Em busca do Graal – XI

Eu recupero a consciência vendo novamente o teto de aço chapado do caminhão militar. Os soldados estão todos olhando para mim com uma expressão sacana. Eis que eu fui colhido tal como me encontraram no leito e jogaram-me de volta na boleia, completamente nu e melado e assim me encontro na caçamba.

– Se divertindo muito, bruxo?

– Eu tenho certeza que sim. O que todos querem saber é qual é o segredo.

Eu me ajeito como posso no pouco espaço disponível, sobretudo com cinquenta homens inclinados na minha direção. Eu até entendo os homens da Igreja, afinal, não há nada mais que estimule a curiosidade e a vergonha dessa gente do que sexo. Desde que o Cristianismo foi decretado como a única religião oficial o mundo ocidental cristão tem vivido tempos de opressão, repressão e frustração sexual. Nada preocupa mais a Igreja do que manter seu domínio territorial sobre os corpos [o desejo, o prazer] de seu “rebanho”.

– Senhores… alguma vez leram os Cantares de Salomão?

– Eu certamente li… mas não vejo a correlação.

– Então porque seguem uma doutrina que é contrária à Lei do Deus que dizem seguir? Não está escrito “crescei-vos e multiplicai-vos”? Algum dos senhores esteve em um mosteiro?

– Eu estive em um… para minha pesquisa sobre o Manuscrito de Saragoça… e fique tanto surpreso quanto assustado com o que os monges faziam ali.

– Mosteiros mantém independência da Igreja e seguem regras e rituais que ainda relembram o cristianismo primitivo. Um monge escreveu “O Jardim das Delícias” e quase foi parar nas mãos do Santo Ofício. O que ele tinha escrito, por linhas esotéricas e ocultistas, não tinha muita diferença do que inúmeros outros sábios escreveram sobre como sexo é normal, natural e saudável.

– E o que isso tudo tem a ver com o seu segredo?

– O segredo é que não existe segredo. Corpos sentem atração por outros corpos. Isaac Newton descreveu isso como uma “lei natural”, com certa dose de poesia. Dois corpos saudáveis apreciam-se mutuamente e desejam unirem-se em consumação. Falam que isso é amor e isso envolve sexo. Não há segredo, regra, lei, limite, fronteira. Eu sou apenas um pobre servidor.

Os cinquenta homens desandam a rir e começa o furdunço com palavras de duplo sentido e piadas chulas. Homens que se comportam como meninos. E ainda me perguntam qual é o segredo. Eu poderia dizer que eles têm que ser mais maduros. Mas tudo que envolve relacionamento, amor e sexo entre seres humanos nunca é simples assim.

– Muito bem, senhores, nós estamos próximos de Estalingrado. Daqui passaremos por Astracã, na sequência Asgabate, para chegarmos a Dushanbe. Estalingrado pode ser um local sensível por receber o nome do Führer Soviético, mas nós estamos tão próximo da Ásia Menor que eu creio que poderemos nos dar o tempo necessário para consolidarmos o pacto entre todos nós. O que acha, bruxo?

Eu olho a paisagem pela fresta da escotilha do caminhão militar e não vejo diferença alguma entre Voronej e Estalingrado.

– Capitão, qual será o objeto de nossa avaliação em Estalingrado?

– Com sorte, nós iremos ver o resquício de Atlântida.

– Isso não está certo, capitão… resquício da Atlântida? No meio do Leste Europeu?

– Senhor Corso, não se apegue literalmente muito ao que dizem de Atlântida. Eu não tenho certeza do que vamos efetivamente encontrar, mas eu tenho grandes expectativas.

Chegando em Estalingrado, eu tive que me despedir de minha doce Tanya. Mabel, muito atrevida, ofereceu-se para “ajudar” no ritual, mas isso seria desastroso. Felizmente Gorgo a levou embora. Ficaram eu, Corso, Van Helsing, capitão Kroenen e os soldados, totalizando cinquenta homens.

– Muito bem, senhores. Eu não sei em que acreditam e não sei como encaram o meu Ofício. Mas o que quer que aconteça, o que quer que vejam ou sintam… não será ilusão, truque ou delírio. Eu só faço o que tem que ser feito.

Por treinamento, os soldados ficam ao meu redor, sendo imitado pelos meus “oficiantes” improvisados, o que me ajuda bastante. Eu faço a saudação a Bóreas e sua presença é imediatamente testemunhada por todos. Eu faço a saudação a Euros e os homens ali sentem a tremenda força ancestral que nós tanto nos orgulhamos. Eu faço a saudação a Notos e Corso começa a chorar frases em catalão. Eu faço a saudação a Zéfiro e um agradável vento quente nos envolve a todos. Eu faço a saudação aos Ancestrais e todos os presentes ficam ajoelhados, em reverência. Lágrimas correm em meus olhos quando eu convido o Senhor da Floresta e o mundo parece ter parado. O solo se enfeita com inúmeras flores quando eu convido a Senhora da Lua e os espíritos locais se juntam a nós. A natureza inteira comparece ao ritual e nós nos maravilhamos com o firmamento estrelado.

– Corso, Van Helsing, houve um tempo em que vocês me desafiavam provar que meu Deus existia. O que me dizem agora, diante dEle?

Pobres homens da Igreja. Estudaram anos nas universidades, leram inúmeros livros, até os proibidos. Estiveram em inúmeras igrejas e presenciaram até os rituais proibidos que padres oficiaram no átrio de suas igrejas com o auxílio de bruxas. Estiveram até mesmo nas inomináveis missas negras. Eles nunca viram ou sentiram o Deus que dizem adorar. Mas choram feito crianças diante do Pai do Mundo. Prostraram-se centenas de vezes, em catedrais, diante de bispos, diante de uma cruz, por imposição, mas por vontade própria estão ajoelhados e em constrição diante do Mestre do Sabat.

– P… Pai! Meu Pai! Oh, Pai, perdoe-me!

– O que vocês falam, meus filhos? Pedem-me perdão? Do que, meus filhos? Eu nunca os condenei. Não, meus filhos, eu os trouxe a este mundo e não foi para viverem rastejando. Vamos, levantem-se. Olhem nos meus olhos. Aproximem-se e me abracem. Eu sempre estive convosco. Adiantem-se e acerquem-se de sua Mãe. Ela nunca lhes proibiu de coisa alguma e sempre os nutriu.

Eu estou exausto, mas contente. Mais de cinquenta homens despertaram e redescobriram suas origens, suas raízes. Se eles vão ou não seguir o Caminho é algo que cada qual decidirá. Eu sento no chão, com saudosismo e melancolia. Eu estive nessa mesma encruzilhada. Eu fui traído. Eu sou maldito e desprezado até por quem se diz do Ofício. Será que eu fiz uma boa escolha? Será que eu mereço?

– Meu querido, meu muito amado… o que te causa tanta tristeza? Você devia estar com seus novos irmãos.

Ah, sim. Eu escolhi bem e eu estou recebendo o que mereço. Eu sou um digno portador do Ofício e amante do Caminho. Eu não sou famoso, não tenho popularidade e estou longe de ter alguma influência. Toda incerteza, mágoa, insegurança e medo se dissipam quando Ela fala comigo. Eu me desmancho enquanto Ela me recebe no seu mais interior e intimo segredo. Eu perco a consciência sabendo que fui bem sucedido. Agora todos nós estamos ligados por um pacto.

– Hei… bruxo… você morreu?

O capitão parece estar realmente preocupado. O sol pálido indica que o inverno aqui é rigoroso. Nós estamos em algum lugar na margem do rio Volga, diante do que parece ser uma mina abandonada. Não há agentes presentes, não há soldados, não há funcionários de laboratório. Só um mineiro bem nervoso que nos servirá de guia.

– Por favor, capitão… nós não temos muito tempo.

– Tudo bem, Misha. Vamos, bruxo.

Seguimos o mineiro por trilhas que enveredavam entre a neve e árvores ressecadas. O clima ficou mais agradável quando entramos na mina, iluminada por lampiões terra adentro. Ferramentas e carrinhos estão abandonados, restos de comida indicam que os demais mineiros fugiram amedrontados. Eu não vi qualquer sinal de minério, seja nos carrinhos, sejam nas rochas que nos envolviam. Eu senti que seria descortês perguntar o propósito da mina.

– Nosso ultimo trabalho foi aqui. Fui eu quem encontrou… isso. Os senhores são estudados, então devem sabre melhor do que nós o que é isso. Mesmo assim, eu os aviso que é muito esquisito.

A mina terminava em um amplo salão e uma brecha na rocha servia como uma nítida distinção entre a rocha e o achado. Uma superfície lisa e delicadamente trabalhada com gravuras nos prepara para aquilo que certamente espantou os demais mineiros. Eu me senti como se eu tivesse voltado para a Antiga Grécia ou Babilônia.

– Essa… é Atlântida?

– Assim a chamou Heródoto. Mas os senhores não estão compreendendo.

Uma criatura, de aparência feminina, mas de traços reptílicos, nos encarava com desdém e desprezo. Ela deve ser o real motivo do sumiço dos mineiros.

– Que inusitado encontra-lo aqui, Amado da Lua.

– Você… a conhece, bruxo?

Sim, eu a conheço. Ela é a “outra” que Eva havia falado. A verdadeira Mãe da humanidade, a Primeira Humanoide, a Original. Antes do ser humano, tal como nós concebemos, dominasse a terra, Gaia era habitada por essas criaturas, descendentes dos dinossauros e a base de inúmeras lendas onde um Deus ou um Herói derrota um Mal antigo, um dragão, uma serpente, instaurando a Ordem. Ela é o elo perdido que mostraria a Origem da Humanidade, a origem dos Annunaki e a verdadeira estória do Jardim do Eden.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s