Minha vida é um anime – IV

Eu estou saindo do intervalo, andando pela ala que leva até minha classe quando quatro garotos do terceiro ano interceptam minha passagem, com um olhar desafiador.

– Hei, pirralho, você não pagou sua taxa de proteção hoje. Nós vamos ter que te surrar.

Eu peguei uma régua de madeira comum e os fitei de volta, sem medo.

– Chefe, eu não gosto do jeito que esse pirralho está olhando para nós. Deixe-me tirar o olho dele fora?

– Vai em frente, Spike. Mostre para ele qual é o lugar dele.

O garoto saca um canivete de sua jaqueta de escola e parte com tudo na minha direção. No momento certo eu desvio e com um maneio de minha mão, eu o desarmo e o ponho no chão. Não demorou para a briga chame a atenção dos outros alunos.

– Chefe, ele derrubou o Spike!

– Isso não pode ficar assim! Vamos, ataquemos todos! Por Spike! Iaaahhh!

Os três avançam com facas, porretes, canos. Os alunos parecem aguardar a minha iminente execução, mas quem cai em terra se contorcendo de dor são os três garotos.

– Mais alguém? Mais algum valentão? Ouçam todos! Eu não vou mais tolerar desordeiros nessa escola! A escola será de todos os alunos! Tem alguém contra isso?

A multidão se dissipa rapidamente. Dois fiscais de corredor aparecem, um se chama Naruto e outro Sasuke. Pedem gentilmente que os siga para falar com a diretora. A diretora é Kuchiki Rukia.

– Muito bem, senhor Sasaki Shishi, o senhor sabe por que eu te chamei?

– Sim, diretora, por que eu briguei.

– Esse foi meu subterfúgio. Eu vi sua luta e acredito que o senhor tem potencial para ser membro da Soul Society. O senhor aceitaria meu convite para se tornar um shinigami?

Eu fico imaginando se eu iria acabar conhecendo Orihime Inoue no sentido bíblico. Mas se este mundo anime for parecido com outras dimensões de anime ou do mundo humano, eu tenho um compromisso anterior com a Sociedade Zvezda.

– Senhora Kuchiki, infelizmente eu tenho um contrato. Para fazer parte da Soul Society, eu teria que ser dispensado de meu contrato anterior.

– Entendo. Então eu te peço, Sasaki Shishi, que procure a pessoa responsável por este contrato e diga sobre nossa oferta. Eu acredito que possamos chegar a algum acordo. Mas por ora, faça de conta que eu chamei sua atenção, por isso, você deve se dirigir à sua representante de classe com este bilhete resumindo sua punição para após as aulas.

Eu acenei, sem dar muitas explicações, me levantei, fiz a saudação e me retirei. Sem perceber, Rukia havia me dado a oportunidade perfeita para falar com Kate, que é também a pessoa responsável pelo meu contrato com a Zvezda. Eu tive que segurar meu sorriso de satisfação e prazer com uma expressão de agravo e tristeza. Perguntei para um aluno aleatoriamente onde estava Kate e ele me indicou o terraço, lugar onde a escola mantém um jardim e horta.

– Com licença, Hoshimiya senpai! Eu peço permissão para falar com a senhorita.

– Eu esperava por você. Não por que você foi na sala da diretora. Mas por sua luta contra meus capangas. Não que eles poderiam fazer algo de importante, mas eu precisava ter certeza. Eu ouvi alguns boatos sobre você não ser o mesmo e suas atitudes mostram que você mudou. Então eu pergunto a este que habita este corpo: quem é você?

– Eu gostaria de poder explicar melhor, Kate, mas eu vou ser bem direto. Nós nos conhecemos de outra dimensão. Eu sei que você é Venera sama e eu sou Durak.

– Como eu desconfiava. Eu fiz bem em mandar aqueles imprestáveis irem te provocar ao invés de mandar Itsuka. Ela provavelmente iria batalhar com você de outro jeito. Isso facilita muito as coisas, Durak. A White Light inventou uma arma que cria um buraco de minhoca e com ela lançou-me nessa dimensão. Professor Um está tentando de tudo para me trazer de volta, mas eu acredito que com sua ajuda, nós podemos voltar para casa.

– Eu adoraria ajuda-la a voltar para casa, Venera sama, mas você deve lembrar de que minha casa é o mundo humano.

– Isso é completamente irrelevante, uma vez que eu irei dominar todo o universo. Se seus dons e talentos foram mantidos nessa dimensão, isso poderia vir a ser catastrófico. Outros divergentes poderiam querer te usar para os propósitos deles. Você deve ter notado a presença da Soul Society e da NERV neste mundo. Devem ter outros mais. Eu posso contar com o seu apoio e devoção a mim nesta dimensão?

– Venera sama, para declarar meu apoio, devoção e amor a ti, nós devemos renovar o nosso… contrato. Isso significa que nós devemos nos unir carnalmente nesse mundo.

Eu me aproximo de Kate, eu a envolvo em meus braços enquanto ela sorri com olhos famintos. Ela conhece meus dons e talentos. Basta um simples beijo dela para ativar meu poder. Ela olha com aprovação, fica de costas para mim e me oferece sua porta de trás.

– Eu estou ciente de que, ainda que temporariamente, você está namorando Kaname. Eu não desejo ser a amante, então entrar por trás não conta como traição.

No mundo humano, as relações são complicadas demais, cheias de regras, tabus e proibições. No mundo do anime, o ciúme existe mais pela suspeita e incerteza do que por sentimentos de posse e exclusividade. No mundo do anime é normal e aceitável os relacionamentos múltiplos, o que torna o ciúme algo superável e circunstancial. Kate levanta sua saia e eu abaixo sua calcinha. Ali mesmo, entre tomates e ervilhas, eu planto minha mandioca no jardim dela.

Terminado nossa renovação de contrato, satisfeita e com as pernas tremendo, Kate me dispensa com uma advertência.

– Itsuka vai ficar muito feliz em saber que seus dons e habilidades estão intactos nesse mundo. Mas cuidado com nossa professora, Ayanami Rei. Eu desconfio que ela faz parte da NERV. Independentemente do que ela faça ou diga para você, lembre-se a quem você ama.

Eu fui para minha sala de aula e pude perceber que Rei estava de olho em mim e falava nervosamente ao celular. Com o fim das aulas, Kaname ficou me esperando no portão da escola para voltarmos juntos para casa. Um carro comum e popular parou do outro lado da rua e eu acho que era a Katsuragi Misato quem saiu de dentro do caro e acenava para mim. A Nerv pretendia me capturar, mas uma moto parou diante de mim e eu fui colocado na garupa.

– Nada tema, Durak, sou eu, Itsuka. Eu vou te levar em segurança para sua casa, onde nós estamos montando uma base da Zvezda. Seu pai, Sasaki Zaraki, está ciente de tudo.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s