A passagem do milênio

A poucos anos da virada do milênio um artista famoso fez sucesso falando do iminente Apocalipse que aconteceria na virada do ano de 1999 para o ano 2000. Dez anos antes, outro artista famoso cantava que nós tínhamos apenas mais cinco anos. Nós estivemos no fio da navalha com a Crise dos Mísseis e os EUA atacaram o Iraque na ultima década do século XX. No mês de dezembro de 1999, pessoas cometeram suicídio, umas com medo de enfrentar o Juízo Final, outras acreditando que iriam para um mundo melhor.

O mundo comemorou a virada de ano de 1999 para 2000 como sempre comemorou. E o mundo não acabou. As pessoas continuaram com suas rotinas. Mas a virada do milênio aconteceria apenas no final de dezembro de 2000, quando então iniciaria o ano de 2001 e o século XXI. Farsantes e vigaristas anunciaram que o Fim do Mundo aconteceria e até usaram o Calendário Maia para corrigir as profecias. Escaldadas pelas falsas expectativas que surgiram do réveillon anterior, as pessoas simplesmente riram e curtiram mais uma virada de ano. E amargaram a mesma ressaca nos primeiros dias de janeiro de 2001.

No mês de Marte, os EUA acusaram o Iraque de estar produzindo armas de destruição em massa. O embaixador do Iraque nas Nações Unidas rechaçou a declaração dos EUA e completou que, se é proibido produzir e manter armas de destruição em massa, que os EUA deveriam abrir mão de seu arsenal nuclear. Contrariando a determinação das Nações Unidas de que intervenções militares estarem proibidas, o conglomerado formado pelos EUA, Grã Bretanha e França deu início ao que foi chamado de Guerra do Golfo, sendo seguida de diversas outras operações militares no Oriente Médio, com a justificativa de “combater o terrorismo islâmico”.

No mês de Juno, o conglomerado derrubou o presidente legítimo do Iraque, causando uma instabilidade política nos demais países islâmicos que se sentiam ameaçados com a ação militar do ocidente. A tensão tornou-se mundial quando um ataque supostamente terrorista islâmico atingiu as Torres Gêmeas na cidade de Nova York, Manhattan, EUA. Grupos extremistas islâmicos como Taleban, AlQaeda, Daesh, aparecem, com armamento e treinamento que a comunidade internacional suspeita terem origem estrangeira. Enquanto em alguns países islâmicos acontecia a Primavera Árabe, onde o povo derrubava os governantes ditatoriais que eram fantoches americanos, em outros os ditadores massacravam a população com o apoio militar ocidental, reacendendo o antigo conflito entre Ocidente e Oriente.

No mês das bruxas o mundo foi sacudido com uma explosão nuclear na Antártida. Apesar de ter acontecido há vários quilômetros dos locais onde aconteciam os conflitos, todos os países envolvidos acusaram aos seus inimigos de terem detonado um míssil nuclear na Antártida. Nesse clima de confusão e discórdia, as Nações Unidas perde suas características, um dia depois do Dia de Finados, o mundo atônito assistiu quando o Secretário Geral leu a ata da reunião decretando a alteração dos estatutos das Nações Unidas, tornando-a praticamente uma extensão da OTAN, o comando militar ocidental capitaneado pelos EUA. Com o avanço dos conflitos e a militarização das Nações Unidas, diversos países orientais aceitaram os novos termos das Nações Unidas em troca de proteção e ajuda humanitária, necessários diante da catástrofe que a explosão na Antártida estava causando.

Somente quando as Nações Unidas centralizaram por completo as forças militares do mundo inteiro é que os países da OTAN iniciaram investigações quanto ao que e quem causou a explosão na Antártida. Enquanto isso, o efeito da explosão tinha atingido e alterado todo o ambiente da Terra, da Antártida até o Trópico de Capricórnio. Todas as regiões do hemisfério sul estavam profundamente modificadas, fazendo com que milhões de refugiados procurassem abrigo mais ao norte. As Nações Unidas organizaram e controlaram os campos de refugiados que apareceram nos países próximos ao Equador por volta do ano de 2002, nas calendas de fevereiro.

Dos campos de refugiados existentes, o Campo Bacia do Prata, localizado em algum lugar da tríplice fronteira entre Brasil, Uruguai e Argentina, as Nações Unidas teve o peculiar interesse em ocupar aquela região devastada para utilizar aquele campo como base para suas equipes que tinham como missão investigar a explosão na Antártida. Os primeiros informes perturbadores foram classificados como ultrassecretos e destinados a uma secretaria criada pelas Nações Unidas, uma secretaria que funcionava como uma organização secreta unicamente chamada de SEELE. A partir dos documentos extraídos do Campo Bacia do Prata, as Nações Unidas, em acordo com a SEELE, criou a NERV e o Laboratório de Evolução Artificial.

Quando Áries indica o início do mês de abril, da primavera e do início do ano, o parlamento das Nações Unidas travou, de portas fechadas, a discussão de onde ficaria o LEA e qual equipe teria a responsabilidade de conduzir as pesquisas em tal laboratório. No mês de Maya, a cidade de Tóquio foi atingida por um míssil nuclear que destruiu também a cidade de Hakone. Da reconstrução surgiu a Tóquio 3 e debaixo das ruínas do que restou de Tóquio e Hakone foi construído o Geofront, o Quartel General da NERV.

Quando Juno inaugurou seu mês no ano de 2002 a NERV tinha se apropriado de diversos postos militares, através da influência da SEELE dentro das Nações Unidas. Comandos militares que até então eram cruciais para a OTAN estavam agora servindo de filiais da NERV, três nos EUA, cinco na Europa, duas na África, três no Oriente Médio, cinco na Ásia e uma no que restou da América Latina. A filial da América Latina foi erguida por sobre as ruínas de uma antiga civilização que existira na Floresta Amazônica, agora reduzida a um ecossistema de cerrado. Esta filial servia unicamente como ponte entre o Campo Bacia do Prata e a NERV.

No mês de Augusto César, a NERV selecionou e enviou ao Campo Bacia do Prata uma equipe de especialistas para analisarem e coletarem tudo que pudessem do que foi chamado de “evento de singularidade” na Antártida. Cientistas do mundo inteiro protestaram quando perceberam que a lista estava constituída inteira pela única equipe de cientistas do laboratório de Hakone que sobreviveram. A equipe constituía do doutor Kozo Fuyutsuki, seu assistente Hideaki Katsuragi, do segundo assistente Gendo Rokubungi e das doutoras Yui Ikari, Kyoko Soryu e Naoko Akagi.

Por decisão do doutor Kozo, deram o nome de Operação Genesis ao estudo e de Equipe Katsuragi ao grupo de cientistas. Chegaram em Peru no fim da época das chuvas, no equinócio de outono, segunda quinzena de setembro. Em NAMRU, a filial latina da NERV, enquanto Kozo e Hideaki tabulavam os resultados obtidos dos inúmeros instrumentos, Gendo tinha bastante tempo livre com isso e o utilizou estudando a população de refugiados vindos do Campo Bacia do Prata. Alarmado, Gendo chamou Yui para os sinais evidentes de modificação genética que havia afetado todas as crianças. Enquanto ambos faziam um trabalho humanitário, Gendo e Yui começaram a namorar e foi o capitão Delaware quem oficiou as núpcias do dois à bordo do USS Marine Enterprise, no litoral do que havia restado da Patagônia, a poucas milhas do abandonado Campo Bacia do Prata.

As instalações militares eram bem mais simples e discretas do que em NAMRU, no entanto dali a Equipe Katsuragi pode analisar, em primeira mão, o “evento de singularidade” e a impressão unânime é de que a explosão não tinha sido efeito de um artefato nuclear e que havia algo vivo no ponto zero do impacto. Kozo foi junto com Gendo e Yui em um barco, enquanto Hideaki foi com Kyoko e Naoko. O capitão Delaware protestou veementemente contra a expedição de civis até o limite de segurança, mas os cientistas estavam bem preparados, com roupas especificamente projetadas para resistir à radiação nuclear.

O trio de Kozo desembarcou onde antes ficava a Base Narval e o trio de Hideaki desembarcou onde antes ficava a Base Beluga. Kozo seguiu pela encosta na direção do Oceano Pacífico enquanto Hideaki seguiu pela encosta na direção da África. Kyoko notou que tinha gente a mais na caminhada e a pessoa misteriosa era pequena e não saía de perto de Hideaki. Kyoko pretendia questionar a identidade desse clandestino quando Naoko, mais adiante, avistou aquilo que a Equipe Katsuragi havia ido investigar. Kozo, Yui e Gendo correram assim que ouviram os gritos de Naoko e todos puderam ver o que estava no ponto zero de impacto.

Adama abriu os olhos quando ouviu um som estridente. Olhou em volta e se viu cercado de neve e terra. Olhou com mais atenção e viu pequenas criaturas ao longe, o observando da crosta da cratera que sua queda havia formado no solo daquele planeta. Seriam essas criaturas os descendentes dos filhos de Enki? Estava difícil de chegar a uma conclusão, pois Adama ainda estava grogue da queda, as criaturas eram pequenas e estavam distantes demais. Adama teria que levantar e se aproximar dessas criaturas, da forma mais cautelosa o possível. Os avós de seus avós o haviam alertado sobre essas criaturas. Pequenas e frágeis, mas com um enorme potencial para destruir. Adama estava de joelhos, prestes a se erguer quando notou algo vindo rápido, por entre as nuvens, em sua direção, algo que carregava consigo a assinatura de seu tio Helios, algo que provavelmente estava encapsulado e tinha sido lançado por alguém com o único proposito de destruir tudo. Instintivamente Adama gerou seu Campo de Terror Absoluto e o expandiu até atingir uma área extensa o bastante para cobrir dez estádios. Satisfeito, Adama somente teve tempo de sorrir desleixadamente ao ver que as criaturas estavam protegidas quando aconteceu a explosão.

Hideaki viu quando o míssil apontou no horizonte, vindo rápido em direção do gigante que acordava. Ele não tinha muita certeza do que era aquela esfera alaranjada que tinha se formado em torno de todos ali presentes, apenas intuiu que algo não ia bem. Ele teve tempo apenas de pegar Misato no colo e jogá-la na câmara de contenção que ele tinha projetado para colher o espécime vivo que supunham estar no ponto zero. Os olhos de Misato demonstravam medo, raiva e dor, mas Hideaki teve que fechar sua filha naquele cilindro, mesmo sabendo que não iria mais vê-la.

Gendo jogou-se na frente de Yui, tentando proteger ela e o bebê, sua futura filha. Naoko correu para o lado dos botes, ela tinha escondido sua filha ali. Kozo e Naoko ficaram de testemunhas para o que provocaria o Segundo Impacto. A queda de Adama não causou Segundo Impacto, mas a interação entre o Campo de Terror Absoluto com o míssil nuclear. Ali começava o Neon do Novo Genesis.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s