Bendito serviço de fã

O pessoal estava disperso pelo estúdio, desfrutando dos dourados minutos do intervalo de almoço. Alguns conversavam, outros paqueravam, poucos fumavam, a maioria dormia esticada em algum lugar do estúdio. Madame trouxe outros roteiros e eu suspiro aliviado em perceber que a microestória Bela/Fera+Revolução Francesa foi esquecida. Zoltar não voltaria até o final do mês, o que nos deixa para rodar/encenar as partes onde eu duelaria com Ira, Nonon, Ryuko e Satsuki.

Otaku ocidental que se preza espera ansiosamente por algo que, aparentemente, tem outra função na cultura japonesa/oriental: o serviço de fã. Chame de ironia, sarcasmo ou crítica social, mas diversos animes inserem suas personagens femininas em situações em que expõe o erotismo natural, normal e saudável do corpo feminino [baba]. Tem um grupo neofeminista chamado Femen que utiliza da nudez como arma de contestação, embora acabe sendo inócuo, pelo sexismo inerente à nossa sociedade e pelo padrão velado quase racista desta organização. Mas não são apenas feministas e mulheres que possuem comportamentos disruptivos quando o assunto é a nudez, especialmente a feminina. Nós, homens, também somos incongruentes: nós achamos que a mulher é [ou devia ser] igual ao que se vê na pornografia, mas quando uma mulher tem tal atitude [empoderamento/autoestima] nós a tachamos de vadia, vulgar e outros epítetos nada gentis.

– Hei, D-kun, qual seu relacionamento com Leila chan?

– Eh? Ah, Ryo chan… é complicado.

– Ela é sua waifu… também?

– Ahn… Satsu chan… não é bem assim… é complicado.

– Eu não vejo onde tem problema. Pessoas sentem atração por pessoas. Há um interesse mutuo, há um envolvimento, um relacionamento, sexo gostoso para ambas as partes.

– Ryuko chan… isso é vergonhoso, mas eu concordo. Amor não tem forma, regra, limite ou condição. Eu… sou um pouco recatada nesses assuntos e eu até gostaria que D-kun fosse meu homem… afinal… você… nós… minha primeira vez…

– Enfim, D-kun, nós sabemos de você e Kate chan. Nós sabemos que seus “talentos” foram utilizados de diversas formas e servidos às diversas de nossas “irmãs” na Sociedade. Satsuki chan ainda não destravou por inteiro, mas ela em breve despertará. Nós só queremos saber qual é seu relacionamento com Leila chan.

– Oh, bem… eu acho que eu deva mesmo tentar explicar. Isso foi bem antes da Sociedade, bem antes de eu conhecer Venera sama. Eu era bem jovem, mal havia começado minha carreira como escriba e bruxo. Eu vi Le… eu vi madame em um sonho.

– Se vai contar sobre “nós”, escriba, use meu nome. Não precisa sequer me chamar de Etienne san.

– Ma… ma… eeh… Leila chan… eu sonhei com ela. Foi um sonho bem vivido, bem real. Leila chan… ela me visitou em sonho e ela… me mordeu.

– [Ryuko e Satsuki chan, em uníssono] Le… Leila chan!!

– Você está assustando nossas atrizes, escriba. O que elas vão pensar de mim? Aliás, eu te mordi? Não, foi a minha mãe. Eu não colocaria minha nobre e divina boquinha em algo tão ínfimo como você.

– Pois é como eu estava dizendo, ma… Leila chan. Eu não consigo explicar. Foi tudo rápido, mas marcante. O sonho é o mais próximo que o ser humano consegue chegar da quinta dimensão. E na quinta dimensão… bom… Vera sama e Leila chan podem muito bem ser a mesma pessoa/emanação.

– Ah, mas que patético. E você se diz escriba e bruxo. Oh, bem, é o que conseguimos nesse mundo humano.

– Leila chan… conte-nos a sua versão, por favor?

– Sim… e sobre sua mãe, sobre o por quê dela ter mordido D-kun.

– Oho… que meninas espertas. Talvez eu conte a vocês duas, mas só depois das cenas com o escriba. Se eu gostar do que vocês mostrarem… talvez eu conte tudo.

Madame… melhor… Leila chan dispensando tratamento honorífico não é um bom sinal. Pelo menos é o que minha espinha avisa. Venera sama sabe sobre Leila chan, sua mãe e eu. Ela simplesmente disse que exatamente por isso que eu tinha sido escolhido. O sonho foi um teste para tudo mais que aconteceu em minha jornada, pode-se dizer que foi minha “iniciação” no Caminho das Sombras.

– Hum… eu vou gostar de ouvir o que Leila chan tem a dizer. Eu certamente tenho curiosidade sobre sua jornada, D-kun. Chame de bobagem de mulher apaixonada, mas eu quero saber tudo sobre você.

– Eu… eu… D-kun… seja lá que tipo de relacionamento você tem com Leila chan… eu quero ter essa mesma intimidade…

– Heh… eu vou querer ver isso, Satsuki chan. Vai ser interessante te ver nos rituais antigos.

– Eh… eeeeh?!

– Leila chan… não assuste nossa atriz.

– Longe de mim. Gravou tudo Riley? Ótimo. Mande para a edição. Podemos aproveitar o material. Vamos para a encenação, si vous plait?

A encenação com Ira Gamagori foi rápida e tensa, tanto por causa do nervosismo de Ira quanto da apreensão de Mako. Eu não os condeno, afinal, estavam recém casados e devem ter planos para aumentar a família. Leila chan não ficou animada, mas o pobre Ira estava em desvantagem, pois eu conhecia seus golpes e pontos fracos.

Nonon é um caso à parte que deve agradar muito otaku ocidental. Ela caprichou no serviço de fã, embora dificilmente passe despercebido pela censura [o ocidente reacendeu recentemente sua
histeria/paranoia em relação à nudez, principalmente a feminina], pois sua aparência e compleição colocam as cenas dentro de um dos tabus mais polêmicos da sociedade ocidental: a sexualidade infanto/juvenil. Como se no mundo da Sétima Arte não tivessem diversas atrizes cujos personagens não refletem a verdadeira idade etária de quem encena.

– Chaaato. Isso é mais chato do que minhas sessões na estória “O Caso Keller”. Nós não estamos conseguindo atingir nosso propósito com esse serviço de fã. Ryuko e Satsuki, eu acho que será desnecessário suas cenas com o escriba.

– Por favor, Leila chan! Nós podemos inserir diálogos que vão transmitir a mensagem! Nós queremos fazer essas cenas com D-kun!

– Mesmo? Então bendito seja o serviço de fã. Façam a cena.

Ryuko chan pula para o palco, vestindo um clone de sua Senketsu, com sua espada/tesoura, pronta para a ação. A lente não capta, mas eu percebo o conflito em sua alma, em seus olhos.

– Durak, quando você chegou nesta academia, você desafiou o melhor espadachim. Pois bem, você tem, diante de ti, a melhor do mundo. Meu pai, Isshin Matoi, desenvolveu a Senketsu para que eu pudesse derrotar Ragyo, minha mãe e as Fibras de Vida. No começo, eu não entendi nem aceitei a concepção de meu pai ao criar o Senketsu. Aliás, ninguém entendeu. Mas depois eu entendi. Tem a ver com o meu poder, o poder natural que toda mulher tem que é seu corpo, sua sensualidade, sua sexualidade. Quando nós, mulheres, retomamos a posse sobre esse poder, nossa nudez se torna uma arma revolucionária. Pela nossa sensualidade normal, natural e saudável, nós iremos desarmar todo mundo, acabarão os conflitos e só haverá amor. Essa é a verdadeira força da mulher, essa é a verdadeira força da minha espada. Amor! Eu luto contra você por que eu te amo!

A cena de pancadaria explicita segue no padrão do anime que serviu de base e inspiração. O que é engraçado é que o que chamou a atenção do público e da crítica foi o serviço de fã, não a violência gratuita. Nós lutamos com vontade. Nós lutamos com o máximo de realismo. Até utilizamos espadas de verdade. O pessoal se espremia nos cantos e se encolhia no chão, com medo dos cortes que marcavam os objetos. Para ser sincero, nós perdemos a noção de tempo e paramos quando não tínhamos mais força ou folego. Eu caí de cansaço e eu acho que Ryuko chan também.

– Valeu! Acabamos por hoje, pessoal! Riley, mande o material para a edição!

Antes de eu apagar eu olhei para Leila chan. Ela sorria. Ótimo. Eu posso descansar. A mensagem foi transmitida.

A anima de um anime

Eu sou convocado três dias depois para retornar ao estúdio para continuarmos com a encenação. Eu não posso reclamar, eu tive três dias de folga por ocasião do feriado cívico no Brasil, provavelmente o único país onde o cidadão desconhece o motivo de tal data. Todo o pessoal está lá, exceto Alexis e Zoltar. Assim que eu entro, todos olham para mim, eu sou imediatamente cercado com perguntas sobre o bebê.

– Ei, pessoal, depois nós fofocamos. Agora nós temos um trabalho a fazer.

– Por mim, tudo bem, mas quem vai dirigir? Quem vai substituir Zoltar como vilão?

– Ryuko chan disse que a Sociedade providenciaria os substitutos.

– Ahem… senhoras e senhores, eu sou a nova diretora.

Só de ouvir a voz eu fico arrepiado. Eu me viro, como que para me certificar de algo que eu sei. Eu não sei se fico alegre ou se choro. Madame foi escalada para ser a diretora da peça.

– Madame?!

– Sim, escriba. Quem mais senão eu que pode ser a diretora? Eu cansei de ser atriz. Por mim o mundo inteiro seria um teatro e todas as pessoas seriam meus fantoches. Eu seria capaz de dizer que muitos aqui até se ofereceriam para serem meus servos.

– [Redundância declarar que eu sou um] Madame, quem irá substituir Zoltar?

– Eu encontrei alguns garotos esquisitos, de armaduras brilhantes, que se diziam “cavaleiros de Atena”. Não são grande coisa, mas devem servir para encher linguiça até Zoltar voltar. Os animes não são todos assim? Inexplicavelmente o herói/protagonista enfrenta diversos adversários pequenos, fracos e insignificantes com o único propósito de prepara-lo/treina-lo para a “batalha final”?

– Hã… sim, madame.

– E não importa o quanto o herói/protagonista apanhe/morra, ele sempre vencerá no final com um único golpe ridículo?

– Eh…

– Hum… eu vou tentar tirar algum prazer nisso. Tente fazer o mesmo, escriba.

Eu volto para a minha marca, pois Ryuko chan e Satsuki chan estão olhando para mim de um jeito esquisito e suspeito. Seria complicado demais explicar qual a relação de madame comigo.

– Muito bem, retomando da cena em que Durak vence Uzo. Comece de sua linha, Satsuki chan.

– Ahem. Muito bem, estrangeiro, você venceu Uzo. Mas isso não é o suficiente para você se proclamar mestre espadachim. Você tem que provar que é também inteligente. Aceita o desafio? Eu serei sua oponente. Se vencer, nós o aclamaremos como verdadeiro mestre espadachim, mas se perder, terá que aceitar se tornar aluno desta academia.

– Pois que tragam o teste mais difícil de todos! Eu aceito o desafio!

Duas escrivaninhas são dispostas e não demoram a aparecer chumaços de papel. Tem papel de todo tipo aqui, mas a equipe de efeitos faz parecer que são testes para Harvard, ou coisa parecida. Eu tenho que fazer a cena de comédia, com gotinhas de suor e fumaça saindo de minha cabeça enquanto Satsuki chan parece estar em estado zen. Nossas “respostas” são colocadas em um scanner e avaliadas por um megacomputador. Meu “resultado” sai primeiro com 98,7 e eu faço uma dancinha ridícula. Depois sai o “resultado” de Satsuki chan com 100,00 e eu faço uma expressão de que uma bigorna caiu em minha cabeça [algo que a claquete adora fazer de fato].

– Sem dúvida, você é bom, mas pode ser melhor. Torne-se nosso aluno e trilhe no Caminho da Espada. Se você for digno, poderá lutar com o nosso melhor guerreiro.

– Minha honra e minha palavra não voltam atrás. Eu peço que aceitem a minha matrícula nesta academia.

– Excelente. Gamagori, cuide dos detalhes. Ryuko chan, você será a sensei dele.

– Hah! Não pense, só porque tem algum talento, que eu irei pegar leve com você!

– Por favor, Matoi sensei, seja mais rigorosa comigo, senão eu jamais poderei enfrentar o melhor guerreiro desta academia.

Eu deposito minha espada aos pés de Ryuko chan, um adereço dramático que eu acho desnecessário e exagerado, mas é como está no roteiro. Essa é a deixa para a entrada do primeiro “oponente”.

– Isso não acontecerá. Eu acabarei com essa academia aqui e agora. Por Atena!

– Equipe de edição, regrave por cima! Coloquem Hades ou Caos. Continuem!

Para esclarecer os leitores, nesta estória todos os personagens são adolescentes. Eu sei que é esquisito e estranho, mas em diversos animes os personagens tem uma aparência madura para a idade que supostamente possuem. Em termos práticos, eu continuo tendo 51 anos e o homem que está diante de mim tem 48 anos, mas na encenação nós dois temos 17 anos. Eu me considero relativamente em forma, mas não o homem que se apresenta com um traje ridículo, uma imitação da armadura de Pégaso e eu não duvidaria que o próprio Seiya está ali.

– Meteoro de Pégaso! Hoaaaaah!

Minhas dúvidas se dissipam. Nenhum otaku deveria ver o que sobrou daquele que foi o ídolo de muitas gerações. Lembram que eu disse que é tudo coreografia? Pois bem, na tela o golpe é bem impressionante, mas é ridículo ao vivo. Nenhum mestre de arte marcial chamaria aquilo de soco. Bom, eu tenho que seguir o roteiro, a coreografia e tentar não machucar muito Seiya. Vai que ele trouxe Marin ou Sheena com ele. Vai que Saori está ali.

– Offf! Aaagh! Ugh!

– Médico! Chamem um médico!

Seiya está catatônico no palco e eu nem bati com força. Os coadjuvantes parecem lançar adagas dos olhos. Ryuko chan e Satsuku chan tentam não olhar [estão com vergonha ou estão querendo disfarçar o riso?]. Ira está com uma expressão preocupada e Uzo parece estar aliviado por não termos ido até o final na cena. Eu não tenho certeza, mas Mako e Nonon parecem estar excitadas.

– Chamem o outro “oponente”!

Tedioso. Eu reconheço Shun, Shiryu, Hyoga e até Ikki. Decepcionante, com exceção do Ikki, que até deu algum trabalho. As macas entram no palco e socorristas levam os feridos ao ambulatório. Ryuko chan e Satsuky chan não conseguem se conter e caem na risada. Sim, elas assistiram e torceram pelos “cavaleiros” quando ainda eram crianças e sonhavam em serem atrizes de animes. Elas até tiveram aulas de artes marciais e treinaram duro as técnicas com espadas para o anime que estrelaram. Sei lá porque a imagem de Goku surgiu em minha cabeça. Mesmo em sua forma de sayajin Goku não era páreo para Ryuko chan. Não esqueçam que muito do que se vê na tela é efeito gráfico. Por isso que eu respeito muito a força de Riley.

– Muito bom. Por hoje está bom. Equipe de edição, encham linguiça com colagem de cenas. Vamos almoçar, eu pago a conta.

Todos se esquecem de mim e da heresia que eu acabei de cometer. Madame nos oferece um almoço de primeira classe. Ryuko chan e Satsuki chan sentam em minha frente e não tiram os olhos de mim. Eu sinto um cutucão.

– Eh, escriba, eu não sabia que você era tão forte e habilidoso assim.

– Riley?!

– Leila me pediu para ser a narradora, se bem que eu acho que ela me chamou para te “segurar”, caso você resolva manifestar seu lado animal.

Eu fito madame com uma expressão e ela parece corresponder com um sorriso. Sim, isso é coisa típica de madame.

Não há diferença entre ficção e realidade

As cenas seguintes vão se desenrolando, ou melhor dizendo, vão se arrastando. A vantagem é que dentro do estúdio o pessoal fica mais à vontade, menos inibido. Então no centro do palco ficaram apenas Ira e Mako. Eles vão encenar a parte onde nós reinterpretamos o conto “A Bela e a Fera” ambientado na Revolução Francesa. Eu tenho um calafrio.

– Nós devemos unir os estudantes para trazer uma mudança na sociedade e em nosso país!

Mako estava vestida com uma roupa cenográfica que beirava o kitsch e era exageradamente estereotipada da “camponesa francesa do século XVIII”. O calafrio na espinha aumenta.

– Isso é contra as leis da moral e da ética! O estudante não sabe o que quer, o povo não sabe o que quer, nós temos que manter a escola como esteio da ordem social.

Ira estava igualmente cafona e canastrão naquele traje que eu estimo que seja do “burguês capitalista do século XVIII”. O discurso dele é incomodamente atual com os “iluminados” que sugerem o projeto “escola sem partido”. Minha espinha parece o Polo Sul.

– Nós devemos então nos apropriar do conhecimento para que este sirva ao propósito do bem comum!

– Isso é um assalto, um crime! Um livro, uma biblioteca, são propriedades que devem ser resguardadas. De outra forma, um teórico, um escritor, não terá incentivo para criar suas obras e uma cidade não terá interesse em fazer uma biblioteca.

– A quem o teórico, o escritor, cria suas obras? Para o leitor, o público! A quem uma biblioteca, uma livraria, atende? Para o pesquisador, o público! O conhecimento, tanto em sua produção quanto ao seu acesso, devem, portanto, serem públicos!

– O público, o povo, a massa, é ignorante. Vão sempre preferir novelas e futebol a cultura. Os intelectuais só existem porque são patrocinados por burgueses. Então clamar por Revolução é hipocrisia.

A encenação encerra com ambos se encarando como se fossem se matar. Eu estou em estado de choque. Não tem como “amarrar” isso em nossa estória, nem como uma microestória. O discurso é absurdo, mas não é muito diferente de inúmeros discursos que são ditos publicamente, pela Esquerda e pela Direita. A melancolia me pega de jeito e eu fico deprimido.

– Oquei pessoal, valeu. Vamos para as cenas seguintes. Vamos para a apresentação do segundo protagonista. Pronto para sua cena, Durak kun?

Eu aceno afirmativamente para nossa diretora, Alexis, que também percebeu o desastre. Ela tinha estresse suficiente com a gestação. Eu fico indeciso se incorporo Sasaki Shishi ou Kobori Tadamasa.

– Ahem… eis que surge um predestinado. Vindo das regiões geladas e rigorosas dos montes gelados do norte, um jovem desconhecido se aproxima dos portões da Academia Honnouji. Será inimigo? Será amigo? Quem é ele?

Eu reconheceria a voz do narrador em qualquer lugar. Eu vou deixar para o leitor escolher e decidir quem é.

– Eu saí de minha humilde vila, atravessei diversas cidades e desafiei muitos ditos mestres da espada e eu venci todos. Em muitos desses lugares, eu ouvi falar dessa Academia. Vamos ver se são tão bons quanto dizem!

Eu me sinto repetindo a cena do primeiro episódio de Kill la Kill. A diferença é que o cenário é de uma escola “normal” em reconstrução, com Ryuko chan e Satsuki chan coordenando os trabalhos, vestindo típicos uniformes escolares de anime.

– Hah! Tremam, pois não existe espadachim melhor do que eu! Eu desafio qualquer um aqui a me provar o contrário!

Ryuko chan e Satsuki chan se esforçam para não rir e fazer aquela expressão de desprezo e indiferença, olhando para algum ponto no horizonte atrás de mim.

– Ouviu algo, Ryuko chan?

– Eu acho que eu ouvi uma mosca irritante, Satsuki chan.

– Uzo kun, poderia nos livrar desse incômodo?

– Hah! Até que enfim um pouco de ação! Eu serei seu oponente!

Eu e Uzo estamos com espadas cenográficas, sem corte, madeira pintada, mas muito bem feitas, bastante similares com espadas de verdade. Mesmo assim, um de nós poderia sair machucado se lutássemos para valer. Tudo é uma questão de coreografia. Eu só tenho que repetir a coreografia. Por cinco minutos a cena seguiu conforme o esperado. Mas eu podia sentir os olhos e o espírito de luta de Uzo crescer e incendiar. Eu tenho que me esforçar em me conter para não nos machucar. Uzo grita algo que não está no roteiro e ataca com tudo para cima de mim. O pessoal gesticula, eu vejo as bocas se movendo, mas não há som algum. O choque é inevitável e alguém vai acabar ficando ferido.

– Ai!

O grito profundamente doído e sentido nos faz parar a milímetros um do outro. Começa um corre-corre, gente para todo lado, gritos, desespero. A companhia sai pelas ruas e interdita o trânsito enquanto eu e Zoltar entramos em um carro da companhia, levando Alexis em nossos braços. A bolsa dela havia rompido e as contrações estavam no auge. Alexis estava para dar a luz, ali mesmo.

Não dá para todo mundo entrar no hospital, então fico eu e Zoltar na sala de espera da Emergência Ginecológica. Ver Zoltar nesse estado é esquisito e confuso. Ele é uma existência que é capaz de olhar o Caos nos olhos e sobreviveu a coisas e seres extremamente perigosos. Mas o nervosismo e ansiedade diante do fato que ele está para se tornar pai o estão destruindo.

– Escriba… Alexis estará bem?

– Sim… eu acho que sim… confie nos médicos.

– Heh… eu… confiar em outro ser vivo… que loucura.

– Você ficaria surpreso com o que nós somos capazes de fazer, quando necessário.

– Heh… eu não duvido. Mas, seja sincero, escriba… o que acontecerá a seguir?

– Bom… você vai ser pai.

– Isso me aterroriza, escriba. Eu não sei se serei um bom pai.

– Ninguém está preparado para ser pai, Zoltar. Manter um relacionamento estável é complicado para ambos. Cada um tem que ceder e aprender coisas diferentes conforme avança a convivência. E isso é só quando são duas pessoas maduras. A coisa é bem mais complicada e aterrorizante quando temos em mãos a incumbência de cuidar de um ser vivo que é a expressão encarnada de nossa linhagem. Nossos pais fizeram o melhor que puderam, nós só temos que tentar fazer o mesmo com nossos descendentes.

– Senhor Niger Ignis?

– So… sou eu…

– Parabéns, papai. Você tem uma linda menina.

Eu consigo segurar Zoltar antes dele estatelar desacordado. O médico consegue reanima-lo. Mas mesmo assim ele segue escorado em mim. O médico não tem muita escolha senão deixar que eu entre na enfermaria onde Alexis segura seu bebê. Ver Alexis segurando aquele pequeno ser deve ter produzido algum tipo de delírio, pois eu podia jurar que eu vi uma imagem da própria Deusa.

– Olá, meninos. Venham e deem um alô para Miralia.

Zoltar era todo cheio de dedos, desastrado, abobalhado. Orgulhoso me exibe sua filha. Mais tarde eu me preocupo com a reação da Sociedade e da Natasha. A melhor descrição que eu posso fazer de Miralia Niger Ignis é que ela é um anjo. Literalmente. Um paradoxo e contradição que parece resultado de alguma terrível conspiração do Caos. Embora eu duvide que o Caos pudesse engendrar uma criatura tão perfeita assim.

– Uh… Duuh…

Miralia segura no meu dedo como se me conhecesse há milênios. Talvez conheça. A forma não mostra seu conteúdo. Sendo filha de quem é, suas origens e raízes remontam a um passado impossível de se vislumbrar. Em algum momento dos inúmeros nódulos de realidades e universos possíveis e existentes dentro da Quinta Dimensão, nossas essências podem ter tido uma hestória em comum. Sim, porque não há muita diferença entre história e estória, só quem está narrando e com que intenção. Bem vinda mais uma vez ao mundo humano, Miralia.

Reconstruindo narrativas

Ryuko chan, como sempre, toma a iniciativa de falar com toda a equipe.

– Bom dia, pessoal. Eu sei que está frio e nós ainda estamos no outono, mas vamos aproveitar que o clima está ameno, quase morno, para fazermos a primeira cena.

A companhia tem duas turmas, a equipe de apoio e a equipe de encenação. O pessoal de apoio distribui chocolate quente para o pessoal de encenação que vestia apenas um robe de banho. O pessoal de cenário caprichou nas maquetes para representar as ruínas da Academia Honnouji. Ao fundo, é possível ver a baía de Tóquio, iluminada pelo lusco-fusco roseado da manhã, apesar das nuvens de poluição. Há poucos metros dali ainda é possível ver a locação de onde foram rodados diversas cenas de Neon Genesis Evangelion.

No “roteiro” que começamos a esboçar, minha participação na estória está quatro cenas adiante, mas Ryuko chan fez questão de que eu viesse para transcrever conforme a estória fosse encenada. Eu não reclamo, mas eu não entendi porque meu “testemunho” incluía estar com o mesmo robe dos demais atores. No momento, o que me intriga é quem irá dirigir essa encenação tipo “live action”.

– Hei, escriba… explique o que o conto “A Bela e a Fera” tem a ver com Revolução Francesa e o anime que nós vamos tentar dar continuidade?

Zoltar está ao meu lado, com seu pelo aparado tão curto que quase lhe dá um aspecto humano. O pessoal da maquiagem teve trabalho para humanizar mais a aparência dele.

– Nós vamos tentar fazer um mix de estórias e um “live action”.

– Em suma, vocês não tem a menor ideia do que vai acontecer e vão inventar enquanto encenam.

– Hum… acho que é isso. Eu escrevo com essa técnica, então vamos ver no que dá. Eu vou confiar na direção, seja quem for.

– Ryuko chan! A diretora chegou!

– Ótimo! Vamos agilizar e ficar em nossas marcas.

Eu fico um pouco incomodado ao ver que toda a equipe de encenação remove os robes, quase como uma coreografia, quase como se fossem todos robôs. Zoltar se estica e estala os ossos e eu o acompanho. De soslaio eu tento ver quem chega dentro do carro da companhia de teatro e vejo duas enfermeiras e depois a nossa diretora.

– Bom dia, meninos e meninas. Estão todos em suas marcas? Ótimo, vamos começar.

– Alexis… você é nossa diretora?

– Oi, Durak. Surpresa! Kate fez questão disso.

– Zoltar… não tem problema?

– Natasha disse que não. Ela virou nossa médica particular e está acompanhando a gestação.

Eu mordo a língua para não falar o que me vem na cabeça. Alexis está deslumbrante e com um enorme barrigão. Não parece ter apenas seis meses, mas isso é com Natasha. Kiryuin sama dá início aos nossos trabalhos com sua fala.

– Ryuko chan, você conseguiu. Você derrotou Ragyo.

– Sim, Satsuki chan, eu venci, mas com a ajuda de todos vocês.

– As formas de vida alienígena conhecidas como Fibras de Vida não são mais uma ameaça. Mas a Organização Praia Nudista deve continuar com suas atividades. Nós precisamos ter certeza de que não restou nenhuma Fibra de Vida em atividade ou outro líder planejando vingança.

– Mikisugi sensei… vai deixar de ser nosso professor?

– Mankanshoku chan, eu ensinei tudo que tinha para ensinar e eu não posso dar aulas sem uma escola.

– O senhor pode ficar aqui e nos ajudar a reconstruir a Academia Honnouji. Como o senhor mesmo disse, nós não sabemos se as Fibras de Vida não estão ativas e nós temos que considerar que podem existir outras formas de vida alienígena que podem nos ameaçar.

– Sua oferta é tentadora, Kiryuin sama, mas a senhorita pretende continuar com a Academia?

– Sim… eu vou… eu tenho… eu tive muito trabalho para formar meus Quatro Generais, reencontrar minha irmã perdida e derrotar minha mãe. Ryuko chan… você aceita ser parte de nossa escola reconstruída?

– Evidente que aceito. Eu vivi muitos anos de minha vida triste achando que eu era órfã. Agora eu tenho uma irmã, uma família. Isso é, se Mako aceitar também fazer parte dos quadros da escola, como minha assistente ou como professora.

– Eu topo com uma condição! Que Gamagori sama se case comigo!

– Ma… ma… mankanshoku san? Isso é… inapropriado!

– Nem vem. Você é todo grande e musculoso, mas não tem coragem de se declarar para mim, então eu tomei a iniciativa.

– Eh… eu não sei se eu vou querer ficar aqui… senão vocês são capazes de quererem me casar com Nonon chan.

– Pirou, macaco? Bateram muito na sua cabeça? Nem que os Incas Venusianos venham nos invadir que eu vou querer algo com você.

– Tsk! Como se o incomparável espadachim Uzo Sanageyama estaria interessado em uma criatura tão ínfima e sem conteúdo como você! Eu deixo para os Lolicon.

– Hahaha… evidente que é necessário sofisticação e cultura para gostar de uma garota como eu, Nonon Jakuzure, coisa que o macaco nunca terá.

– Eu espero contar com a continuidade de todos na Academia Honnouji que nós iremos reconstruir. Eu precisarei de professores e professoras para os alunos que virão. Para combater as ameaças a este mundo, nós precisaremos formar muitos no Caminho da Espada.

– Kiryuin sama, eu, Houka Inomuta, fiz uma projeção em 3D da Academia Honnouji reconstruída.

– Excelente trabalho, Inomuta san. Mas existe outro problema que eu devo resolver. Pessoal… eu vou entrar com uma petição no tribunal para mudar meu nome para Satsuki Matoi. Nós devemos apagar completamente qualquer sinal ou vestígio de que existiu Ragyo Kiryuin.

– Satsuki chan… você fará isso? Mudará o seu nome… só para nos tornarmos irmãs e uma família de verdade?

– Sim, Ryuko chan. Eu quero fazer isso. Eu não quero mais ser chamada de Kiryuin sama. Nós duas somos Matoi. Eu peço a todos vocês, meus amigos, que me chamem apenas de Satsuki. Nós passamos tanta coisa juntos que o uso de honoríficos é dispensável.

No roteiro, Matoi sama tinha que olhar para seus “generais”, mas ela estava olhando diretamente para mim. Zoltar me cutucou como se perguntasse: vai comer ou está comendo. Eu vou dar um desconto, afinal, Zoltar ainda é recruta da Sociedade e não sabe que quem manda são as mulheres.

– Matoi sama, em nome dos extintos Quatro Generais, nós aceitamos, honrados, sua decisão.

– Eu sabia que podia contar com você, Ira. Não se esqueça de nos enviar os convites para seu casamento com Mako, viu?

– S… sim, Matoi sama!

– Eh, mas que cara lento. Eu não sei quem é mais burro, esse urso sadomasoquista ou você, macaco.

– Hei! Não me compare com ele!

– Vocês dois, parem com essa cena tsundere. Todo mundo sabe que vocês dois estão se pegando.

Uzo e Nonon ficam envergonhados e calados enquanto todos soltam boas risadas. Para uma pessoa leiga, passaria por encenação, mas eu sei que não é o caso. Tanto no anime quanto na vida real Uzo e Nonon viviam maritalmente.

– Oquei, valeu! Por hoje é só, pessoal. Eu não sei quanto a vocês, mas eu estou congelando. Vamos rodar as próximas cenas em estúdio.

O pessoal de encenação corre na direção do pessoal de apoio em busca de chocolate quente, roupas, agasalhos e bebidas alcoólicas.

– Esta é a primeira vez que eu acompanho de fora uma encenação. Sempre é assim?

– Sim, Zoltar. Tem vezes que é mais caótico.

– Eu acho que consigo gostar disso. Como meu amor se saiu na direção?

– Eu sou suspeito para avaliar, Zoltar.

– E aí meninos? O que acharam?

Eu e Zoltar apenas acenamos as cabeças indicando que gostamos. E não foi porque Alexis estava observando nem porque era Ryuko chan quem perguntava. Estava bom.

– Ah, antes de ir, D-kun, Satsuki chan quer falar com você.

Zoltar me cutuca novamente, praticamente me empurrando na direção de Matoi sama.

– Eh… Matoi sama… Satsuki chan… quer falar comigo?

– Eu queria… te pedir desculpas, Durak kun.

– Eh?

– Ryuko chan tem razão. Ela é mais nova do que eu, mas é mais madura nesse… assunto. Eu não devia usar a cena para te dar uma indireta. No anime eu sou completamente diferente, mas essa é meu verdadeiro eu, Satsuki Matoi.

– Está tudo bem, Satsuki chan. Não precisa ser tão rigorosa consigo mesma.

– Bom… eu gostaria de conversar mais vezes com você. Eu tenho que resolver esse bloqueio, esse trauma. Eu devo parecer louca… afinal, nós fizemos uma cena bem quente na estória Neon Genesis, não foi?

– Está tudo bem, Satsuki chan. Nós somos humanos e isso é complicado assim mesmo.

Esboços e ruínas

Estava bem tarde de noite quando a Sociedade ficou mais tranquila, mais sossegada, mais silenciosa. O evento da Páscoa tinha sido um sucesso, por mais um ano consecutivo. Kate não se importava com o nome que os países davam ao evento, ela era celebrada e ela não se cansava de distribuir gratuitamente suas bênçãos por toda Gaia.

Na saída, Zoltar me encontrou e, aparentemente nervoso, espremeu um chumaço de papel em minha mão, como se nós fossemos espiões trocando informações de segurança nacional. Antes de sumir, fez questão de ver se ninguém havia nos visto juntos e se despediu.

– Eu gostei do esboço. Eu fiz algumas anotações. Alexis mandou lembranças. Se alguém perguntar, você não recebeu de mim essa informação.

Eu não tive tempo de perguntar mais detalhes. Desleixadamente, eu desenrolei o chumaço de papel que estava em minha mão e ali eu li um endereço e uma data. Eu imediatamente entendi que aquele era o endereço de onde eles estavam morando e a data certamente indicava um momento mais propício para minha visita. Eu dei de ombros e dormi tranquilo.

Minha primeira rotina diária em meu serviço é checar minha caixa de mensagens nos meus e-mails. Eu não sou muito popular, nem conhecido, sequer sou uma celebridade. Mas minha caixa de entrada estava com cem mensagens, todas dos meus atores e atrizes, com anotações, sugestões e acréscimos ao esboço de roteiro, que acabou se tornando em diversos outros esboços.

Eu comecei lendo o e-mail do Zoltar.

– Senhor escriba, ou pelos muitos nomes com o qual o senhor se identifica, saudações. Eu olhei o anime do qual esta estória alternativa irá se basear e/ou continuar. Eu acho que nós podemos explorar o conceito de que o Pecado Original não foi o de comer o Fruto Proibido, mas o de ter inventado a roupa para cobrir o corpo. O resto não é muito interessante. Espadas, samurais, batalhas. Tedioso, mas necessário para ocultar a mensagem que queremos transmitir. Alexis mandou abraços.

As sugestões e acréscimos de Zoltar eram negras demais para serem viáveis para se tornarem um texto voltado para o público, talvez eu tenha que suavizar ou diluir. Depois eu li o e-mail de Ryuko chan que veio com um anexo, digamos, explícito.

– Oi, D-kun. Eu tirei essa foto só para você [veja anexo]. Eu e Satsuki estamos vibrando com o roteiro. Nós estamos ansiosas, para começar o teatro e para te rever. Nós fizemos algumas sugestões juntas, pois nós sabemos o quanto o público otaku gosta de serviço de fã. Nossa companhia é pequena e desconhecida, mas tem um grande estúdio que relançou um filme misto com o conto da Bela e da Fera. Parece loucura, mas nós imaginamos juntas o conto tendo como pano de fundo a Revolução Francesa. A Bela seria uma camponesa revolucionária e a Fera seria um burguês republicano. Nós ficamos tão animadas com a ideia que não pensamos como isso poderia ser encaixado em uma continuação alternativa de nosso anime. Mas essa parte nós deixamos para você. Beijos e [partes censuradas].

Imaginar Ryuko chan em roupas que remetem a esse evento revolucionário na França é uma fantasia erótica demais para a política de muitos portais da internet e seus “termos de uso de serviço”, uma forma eufemística de dizer censura. Aliás, não falta muito para diversos portais ocidentais começarem a bloquear páginas e sites de anime. Afinal, a cultura oriental não tem a mesma histeria e paranoia que o ocidente sobre a nudez feminina [baba], a sensualidade, a sexualidade, o corpo, o desejo, o prazer, relacionamento e sexo.

A maioria dos e-mails não era aproveitável. Poucos tinham lances interessantes e boas ideias. Deu um trabalhão ler tudo, filtrar e aproveitar o que era aproveitável. O ultimo e-mail era de um remetente desconhecido. Normalmente eu deleto ou reporto mensagens de origem desconhecida, mas como estava no bloco com o mesmo assunto, eu abri. Era de Alexis.

– Oi… hã… escriba. Ou eu posso te chamar de Durak? Ah, que boba, eu não me identifiquei. Aqui quem te escreve é Alexis, a atriz protagonista de seu conto da Universidade dos Vilões. O Zoltar não sabe nem precisa saber que eu te escrevi, oquei? Ele pode ficar com ciúmes. Você deve estar se perguntando como eu consegui seu e-mail. O pessoal da companhia de teatro me falou da Sociedade e um dia, quando Zoltar foi procurar emprego [ele tem vergonha disso], pois nós estamos prestes a aumentar a família, eu fui na Sociedade [por favor, não fale disso para Zoltar]. Uma moça muito gentil e atenciosa me deu seu e-mail e alguns papéis para eu me inscrever. Eu achei um pouco esquisito dela andar apenas com lingerie por debaixo de um casaco de laboratório, mas quem sou eu para criticar as manias dos outros? Eu tive um instinto que ela estava interessada demais em mim, mas enfim, eu fiquei sabendo que a Sociedade tem diversas companhias de teatro e que você escreve muitos roteiros. Eu sei que Zoltar está zanzando por aí, querendo roteiros. Eu estou enorme, sexto mês de gestação, mas eu ainda posso fazer algum papel ou função nesse projeto. A ideia de continuar a estória de um anime é interessante e me agrada o conceito de colocar mulheres como protagonistas, mesmo que isso envolva luta com espadas e muito serviço de fã. Nós temos que ser bem resolvidas, afinal, nós somos naturalmente atraentes, sensuais, exuberantes e femininas. Aposto que você está babando pensando em mim. Se eu conheço Zoltar ele vai te entregar nosso endereço de uma forma bem esquisita. Como se você não pudesse pegar nosso endereço com a secretaria da Sociedade. Venha nos visitar, oquei? Eu quero que você seja o padrinho de nosso bebê. Abraços, Alexis.

Eu até consigo imaginar o motivo pelo qual Natasha foi tão gentil com Alexis. Natasha, ou Professor Um, deve estar exultante com a oportunidade de estudar uma elfa negra. Eu terei trabalho em evitar que ela incomode Zoltar.

Eu tenho que começar o roteiro, então vamos lá. Cenário: Academia Honnouji. Ou melhor, o que sobrou dela. Alunos e professores vagueiam pelas ruínas, pensando no que fazer. Meu processo criativo é interrompido pelo toque do meu smartphone. Eu olho o identificador de chamada. Quem me liga é Ryuko chan.

– Oi, D-kun. Leu meu e-mail?

– Oi, Ryuko chan. Sim, eu li.

– Gostou do anexo que enviei?

– Eu gostei muito, embora eu tenha que guardar em uma pasta particular protegida por senha. O ser humano está ficando mais sensível e careta com imagens desse tipo.

– Ah, que se danem. No fundo toda mulher gosta e se empodera quando sabe que é atraente, feminina e sensual. Desde que a humanidade existe o corpo feminino é utilizado como símbolo da fertilidade, fecundidade e abundância da Natureza. Só imbecis ficam escandalizados com a nudez de algo tão belo, normal, natural e saudável quando a nudez de um corpo feminino. Eu aposto até que você está todo “ligadão” só de pensar em meu corpinho, certo? Certo, eu posso ouvir sua respiração acelerada. Então, está escrevendo o roteiro? Se estiver empacado, eu e Satsuki escrevemos a primeira cena. Vem para cá e vamos fazer uma dinâmica?

Evidente que eu concordo. Minhas leitoras devem estar revoltadas por eu estar colocando isso como um diálogo de Ryuko chan. Ou podem muito bem estar tendo fantasias também. Eu desligo o smartphone e o computador, pego meu carro e vou direto para a residência dos Matoi. Kiryuin sama está com uma petição no tribunal para mudar o sobrenome dela de Kiryuin para Matoi. Isso talvez possa ser usado no roteiro, a mudança de nome como forma de anular de vez a existência de Ragyo. Mitsuzo Soroi é quem vem me atender na porta.

– Ahem. Boa tarde, jovem. Em que nós podemos te ajudar?

– Oi, eu vim falar com Ryuko chan.

– Hmm… eu vou ver se Matoi sama está disponível para recebe-lo. A quem eu devo anunciar?

– D-kun? É você?

Ryuko chan desce as escadarias correndo, vestindo apenas um pijama que mal disfarça suas generosas curvas e atropela o pobre mordomo, me puxando para dentro.

– Hei, seu pinguim chato, D-kun é praticamente da família ouviu? Venha, venha, tome o desjejum conosco.

Ao entrar na espaçosa cozinha, eu vejo Ira e Mako dividindo os equipamentos, como um casal casado, cheio de beijos, abraços e juras de amor. Na enorme mesa, Kiryuin sama fica espantada e envergonhada quando se depara comigo e tenta puxar as lapelas de seu robe, como se fosse possível esconder algo detrás daquela seda fina.

– Bom dia, pessoal. Desculpe por minha invasão. Eu fu praticamente puxado por Ryuko chan.

– Não tem problema, Llyffant san. Afinal, o senhor é o padrinho de nosso casamento.

– Gamagori san? Mankanshoku san? Finalmente!

– Fui eu quem pediu. Esse gorila é enorme e forte, mas é fraco quando o assunto é expressar o sentimento.

– Mako chan, meu amor, minha única fraqueza é meu amor por você.

– Awwww…

– Vão para o quarto, vocês dois. Eu e Satsuki temos que conversar com D-kun.

Ira e Mako vão alegremente para os quartos nos andares acima e, apesar da distância, nós podíamos ouvi-los.

– Ignore esses exagerados. Eu e Satsuki bolamos a primeira cena. Pronta para encenar, irmã?

– S… sim… eu acho que sim…

– Ela está envergonhada e constrangida por estar semidespida diante de você. Como se ela não tivesse feito isso antes.

– Ryuko chan… eu te expliquei… é complicado… aquilo foi encenação…

– E no final, você ficou apaixonada por ele, como eu. Se não consegue lidar com o que sente, então encene, ora bolas.

Eu prometo que começarei o roteiro no próximo episódio. A cena inicial consiste em Ryuko chan e Kiryuin sama em meio às ruínas da Academia Honnouji decidindo o que farão a seguir, agora que derrotaram Ragyo.

Depois do ultimo episódio

Depois de quatro dias merecidos de folga por causa da Páscoa [benefício de ser funcionário púbico estadual] eu estou tentando escrever um roteiro quando eu me deparo com Zoltar, quase irreconhecível, barbado, pálido, mais velho e com olheiras.

– Ah, enfim te achei. Não é fácil te encontrar, escriba.

– Zoltar… há quanto tempo! Como você está?

– Como você acha que eu estou? Você me colocou na estória da Universidade dos Vilões com a Alexis. Nós participamos da estória como colegas de teatro, mas acabamos nos envolvendo.

– Eu fico feliz em saber que você e a Alexis estão juntos.

– Eu leio seus textos quando eu visito a Sociedade e você cria estórias imaginando realidades alternativas envolvendo personagens de anime. Você parece preocupado em saber o que acontece com esses personagens quando termina o anime, mas não pensou em mim?

– Hã… agora eu não entendi, Zoltar. Quando eu escrevi sua estória, você tinha deixado bem claro que seria o maior vilão de Cartoonland.

– Eu sou o maior vilão de Cartoonland. Eu explodi aquela espelunca chamada de Universidade dos Vilões. Mas eu só consigo papéis em suas estórias. Os demais escritores e estúdios evitam sequer minha visita.

– Você está querendo mais um roteiro em uma de minhas estórias?

– Eu estou precisando e você me deve essa.

– Hã… eu te devo?

– Esqueceu que você praticamente me atirou nos braços de Alexis? Pelos Deuses das Trevas… eu vou ser pai! Eu preciso trabalhar, sustentar essa criatura.

– Ah! Entendo. Você e Alexis se envolveram a este nível. Mas eu apenas sugeri que vocês tinham um relacionamento.

– Você viu a Alexis. O que achou que aconteceria comigo? Pelo Caos, meu coração negro virou carvão em brasa por aquele belo corpo. Depois que acabou a estória nós ficamos… assim… olhando um para o outro… pensando no que fazer… acabamos fazendo.

– Eu imagino onde pode estar minha culpa por vocês serem perfeitamente saudáveis e terem sentido atração mútua e terem tido relações sexuais, normal e natural como deve ser.

– Você nos colocou na estória para contracenar, portanto, reconheça a responsabilidade.

– Tudo bem, eu não vou discutir com você, mesmo porque eu gosto muito da Alexis. Mas só o que eu tenho agora é um esboço, menos que isso, uma ideia, de roteiro, evidente uma realidade alternativa, contando o que aconteceu na Academia Honnouji depois que Ragyo Kiryuin morreu em combate com as próprias filhas.

– Eu aceito. Eu não me importo de fazer o papel estereotipado de vilão.

– Eu acho que consigo falar com Ryuko chan sobre sua oferta, mas para estar em minhas estórias, você tem que ser membro da Sociedade.

– Ahem… que isso fique entre nós, oquei? Aqui está meu certificado de filiação.

Eu seguro o riso, pois Zoltar está gracioso envergonhado, segurando um papel requintado, decorado com filigranas e letras feitas a bico de pena. O documento é original e fidedigno. Está assinado pela Natasha, Itsuka e Kate.

– Então… não eram “apenas” visitas, hem?

– Por favor… isso é constrangedor. Mesmo que Kate seja uma Deusa, ela não me impressiona.

– Eu imagino. Afinal, você é uma criatura cuja existência é capaz de olhar o Caos nos olhos. Deve ter sido difícil para você jurar lealdade para Kate.

– Eu não me importo. Isso é um mero detalhe.

– Você realmente ama Alexis. Tome, este é o esboço do roteiro. Leia, anote, comente, acrescente. Eu gosto que meus atores e atrizes contribuam para a estória.

– Pode deixar.

– Ah, sim, antes de ir, deixe seu endereço. Eu gostaria muito de te visitar e de rever Alexis.

– Oquei… eu acho que eu posso… agendar alguma coisa. Nos vemos na Sociedade.

Quando Zoltar desaparece no meio da multidão eu ligo para Ryuko chan para dar as novidades.

– Ryuko chan?

– Oi, Durak! Como vai você? Eu estou com saudades!

– Eu também sinto saudades suas, Ryuko chan. Eu estou te ligando exatamente para dar um bom motivo para diminuirmos essa saudade. Eu tenho um roteiro para falar da Academia Honnouji e do que aconteceu depois que você e Kiryuin derrotaram Ragyo.

– Satsuki chan vai ficar feliz. Ela só está um pouco triste porque você ainda a chama pelo honorífico enquanto me chama pelo primeiro nome.

– Eu falo com ela. Eu sou antiquado, sabe? Eu acredito nesse respeito típico do mundo dos animes onde as pessoas usam o honorífico para conversarem. Se Kiryuin sama me permitir, eu irei chama-la pelo primeiro nome, combinado?

– Haha! Combinado! Você é um ocidental otaku mesmo! Beijos, te vejo daqui a pouco!

A voz de Ryuko chan me tranquiliza. A Sociedade está cheia hoje, membros de diversos lugares e dimensões se abarrotam pelos curtos corredores. Tudo por causa da Páscoa. Afinal, Kate, ou Vênus/Ishtar/Afrodite, como ela uma vez foi conhecida, tem muito trabalho para fazer nesta época do ano. Eu trombo com Natasha no corredor.

– Ah, que sorte! Eu achei você, Durak. Venha, nós precisamos de sua ajuda.

Eu sou praticamente jogado dentro de um dos muitos laboratórios da Natasha que, agora, conta com a Gill e a Riley como assistentes.

– Assistente Kurage, assistente Marlow, eu consegui o nosso espécime para a nossa experiência. Calibrem os equipamentos.

– Se… senhor escriba…

– Oi, Gill.

– De… desculpe, mas eu tenho que amarrá-lo nessa maca.

– Está tudo bem. Que bom que vocês conseguiram uma função na Sociedade.

– Ah, eu não perderia a oportunidade de estudar estas jovens. Física e mentalmente, ambas são um desafio.

– Mesmo? Conhecendo-as como eu as conheço, eu diria que Gill foi arrastada para cá pela Riley.

– Dessa vez errou, senhor escriba. Gill é quem me arrastou para cá. Ela parecia bastante animada com as pesquisas da Professor Um a respeito dos diferentes processos de maturidade e sexualidade entre os indivíduos. Ela está realmente interessada em dar uma base científica pelo seu tesão pelo professor dela!

– Na… não é verdade! Eu… eu.. respeito e tenho enorme consideração pelo sensei Ornellas!

– Haha! Gill, você é uma versão mirim e feminina do escriba! Você é praticamente a Lolita que ainda resiste a admitir que é sexualmente atraída por homens mais velhos!

– Me… mentira! Isso é vergonhoso! O senhor Ornella é meu sensei! Eu sou apenas uma estudante! Não é possível que ele sinta atração por mim!

– A questão aqui é você admitir que sente isso e ser capaz de perceber que está sexualmente madura para este contato carnal com seu sensei, assistente Kurage. Terminou com os procedimentos com Durak?

– Sim… senhora.

– Eu não consigo evitar me sentir muito velha quando você diz isso, assistente Kurage. Muito bem, pessoal, coloquem as proteções. Eu começarei a exposição.

– Eh… Natasha… eu vou ser exposto a quê?

Natasha dá um sorriso cínico e sádico e liga um equipamento que transmite para uma tela uma imagem… melhor dizendo… uma transmissão. Vênus estava em seu zênite, espalhando amor por toda Gaia. Ver Kate em sua forma verdadeira sempre me provocou efeitos, digamos, explícitos. As grossas tiras de couro não conseguem resistir quando meu corpo começa a tomar a forma do Senhor da Floresta. Em poucos minutos, as paredes do laboratório não são suficientes para conter meu corpo. Kate percebe que eu despertei e sorri com satisfação.

– Perfeito! Excelente! Venera sama, sua vez!

– Oi, Durak. Como pode ver, eu estou ocupada. Mas a Professor Um quer fazer alguns testes em sua forma feral, então colabore.

– Natasha, afinal, qual é o teste ou experiência que quer fazer comigo?

– Na verdade, Durak, eu gostaria de testar a potência de sua forma feral. Minhas assistentes estão prontas e dispostas. Eu sou capaz de apostar que a Riley consegue domar e cavalgar sua forma feral. Depois a Gill pode tentar o segundo round.

– Por mim, tudo bem! Enfim, alguma ação! Minha força natural contra sua força feral. Eu também tenho curiosidade de saber se eu consigo dar conta disso tudo.

– Riley! Isso é… vergonhoso! O que você vai fazer com o senhor escriba nessa forma feral?

– Não fique preocupada, Gill. Eu vou deixar um pouquinho para você.

Riley é definitivamente impressionante e assustadora. Ela, em sua forma natural e eu em minha forma feral. O mundo sacudiu inteiro.

Evangelho de Babalon – Desvelada

A lua cheia de abril marca em muitos povos antigos uma celebração com único proposito que é festejar o começo do ano, o começo do trabalho no campo, a estação da primavera. Para nós que vivemos em um país tropical, no hemisfério sul e regidos pelo Cruzeiro do Sul, parece que está tudo invertido, mas somos nós que estamos de “cabeça para baixo”. Mesmo assim nós mantemos em pleno outono, por nossas raízes culturais e religiosas, um feriado religioso cuja origem remonta a Antiguidade.

– Ainda está chateado, escriba?

Uma mulher deslumbrante de cabelos prateados e olhos vermelhos começa a conversar comigo enquanto eu estou no ônibus em direção ao serviço.

– Venera sama?

– Pode me chamar de Kate. Eu achei melhor tomar uma forma mais adequada para este mundo, eu não quero que você seja linchado somente por reconhecer e admitir o absurdo dos tabus dessa sociedade.

– Perdoe minha ousadia e curiosidade em perguntar, Kate, por que veio ao mundo humano?

– Você sabe como é chato ser Deusa! Além do que é mais divertido estar entre vocês.

– Eu posso declarar que domingo é seu dia?

– Adianta alguma coisa dizer que o Natal é o dia do meu Consorte?

– Não… e o engraçado é que até tem cristãos que confirmam isto apenas para criticar o Catolicismo sem que se deem conta que mesmo Cristo não é este que eles acreditam ser.

– Eu deixei tantos sinais e indícios, mas só se atêm ao valor literal das palavras.

– Eu diria que você foi bem explicita ao se identificar como a Estrela da Manhã.

– Isso também ficou mal compreendido. Sua gente não vai conseguir perceber que Vênus e Lúcifer são a mesma divindade.

– Este é o ensinamento original quando esteve entre nós como Cristo?

– Entre outros títulos e honoríficos com os quais sua gente me nomeava, para ocultar meu nome dos profanos. Eu cheguei à conclusão que não me serve mais escolher quem recite meu Conhecimento, nem separar o profano do iniciado. Eu sinto que eu deva falar diretamente com toda sua gente.

– Eu acho que o ser humano não está preparado para ver-vos em vossa plenitude.

– Infelizmente não há outro meio. Vai ser interessante e engraçado ver os governos, as sociedades e as crenças ruírem.

– Isso é… caótico.

– Na perspectiva do divino, vocês estão vivendo em um estado caótico. Tudo bem, vocês são teimosos e turrões, vão ficar perdidos e em choque, mas rapidamente se adaptarão. Esta é a maior qualidade do ser humano, sua incrível capacidade de se adaptar.

– Mas nós temos também o péssimo hábito de nos mantermos arraigados aos nossos medos e preconceitos.

– Efeitos da ignorância. Que se desmanchará diante da Luz.

– Ainda há um grande obstáculo. Minha gente acredita que Vênus é uma Deusa do Amor e Lúcifer é um Diabo do Conhecimento.

– Apesar de eu dizer tantas vezes que Amor, Luz e Conhecimento não estão separados? Aliás, para ser sincera, eu fico contrariada quando sua gente ainda fala no Diabo enquanto adora um Deus fajuto.

– Minha gente sequer entendeu a metáfora iniciática no Mito da Queda do Homem.

– Sua gente sequer entendeu a metáfora iniciática que está nos Evangelhos.

– Que tal tentar com algo menos complexo? Por exemplo, por que a senhora aceitou figurar como um personagem de anime na série Sekai Seifuku Bouryaku no Zvezda?

– Você se apaixonou por mim não é mesmo? Você percebeu a sutileza do autor do anime, eu esperava que sua gente tivesse essa percepção. Uma animação engraçada que fala de uma garota de oito anos e seus planos de dominação mundial por intermédio de uma sociedade secreta. O ocidental vive tendo pesadelos e teorias de conspiração sobre a Nova Ordem Mundial, Governo Mundial Oculto, mas riu dessa comédia. Vocês são, realmente, intrigantes.

– O humor é uma ferramenta iniciática?

– A existência de vocês neste mundo é uma ferramenta iniciática. Parece bastante simples e evidente, mas vocês gostam de complicar. Eu tive que vir, nascer e viver entre vocês, em diversas formas e nomes, para lembra-los de que vocês tem a fagulha divina. Vocês nunca precisaram de crenças, religiões, templos, sacerdotes ou textos sagrados, porque eu habito dentro de cada um de vocês. Eu estou bem diante de vocês, ao redor de vocês e eventualmente me ouvirão pelas palavras dos mais simples ou em conversas frugais. Todo e qualquer sistema de crença é morte, é escravidão. Eu os criei para que vivessem livres. Eu os projetei para que cumprissem com o propósito de suas existências que é o de serem Deuses e voltar a conviver no seu lar verdadeiro.

– Ainda deve ser confuso ao profano de como Amor e Conhecimento podem ser uma coisa só.

– Ah… vocês ainda devem acreditar nesse outro tipo de crença, o Ateísmo, onde sacerdotes da matéria e os monges da razão entoam litanias para a Ciência, piedosamente apregoando um universo estéril e asséptico como os laboratórios de onde eles extraem a “divina revelação” da verdade. Apolo, meu tio e irmão, certamente aplaude, mas a existência, a vida, envolve coisas carnais. Não há Conhecimento ou Iluminação possíveis sem que haja carne, sem que haja corpo. Então o corpo deveria ser igualmente uma ferramenta que os conduza ao Conhecimento e a Verdade. Os cinco círculos do Caminho das Sombras versam exatamente sobre usar o corpo, o desejo e o prazer como vias de autoconhecimento, transcendência e iluminação. Então eu acho que fica evidente a conexão entre Conhecimento e Amor. Eu digo mais, há tal necessidade de refinamento e arte no Amor, que as técnicas de Eros e Afrodite constituem um Conhecimento.

– Meus leitores devem pensar que eu sou apenas um bruxo tarado que inventa sistemas mágicos e ensinamentos esotéricos para justificar e explicar minhas perversões.

– Você fala isso como se isso fosse ruim. O que são os padres, sacerdotes ou lideres religiosos senão um bando de pervertidos? Cada um escolhe seu objeto ou corpo de prazer. Eu vou omitir sua preferência para evitar escândalo, mas acredite, eu gosto de você pela coragem e sinceridade em expressar suas taras.

– Eu fico feliz em saber disso. Mas porque você está aqui comigo?

– Ora, daqui a pouco será a Páscoa, uma péssima imitação do Pessach. Os americanos chamam de Easter, o que tem mais a ver comigo. Para celebrar o que antigamente era chamada de Ostara pelos seus ancestrais, eu preparei uma surpresa para você, em agradecimento por tudo que tem feito.

Kate virou para frente e ficou com um sorriso enigmático o restante do trajeto. Eu percebi que tinha algo de estranho acontecendo em minha casa, era possível ouvir, ainda que abafado, sussurros e risinhos. Eu abri o portão e depois eu abri a porta. As luzes da sala foram acesas e todos gritaram surpresa. Todas as minhas garotas estavam ali, vestidas de coelhinha. Quando eu me virei para agradecer Kate pela surpresa, ela tinha sumido.

– Não se preocupe, escriba. A Deusa volta daqui a pouco. Ela foi se preparar para o seu presente de Páscoa.

Eu nem perguntei onde foi parar minha esposa. O bar que fica ao lado estava fechado e os vizinhos estavam ausentes. Eu aceitei a cerveja que Riley me trouxe e fui aproveitando a festa. Eu não sei se foi Osmar ou Leila quem anunciou, afinal são gêmeos transgêneros idênticos. Alguém apagou as luzes e, pelas luzes das lanternas dos celulares, eu vi o presente para a Páscoa. Kate estava inteira coberta com chocolate [pintura corporal], orelhas e rabinho de coelho e uma fita de cetim envolvendo seu corpo.

– Feliz Páscoa, feliz Ostara, escriba. Pode vir, abrir e “comer” o seu presente.