O sexo como profissão

Vez por outra eu recebo comentários toscos, ridículos, infantis e sem noção de militantes feministas me atacando desmioladamente quando o tema é prostituição, pornografia, liberdade sexual feminina e ganhar dinheiro com sexo. Entre as alegações dessas extremistas, temos que a prostituição e a pornografia são – na visão delas – um “estupro generalizado e institucionalizado das mulheres”. Eu já escrevi muitos posts tratando sobre esse assunto, inclusive escrevi uma série só falando sobre a legalidade da pornografia. Em todos esses posts, eu sempre enfatizei a pornografia e a prostituição em si, mas nunca coloquei em discussão as razões para tantas feministas radicais atacarem insistentemente essas modalidades de entretenimento adulto. Portanto, este post aqui vai ser justamente para que eu apresente uma resposta para a origem desse comportamento anti-sexo de tantas supostas feministas.

Sim, existem feministas que são anti-sexo. Elas são contra qualquer manifestação sexual feminina fora do casamento e que não esteja dentro dos “padrões”. E se esse sexo envolver dinheiro, pior ainda. Eu não vou aqui debater sobre os argumentos estapafúrdios usados por essas feministas sem noção, até porque eles são uma cópia descarada do que os fundamentalistas religiosos usam por aí há séculos. O que eu quero abordar, como já disse anteriormente, são as causas desse comportamento radical e irracional. A principal razão – como muitos já deduzem facilmente por aí e que muitos machistas usam para provocá-las – é o fato de que muitas delas são “mal comidas”. Eu iria até mais longe, eu diria que a vida sexual dessas mulheres é horrível e elas devem ter trabalhos horríveis onde ganham um salário horrível. Ora, a razão principal para odiarem tanto a prostituição e a pornografia é porque tanto em uma como em outra é possível que uma mulher fique muito rica em pouco tempo apenas fazendo sexo sem tabus. Ou seja: atrizes pornôs ficam milionárias rapidamente apenas transando e seduzindo homens – o contrário perfeito dessas militantes anti-sexo que são frígidas e ganham mal. Não há como esconder a inveja que sentem de ver uma atriz como a Sasha Grey, por exemplo, que transou loucamente em sua curta carreira e ganhou tanto dinheiro que se aposentou aos 25 anos. Sasha Grey fez apenas sexo e ganhou o suficiente para nunca mais precisar trabalhar na vida aos 25 anos! Como que querem tratar uma atriz pornô como coitadinha? Só podem estar de brincadeira.

Outra razão para haver tanta militância anti-sexo é que muitas dessas feministas são cristãs conservadoras. Só isso já diz tudo. Onde que o cristianismo vai apoiar o sexo fora do casamento? E a última razão é que algumas dessas militantes possivelmente devem ter sofrido abusos sexuais e acham que todo sexo heterossexual é estupro. Claro que tem as doidas que são contra futebol, cerveja, videogames, prostituição e pornografia porque o público majoritário disso tudo é masculino – então elas militam contra essas coisas para provocar, irritar e até se vingar dos homens (reduzindo o assim o entretenimento privilégio deles).
A dica que eu dou para essas debiloides fundamentalistas é que elas procurem transar mais para tentar esquecer um pouco da vida sexual de mulheres que ficam ricas só com sexo. Eu até entendo que a pornografia mainstream e a prostituição priorizam o prazer masculino, mas uma coisas é você propor mudanças, outra coisas é querer o fim disso tudo só porque você não gosta.

E antes que alguma pessoa argumente que há exploração das mulheres pela indústria pornográfica e pela prostituição, alegando isso ou aquilo, eu concordo que há sim exploração – mas acontece que a exploração abusiva do trabalhador no mundo é muito mais generalizada. Há exploração em todos os lugares onde exista o capitalismo. E isso vai desde a mão de obra semiescrava das fábricas chinesas indo até os rockstars que são explorados pelas gravadoras e empresários mal intencionados. Mas militar apenas contra a pornografia, o bdsm e a prostituição mostra somente que o sexo em si é algo que incomoda particularmente essas militantes. Elas não reclamam de trabalho escravo nas lavouras, do trabalho infantil ou das péssimas condições de trabalho em certas indústrias. Só querem reclamar de mulheres adultas que transam por escolha própria em troca de dinheiro. E vão me desculpar, mas essa militância anti-sexo é uma anedota vinda de gente que ao invés de estar transando e sendo feliz, fica querendo controlar os corpos e as decisões das outras mulheres.

Original do “Ideias Embalsamadas“, autoria do Wellington Fernando.
Eu gostaria muito que minhas leitoras [feministas ou não] opinassem.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s