Por quem os sinos dobram

Ah, caprichoso e impassível Cronos! Peso e balança de todo ser vivente nessa efêmera existência. O tempo passa e nós voltamos para o ventre de Gaia de onde saímos. Por dez dias Tanya e Victoria tiveram uma vida impossível de sonhar. Gastaram todo o dinheiro que ganharam com a Operação Longinus e aproveitaram cada minuto de ginástica erótica. Dez dias de felicidade para um soldado acostumado ao campo de batalha é uma eternidade.

Victoria ronronava enquanto Tanya acariciava seus cabelos castanhos. Tanya suspira por pensar que falta apenas mais um dia da folga. Os últimos dias ao lado de Victoria foi como vivenciar um sonho. Como seria voltar ao batalhão, ao campo de batalha? Como ela poderia enfrentar uma luta sem pensar por um segundo em sua amada?

– Eu sou uma idiota, uma besta. Justo eu, que sempre disse e achava que o amor é vício e veneno, mas eis-me aqui, com o coração nas mãos, sem saber o que fazer.

– Mm… hmmm… Tascha? Já amanheceu?

– Sim, minha gatinha preguiçosa e manhosa.

– Puxa vida… eu estou toda arranhada e dolorida… nós fizemos uma farra e tanto nesses dias, né?

– Nós aproveitamos ao máximo esse momento mágico e especial. Eu queria ficar o resto de minha vida em seu braços, mas amanhã é o nosso ultimo dia de folga.

– Hmm… eu sei… [bocejo] O que faremos quando voltarmos?

– Nós teremos que retomar nossa rotina, esconder o nosso amor.

– Eu… eu não sei se consigo… se eu vou suportar… a dor de pensar em sua vida em risco…

– Aww… minha preciosa… eu também ficarei preocupada com você. Mas é importante que cuidemos de nós para que possamos continuar juntas. Eu sempre voltarei para você, custe o que custar.

Tanya faz menção de abraçar Victoria, mas a cena congela como se fosse uma fotografia em terceira dimensão.

– Então agora você se importa, agora você ama.

– Seimei! Maldito seja!

– Você não está mais em sua posição de superioridade. Imagine isso o que você sente por essa garota e multiplique por bilhões e terá um vislumbre do que é ser Deus.

– Isso que você sente pela minha gente não é amor! Você é incapaz de amar! Você quer que nós sejamos cegos, obedientes e serviçais como se nós fossemos seus animais de estimação!

– Você não está captando a sutileza dessa ironia. Você está apenas na emoção imediata do amor e da atração sexual. Mas e depois? Não quer cuidar dela, protege-la? Multiplique por bilhões de vidas e terá um vislumbre do que é ser Deus.

– Isso tão pouco o faz! Doenças, fome, miséria! Nessa encarnação onde você me jogou eu estou testemunhado uma guerra! Onde cada lado alega estar lutando em seu nome! Não, você não merece a nossa adoração. Você não merece o título de Deus.

– Você está sendo emocional, descrente. Pensa como humano e faz escolhas humanas. Todos estes males com os quais me acusa, são causadas por sua gente, não por mim.

– Ah, que conveniente! Alega ser Onipotente e Onipresente, mas quando a responsabilidade chega, empurra para nós?! Que amor é esse? Que zelo e cuidado é esse?

– Você continua agressiva e resistente. Isso é inútil. Mesmo recusando, eu ainda sou Deus. Na sua posição atual, é bom rever suas convicções, descrente. Eu posso facilmente privar-te dessa garota que você ama.

– Não ouse tocar em um fio de cabelo de Visha! Senão eu… eu…

– Eu o que, descrente? O que pode fazer? Contra algo que, segundo você, não existe? Você terá que admitir que eu existo. Então o que fará? Como pode me alcançar? Como pode me tocar? Como pode me impedir?

Tanya envolve Victoria em seus braços e fica olhando para todos os lados, como se a protegesse de um inimigo invisível. Ela está com tanta fúria, ódio e raiva que seus cabelos ficam eriçados. Não tem arma alguma próxima, apenas os talheres de alumínio do hotel.

– Eu juro que vou arrancar sua cabeça, Seimei!

A voz de Tanya sai com tanta força que acorda todos naquele corredor e algum funcionário do hotel bate na porta, perguntando se estava tudo bem. Tanya consegue apenas grunhir, o que espanta os intrusos. Demorou alguns minutos, mas Tanya notou que estava muito quieto. Quieto demais. Não havia mais o pressentimento da presença de Seimei, mas certamente tinha alguém ali.

– Qual o problema, Seimei? Com medo de uma garotinha?

– O ente, conhecido como Seimei, autointitulado Deus, foi imobilizado e conduzido até o Elohim para ser julgado e condenado por seus crimes.

– Senhor Weinberg?

– Ao seu dispor, major.

– O que o senhor está fazendo aqui?

– Eu lamento que tenha passado por tantas coisas desnecessariamente, major, mas assim como a senhora, eu tenho minhas ordens e meus superiores.

– Quer dizer que… essa era a sua missão?

– Infelizmente meu oficio me proíbe de entrar em detalhes, major. Conversamos mais tarde, quando a senhora retornar ao acampamento da 203ª.

O estranho mercenário some entre as sombras do quarto e o relógio retoma seu movimento e sons. Victoria estica os braços e boceja.

– Hei, Tascha, o que vamos fazer nessas ultimas 48 horas de folga?

– Visha, você é religiosa?

– Eh? Bom, nem sempre, só um pouco… porquê?

– Eu não creio em almas, espíritos e entidades. Mas aceito que possam existir seres que escapam de nossa razão. Seja qual for o caso, não custa muito irmos em algum lugar onde nós possamos agradecer a esses seres por olhar por nós.

– Hum… isso talvez venha a calhar. Meus avós ainda conservam as religiões antigas de nosso povo.

– Heh… malandrinha… romanticamente esperta. Quer mesmo me apresentar a seus pais e avós. Ou isso ou está planejando desertar.

– Sabe que é uma boa ideia? Nós duas podemos sumir do mapa e vivermos juntas.

– Não me tente, Visha. Por mais que me agrade a ideia de poder me aproveitar desses seus melões todos os dias, nós teríamos que nos sustentar de alguma forma e morando juntas levantariam muitas suspeitas.

– Não pense que o mundo inteiro é como o Império, Tascha. Você se espantaria com as coisas que acontecem nos Estados vassalos do Império Russo. Nós até podemos nos casar…

– Nós podemos fazer isso depois que a guerra terminar, Visha. Nós temos que continuar a luta. Senão o que será de cidade como Rosenheim? O que será do futuro de tantas pessoas se nós desertarmos? Quantas Vishas e Taschas devem estar por aí, com medo, vivendo clandestinamente, sem poder se amar livremente? Nós temos que construir esse mundo melhor, Visha.

– Eu vou sofrer… mas se você estiver comigo, eu aguento e tenho forças. Apenas me prometa vir brincar comigo de tempos em tempos.

– Eh… criançona. Coitado dos meninos quando descobrirem que eu tenho dona.

– Problema deles. Você é minha.

Tanya e Victoria riem bastante durante todo o trajeto até Salsburgo, Áustria, um Estado Neutro e parte do Império Austro-Húngaro. Em uma vila próxima encontraram uma velha cabana onde os camponeses ainda mantinham suas crenças em antigos Deuses. Mesmo sendo descrente, Tanya sentiu aquelas doces presenças, como se fossem longínquos ancestrais. Ali, Tanya sentiu enorme paz, harmonia e tranquilidade. Acendeu uma vela em oferenda a estes antigos poderes, sem qualquer crise de consciência.

– Vamos, Visha. Nós temos que voltar. Eu tenho uma promessa a cumprir.

– Hei, eu tive uma ideia. Que tal nós pedirmos ao pároco militar para nos casar assim que voltarmos?

– Visha… não me provoque.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s