Neon Genesis – VI

Eu entrei no escritório do senhor Ikari e ele me encarou com aquela expressão de juiz da suprema corte. Isso deve funcionar com os funcionários da NERV, mas não comigo e eu estava irritado com a mudança da Rei.

– Senhor Ikari… por que a Rei chama a si mesma de Ayanami? O que aconteceu com a Rei?

– Durak, isso infelizmente é informação confidencial… tem coisas que é melhor você não saber sobre a Rei… você não conseguirá aceitar ou aguentar a verdade. Para todos os efeitos, Rei não é minha filha… como todos os alunos de nossas escolas, ela é órfã. Agora, se não for pedir demais, fique oculto nas sombras, pois a Misato está prestes a trazer Shinji aqui.

Por mais irritado que eu estava, eu ainda mantinha respeito com o senhor Ikari e fiquei em um canto de seu escritório, cheio de pontos encapsulados de sombras. Cinco minutos depois Misato entra com um garoto franzino, que olhava com raiva para o senhor Ikari. Esse… é o Shinji. Pela atitude dele de enfrentar seu pai, ele ganhou meu respeito.

Essa é uma estória conhecida. Um renegado, ou um banido, volta para desafiar e matar seu próprio pai. Inúmeras lendas e mitos mostram o tirano, o usurpador, sendo derrotado por seu descendente, o herói, que tinha sido expulso, perseguido e caçado. Minhas elocubrações e o diálogo foram interrompidos com um comunicado direto da central de comando do Geofront. A unidade zero tinha sido severamente danificada e a piloto estava gravemente ferida. Meus olhos queimavam e meu sangue borbulhava, diante das imagens de Rei sendo retirada de seu EVA e sendo levada com urgência para a UTI.

A despeito de não reconhecer a Rei, de ter passado esses quatorze anos em exílio, de guardar tanta mágoa do pai, Shinji teve compaixão e empatia por Rei e aceitou pilotar o EVA unidade um. Saiu correndo, com Misato seguindo-o atrás, pelos corredores, como um bom cão de guarda.

– Isso foi mais fácil do que eu imaginei… bom, Durak, você sabe o que deve fazer. Use meu elevador pessoal e vá imediatamente ao hangar onde está a unidade um, apresente-se da forma mais formal e indiferente possível para Shinji e o prepare para a batalha. Faça isso… por Rei.

Eu não tinha muito controle sobre mim mesmo… naquele momento, eu poderia ter arrancado a cabeça do senhor Ikari, mas algo me impulsionou na direção assinalada e quando eu recuperei o controle sobre mim mesmo, eu estava no hangar da unidade um. Em uma análise rápida e superficial, eu diria que esta unidade está visivelmente mais evoluída do que a unidade zero. As plantas, devidamente colocadas à minha disposição, estavam melhor desenhadas e com escalas mais detalhadas. Eu não tinha muito tempo, mas eu consegui perceber com a vistoria que as condições deste EVA estavam melhores e seus parâmetros tinham uma interface bem mais refinada.

– Eeei! Oooi! O piloto do EVA unidade um está persente e pronto para a ação! Tem algum responsável presente?

A voz de Misato sempre foi estridente e irritante assim? Eu acenei de minha posição, próximo da entrada do EVA e vi, chocado e surpreso, Shinji nas mesmas roupas comuns que tinha aparecido. Não! Isso não! Isso está errado! Isso é alguma pegadinha?

– Ikari sama ORDENOU que Shinji seja imediatamente colocado no EVA e que comece os procedimentos de sincronização.

Misato fez questão de ressaltar “ordenou”. O senhor Ikari está cercado de ovelhas. Eu acionei o andaime para que Shinji pudesse usar o acesso ao cockpit. Ele entrou como se fosse a coisa mais normal e rotineira do mundo. Eu fechei a escotilha e iniciei manualmente as conexões que interligavam piloto e EVA. Com taxas e velocidades incríveis, Shinji alcança cem por cento. Só um milagre explica tal evento. Shinji, sem qualquer treinamento, estava operando um EVA… como se fosse uma extensão dele mesmo. Isto certamente é um dos “segredos” que o senhor Ikari quer guardar. Meu deslumbramento foi interrompido por uma mensagem de vídeo vinda do senhor Ikari.

– Excelente trabalho, Durak. Agora deixe Shinji fazer o resto.

Eu juro que pude ver um sorriso de ironia e sarcasmo naquela expressão taciturna do senhor Ikari. A unidade um foi lançada imediatamente em direção a superfície e, por forças e poderes acima da compreensão humana, Shinji Ikari, piloto da unidade um, tinha vencido e destruído o anjo.

Não sem deixar marcas bem profundas na armadura que revestia a unidade um. Eu estava desolado. Eu só espero que a NERV tenha partes sobressalentes. Eu remendei como pude o corpo do EVA. Como isto é parte mecânica, parte orgânica, minha expectativa é de que isto possa, de alguma fora, se restabelecer dos danos sofridos.

Estava bem tarde da noite, mas eu quis ir ver a Rei na UTI, só para ver como ela estava. Evidente, a UTI é restrita, mas uma das enfermeiras deixou escapar que a Rei estava recebendo a visita do Shinji. Será que eles têm um leito para mim? Eu estou a um passo de um ataque do miocárdio e falência múltipla de órgãos.

– Durak… é você?

Eu me viro e vejo um homem velho… eu o reconheço…

– Se… senhor Kozo…

– Puxa vida, rapaz! Como você cresceu! Gendo me disse que eu o encontraria aqui. Vamos, Ritsuko o está aguardando para fazer o download do registro dos EVAs. Ela precisa destes dados para alimentar o MAGI e assim podemos traçar uma melhor estratégia para os próximos anjos que virão.

– Senhor Kozo… o que aconteceu… nestes quatorze anos?

– Você deve estar querendo saber mais sobre Rei… e talvez sobre Shinji, mas me perdoe, eu jurei guardar segredo.

– Se meus dados são necessários, eu preciso ao menos de algum feedback para tornar os EVAs mais operacionais!

– Ah… tudo bem… você tem uma certa razão. Talvez você deva saber… ali, no laboratório, onde você, Rei e Shinji se conheceram… nós fizemos mais do que clonar o anjo que caiu na Antártida. Nós… enxertamos DNA do anjo em Rei e Shinji… e DNA deles em nossos clones. Isso é tudo o que eu posso te dizer, Durak. O fato é que não foi mera coincidência que vocês todos tiveram que passar por um exílio de quatorze anos. A Rei… que você conheceu e ama… não existe mais.

Eu desmaiei pouco depois. Era demais para meu coração e mente. Acordei com a doutora Ritsuko me encarando e colhendo amostras de meu corpo.

– Ah… você acordou. Eu preferia mantê-lo como meu espécime para estudar os metahumanos, mas… você ainda está vivo e ainda é útil para Gendo. Mas não se preocupe. Assim que a NERV te descartar, eu mesma o dissecarei.

– Eu preciso… falar com o senhor Ikari… escola…

– Poupe seu fôlego. Gendo providenciou tudo. Assim que você recobrar as forças, você deverá se apresentar em uma de nossas escolas. Por algum motivo que eu prefiro ignorar, Gendo quer que você se ambiente confraternize com os alunos que serão futuros pilotos de EVA. Não tente fazer nada pervertido com as minhas meninas… senão…

O olhar de Ritsuko brilha como o bisturi que ela segura firmemente entre seus dedos a poucos milímetros de minha aorta. Eu morri. Ou eu estou tendo um sonho. Mortos sonham? Eu estou preso em um pesadelo na cabeça de um morto.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s