Arquivo da categoria: concorrência

Fate/Major Arcana – VIII

No mirante situado ao lado do Monumento ai Mille [Monumento aos Mil], em Melito di Porto Salvo, Itália, Brad desiste. Passaram-se muito mais de quatro minutos e as coordenadas sumiram, o GPS parou de funcionar e não há mais para onde seguir.

– Brad… este é o ponto de encontro ou nós estamos perdidos?

– S… senhor Kaiser… o aparelho… as coordenadas…

– Eu entendo, Brad. você conseguiu chegar até aqui. mas você não é mais util. Que pena… eu coloquei minha confiança e esperança em você, Brad, mas está na hora de eu demiti-lo.

James puxa de um painel a enorme colt 45 [outra relíquia que teve que guardar dos outros presidentes] e aponta o cano, pronto para disparar o projétil contido no tambor.

– Mestre, não suje suas mãos com um servo inútil. Esta é função minha.

Brad não gostou da forma como César olhava para ele. Brad conseguiu pensar apenas na carreira dele [acabando], no fim de seu noivado e outros projetos que sumiriam com ele. Ele ouviu o gatilho travando [e o som da adaga sendo tirada da bainha]. Ele não podia pedir a Deus para não sofrer ou sentir dor na hora da morte porque não acreditava em coisa alguma. Sobra apenas remorso e frustração dos dias que não iria ver.

– Mestre… eu sinto a aproximação de uma forte energia.

O disco de energia [conhecido como vortex] aparece bem diante do veículo blindado da embaixada americana. Eu irei conceder alguns minutos para Brad reconsiderar sua descrença [deve ser triste não ter a quem agradecer por um milagre]. O portal expande e leva consigo os três homens [o veículo ficou vazio e abandonado].

[corte de cena]

Vila dos Mistérios, Pompéia. Corpos petrificados, imortalizados em cascas feitas de lava vulcânica sedimentada, são as únicas testemunhas da conjunção de um homem da Igreja, a famigerada assassina e o secretário de uma instituição religiosa falida, perambulando pelos afrescos de um tempo que deixou de existir.

– Juliano… o que você acha que aconteceu com essas almas?

– Vossa Santidade, a Santa Doutrina é clara. quem rejeita a Igreja, rejeita a Cristo e não será salvo. Essas almas estão vagando no Inferno. Nós devemos orar por elas.

Lucrécia põe os dedos diante de seus rútilos lábios para abafar a risada. Bonifácio treparia com ela ali mesmo, apesar da presença de Juliano.

– Essa é a bobagem que ensinam na Igreja?

– A Santa Doutrina é clara!

– Coisas feitas por homens não merecem crédito. Nem Deus nem Cristo tem coisa alguma com essa condenação eterna com a qual vocês arrebanham almas.

– Isso… é demais! Vossa Santidade! Como permite que uma assassina… uma mulher… ouse achar que sabe mais do que os Doutores da Igreja!

– Pois devia fazer como Cristo, Juliano. Cristo falava e ouvia mais Magdala do que seus Apóstolos. nós somos apenas garotos. a mulher é, naturalmente, inclinada para as coisas do Altíssimo.

– Mas… Vossa Santidade… as heresias… o Santo Ofício…

– Nisso nós somos iguais a ela, Juliano. Então não acuse minha parenta de ser assassina, porque nossas mãos estão cheias de homicídios. O que interessa, no momento, é achar o ponto de encontro.

– Sumo Pontífice… veja… Deus nos enviou um anjo!

Bonifácio é dos poucos clérigos da alta hierarquia que possui conhecimento científico. Ele percebe o rodamoinho de energia e sabe que aquilo é um vórtex. Teoricamente possível, mas ainda sem comprovação e, no entanto, sua “existência” é cientificamente aceita [o que deixa o descrente sem argumentos, mas eu vou deixar isso para outro momento]. Em muitas ocasiões, Bonifácio correu o risco de ser excomungado [pela Igreja e pela Academia] ao sugerir que vortex são portais para outras dimensões. infelizmente não há equipamento capaz de filmar, fotografar ou registrar esse evento. Bonifácio terá que se contentar com a experiência pessoal.

– Eu creio que esse é o nosso ingresso para a Batalha do Graal. Vamos!

[corte de cena]

Calor e areia. Da grande Babilônia sobrou apenas o chão desértico. Para a sorte do comboio a ONU essa região [atual Iraque] não tem interesse político e econômico. Em algum lugar por perto estão as ruínas do palácio de Nabucodonosor II e, de algum lugar bem abaixo de onde passam os caminhões blindados, estão os resquícios do Templo de Ishtar, cujo pórtico embeleza o Museu da História, em Berlim, na Alemanha.

– Doutora Akagi, a senhora conhece o Durak?

– Infelizmente mais do que eu gostaria, Karen.

– Quantas vezes eu vou ter que repetir e te lembrar? Eu não tive escolha. Eu salvei o mundo.

– Não pense que você pode me enganar como enganou Rei, Durak. Nós tivemos muita sorte em ter sobrevivido ao Quarto Impacto, então agradeça a mim por ter reprogramado os demais sobreviventes com outras memórias.

– Interprete os fatos como quiser, doutora. Eu salvei o mundo. E vou salvar de novo.

[facepalm]- Isso é o que nós veremos, Durak.

– Sabe, pessoal, eu não quero reclamar, mas para eu pular dentro de uma guerra que pode exterminar o universo eu preciso saber mais. Para poder ser um “vaso” adequado [e me transformar na Bruxa do Coração Negro] eu preciso saber tudo sobre você, Durak.

– Não temos tempo para isso. Segurem-se. Nós estamos passando por um vortex.

[corte de cena]

Bem no meio da formação monolítica conhecida como Stonehenge, surgem os quatro desafiantes para a Batalha do Graal que terá início. Debaixo dos arcos que marcam a passagem da lua, das estações e dos solstícios, mais quatro figuras parecem impacientes com a espera.

– Bem vindos, candidatos e campeões. Eu sou Astolfo de GrandRose, um dos paladinos de Carlos Magno e o único sobrevivente da ultima Batalha do Graal. Eu fui designado como árbitro [Ruler] da presente Batalha do Graal pela Organização Caldéia.

– Parece que você conseguiu no final, Brad. Parabéns. Lembre-me de de dar aumento assim que vencermos essa luta.

– O… obrigado, senhor Kaiser.

– Hmmm? Chamaram-me?

– Não creio que seja o caso, César.

– Ah! Vocês! São os barbeiros que cortaram minha vez na Via Celio Vibenna!

– Vocês, meninos, não sabem conversar sem ter que usar os punhos não?

– Isso é coisa de adulto. Só sabem conversar gritando, para demonstrar poder e autoridade.

– Hmmm? A Batalha do Graal permite crianças lutando?

– Ahem… continuando… eu estou dando início à batalha de classificação. Os desafiantes terão que provar que estão aptos para entrar na Batalha do Graal vencendo os desafios que a Organização Caldéia preparou.

– Sem enrolação, senhorita. Diga de vez qual é o desafio.

– Hei… Astolfo é homem.

[sussurrando] – Pelo visto, eu não sou a única que esconde o doce.

[sussurrando] – Não, Karen.

– Ahem… o Mestre e o Servo escolherão um dos arcos iluminados. No fim do corredor encontrarão a arena e seus adversários. Escolham sabiamente.

Alexander, o mais afobado, olha o pórtico mais próximo e vê o símbolo de espada [Saber] encimando o pórtico mais próximo dele. Acenando para seu Servo [Mercenary] avança e some em meio das sombras, sendo seguido pelo mercenário. O pórtico perde a luz e sua passagem é fechada por um enorme monolito.

– Um caminho foi escolhido. Faltam apenas três.

– O que acha desse, Lucrécia?

– Todos os caminhos levam a Deus, Vossa Santidade. Eu vencerei todos os adversários, em nome de Deus!

Bonifácio e sua Serva [Assassin] somem pelo caminho marcado pelo sinal de uma carroça [Rider], o pórtico perde a luz e encerra a passagem.

– Restam apenas dois.

– Eu sinto forte atração por esse caminho, Durak. O que acha?

– Eu sinto Fortuna me chamando. Vamos.

[Karen] some nas sombras do caminho marcado com o símbolo do Possuído [Berserker], apaga-se a luz do pórtico que se fecha permanentemente.

– Por eliminação, James e seu Servo devem seguir pelo caminho restante.

– Faz alguma objeção, César?

– Objeção alguma, Mestre. A vitória está lançada.

James e César fecham o ultimo portal. Restam os demais “convidados”, que terão que acompanhar as batalhas dos saguões da Organização Caldéia.

– Eu, Astolfo de GrandRose, decreto o início da Batalha do Graal. Com o Arcano do Sol, pelo poder e ordem de Deus, abram-se os caminhos para as Sephirots!

Anúncios

Fate/Major Arcana – VII

O som de passos e vozes das pessoas nas ruas. O cheiro de inúmeras flores nos jardins e praças. O carrilhão da igreja anunciando a terceira hora. O cheiro de pizza fresquinha, saindo do forno. A gritaria d e crianças e professores na frente da escola. O calor do sol temperado com a brisa vinda do mar Mediterrâneo. Coisas que fazem parte da rotina subitamente ganham mais cor, mais sabor, mais cheiro, mais tons, mais nuâncias.

– Está tudo bem, Vossa Santidade?

Bonifácio move o olhar absorto do teto almofadado cor de creme da limusine e fixa em seu secretário, Juliano, que o encara de volta ao lado do motorista, um veterano da Guarda Suíça do Vaticano. A risada delicada e abafada lembra a Bonifácio de que ele tem companhia. Lucrécia veste um hábito eclesiástico branco como a neve, com enfeites em azul e dourado, tendo rosas bordadas nas barras da saia, manga e colarinho.

– Está tudo bem, Juliano. Você parece minha mãe!

– Perdoe-me pelo meu zelo excessivo, Vossa Santidade. Eu não posso evitar em ficar preocupado. Vossa Santidade ficou duas horas à mercê de uma assassina.

– Você é igualzinho à minha mãe. Eu estava saboreando coisas que eram frugais, mas ganharam intensidade. Eu estive no Paraíso e voltei ao mundo profano. Eu devo estar sentindo as mesmas sensações e emoções que os anjos decaídos devem ter sentido.

– Vossa Santidade, não convém falar de coisas do Altíssimo para vulgares.

Evidente que Juliano fica ofendido, mas Lucrécia tem uma expressão séria e compenetrada.

– Vulgares? Eu trabalho como clero secular há dez anos! O que a famigerada assassina pode saber da Igreja?

– O que você acha que sabe é irrelevante. Eu nasci em uma família que alcançou o posto mais alto. Meu tio foi o Papa Alexandre VI. Enquanto você mal sabia soletrar eu tinha lido todos os textos sagrados, até os mais reservados ao Alto Clero. Eu sei mais de Cristo do que você, garoto.

Juliano contorcia-se inteiro no banco da frente e Lucrécia permanecia impassível. A vontade de Juliano é de pular e esganar Lucrécia, mas isso seria ruim. Bonifácio queria chegar com estilo no local marcado pela Organização Caldéia onde outros representantes e candidatos ao Graal estariam para a maior conquista que um ser humano pode almejar.

– Pare com bobagem, Juliano. Coloque-se no seu lugar. Lucrécia não é apenas a Serva que me foi confiada por Deus para a Batalha do Graal, ela é minha parenta. O que você acha que pode fazer? Ela pode te cortar inteiro e você morre sem sequer se dar conta disso.

Lucrécia desenha em seu rosto o enorme sorriso de satisfação que gela até o coração do mais valente. Juliano perde a cor rapidamente, tornando-se esbranquiçado como vela e encolhe-se quieto em seu canto. Isso deve bastar, mas Bonifácio sabe que terá que testar sua Serva antes de coloca-la como representante da Igreja na Batalha do Graal.

[corte de cena]

Buzina. Freada. Diante do Coliseu, o veículo blindado com o símbolo da embaixada dos EUA quase colide com a limusine com o símbolo da Santa Sede.

– Ô! Barbeiro! O farol está a meu favor!

– Senhor Kaiser! Nossa identidade deve permanecer discreta!

– Mas você viu, não viu? Esse barbeiro cortou a minha vez. Que desenho é aquele na porta?

– Senhor, eu não sou especialista no assunto, mas creio que seja o símbolo de alguma instituição ou governo.

– Eu fotografei o desenho. Mande para Mulder, Brad, ele nos dará a resposta.

– Por que perde tempo com coisas pequenas, meu Mestre?

– Ah, César… eu esqueço que este foi sua terra e seu povo. Deve ser revoltante ver no que Roma se tornou. Eu compartilho com sua indignação. Eu mesmo tenho problemas constantemente com esse populacho em meu país.

– Eu estive dormindo por muito tempo, então eu não sinto coisa alguma por essa gente. Mas eu me interesso por essa estranha carroça que você dirige.

– Esse automóvel velho? Relíquia que eu recebi de herança dos presidentes anteriores. Acredita que isso ainda usa combustível fóssil? Mas mesmo assim é conservado porque [dizem] é indestrutível.

– Eu estou impressionado. Em suas mãos move-se com facilidade, mas parece incrivelmente complexo para mim. Eu gostaria muito de aprender a dominar essa carroça.

– Combinado! Brad, coloque em minha agenda. Ensinar Cesar a dirigir um veículo hummer. Isso se chegarmos a tempo na preleção da Organização Caldéia. Brad, você tem cinco minutos para nos colocar na rota certa.

– Mas… senhor Kaiser! As coordenadas são alteradas a cada cinco minutos!

– Desculpas não vão te ajudar, Brad. Tem quatro minutos.

Brad entra em pânico [não é recomendável, mesmo usando o GPS] e tenta, desesperadamente, encontrar algum padrão naquelas coordenadas absurdas e mutáveis. Rindo muito, Fortuna se esbalda enquanto Destino tenta retomar o controle de seus “peões”.

[corte de cena]

O comboio de blindados da ONU deixa o Campo de Refugiados Babilon. Três adiante, quatro no recuo. No meio, o blindado de elite leva em seu interior a carga preciosa. Duas crianças. Uma, que possui gênero indefinido. Outro, possui espécie indefinida. Não são prisioneiros, mas são vigiados e acompanhados pela doutora Akagi.

– Muito bem, Karen e Durak. Vamos recapitular e deixar tudo esclarecido. Nossa missão foi atacada por garotas que se identificam como Glitter Force, garotas com poderes sobre-humanos. De algum jeito, vocês conseguiram vencer essas guerreiras lendárias.

[Karen] acena afirmativamente enquanto Durak dá de ombros. A tutora das crianças suspira fundo e continua seu discurso.

– Ainda não temos informação suficiente, mas o caso é que nenhum grupo ou país assumiu a autoria desse atentado. O que me deixa nessa situação complicada e desagradável. No mundo de vocês isso não faz sentido algum, mas no mundo adulto nós temos que assumir nossos compromissos e responsabilidades. Meus superiores querem saber o que aconteceu. Eles querem saber como aconteceu. Então me ajudem com isso. Quem é a Glitter Force? O que elas querem? Por que nos atacaram? Como vocês conseguiram vencê-las?

[Karen] faz sinal de desconhecimento e balança negativamente. Durak levanta a mão. Eu vou poupar a audiência de explicações chatas e desnecessárias. Assistam as outras peças desse humilde narrador/escriba.

– Entendo. Isso é bastante providencial. Durak, você sabe, mas a Karen não. Então eu vou ser bem objetiva no que eu tenho a dizer. Nosso campo de refugiados é mantido pela ONU que, atualmente, é uma organização subordinada à SEELE e uma mera secretaria da NERV. Eu recebi ordens para que nós nos desloquemos para o Velho Continente. Vocês, crianças, serão os representantes da ONU, NERV e SEELE na Batalha do Graal.

[Karen] capricha na expressão de surpresa e Durak só rola os olhos. Isso também é desnecessário explicar.

[corte de cena]

– Eu disse que nós chegamos cedo demais.

– Como bons bretões, nós esperaremos.

No meio da região conhecida como Wiltshire, na planície de Salisbury, três homens aguardam no hotel Antrobus pela chegada dos demais participantes da Batalha do Graal ou então algum representante da Organização Caldéia.

– As coordenadas estão certas?

– Pela milésima vez, sim!

– Então a data ou o horário estão errados.

– Vendo vocês brigando assim, parecem casados.

Alexander e Strangelove viram 180 graus do balcão onde bebericavam cerveja escura quente, achando que a observação viera do mercenário, mas este estava ocupado preenchendo os rins da recepcionista. O som da voz veio do saguão, alguns metros à esquerda, onde uma figura no mínimo intrigante os olhava com desprezo.

– Boa noite, senhores. Eu sou Astolfo de GrandRose, um dos paladinos de Carlos Magno e o único sobrevivente da ultima Batalha do Graal. Eu fui designado como árbitro [Ruler] da presente Batalha do Graal pela Organização Caldéia, por conta do… desaparecimento da árbitra [Ruler] anteriormente designada, Joana D’Arc.

– Eu disse que nós chegamos no horário.

– Ahem… senhores, eu preciso de suas identificações bem como a apresentação do espírito heroico com o qual vão participar da Batalha do Graal.

– Eu sou doutor Strangelove, mas não participarei do evento.

– Eu sou Alexander Bilderberg, Primeiro Ministro do Reino Unido e aquele [apontando] é meu Servo.

– Eu reconheço suas credenciais e o espírito heroico. Questão de ordem prática. Como irá inscrever seu Servo? Qual a classe dele?

[Nestor saí de trás da cortina da recepção]- Anote aí [recolhendo as calças] eu sou da classe Mercenário.

– Lamento, mas não existe essa classe.

– Bom, Fonfon, esta é a maior batalha do Graal que está acontecendo, então exceções e acréscimos deverão ser permitidos, não acha? [segura Astolfo pelo queixo, o deixando envergonhado]

[indignado, mas no fundo gostando] – Eehh… olha, eu não te conheço e não de tei permissão para intimidades. No entanto, você está certo. A Organização Caldéia reconheceu e registrou a classe Escudo [Shield] no conflito em Fuyuki.

– Então… eu estou aprovado? [segura Astolfo pela cintura e o apalpa]

[fingindo resistir, mas gostando do jogo] – O… olha, eu sou o árbitro, eu exijo respeito. Se os senhores estão prontos, nós encontraremos os demais participantes no Campo Sagrado.

– Campo Sagrado? Nós lutaremos em um cemitério?

– Não, senhor Alexander. O portal para o local das batalhas está situado em Stonehenge.

A carta para o capítulo de hoje é o Arcano da Lua.

Fate/Major Arcana – IV

Passos ressoam sobre o piso de mármore repleto de poeira daquele que outrora tinha sido a maior e mais importante construção, onde milhares de pessoas congregavam ou voltavam suas atenções. Agora mais um prédio vazio e em ruínas, a Basílica de São Pedro congrega somente pombos e ratos. O homem, quase calvo e com os poucos cabelos que restam grisalhos, não consegue segurar as lágrimas. Ele, que foi o ultimo a ocupar aquele complexo conhecido como Cidade do Vaticano, que foi o ultimo a receber a santa missão de continuar o legado de Pedro e de conduzir os Cristãos, tem que aturar o peso de ver aquela que foi a maior empresa multinacional religiosa falida, esquecida, degradada.

– Vossa Santidade, nós achamos.

– Obrigado, Juliano. Mas você não precisa usar o pronome de tratamento. Oficialmente, a Igreja Católica não existe mais.

– Nós somos o Povo de Cristo, mesmo debaixo da abominação pagã dos Filhos da Loba, não deixaremos de ser agora que o mundo é dominado pela Nova Babilônia.

– Ora, vamos, Juliano. Nós podemos contra nos dedos de nossas mãos os que ainda persistem como Seguidores de Cristo. Não há mais padres, bispos, cardeais… eu não existo mais.

– Momentaneamente, Vossa Santidade. Se nossa operação aqui for bem sucedida, nós teremos a grande chance de restaurar a Igreja Católica e restaurá-la à sua grandiosidade, poder e influência.

– Se nossa operação for bem sucedida, Juliano, eu terei que esquecer o que fizemos aqui. Por muito menos do que nós pretendemos fazer aqui, meus antecessores clamaram por uma Santa Cruzada.

– Vossa Santidade, não é segredo algum que nós convidamos e usamos das mesmas armas dos magos, bruxas e demônios para manter a Palavra de Deus.

– Os fins justificam os meios. Essa concepção filosófica é secular, não é eclesiástica. Quantas concessões mais vai fazer, Juliano?

– Todas, Vossa Santidade. Nós temos a obrigação de restaurar o Reino de Deus nesse mundo.

– Que seja. Se até no Livro Santo está escrito que o Rei Saul fez uso dessas Artes, então mesmo esses procedimentos ocorrem segundo a vontade de Deus.

Os vultos de quatro homens vão se embrenhando pelos corredores e escadas vazias das ruínas, cada vez mais para baixo, cada vez mais para o passado, atravessando as catacumbas onde os restos mortais dos primeiros cristãos repousam silentes, atravessando inclusive as colunas do antigo templo da era romana.

– Esse treco não tem fim?

– Mais um pouco, Vossa Santidade. Nós estamos perto.

Os homens, ocultos por hábitos escuros e encapuzados, cessam a perambulação com algo ainda mais antigo e anterior a Roma, à sua fundação pelos Filhos da Loba. Por milênios ignorava-se que os orgulhosos Romanos eram tão imigrantes e refugiados quando todos os povos europeus.

Quando se fala em Latino, a figura que mais vem à mente da mentalidade preconceituosa do homem branco cristão ocidental é a do Espanhol ou dos inúmeros descendentes que a Colonização [portuguesa e espanhola] formou no Novo Mundo. Latino, assim como o Celta, se refere a um conjunto de tribos que tinham em comum apenas a língua e alguns elementos religiosos.

Tal como os Gregos atribuíam sua origem ao mítico rei Heleno, os Romanos atribuíam sua origem ao mítico rei Latino. Tal como os Gregos, os Romanos atribuíam a esse patriarca mítico origem [descendência] divina.

Deram nome de Lácio à região onde fundaram a Alba Longa, local onde os sobreviventes de Tróia reuniram-se para reconstruírem suas vidas e reerguer suas cidades. O contato e convivência dos Latinos com os outros povos que ali habitavam nem sempre foram harmoniosos e pacíficos. Os Sabinos tornaram-se parte da família depois que, por falta de mulher, homens raptaram algumas sabinas [quase aconteceu uma guerra]. Os Etruscos não tiveram tanta sorte e foram conquistados pela união dos Latinos e Sabinos. Estava ali a raiz do sucesso, riqueza e fortuna que tornariam Roma em um dos maiores impérios da história antiga. Até aí, novidade alguma, reinos, impérios e grandes organizações foram fundadas em cima dos corpos de milhares de sacrifícios humanos.

– Então… chegamos? Esse é o local?

– Sim, Vossa Santidade.

O montículo de terra estava decorado com vasos, pratos e outros objetos de barro cozido. Bonifácio sabia que ali era, certamente, um antigo cemitério, provavelmente Etrusco. Não que os Etruscos tinham sido erradicados do mundo, sobreviventes da primeira guerra latina foram assimilados [e usados como servos]. A cultura, a tecnologia e o conhecimento dos Etruscos foram apropriados pelos Latinos. Governo, língua, alfabeto… foram apropriados. Rituais, sacerdotes e Deuses receberam roupagem latina e foram somados aos costumes latinos. Estelas funerárias que cercavam o montículo subscreviam em runas latinas os nomes dos finados e todos eram encimados pela Deusa dos Mortos. Que belo escândalo seria se os Cristãos soubessem que a Santa Igreja foi erigida em cima de um cemitério Etrusco e sua cidade tinha recebido o nome da Deusa Etrusca dos Mortos!

– Podemos acabar logo com isso? Eu estou começando a ficar sufocado.

– Perdoe-me por isso, Vossa Santidade. Por milênios nenhum ser humano pisou nesse solo e os fantasmas do passado guardam muitas mágoas e rancores.

– Poupe-me dos detalhes e explicações, Juliano. Vamos fazer o que viemos fazer.

– Sim, Vossa Santidade. Pode fazer as honras, sacerdote Pen Apple Pineapple?

Do grupo de encapuzados, um homem esquisito, que parecia ter saído de concurso de cosplay, faz alguns sons e movimentos. A sensação de falta de ar aumenta exponencialmente. Os fantasmas devem estar furiosos.

– Está tudo pronto e preparado. Eu preciso agora do item e do catalisador.

Juliano entrega algo embrulhado em um lenço de seda para o “sacerdote”. Bonifácio não consegue ver o que foi entregue, mas segura a risada enquanto o “sacerdote” prossegue com a pantomima ridícula. Os espíritos dos que ali jaziam passaram a ter forma e volume. Vultos caminhavam em volta dos homens que tremiam inteiros. O clima estava ficando mais tenso até para o “sacerdote”.

– Que papelão é esse? Juliano, quem é esse homem?

– Vossa Santidade, ele me garantiu que era sacerdote legítimo e conhecedor dos antigos rituais.

– Se ele é legítimo, eu sou o Apóstolo Pedro.

– Silêncio! Vocês estão interferindo no ritual!

– Criaturinha infame, é mais provável que nossos corpos e almas se juntem a essas sombras do passado.

Repentinamente, o montículo emana certa luminosidade. Os espíritos devem ter resolvido dar uma mãozinha. Dando o que esses humanos querem, eles poderão voltar a descansar. O item salta de dentro do lenço de seda. Uma mecha de cabelos louros trançados e amarrados com uma rica fita de cetim rosa. O catalisador faz sua aparição. Uma luminúria do arcano da Torre [conhecida também como a Mansão de Deus]. Acontece a fusão alquímica e no vórtice da energia formada, surge uma forma, um corpo… feminino… formosamente feminino.

– Onde… onde eu estou?

– Saudações, donzela temente de Deus. Nós te chamamos do seu descanso para lutar pela Santa Igreja na Batalha do Graal.

– Oh, por Santa Maria! Enfim, uma chance para me redimir de meus atos! Senhores, eu aceito tal gentil oferta, mas é necessário que o pacto seja consumido pelo Sumo Pontífice. Quem de vós sois o Papa?

– Este seria eu, criança. Bonifácio Canterbury. Até dez anos atrás eu atendia o cargo como Papa Dionísio II. No momento eu estou… como posso dizer… desempregado.

– Vossa Santidade, vós recebeste a unção de Deus. Isto é um fato. Eu me sinto honrada lisonjeada por vós terdes me escolhido. Faça dessa serva de Deus sua ferramenta.

– A senhorita é bem educada, cortês e civilizada. Por qual nome eu devo chama-la, criança?

– Vós podeis me chamar como vós aproveis, Vossa Santidade. Essa serva de Deus foi conhecida pelo maldito nome de Lucrécia Bórgia.

– Muito apropriado. Coincidência ou destino. Quem sabe o delírio de um escriba. Eu estou na casa dos cinquenta, mas sinto-me como um infante diante de ti, senhorita. A fortuna fez com que eu seja seu descendente, serva de Deus. Pelos extensos e desconhecidos mares do matrimônio, a família Canterbury descende da família Bórgia.

– Permita-me dizer, Vossa Santidade, que esta é a Providência Divina.

– Bravos! Os doutores da Igreja não diriam melhor.

– Vossa Santidade é muito generoso. Agora, Vossa Santidade… eu tenho um problema…

– Problema?

– Sim, Vossa Santidade. Eu tenho que… consumar o nosso contrato.

– Pois diga o que deve ser feito que nós providenciaremos.

– O problema é esse, Vossa Santidade. Meu antigo eu carnal não veria problema algum, mas como eu busco por minha redenção, eu… sinto vergonha… em consumar nosso contrato diante de testemunhas.

– Pois vivas ao pudor e à virtude. Ficaria mais à vontade se os cavalheiros nos deixassem em privado?

– Por gentileza, Vossa Santidade.

Três homens, sem dizer coisa alguma, saem do local, distanciando-se vários metros galeria para dentro. Juliano fica contrariado e com medo. Deixar o Papa com uma renomada assassina não é uma boa ideia.

– Muito bem, senhorita Lucrécia nós estamoooops!

– Que Deus me perdoe, Vossa Santidade, mas esse é o único meio de consumar o contrato. Vossa Santidade tem que entrar em mim e derramar sua sagrada semente em meu ventre.

– Oh… bem… chegamos até aqui… seria um pecado maior não irmos até o fim.

Lucrécia montou Bonifácio avidamente e não cessou até sentir seu ventre inteiro sendo regado por este líquido quente, esbranquiçado e viscoso que carrega as futuras gerações.

Em busca do Graal – X

Eu passei mal depois de tanto rir, ainda sinto os efeitos da hiperventilação e excesso de oxigenação. Meus parceiros de missão evidentemente ficaram amuados e emburrados, mal perceberam a tensão que ainda estava presente entre os soldados. A tensão somente dissipou-se quando chegamos em Kursk, na estrada em direção a Voronej. O que é inusitado, pois tecnicamente estamos na Rússia, o principal país da União Soviética, liderado pelo Fürher Soviético. Então eu considerei que, dentre os presentes, o capitão é praticamente o quarto integrante de quem nada sabemos.

– Senhores, eu devo lhes agradecer pela colaboração além das expectativas. Graças aos senhores, nós conseguimos algumas boas respostas.

– Capitão, de nós três o senhor é o único de quem nada sabemos, mas tem demonstrado algum conhecimento. Além do que tem a situação de que nós não estabelecemos um pacto entre nós. Eu não desejo te colocar em uma posição incômoda, mas é necessário. Afinal, capitão, quem é o senhor?

– Eu preferiria não apresentar-me e resguardar meus comandados de alguma forma, mas eu também considero inevitável. Eu sou capitão Leopold Kroenen, irmão do tenente Karl Kroenen e aluno de Herman Klempt. Eu admito que coloquei meus homens em risco ao aceitar essa missão unicamente para resgatar meu irmão, embora ele esteja irremediavelmente perdido nas mãos de Grigori Rasputin. Essa tal de Nova Ordem Mundial está envolvida com inúmeras sociedades secretas e tem recorrido a inomináveis artes negras, na Alemanha, na Rússia e nos EUA. Eu espero que os senhores queiram, como eu, acabar com essa insanidade e achar o Graal parece ser a única solução. Os meios e as ferramentas necessárias para realizar tal objetivo são irrelevantes. Se pode e tem algo a fazer, bruxo, faça-o e nós aceitaremos.

Eu dou uma boa olhada em meus parceiros, que parecem ter recobrado o ânimo. Não deve ter sido fácil para eles perderem a religião e eu me sinto mal por ter tripudiado da dor deles. Enquanto a crença é algo pessoal, uma experiência que é vivida e experimentada diariamente, a religião é apenas a sua forma estruturada. Mas quando a religião é uma estrutura imposta de fora para dentro, não há base, não há vivência, não há experiência. A religião se torna uma prisão onde uma organização religiosa se mantém pelo medo, ignorância e força. Nenhuma crença se sustenta dessa forma, fatos e circunstâncias vão minando e enferrujam as certezas, os dogmas, nos quais o frágil castelo da religião instituída é mantida. Quando isso acontece, ou a pessoa segue livre e procura a Verdade, ou se apega à necessidade da certeza e adota outra religião instituída, onde eu incluo o ateísmo, onde a necessidade da certeza entrona a Ciência a tal ponto a negar a existência do mundo espiritual.

– Seja o que venhamos a fazer em Voronej, capitão, é possível reservar uma hora? Eu precisarei desse tempo para compilar os elementos necessários para criar o vínculo necessário entre todos nós.

– Isso é perfeito. Na verdade, nossa operação em Voronej irá conciliar perfeitamente o pacto que temos que fazer. Senhores, se tudo der certo, nós iremos nos encontrar com a Mãe de todos nós.

Eu fiquei sem saber se o capitão falara isso de forma figurativa ou literalmente. Talvez o bom capitão esteja caminhando rumo à outra fratura nas suas convicções. A origem da humanidade, o Jardim Primordial, essas estórias fazem parte de inúmeras lendas e mitos antigos. Eu não tenho certeza até que ponto eu poderei expor tais segredos sem comprometer meus votos.

– Diga-nos, bruxo… você tem a intenção de nos colocar a todos em uma missa negra ou em algum ritual inventado por magos britânicos?

Corso e Van Helsing tinham motivos de sobra para serem céticos e desconfiados depois de tantas revelações. Eu sei bem como é isso, pois eu estive em um momento parecido, eu estive na borda de um círculo, eu fiz o juramento e fui traído por quem me jurava fraternitas diante dos Deuses Antigos. Qualquer outro no meu lugar teria desistido, cometido suicídio, homicídio ou coisa pior. Eu não vou dizer que não doeu, eu levei algum tempo para me recuperar, mas considerando que eu tinha sobrevivido à minha infância e adolescência, minha força e resistência tinham sido bem exercitadas e, graças aos Deuses Antigos, eu continuo andando.

– O que eu farei é algo bem simples, para ser exato, mas para vocês será um ponto de onde não é possível desfazer ou voltar atrás. Eu questionaria se estão preparados, mas isso é com cada um aqui presente. Assim funciona o Ofício, o Caminho, cabe-me apenas executar o que deve ser feito, cabe-lhes perceber e interpretar o que sentirão e experimentarão por conta própria.

Voronej é geográfica e tecnicamente considerada cidade da Rússia, mas incrustrada em uma região onde a Europa e a Ásia são fronteiriças, na prática é um caldeirão de diversas etnias. Desta vez, nosso local de desembarque aconteceu em uma igreja ortodoxa e, nessa altura dos fatos, eu não me surpreendo. Nós não vimos os indefectíveis oficiais da Sociedade Thule, mas o que vimos foi a Ordem Svobodnyye, a versão soviética da sociedade secreta responsável pela Nova Ordem Mundial. Nós não vimos soldados nem funcionários de laboratórios, mas aristocratas, acadêmicos e burgueses em geral. Eu me senti como se nós tivéssemos invadido um sarau cultural.

Mister Kronen! Que satisfação reencontrá-lo! Muitos de nós o considerava desaparecido, senão morto. Eu exulto em ver que está em boa saúde e trouxe-nos os “especialistas”.

Um janota britânico veio nos saudar com fraque, cartola e bengala. Ele provavelmente é nosso anfitrião.

– Sir Fraser, eu e meus homens conseguimos chegar até aqui. Considerando que nós não temos tempo para frugalidades sociais, poderia levar a mim e aos doutores aqui até o objeto de avaliação?

O almofadinha britânico torceu o rosto e nos conduziu até a câmara envolta em tecidos e, no centro daquilo tudo, uma mulher sentada nos olhava de volta intrigada. Ela tem baixa estatura e sua pele é negra, eu considerei impossível dizer sua idade.

Sires, eis diante de vós a Mãe de todos nós.

– Eva… esta é Eva?

– Sim, eu sou. Embora eu diga que o título de Mãe de Todos é exagerado. Houve outra, antes. E mesmo eu fui resultado de uma operação cirúrgica, por assim dizer.

– Então… existiu o Jardim do Éden e a humanidade foi criada por Deus?

– Essa é a versão oficial, senhores da Igreja. Mas a verdade é bem mais interessante. Nós todos somos produto de engenharia genética, efetuada em Edin, o laboratório dos Annunaki, um laboratório e uma fazenda de criação, eu diria.

– Eu… não entendo… Annunaki?

Eva rola os olhos e solta um suspiro de enfado.

– Sim, senhores, Annunaki, os Filhos de Anu, os Deuses das Estrelas, que aqui vieram para estabelecer uma colônia e gerou a humanidade por engenharia genética. Só falta vocês não saberem que o Homem Primordial era, na verdade, um hermafrodita, o que faz de mim e de Adão, seres humanos transgênero.

Eu estou prestes a explodir em risada e Eva está visivelmente irritada com a expressão embasbacada de meus parceiros.

– Bom… ao menos um de vocês sabe. Eu nem vou falar da “outra”, senão vocês vão ficar catatônicos.

Nossa conversa com Eva foi abruptamente interrompida por muita movimentação, tiros e explosões. O capitão sumiu da sala e certamente estava com seus homens. Com um leve maneio de sua mão, Eva aciona um cadafalso e some chão adentro. Aqueles homens empertigados começam a correr e entrar em pânico, os projéteis zunem e uma estranha dança de corpos e filetes de sangue vão enfeitando a sala.

– Por Deus! Nós vamos morrer!

Meus parceiros estão em choque, agarrados aos próprios joelhos, encolhidos em algum canto, esperando pela providência divina e eu ousaria dizer que se mijaram e se cagaram todo. Eu, acostumado a essas atividades, fui direto para fora e ver quem estava nos atacando.

Pelo noroeste, um destacamento de exército usando armas mágicas. O coitado do capitão não tinha chance alguma. Ao sudeste, outro destacamento, de outro exército, igualmente municiado com armas mágicas. Será um massacre. Nesse passo, não haverá sobreviventes. Uma pessoa normal entraria em pânico, mas eu não. O cheiro do solo queimado, o som dos corpos sendo espedaçados… meu sangue começa a ferver, minha massa muscular aumenta mil vezes e minha compleição transforma-se em outro ser.

Eu me transformo no Deus das Florestas e começo a regar o solo com os ossos, entranhas, miolos e sangue dos soldados inimigos. As armas mágicas são disparadas desesperadamente, mas isso sequer me faz cócegas. O capitão e seus soldados tiveram o bom senso de se esconderem e eu os vejo tremer quando eu os olho.

– Cessar fogo! Cessar fogo! Agente Cinza? Aqui é a Agente Pixie Zero Um!

– Cessar fogo! Cessar fogo! Durak? Sou eu, Gorgo e Mabel!

Um breve histórico passa por minha mente. Pensar em Gorgo não me diz muito. Mabel é uma lembrança melhor. A história é completamente diferente com Tanya, o “Agente Pixie Zero Um”. Nós lutamos juntos e estivemos em uma missão. Ela compartilhou comigo bem mais do que seu catre e isso é tudo o que eu irei falar. Pensar e lembrar de Tanya me acalma. Acontece um armistício e os soldados de ambos os lados confraternizam, pois são todos irmãos em armas.

– Durak, que inusitado encontra-lo nestas paragens!

– Saudações Gorgo e Mabel.

– Weinberg! Eu não esperava encontra-lo aqui.

– Tenente Degurechaff, eu me considero afortunado por reencontra-la.

Como se nós estivéssemos em outro tempo e dimensão, eu apresento Tanya a Gorgo e Mabel e ela a estes outros amigos. Por obra de Fortuna ou Destino, Tanya, Gorgo e Mabel oferecem-se para nos escoltar até chegarmos a Volgogrado. No meio do caminho eu saciei a fome de Tanya e ela aplacou a saudade que eu sentia dela.

– Corrija-me Tanya… mas você se casou com Victoria, sua tenente?

– Irrelevante, Rhum. Formalidades e convenções sociais não podem me prender. Mas Victoria ficará desapontada, se não lhe for fazer a mesma gentileza que me fez.

Batidas na porta do exíguo quarto de hotel. A porta se abre e Mabel não faz cerimônia alguma em entrar, completamente nua.

– Hei, essa festa cabe mais uma ou é particular?

Eu não penso em mais nada a não ser em me afundar nas dobras das duas.

Em busca do Graal – VII

O segurança do doutor Bruttenholm me pegou e me jogou de volta na caçamba do caminhão e ali na boleia eu fiquei tal como eu estava, seminu e ainda melado.

– Bruxo… eu ouvi muitos boatos a seu respeito e vejo que são verdadeiros. Eu custo acreditar que você satisfez a encarnação da luxúria criada pelo Cristianismo.

– Isso não é justo. Você me conhece, mas eu não te conheço, embora eu reconheça sua natureza.

– Não vai me pegar com esse truque, bruxo. Se eu te disser meu nome, meu nome verdadeiro, você irá me controlar.

– Assim diz o cachorrinho na coleira…

– N… não é assim não. O doutor… me adotou quando eu vim parar nessa dimensão. Eu não teria sobrevivido.

– Scarlet não parece ter tido dificuldade alguma. Por que não admite que escolheu ser submisso?

– I… isso não vem ao caso e não é assunto teu! Suma!

Eu não tive tempo de dizer algo para o pobre Rei da Coroa de Fogo. Falar o nome dele era uma mera formalidade, afinal, ele sabia o meu. Nossa presença ali era desnecessária e importuna, mas a Nova Ordem Mundial deve ter grandes planos para Babalon. Nós temos que continuar a nossa busca, embora os encontros tenham se tornado mais perigosos.

– Capitão… eu te peço que não nos leve para Bucareste, Romênia.

– Nosso plano de missão não inclui a Romênia, Van Helsing. Eu creio estarmos longe o suficiente e em território neutro o suficiente para lhes dizer que nossa busca também consiste em encontrar os legítimos Arianos.

Van Helsing não acreditou muito e só respirou aliviado quando tomamos uma rota mais voltada para o leste, em direção a Kiev, Ucrânia. Estávamos em pleno solstício de inverno, os soldados cantavam cantigas natalinas de caserna, mas eu mal via qualquer sinal da presença do Cristianismo naquelas paragens. Enquanto estávamos em Budapeste, na Hungria, a presença dos antigos espíritos consistia em um leve aroma, na altura de Polgar eu conseguia presenciar suas formas físicas. Corso estava bastante conturbado, mas não era pela massiva e forte presença de entidades que, para a Igreja, não existia, eram meras lendas, ou demônios.

– Você… consegue vê-los, Corso?

– Hã? Que? Ah… “eles”. Bruxo, eu nasci em Saragoça e eu aviei o famigerado Manuscrito. Van Helsing deve estar perturbado com “eles”, pois só os conhecia por livros. Eu me esqueci de falar que uma das coisas que eu busquei no Protestantismo foi me livrar dessas presenças constantes de minha infância.

– Do que vocês estão falando? Não há nada lá fora. Nada.

Eu quase sinto pena de Van Helsing. Assim como o ateu, ele simplesmente se recusa a perceber qualquer evidência que contrarie sua concepção de mundo.

– Nesse caso, Corso, o que o perturba?

– Scarlet… ela é muito parecida com Alexandra. Mas ela não me reconheceu. Afinal, por onde eu andei? Eu estive no Vale das Sombras? Quem me guiou, quem eu conheci e qual foi a Revelação que eu tive?

Eu dou alguns tapas nos ombros de Corso, mas não responda. Ele tem que encontrar as respostas por conta própria. Nisso, nós três temos em comum: nós temos todo o material necessário para a Jornada, muito embora a percepção e a interpretação do Caminho sejam diferentes.

– Você… não irá me dizer…

– Não, Corso. Eu estou impedido. Além do que, eu passei por essa experiência de confiar minha alma e minha Jornada a terceiros. Isso eu não disse, Corso, mas mesmo no Ofício existem farsantes, vigaristas e estelionatários. Eu demorei muitos anos de pesquisas, experiências, tentativas e erros para aprender e filtrar. O que eu achei [um verdadeiro tesouro] é algo que somente vale para mim. Se te ajuda em algo, não desista, continue sua caminhada.

– Mas… o problema é esse… aonde eu vou chegar? Aonde Van Helsing vai chegar? Aonde você vai chegar?

– Isso… eu também estou impedido de declarar. Eu só posso dizer que nós vamos rir muito de tudo isso.

Van Helsing enfia o rosto ainda mais dentro do casaco, como que para criar um escudo de proteção. Corso fica perdido em suas lembranças com Babalon, mas sorri encabulado a cada entidade que nós flagramos na paisagem, nos encarando de volta. Os soldados que nos escoltam estão mais relaxados, assim como o capitão. Uma placa dizia em cirílico: Fronteira Transcarpátia. Saida de Nyregyaza. Entrada de Oblast. Nós estávamos oficialmente na União Soviética. Um bom gancho para tratar de política, mas eu irei poupar o leitor.

– Capitão… nós não estamos em território inimigo?

– Eu não tenho permissão para dar muitos detalhes, mas a Sociedade Thule é apenas uma de muitas organizações. Não é apenas na Alemanha, mas em toda a Europa existem organizações secretas, com objetivos aparentemente distintos, mas que costumam interagir para realizarem um Ideal Elevado. Achar o Graal, achar os Arianos… são objetivos que aparentam direções diferentes, mas é de Cristo que falamos, de tornar real o Reino de Deus nesse mundo. O que mais o mundo moderno idolatra senão o dinheiro, o capital? A fonte dos males que o homem fomenta é o dinheiro. A humanidade perdeu seu caminho para cumprir o propósito de sua criação. Eu espero que os senhores possam encontrar a resposta para esse enigma. Eu espero que meus netos possam ter um mundo efetivamente humano. Sem fronteiras. Sem guerras. Um único Povo, uma única Nação, um único Deus. Esse é o Ideal Elevado.

Palavras e ideias que não dizem muita coisa sem estarem embrulhadas com um argumento. Infelizmente palavras e ideias podem mover um homem para uma ação, no ambiente certo, um grupo só precisa de palavras e ideias para cometer atrocidades. Corso tem um calafrio e eu não o condeno. Meu lado guerreiro sabe que a ação tem que ser pensada, consciente, do contrário é homicídio, não heroísmo.

– Senhores, chegamos. Nesta parada, os senhores não irão precisar de nossa escolta. Eu só lhes peço que se comportem. Esse é um achado raro nos dias de hoje.

Nós estamos em algum lugar entre Lviv e Rivne, noroeste de Kiev. Meus parceiros de missão estão apreensivos, ambos procurando pelas entidades que a Igreja deles lhes disseram que não existiam. Os soldados não estavam armados e seguiam o capitão para um ponto onde é possível ouvir vozes e a luz de uma fogueira. Eu não sinto perigo imediato, então eu sigo o cheiro bom e familiar. Bem ao longe, eu vejo um grupo de velespans [entidades da natureza locais] que observam o agrupamento humano com expressão horrorizada.

– Saudações, meus bons amigos.

– Saudações, Amado da Lua. Você está com esses humanos?

– Perdoem por minha péssima companhia, mas é necessário, o Caminho trouxe-me até aqui por algum propósito. Eu lhes garanto que eu me esforço em manter puros os ritos antigos.

– Nós sabemos, Amado da Lua. Fique conosco. Não se macule com esses humanos.

– O que eles estão fazendo que lhes causem tanto horror?

– Eles vieram da capital, trazendo gente de outra terra e outra língua. Disseram saber a verdadeira Religião Antiga e começaram a evocar o nome de outra Deusa da qual nunca havíamos ouvido falar. Fizeram muitos daqui se esquecerem de Perun! Fazem mais mal aos nossos do que os padres do deus forjado pelos Romanos. O que eles fazem ali nos causa asco, nos enoja e nos afasta. Eles promulgam uma religião completamente estranha a esta terra e a este povo. Conhece-os?

Eu respiro fundo e tento não passar vergonha diante daqueles olhares lamurientos. Enquanto Corso pisou em uma das orlas da Umbra, do Vale das Sombras, eu perambulei por todo o Submundo. Quando o mago inglês revelou Babalon, eu tinha passado pelos lençóis dela muito antes e ali não há mistério algum. Outro inglês, inspirado pelos Ritos Antigos, pelo Ofício, olhou para o mistério que existe dentro da caverna no centro do Bosque Sagrado e revelou um sistema religioso.

Sim, eu os conheço, eu queria dizer, mas também sei as falhas e a piedosa fraude que ali se esconde. O sistema voou pelo grande oceano e nas colônias inglesas do Novo Mundo adquiriu popularidade e influência, os maiores inimigos de todo e qualquer sistema religioso e mágico. Ali, nas mãos de farsantes, vigaristas e estelionatários, tem se tornado outra religião de massas. A humanidade nunca precisou de organizações religiosas e tem gente que está conduzindo o Ofício, os Ritos Antigos, nessa direção cujo destino só conduz à degradação.

– Meus amigos, paciência. O ser humano está tentando resgatar suas origens, suas raízes. Mesmo que por erro e equívoco, os Deuses Antigos estão retornando. Aqueles que falseiam vão pagar caro pelo ato que cometem. Serão esquecidos e seus nomes banidos. Apenas continuem a ignorá-los, em breve os seus irão perceber o logro e os abandonarão. Este é a sua terra, este é o seu povo, eles irão precisar de sua orientação e presença para seguir o Caminho. Eu tenho certeza de que esta terra voltará a ser de vocês e poderão viver em comunhão com o vosso povo. Acreditem.

– Bendito seja, Bruxo! Bendita seja Aquela cujo nome não ousamos pronunciar. Que nunca te falte comida, bebida, música e amor. Você é o orgulho de seu povo e de sua terra. Sim, a despeito de toda adversidade e perseguição, até por aqueles que alegam pertencer ao Ofício, você segue fiel ao Caminho, aos Ancestrais e aos Deuses Antigos. Agora nós entendemos e percebemos porque é chamado de Amado da Lua. Que bom Filho tem o Sol! Nós rogamos para que algum dia encontre o que procura.

Eu agradeço tamanha gentileza e compaixão dos espíritos da natureza. Mas no fundo eu fico melancólico, pois ainda hei de penar outras encarnações antes que eu ache o que procuro. Eu faço força para me convencer do que acabo de dizer. Mas eu vivo entre humanos e minha gente é proficiente em criar bagunça, confusão e desordem onde põe a mão, como um Midas invertido. O som fica mais alto, o cheiro fica convidativo. Meu Senhor, minha Senhora, fechem seus olhos, ouvidos, narizes e bocas. Eu prefiro que não testemunhem o que o ser humano está fazendo com os Ritos Antigos, com o Ofício. Eu, pobrezinho de mim, pouco posso fazer ou falar. Mas não vou recusar uma boa festa. Esta, ao menos, sempre se manteve pura e então, aceitem de bom grado. Pois toda vez que nós nos reunimos em celebração, sempre que estivermos comendo, bebendo, fazendo música e amor, ali estarão nossos Ancestrais e ali estarão os Deuses Antigos.

Pistas da Gnosis de Nabokov – I

O clássico de Lewis Carrol pode ser encontrado com facilidade nas prateleiras de livros “infanto-juvenis”, completamente alheio ao fantasma que acompanhou seu autor e a menina que serviu de musa. Então fica a grande pergunta: por que exatamente o relacionamento [possível, escondido, embora nunca confessado] entre Alice e Charles serviu como motivo para Vladmir Nabokov escrever o clássico Lolita?

No século XXI, entender qual a semelhança entre esses clássicos é entender porque nós ainda temos tanto medo diante de nossa libido e pulsão por “novinhas”, um mal moderno completamente desconhecido mesmo na Idade Média dominada pela Igreja. Eu me recuso a sintetizar isso como um desdobramento de Jean Jacques Rousseau e seu “bom selvagem”. A conceitualização romântica e ideológica da criança e do adolescente como seres inocentes, ingênuos e assexuados envolve um fenômeno mais profundo.

Para tentar entender por que Nabokov escreveu essa obra e exatamente o que ele queria transmitir com ela deve ser também algo mais profundo que não relatar um relacionamento supostamente abusivo, proibido e interditado entre uma pré-adolescente e um homem maduro. A melhor pista que eu posso seguir é procurar a própria Dolores e tentar ouvir a versão dela.

Eu tenho que seguir até o Distrito de Columbia, Maryland, ano de 1952, para procurar o processo criminal conduzido pelo advogado Clarence Clark. O advogado deve saber melhor do que o escritor quem era Lolita e seu padrasto “sequestrador”. O escritório de advocacia de Clarence Clark fica próximo do Colégio Howard, próximo bastante para que os alunos possam ser vistos das janelas. Cinco minutos depois o advogado surge, visivelmente nervoso e assustado.

– Você não é do FBI?

– Não, senhor Clark. Eu sequer sou americano. Eu vim do Brasil e tenho um interesse no processo publico do Distrito de Columbia vs Humbert.

– Ah… meu escritório virou uma bagunça depois desse caso, apesar dos nomes fictícios das partes, sobretudo depois do maldito livro. O senhor compreende, não é? Eu vejo essa garotada todos os dias e fico pensando no que eu me meti quando aceitei o caso.

– O senhor ou seu escritório sentiram alguma pressão ou cobrança da comunidade?

– No calor dos acontecimentos, nós quase fomos linchados e quase tocaram foco no edifício. Mas nós conseguimos contornar a situação. Desde então eu tenho ficado mais precavido. Qual o seu interesse nesse caso?

– Meus interesses são o literário, o filosófico e o psicanalítico, senhor Clark. O que o senhor pode nos falar de seu cliente? Eu gostaria de ter mais dados, como idade, procedência, profissão, família e escolaridade.

– Tem certeza de que não é do FBI? Ou da Interpol?

Eu entrego meu passaporte que é esmiuçado pelo advogado, com expressão grave, concentrada e desconfiada. Eu percebo que suas mãos tremem e suam, enquanto ele certifica o carimbo da Secretaria de Imigração e Turismo.

– Oquei, o senhor veio do Brasil. Uma viagem e tanto até aqui. O que meu cliente declarou e que eu posso dizer é que ele nasceu em Paris, França. O pai era dono de um hotel na Riviera [Hotel Mirana] e a mãe era parente de Jerome Dunn. Meu cliente alega ter adquirido diploma em Literatura e trabalhou por muitos anos como instrutor de inglês para jovens.

– Isso deve ser o suficiente. O que o senhor pode falar da pleiteante?

– O que a promotoria declara é que a senhorita Dolores Haze vivia com sua mãe em New England e acomodaram o “professor” em um quarto de sua pequena casa suburbana, no bairro latino.

– Algo está faltando. Como o seu cliente foi parar na América e como exatamente o Destino ou a Fortuna o colocou na mesma rota de Dolores?

– Meu cliente veio para a América, permita-me a ironia, atendendo a um chamado de nossa justiça, por uma herança deixada por um tio. Sua estadia e permanência, bem como dar continuidade aos “negócios da família” faziam parte do testamento.

– Isso nos dá o “quem”, o “onde” e o “como”. Falta o “quando” e o “por que” seu cliente e a pleiteante envolveram-se nessa tragédia.

– Isso meu juramento não permite declarar, mas o senhor pode obter estas respostas pelo manifesto escrito por meu cliente, que faz parte da denúncia do Distrito de Columbia contra ele. O senhor pode solicitar vistas ao processo na Corte de Maryland.

Eu agradeço ao advogado e, sem olhar para trás, trato de pegar a estrada até Annapolis, Maryland. No fundo eu sei que o advogado está me seguindo com o olhar e vai checar de novo minha identidade com seus conhecidos na polícia e na justiça. Se eu estivesse de carro, eu seguiria pela Rota 97 e levaria 58 minutos. De ônibus, eu pego um longo caminho, indo primeiro ao centro de Baltimore para depois chegar em Annapolis, após 2h e 50 min. Pelo horário, cansaço e fome, eu deixo para o dia seguinte e descanso no Hotel Lowel.

A Corte de Maryland é tão próxima do porto da cidade que é praticamente vizinha da Academia Naval dos EUA. Perscrutar o escaninho desta corte não é tão fácil quanto a de meu país. Apesar de minha aparência ser tão europeia ao cúmulo de ser confundido com um turista em Salvador – BA e de falar razoavelmente o idioma local, os oficiais de justiça assim que olham meus documentos, com meu nome e origem, não demoram a soltar algo que mistura decepção e aversão. Brasileiro é latino e nós somos todos “mexicanos”. Mas o processo em questão tem sido tão solicitado nos últimos dias que o cartório tem até diversas cópias [press-releases] com as minutas das audiências. A consulta ao livro foi mais frutífera, diante da linguagem hermética, fria, estéril e indiferente da técnica de redação forense. Nenhuma pista ou indicação de como se urdiu tal tragédia. Só as bobagens pseudo-psicanalíticas e casuísmos históricos de Nabokov dão um vislumbre do que se pode dizer superficialmente.

– Hei, chicano, está querendo saber mais desse escândalo?

Eu levando meus olhos das páginas que o cartório me dispôs e me deparo com um funcionário local. A ironia é que ele é bem mais moreno do que eu, ele é muito mais “chicano” [latino, como os americanos dizem de forma pejorativa] do que eu.

– Sim, eu estou em busca da versão dos fatos segundo a visão da pleiteante.

– O senhor deve ir para Baltimore procurar pelo doutor John Ray Jr. Ele conhece bem a mente do señor Humbert, quando o consultou a título de psiquiatra forense e consultor clínico de seu avocado.

Um tiro no escuro. Uma breve consulta nas cidades de Massachusetts não existe uma que se chame de Widworth e uma consulta nos registros acadêmicos retorna com zero ocorrência do “doutor” John Ray Jr. Seria algum tipo de cifra usada por Nabokov [e a Justiça] para esconder os únicos personagens que realmente poderiam responder às perguntas embaraçosas?

– Muito obrigado pela indicação. Infelizmente nem o advogado nem o processso indicam quem é ou onde eu posso encontrar o doutor John Ray Jr.

O funcionário espremeu um chumaço de papel em minhas mãos e saiu andando, como se não tivessem centenas de pessoas em nossa volta. Sem muitas opções, voltei para a rodoviária de Annapolis e esperei o primeiro ônibus para Baltimore e, com cuidado, eu li o rascunho.

Juan Raymond, forensic psychiatric, Whitworth Way, resident professor, Maryland Research Center. Diga-lo que usted tiene indicacion de Pablo Calina.

Não é nada pessoal

Ainda bem que nos deram três dias de descanso. Eu devo ter adormecido por várias horas depois que me deixaram em paz. Eu acordo com o corpo amolecido e as pernas bambas, sozinha, no quarto. Eu ainda estou sonolenta e trôpega, mas perambulo pelos corredores da ala de dormitórios, procurando por minhas colegas de time. De algum jeito eu chego ao estádio aberto, onde diversas competidoras se exercitam e treinam. Eu consigo encontrar o meu time com facilidade, eu sou capaz de reconhecer suas vozes de longe.

– Ah! Até que enfim a dorminhoca despertou! Veio treinar ou veio atrás de seu desjejum?

As irmãs Matoi treinam com afinco juntamente com Miralia, enquanto Leila se espreguiça em uma cadeira de praia, debaixo de uma sombrinha, tomando alguma bebida alcoólica. Eu quase fico brava com esse desinteresse e indiferença, mas minha barriga ronca com fome assim que eu vejo ela me oferecer a linguiça dela. Outras candidatas que treinam nas cercanias olham com um misto de ciúme e inveja enquanto eu me sirvo e não largo o naco enquanto eu não estivesse satisfeita.

– Ô! Hei! Devagar aí! O material é duro, mas sensível!

Até as irmãs Matoi param o treinamento enquanto eu uso de toda minha habilidade e técnica para fazer com que Leila seja “ordenhada” três vezes. Podem dizer que foi a forma que eu encontrei para retribuir o “favor” que Leila me fez.

– [slurp] Agora eu estou satisfeita [burp]. Eu posso participar do treino?

– Eu acho bom. Leila foi nocauteada, não vai treinar hoje e nós estamos cansadas. Miralia precisa treinar técnicas de ataque.

Eu entendo a preocupação das irmãs Matoi. Em termos de defesa, Miralia é perfeita, nem as irmãs Matoi juntas conseguiram abrir uma brecha. Mas em um torneio, em uma luta pela sobrevivência, isso não é o suficiente. As irmãs Matoi pegam suas cadeiras de praia, pedem lanches e mais bebidas. Leila não recobrou a consciência. Eu desconfio que as irmãs Matoi estão deliberadamente me fazendo treinar com Miralia. Elas conhecem minhas técnicas e devem querer ver o espetáculo. Eu suspiro e até fico um pouco animada, pois eu quero testar, do meu jeito, a capacidade de combate de Miralia.

– Acho que somos só nós duas, “filha”. Você está pronta?

– S…sim… hã… Erzebeth.

Um silêncio enorme domina o estádio aberto. Todas parecem ter parado seus treinos. Eu desembainho minhas duas espadas e vou com tudo para cima de Miralia. Sim, ela é tecnicamente minha filha, mas no campo de batalha isso é irrelevante. Ela tem que saber e ver o que é enfrentar a morte, ela tem que saber e ver o que é essa sede de sangue que vive dentro de nossa sombra. Para deixar as coisas interessantes, eu começo com 20% da minha força espiritual [a energia flui com mais rapidez e eficiência neste corpo feminino do que no meu corpo masculino]. Eu consigo ver aquela expressão e reação que eu devo ter visto milhares de vezes transparecendo nos rostos e olhos de minhas vítimas. Medo. Pavor. Horror. O corpo congela e enrijece certo de que sua morte é iminente. Eu devo dar os parabéns a Zoltar e Hefesto, a Barbed Wired Kisses é eficiente mesmo em termos de defesa. Meu ataque básico [que é algo em torno de cem golpes em um segundo] produz muito barulho e faíscas e nada mais. Em termos de contra ataque ofensivo, a Barbed Wired Kisses é muito limitada e óbvia. As hastes expandidas dos arcos provocam diversos cortes no chão e eu percebo que esta é a fraqueza da arma.

– Nada mal, Miralia. Você conseguiu bloquear meu ataque, mas não conseguiu fazer um contra ataque ofensivo. Eu vou atacar mais uma vez, então você tem duas escolhas. Ou você investe em um contra ataque defensivo-ofensivo ou você morre.

– E… eeeh?

– Miralia, em breve o torneio será retomado e podemos enfrentar adversários difíceis. Você não pode confiar apenas em uma excelente defesa. Você tem que saber atacar. Assim como eu, outra candidata pode perceber suas falhas e certamente será o seu fim. Eu prefiro que você morra por minha mão do que pela mão de uma desconhecida. Você está pronta?

Miralia olha com aquela expressão de filhotinho na direção das irmãs Matoi, mas elas fazem expressão de paisagem e não interferem. Houve apenas uma única vez em que um colega de batalha interferiu e se intrometeu na minha luta. Bom, digamos que essa ocorrência é contada com um misto de descrença e ojeriza entre os mercenários e é o pesadelo dos novatos. Eu não quero parecer dramático, mas meu “colega de batalha” foi igualmente fatiado com todo o pelotão que estava na minha mira.

Eu avanço com meu segundo tipo de ataque básico, mais barulho, mais faíscas e começam a bailar os primeiros filetes de sangue, dançando ao sabor dos gemidos de dor. Nada muito grave, eu lhes garanto, apenas arranhões para que ela veja que eu estou falando sério.

– Pap… mam… Erzebeth!

– Qual o problema, Miralia? Você nem parece filha [biologicamente falando] de Alexis e Zoltar! Eu nem estou lutando sério e você pode encontrar candidatas com muito mais vontade de te matar. Não te ensinaram coisa alguma?

Um muxoxo e uma leve movimentação são percebidos por minha visão periférica indicando que Leila tinha despertado e aparentemente estava impressionada. Este não é meu objetivo, eu tenho que tornar Miralia em uma assassina por natureza, se nós queremos chegar às semifinais.

– Miralia! Eu vou aumentar minha força [espiritual] até 60%! Você está preparada?

Até 30% não há muitos efeitos, mas com 40% o chão começa a rachar, com 50% filetes de energia [como trovões] desprendem do meu corpo e com 60% há uma visível alteração na física da natureza. Houve apenas uma vez, quando eu enfrentei os EVAs e os Anjos, que eu cheguei em 80% e manifestei o Senhor da Floresta. Eu espero nunca ter que chegar aos 100%.

– Durak kun, pare com isso! Está assustando ela e todas nós!

A declaração inusitada tem o efeito de uma bomba atômica. Agora todas as candidatas olham diretamente para mim, como tivessem descoberto o disfarce de um farsante. Mas como? Quem? Perceber meu outro self debaixo dessa minha versão feminina/transgênero é praticamente impossível. Bom, ao menos era assim que eu acreditava. Eu reconheci a voz, mas mesmo assim quis ter certeza. Ali, com uma expressão de decepcionada e brava, estava Madoka Kaname [minha “namorada” em um dos contos]. Ela tinha duas companhias que me fizeram diminuir minha força [espiritual] a níveis humanos. Aquilo não foi justo, mas ao lado de Madoka estavam Kate e Rei. Para piorar a minha situação, elas eram do mesmo time.

– Do que você está falando, garota esquisita? Meu nome é Erzebeth. Guardem bem o nome, pois assim saberão quem as mandou ao Mundo dos Mortos.

Com dificuldade eu mantenho minha postura apesar dos olhos cheios de lágrimas de Madoka e do olhar reprovador de Rei. Kate dá uma piscadinha como se dissesse “jogue o jogo”.

– Não me importa se você é Erzebeth aqui! Eu te amo de qualquer jeito! Se nós tivermos que lutar… ah, meu amor…

– Se tivermos que lutar, lute com tudo. Não é nada pessoal, mas eu não recuo de uma luta e vou até o fim. Mata-me ou morra… com ou sem amor.

Rei fuzila com seus olhos enquanto Kate consola Madoka e as três vão embora. Aos poucos eu deixo de ser o centro das atenções. Felizmente um comunicado dos organizadores do evento ajuda a alterar o clima. Convocação geral para as eliminatórias. Amanhã.