Você escreve que não se pode pensar a pornografia em termos de “pânico moral”. É possível dizer a mesma coisa sobre a pedofilia? Por quê?

Philippe Di Folco – A locução “pânico moral” é empregada pelo filósofo Ruwen Ogien para intitular sua obra publicada pela editora Grasset em outubro de 2004. Este estudo, muito preciso, está ligado ao seu precedente ensaio Penser la pornographie (2003). Ogien mostra que a pornografia visual provoca reações de enlouquecimento e, eu cito “que a partir do momento em que se aceita […] os princípios de uma ética minimalista, não existe nenhuma razão para estigmatizar a pornografia visual como um ‘gênero’ imoral” (LPM, 10-11). A pedofilia enlouquece, é o mínimo que se pode dizer: ela provoca grandes títulos na imprensa (caso Outreau, resenha pedofílica austríaca, caso dos padres irlandeses e do Vaticano etc.), ela inquieta, pois, no coração do lar, os pais e as crianças e, no terreno público, as instituições educacionais e repressivas.

O fato de que, durante séculos, em Atenas, velhos professores tinham o dever de se ocupar sexualmente de seus alunos-garotos antes que eles se tornassem “Andrei”, isto é, homens (barbeados, em idade de se casar e de combater, de assumir a responsabilidade de um lar), não faz do filósofo ateniense um monstro, não macula em nada a dimensão moral do pensamento antigo. O fato de que R. Polanski tenha dormido com uma jovem moça de 13 anos, em 1977, não faz deste cineasta um monstro e não condena sua obra à execração pública (ou à “morte civil”). O fato de que, no segredo do lar, crianças durmam com seus pais, como é o caso na Itália, por exemplo, não leva a se julgar dito lar como ninho de uma série de atos sexuais. Kant reivindicava a neutralidade de julgamento ante as maneiras de viver pessoais e se abstinha de toda justificação religiosa ou metafísica. Eu digo simplesmente que se devem evitar os amálgamas, as generalidades, colocar todo o mundo num mesmo saco, notadamente os pais: é preciso julgar caso a caso, cada ser é um percurso singular, cada humano é uma história única, que é uma acumulação de encontros, de discrepâncias, de pulsões, de impulsos para diversas formas de conhecimento, reconhecida como mais ou menos útil.

IHU On-Line – O que a atual classificação de pornografia e pedofilia diz sobre a sexualidade e as “escrituras do corpo” do sujeito no início do século XXI?

Philippe Di Folco – Eu digo com bastante frequência: lembrem-se de sua infância. O que vocês sentiam quando, pelos 7 ou 8 anos, estavam no meio de uma reunião de adultos que se pavoneavam? Você sentia uma impaciência em crescer, em se tornar como eles? É o que mostra Almodóvar em La mauvaise éducation (A má educação): no final das contas, não houve morte de ninguém, o pai Manolo não matou ninguém, e a criança, seu corpo, conheceu o desejo, depois o reconheceu, aprendeu a lidar com ele, a se educar, a crescer. A coisa que bloqueia é instalar sistemas de controle para evitar, não importa a que preço (inclusive em nome das liberdades fundamentais), e impedir todo ato que tenderia a tornar-se pedófilo. Assim, imagine-se apenas, num jardim público, com crianças brincando sob a vigilância de seus pais. Você decidiria falar com uma criança? Creio que, bem em breve, isso não será mais possível. Mecanismos de prudência quase paranóicos se instalam por toda parte para evitar todo risco de “derrapagem” e, por decorrência, todo risco de contato simplesmente linguístico. Ora, as crianças necessitam, para tornarem-se adultas, de um freio, mas também de ver o mundo de verdade, de correr risco, de aprender o que é o risco, o perigo, e, portanto, a vida. O fechamento, o contingenciamento das crianças, do lar à escola, passando por centros esportivos – será isso o que nós queremos? É de causar espanto que muito cedo a criança, e depois o jovem adolescente, vá procurar na Internet “foros”, lugares de socialização, experiências, meios a fim de conhecer seu corpo, sob risco de pô-lo em perigo?

Nem sempre interdito

Por: Márcia Junges | Tradução: Luís Marcos Sander.

Original: IHU Unisinos.

IHU On-Line – Por que a pedofilia é uma “coisa errada”?

Thomas Lacqueur – A pedofilia não é uma coisa errada em todos os tempos e lugares. Ela tende a ser errada nas sociedades modernas porque exige que jovens que, por várias razões, não têm condições de formar juízos corretos nessa e em outras esferas se envolvam em práticas que violam normas comunitárias. Ela também está, muitas vezes, vinculada a um mercado pornográfico embaraçoso, e potencialmente prejudicial. Neste contexto, a pedofilia é especialmente problemática e constitui uma forma repreensível de trabalho infantil, que também pode ser prejudicial às crianças.

IHU On-Line – O pensamento de alguém se relacionar com crianças o torna, necessariamente, pedófilo?

Thomas Lacqueur – Não, assim como ter fantasias a respeito de assassinar um chefe odiado ou ter fantasias de estupro não torna a pessoa um assassino, estuprador ou alguém que quer ser estuprado.

IHU On-Line – A sacralização da infância fez com que as crianças se tornassem mais “atrativas” sexualmente? Desde quando existe essa “aura” de sacralidade em torno da infância?

Thomas Lacqueur – Penso que não. A infância não era sacralizada na Grécia antiga ou nos internatos da Europa do século XVIII, e ambos tinham culturas pedófilas, abertamente e com muita ostentação no primeiro caso.

IHU On-Line – Quando surgiu o conceito atual da pedofilia? Antes ela era praticada e não era entendida como crime?

Thomas Lacqueur – A pedofilia era praticada antes de se tornar crime. A prática como crime surgiu na legislação do final do século XIX, sobre a idade em que a pessoa tem condições de dar seu consentimento, embora haja um sentido do common law segundo o qual o sexo com uma criança jovem demais para dar um consentimento baseado no raciocínio é, por definição, estupro.

Retalhos de textos – IV

Eu recobro minha consciência no mesmo sábado de noite, minha esposa escolhe um filme na Netflix. Eu me encontro incrivelmente incólume. Eu noto que Riley não está conosco e sinto fome.

– Ah, você acordou.

– Eu… dormi muito, querida?

– Você apagou por duas horas.

– Eu devo estar ficando gagá, mas… eu fui te buscar no serviço às treze horas?

– Sim, você está ficando velho. Você até levou Riley para ir me pegar no serviço. Pena que Riley teve que ir embora. Ela é uma menina tão boazinha!

Isso não faz o menor sentido. Eu imagino que eu e Riley fomos corporalmente deslocados para outra dimensão… ou eu fui duplicado por alguma emanação de ectoplasma.

– Ah, é! Antes de ir embora a Riley deixou esse pendrive para você.

Eu suei frio pensando no conteúdo daquele pendrive, mas tive que conter minha ansiedade e nervosismo. Eu guardei como se fosse algo comum, assisti ao filme escolhido e depois fomos dormir. Isto é, eu tentei dormir. Eu tenho dificuldade de dormir quando fico com algo martelando na cabeça.

Domingo é nosso dia de descanso, nós acordamos bem mais tarde e não temos pressa de tomar café. Eu deixo minha esposa vendo as revistas eletrônicas que empesteiam as emissoras comerciais e então eu insiro o pendrive deixado pela Riley no laptop que eu comprei em Orlando. Eu tenho que fazer cara de paisagem e usar o fone de ouvido. Diversos vídeos de curta duração são muito explícitos para descrever. Mas as imagens confirmam minha suspeita, pois ai o que eu vejo é meu Self, o reflexo do Deus da Floresta.

Mesmo assim eu devo guardar em uma pasta com senha. Mesmo se eu considerar que Riley não é uma existência real no mundo humano, afinal originalmente ela é um ser zoomórfico do mundo furry, ainda assim eu vivo em um mundo onde isso seria considerado pornografia, algo que está se tornando um crime. Depois de pouco mais de cinquenta anos da Revolução Sexual nós voltamos a ser Puritanos. E a manifestação de Riley no mundo humano perigosamente aparenta a de uma jovem mulher. Meus ouvidos soltam fumaça, embora eu considere isso uma forma integrante de um ritual pagão. O celular entoa a música de chamada do whatsapp. A chamada é da Riley. Eu acho que ela quer me fritar.

– E aí, escriba? Gostou? Eu gostei.

– Riley, pelos Deuses! Nem mesmo meus ensaios mais ousados eu poderia transcrever esses vídeos.

– Isso soa estranho, vindo do senhor, mas não se preocupe. Estes vídeos foram feitos com tecnologia mística, estão criptografados, no mundo humano só você pode vê-los.

– Querido quem é?

– A Riley, meu amor.

– Ah, que bom! Oi, Riley!

– Oi, senhora escriba.

– [risos] Eu ainda não me acostumei com isso. Nós vamos fazer churrasco no próximo domingo. Venha nos visitar, conhecer toda a família, que tal?

– Eu posso levar meus amigos?

– Claro que sim, meu anjo! Traga todos!

Eu tento não entrar em colapso ao imaginar minha família no mundo humano interagindo com os seres que são minha família no multiverso.

– Desculpe, querida, mas eu tenho que continuar minha conversa com Riley em particular.

– Ah é? Olha, sorte sua que eu não sou ciumenta. A Riley é praticamente minha sobrinha. Mas vocês precisam de um tempo, para discutir roteiros, diálogos e cenas. Fiquem à vontade.

– Desembucha, Riley. Por que você me whatsappou?

– Poxa, eu pensei que você gostasse e estivesse com saudades de mim…

– Eu te disse, Riley, a situação aqui é arriscada…

– Por isso mesmo que eu liguei, ué. Para te emprestar minha voz e me usar para você expor sua filosofia profana.

– Não é assim tão fácil. Tem que parecer natural, voluntário, real.

– Ué, se tiverem algo a reclamar que venham me encarar. [melhor não, Riley]

– Bom… nós paramos no que ou quem mudou a minha “quadratura”.

– Eu acho que foi um conjunto de coisas e pessoas que me ajudaram a dar um passo adiante. Mas a decisão final foi minha mesmo, quando eu senti que estava pronta.

– Mas… e o Osmar?

– Ah… Osmar… [risinhos safados] ele ajudou a “tirar a tampa”. Mas se eu não convivesse com Vanity e não conhecesse as meninas, a “garrafa” estaria vazia.

– Você está afirmando que sempre foi… pervertida?

– Eu acredito que todo mundo no fundo é tarado. Todo ser vivo nasce com uma sexualidade, certo?

– Sim… mas permitimos que a sociedade nos reprima e nós aceitamos ter essa vida sexual frustrante, cheia de regras e tabus.

– Bom, de outra forma não haveria mais-valia e expropriação da riqueza produzida pelo trabalho…

– Nós precisamos melhorar isso, Riley. Como a repressão sexual funciona como parte do sistema capitalista?

– Hum… vejamos… o trabalho regido pelo capital depende da desumanização, da despersonalização. A fonte de energia mais brutal e básica que nos torna humanos é nossa sexualidade. Ao canalizar a energia sexual para o trabalho, aperfeiçoa-se o volume produzido e, consequentemente, o lucro.

– Isso está ficando bom. Só falta encaixar tudo isso na incoerente necessidade da sociedade em tolerar a prostituição e a pornografia.

– Hum… que tal assim… forjada a vergonha, a rejeição do corpo [desumanização] e do prazer [despersonalização], para complementar a alienação é preciso tornar o sexo algo sujo, vulgar, pecaminoso [eu sinto que isso é evidente na civilização ocidental, com o predomínio
da religiosidade judaico-cristã]. Hum… sim… o Cristianismo floresceu entre servos e escravos, manter a desigualdade econômica é tão importante quanto manter o controle social. A prostituição e a pornografia, tal como são produzidas e comercializadas, institucionaliza a supremacia masculina e justifica o patriarcado. São produtos desenhados para ressaltar as “normas sociais” de identidade, personalidade, preferência e opção sexual.

– Perfeito! Isso explica porque a sociedade resiste tão tenazmente contra o aumento dos direitos e liberdades de expressão sexual. Por isso que a contestação e resistência ao sistema perpassam por uma apropriação da pornografia e torna-la uma expressão democrática da sexualidade das pessoas. Eu diria mesmo uma ressacralização do corpo, do desejo e do prazer. Ao invés de prostíbulos, hieródulos.

– Os movimentos sociais estão assimilando isso. A mulher está retomando a posse de seu corpo, está se empoderando e se afirmando socialmente ao se colocar não como objeto, mas como sujeito sexual. A nudez está sendo resignificada como discurso de autoafirmação social.

– Sim, sim, muito bom! Através do corpo, desejo e prazer, uma verdadeira Revolução será possível!

– Eu até me sinto uma privilegiada. Pois a simples existência de pessoas intersexuais e transgênero, como eu, pode tornar possível um mundo melhor para tod@s.

– Um mundo onde haja consideração e respeito aos direitos erótico-afetivos de tod@s.

– Um mundo onde tod@s terão o direito e a liberdade de se expressarem sexualmente.

– Um mundo onde deixem de existir padrões arbitrários de gênero e de relacionamento.

– Um mundo onde uma pessoa será reconhecida como tal, independente de sua origem, sua etnia, sua língua, sua crença/descrença e sua posição política.

– Um mundo onde toda pessoa terá o direito e a liberdade de decidir sua identidade, personalidade, preferência e opção sexual.

O Feminismo precisa aceitar as prostitutas

Original: Azmina.

Autora: Amara Moira

[Amara Moira é travesti pan puta, feminista antes de mais
nada, e escritora dessas de batom na boca e sem papas na língua. Militante dos
direitos de LGBTs e de profissionais do sexo, no tempo que sobra ainda faz
doutorado em teoria literária pela Unicamp, para o desespero do patriarcado.]

Amanhã tem debate quente no Rio de Janeiro, debate que me custou a perda do meu perfil no Facebook. No meio duma série de posts acalorados em que disputavam a opinião pública, feministas contrárias à prostituição (aquelas ditas radicais ou materialistas) e feministas que respeitam as pautas do movimento de prostitutas (as putafeministas, nós), acabou que tive meu perfil denunciado por eu não usar meu nome “verdadeiro” e o Facebook acatou, impedindo acesso ao perfil que eu construía há dois anos, com todos os textos e contatos que havia lá.

Vejam que muitas vezes, pra fazer imperar seu ponto de vista, algumas pessoas acham que não importa o quão baixos são os meios usados: basta conseguir calar a outra parte e poder continuar seu monólogo em paz. Bem o que houve. Não à toa transfobia (preconceito contra trans) e putafobia (preconceitos contra putas) costumam andar sempre de mãos dadas, inclusive dentro do feminismo.

Prostituição é um assunto muito delicado pras travestis. Ela é o ofício que nos permite existir quando a sociedade fecha suas outras tantas portas e, ao mesmo tempo, aquele onde mais nos matam, violentam… Percebem que não é coisa fácil discutir a questão?

Mas certo feminismo, cegado pelos seus dogmas, não consegue sequer permitir que o debate ocorra, lançando mão de linguagem sensacionalista que só serve pra estimular pânico, “querem legalizar a cafetinagem”, “prostituição é estupro pago”, “feminismo a serviço da objetificação da mulher”, “vender o corpo”, “tráfico de pessoas”, “prostituição infantil”, “prostitutas se drogam pra conseguir trabalhar”, “pegam AIDS”. Nunca param pra discutir a natureza exata dessa suposta cafetinagem que o PL Gabriela Leite quer regulamentar, nem os discursos racistas e xenófobos que orientam o debate sobre tráfico de pessoas, nem a noção exata de estupro que estão mobilizando pra afirmar que nosso trabalho não envolve sexo mas violência sexual.

E se houver quem viva a prostituição em termos que fujam a esse vitimismo todo, a pessoa é prontamente catalogada como “fetichista a serviço da supremacia masculinista” e já não é necessário mais considerar nada do que ela diga.

Percebam que essa argumentação cega não vai impedir que continuemos dando a cara a tapa e forçando a sociedade a encarar o debate que querem jogar pra debaixo do tapete. Prostitutas estão se organizando politicamente desde o boom da AIDS, desde o fim da ditadura, conseguindo conquistas notáveis como, por exemplo, o reconhecimento oficial da prostituição na Classificação Brasileira de Ocupações (CBO, 2002), do Ministério do Trabalho.

Agora vai surgindo o tempo de um novo desafio, disputar o feminismo, desafiá-lo, para que ele aprenda a respeitar nossa autonomia e nossa luta por melhores condições de trabalho, melhor remuneração e fim do estigma.

As portas estão abertas para todas as feministas que quiserem, de fato, ouvir o que as prostitutas têm a dizer sobre seu trabalho.