Destinatário desconhecido

Eu entrei na agência de correios e fui atendido por uma funcionária vestida de coelhinha.

– Bom dia, senhora. Eu desejo enviar esta carta.

– Pois não, senhor. Quem está enviando esta carta e para quem?

– Esta carta é de Alguém para Ninguém.

– Mas está assinado por Todos.

– Coisa da empresa. A senhora sabe como é.

– Sim, eu entendo. Qual é o endereço?

– Fica na esquina entre Amanhã e Ontem.

– Ontem antes de Hoje ou de Depois?

– Melhor que seja Amanhã antes de Agora.

– Tudo bem. Como deseja enviar esta carta?

– Quais são as opções?

– Comum, comercial, virtual, mediúnico.

– Comum está bom.

– Escrita, telegrafada, ditada, cantada?

– Eu tenho um envelope que tem dentro um papel cheio de símbolos organizados e coordenados na forma de mensagem.

– Nossa. Bem tradicional. Que inusitado. O senhor podia declarar o conteúdo e a intenção da carta?

– Eu posso formalizar a declaração para a senhora mesmo ou devo preencher um formulário?

– Como o senhor achar melhor.

– Então eu me declaro para a senhora. Está muito sensual com esse uniforme de coelhinha.

– Desculpe, senhor, eu não entendi. Esse é o conteúdo da sua carta?

– Não, esta é a minha declaração para a senhora.

– Meu senhor! Esta declaração não pode ser recebida. Eu estou em serviço. O senhor pode fazê-la a mim após meu expediente, no chá das cinco. Agora eu te peço que declare o conteúdo da carta e a intenção da mesma.

– Eu não conheço a carta. Então eu não sei quais são suas intenções. Se ela fosse um pouco mais aberta, eu a conheceria e poderia dizer do que ela é feita.

– Entendo. Então o senhor não é o autor da carta?

– Ah, não! Eu sou um mero mensageiro.

– Um mensageiro que não conhece sua mensagem? Que inusitado.

– Uma funcionária com uniforme de coelhinha espantada com um mensageiro que desconhece a mensagem é inusitado.

– Senhor! Assim como flerte, insulto não pode ser recebido em serviço. O senhor pode me insultar após o expediente, no chá das cinco. Meu uniforme tem um sentido, afinal, nós somos o Correio, nós somos rápidos como o coelho. Eu sou uma mensageira como o senhor, mas conheço a mensagem.

– Eu pensei que insultos não fizessem parte do serviço.

– Asseverar um fato não é insulto. Esta agência não pode assumir qualquer responsabilidade se o senhor se sentiu ofendido.

– Então seria melhor o pombo, afinal, o coelho não entrega mensagens.

– Alguns funcionários tem alergia a pombo. Sem falar que as funcionárias teriam que ouvir muitas piadinhas sobre galinha.

– Quem fica mais indignada, a funcionária ou a galinha? Uma comparação que não deixa de ser preconceituosa em ambos os lados. Por exemplo, a senhora se sente mais à vontade sendo coelha ou galinha?

– Senhor! Aqui nessa agência conversas intimas devem ser evitadas. O senhor pode tentar ter uma conversa mais íntima comigo após o expediente, no chá das cinco. Nós estamos quase terminando o expediente e faltam cinco para as cinco. O senhor poderia, por favor, cessar os rodeios e declarar o conteúdo e intenção da carta?

– Ah, tudo bem. Eu vi quando a carta foi escrita. O conteúdo da carta é bem simples, pena que Ninguém entendeu. Todos escreveram em nome de Alguém: “A quem interessar possa. Eu te amo”.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s