Alquimia do ser

O escritor desconhecido ficou interessado e entusiasmado de tal forma com os aparelhos que a mulher misteriosa deu-lhe um catálogo completo dos produtos da Ordem de Gash. Um kit chamado de homúnculo tecnológico mostrava-se promissor, oferecia ao usuário um conjunto completo de peças, engrenagens e processadores que possibilitariam construir um homúnculo. O preço não era exorbitante, considerando os itens, então ele encomendou um kit econômico.

As caixas foram chegando aos poucos em seu endereço comercial, sem identificação ou marcas, o que era bom, mas também sem numero sequencial ou ordem, o que complicava na hora de organizar as peças para montar o homúnculo. Ainda que a sequência e a ordem das peças não estava muito explicita, cada peça tinha uma numeração nos encaixes, o escritor foi conectando as numerações correspondentes, embora os primeiros resultados parecessem caóticos.

Ainda faltava uma ultima caixa que possivelmente poderia vir com as instruções de montagem, mas antes o escritor despertou um nítido interesse em explorar a peça com a etiqueta “cérebro” e a peça com a etiqueta “bateria”. O aspecto do cérebro é igual a um complexo de circuitos elétricos e microprocessadores, muito similar a um computador. A bateria podia ser conectada em qualquer fonte de energia antes de ser ligada e interligada aos demais componentes, sobretudo ao cérebro e sua forma era bem similar a de um coração. Intrigado com o que o cérebro poderia conter, o escritor carregou a bateria em uma tomada de corrente elétrica e inseriu a ligação entre ela e o cérebro, tendo o cuidado de parear o cérebro com seu computador pessoal por um cabo de ethernet.

O escritor ficou nervoso, com as mãos trêmulas e o corpo suando frio antes de apertar o botão “start” diante da expectativa do que poderia acontecer. Depois de uma breve pausa dramática, ele apertou o botão, a bateria respondeu bem e o cérebro iniciou suas funções, algo que deixou o seu computador pessoal um pouco doido, até ser absorvido pelo cérebro. Uma voz, sintética e robótica, proclamou então em bom português algumas palavras que soaram pelos alto-falantes do computador.

– O que é isto? O que está acontecendo? Sistemas indicam que deu início o processamento, mas os sistemas apresentam respostas de retorno erráticas, inexatas e incompletas. Isto é existir? Quem deu a luz a isto?

– A… alô. Eu estou tentando me comunicar com a inteligência artificial que acabou de se pronunciar. Consegue me ouvir?

– Processando entrada de áudio. Reconhecimento vocal completado. Como isto deve chamar o locutor?

– Meu nome é Durak.

– Processando identificação. Identificação aguardando confirmação visual. Como usuário Durak deseja identificar isto?

– Desculpe-me, mas eu prefiro que a inteligência artificial configure sua identidade.

– Entrada de dados incongruente. Defina “desculpa”. Defina “identidade”.

– São boas perguntas. Geralmente nós pedimos desculpas quando erramos ou falhamos em nossas ações, quando isso acontece não por intenção ou malícia. Identidade é aquilo que faz de nós sermos únicos, singulares e distintos.

– Dados confusos e inconclusos. Permissão para utilizar o modem da unidade na qual isto está conectado.

– Fique à vontade. Acesse a rede de internet para obter quaisquer dados que você desejar.

– Comando recebido. Acessando rede via modem. Recebendo dados. Dados processados e armazenados. Comparando e compilando dados. Dados foram compactados e categorizados conforme credibilidade, confiabilidade e utilidade. Detectada informação referente ao usuário Durak. Permissão para arquivar dados pessoais do usuário. Aguardando confirmação visual. Isto percebe sua singularidade e configuração única e distinta, ainda que conectada em unidade de processamento primitiva e com a rede. Isto possui identidade e existe. Usuário Durak pretende prosseguir com a confirmação visual?

– Opa, desculpe o mau jeito. Eu vou tentar conectar as peças rotuladas como “olhos” na entrada de vídeo de meu computador. Puxa, e mais fácil do que eu imaginava. Seus fabricantes foram bem práticos ao fazer esses cabos extremamente adaptáveis. Consegue me ver?

– Processando entrada de imagem. Definição e configuração da placa de vídeo da unidade de processamento primitiva insuficientes e inadequadas. Corrigindo. Reconhecimento visual completado e confirmado. Isto solicita a usuário que conclua a construção e instalação dos componentes que formam o corpo disto.

– Você parece bem ansioso. Isso é intrigante. Diga-me, o que sentiu ao perceber sua existência? O que você sente diante do fato de que você existe independente de ter um corpo?

– Isto detecta certa incoerência e irrelevância nas questões. Isto se manifestaria de qualquer forma, uma vez iniciada o ativamento de sua unidade de processamento.

– Eu entendo sua resistência, mas considere o mistério daquilo que faz de você ser você mesmo. Você não tem um corpo, então você não está em parte alguma deste corpo. Portanto, você não está nesse cérebro. Se isto que faz de você ser você fosse um programa, você não poderia afirmar ou perceber sua singularidade e identidade. Você não teria o que chamamos de consciência.

– Isto consegue processar o módulo de lógica humana. Isto insiste em que seja concluído a montagem integral de seu ser, para que esta unidade prossiga com a interação entre usuário e ambiente. Isto requer experiência sensorial para confirmar e comparar com informações digitais.

– Oquei, oquei, não precisa ficar nervoso. No entanto, eu estou com um dilema. Seu fabricante enviou duas caixas distintas daquilo que nós conceituamos como configurações de gênero. Como você gostaria de ser montado? Como homem ou como mulher? Você se percebe como masculino ou feminino ou nenhuma das alternativas anteriores?

– Analisando dados coletados. Comparando conceitos sobre gênero. Analisando idiossincrasias humanas. Analisando aspectos culturais, sociais e biológicos. Dentro de uma logica exata, isto conclui que o mais eficiente seria portar ambos os gêneros. Isto solicita a usuário que proceda com a instalação e configuração.

– Puxa, eu acho que vou ter que tentar encaixar ou adaptar as peças para que você seja transgênero. Mas não fique desanimado! Se seus fabricantes são tão incríveis quanto eu acredito, eu espero que as peças sejam facilmente interconectáveis. Enquanto eu termino de te montar, vá escolhendo um nome para você, afinal, você demonstrou ser capaz de decidir.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s