Jornada de uma alma – II

Andei sem saber a direção, não há como saber se é norte, leste, sul, oeste. O lusco-fusco permanece, não há qualquer alteração, eu não tenho como notar se houve alguma passagem de tempo, mas eu pude notar que houve deslocamento, então eu posso medir o tempo pelas passadas que eu dou.

Eu me distanciei da dupla de desconhecidos e da fogueira por muitos passos. Muito longe, eu posso ver uma tenue linha que vai aumentando conforme eu ando e parece ser a tal montanha citada pelo Amistoso. Assim eu chamei o perdido que parecia ser mais amistoso. O Nervoso foi quem disse que somos todos perdidos. Eu chamei de Nervoso o “perdido” que parecia louco. Por este eu soube que existem outros, mas de onde vieram, para onde foram ainda é um mistério.

A montanha cresce e ouço sons, uma indicação de movimento e provavelmente de aglomeração. A montanha está tocando o firmamento cinza e posso ver claramente mais perdidos, uma estrada e até objetos que parecem ser veículos.

– Alô? Com licença? Para onde estas coisas vão?

– Olá. O senhor despertou há pouco, certo?

– Sim, eu acho. Eu não consigo ter uma noção clara de tempo. Estamos no amanhecer ou no anoitecer?

– Tenha paciência, em breve você se acostuma e poderá ter uma visão mais clara. Onde o senhor despertou?

– Na beira da praia. Uma praia feita de mãos.

– Ah! Onde alguns perdidos chamam de Mar de Mágoas.

– Foi o que o Amistoso disse.

– O senhor deve ter encontrado o padre e o ateu.

– O padre e o ateu?

– Assim nós os chamamos.

– Eles reclamaram que pediram ajuda, resgate mas ainda não receberam ajuda.

– Eu lhe garanto que foram feitas diversas tentativas de resgate. Eles permanecem ali por que querem.

– Por que são chamados de o padre e o ateu?

– Por que ambos se recusam a aceitar seus equivocos humanos a respeito da vida que segue a vida.

– Então eu estou no Mundo dos Mortos?

– Vê algum morto falando? Mexendo? Corpos morrem, não aquilo que os ocupa.

– Por favor perdoem minha ignorância. Poderiam me indicar para onde eu possa ir para me orientar?

– Escolha qualquer destas barcas e desembarque no final. Onde quer que o senhor vá, haverá de chegar ao seu destino.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s